Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Carreira

Trate bem o estagiário da sua empresa. Ele pode ser o próximo presidente

Com paciência e atitude, executivos mostram como é possível construir uma carreira do estágio à presidência

  • Giorgio Dal Molin especial para a Gazeta do Povo
Quando o estagiário vira o presidente da empresa. Na foto, o presidente da Volvo Buses , Fabiano Todeschini, e o chefe de RH da mesma empresa, Ricardo Nanami. | Jonathan Campos
Quando o estagiário vira o presidente da empresa. Na foto, o presidente da Volvo Buses , Fabiano Todeschini, e o chefe de RH da mesma empresa, Ricardo Nanami. Jonathan Campos
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Não importa o tamanho da empresa: um estagiário pode, sim, chegar a cargos executivos e ocupar, até mesmo, a cadeira de presidente de uma organização. Exemplos como o da multinacional sueca Volvo, localizada na Cidade Industrial de Curitiba, estão aí para provar que é possível construir uma carreira na mesma empresa, do estágio à presidência.

Veja as dicas de quem começou como estagiário e chegou ao alto escalão

A diretoria de RH da corporação estima que aproximadamente metade dos seus executivos no Brasil começou a carreira na companhia. Muitos ainda estão na faixa dos 40 anos, como Fabiano Todeschini, presidente da Volvo Buses (divisão de ônibus), Gabriel Basalini, presidente da área de motores, e o CEO para a América Latina, Wilson Lirmann.

Para Fabiano, o comprometimento inicial pode ajudar na evolução de carreira. Após concluir curso técnico em Mecânica, fez graduação em Administração de Empresas e, no 2.º ano do curso, em 1996, conseguiu estágio na Volvo. “Fiquei um ano e meio [estagiando] até abrir uma vaga de comprador de logística”, recorda.

Siga a Gazeta do Povo no Linkedin

“Quando se é estagiário, precisa ter atitude de funcionário. Quando analista, atitude de coordenador. Sempre busque um nível acima de entrega”, diz Todeschini.

No processo seletivo, ele tinha o diferencial do idioma inglês e do conhecimento da organização. Foi escolhido e assumiu um compromisso: aprender espanhol às próprias custas para continuar crescendo profissionalmente. Para ele, a busca contínua pelo aprendizado foi essencial para novas promoções. “Eu me metia em tudo. Quando era analista de logística e meu chefe viajava, fazia coisas que não eram da minha função”, conta.

LEIA MAIS sobre Carreira

Melhores MBAs do Brasil em 2017: como encontrar uma boa escola de negócios?

Bônus, ações e carros: veja os benefícios recebidos por executivos mesmo na crise

Tanto interesse fez com que três anos após estagiar, com apenas 26 anos, recebesse o convite para abrir uma operação da Volvo na Argentina. “Não pensei duas vezes”, diz. Ele conquistava, assim, seu primeiro cargo executivo. Desde então, o crescimento até a direção foi apenas uma consequência. Hoje, com 42 anos, ele dá a dica para quem quer seguir os mesmos passos que os seus:

“Quando se é estagiário, precisa ter atitude de funcionário. Quando analista, atitude de coordenador. Sempre busque um nível acima de entrega”, resume.

Da informática ao RH

Ricardo Nanami também começou jovem na Volvo, aos 16 anos, quando fazia curso técnico de processamento de dados. “Era um estágio obrigatório de 3 a 6 meses. Fiquei mais de um ano, sendo efetivado antes de entrar na faculdade”, afirma. Hoje, aos 39 anos, já é Diretor de RH. Para ele, o segredo é a vivência prática.

“Lembro que meu primeiro chefe perguntou por que eu questionava tudo. Eu queria entender o que a empresa precisava, mesmo que fosse apenas um estágio de simples nível técnico. Quando efetivado, passei por praticamente todas as áreas e atividades de RH. Aprendi no dia a dia”, destaca.

Para o executivo, “o conhecimento pode ser adquirido, as habilidades podem ser treinadas, mas as atitudes precisam ser demonstradas. Por isso, se o estagiário quer demonstrar algo, que seja a atitude”.

Patrícia Quaringhi, diretora de atração de talentos da Cetefe Recursos Humanos – responsável pela triagem de estagiários de empresas como O Boticário e J.Mallucelli – vai além e recomenda seguir algumas regras básicas. “Um alerta para a geração mais jovem é manter a postura e, logo no começo, entender a hierarquia da empresa. Parece algo batido, mas a apresentação pessoal conta muito, da vestimenta ao cabelo limpo”, explica.

Atualmente em cargo de direção da Cetefe, Patrícia conta também ter começado como estagiária na empresa há 16 anos. “Sempre respeitei prazos e clientes. Ainda no estágio, sugeri um novo modelo de projeto seletivo”, conta. A demonstração de interesse foi fundamental para ganhar a confiança do presidente da companhia, Rodrigo Moscalewski.

Empresa pode ser privada, pública ou de economia mista, estagiar faz a diferença

Vlademir Daleffe se aposentou em 2015 como presidente da Copel Distribuição. Ainda em 1984, era estagiário quando, um ano depois, abriu o primeiro concurso público da empresa. Ainda que não estivesse formado, estagiários poderiam concorrer ao cargo de engenheiro eletricista, contando que ao assumir o posto estivessem formados.

“Acabei passando e, como já havia feito estágio na área técnica, me ofereceram uma vaga de supervisor de equipes em Cascavel seis meses após começar o trabalho como concursado. Com apenas 23 anos, coordenava mais de 60 subordinados. Acho que não tinha alguém mais novo que eu”, conta.

Ao longo da carreira, Daleffe foi transferido, assumiu cargos como gerente regional, superintendente, diretor até chegar à presidência e optar pela aposentadoria aos 53 anos – mais de 30 deles dedicados à empresa, graças ao estágio.

“Estagiar despertou meu interesse em trabalhar na Copel. Quando comecei, não havia previsão de concurso e, mesmo assim, nunca faltei nem cheguei um dia atrasado ou levei material de estudos para o trabalho. Essa passagem seguramente acabou me ajudando: como tive uma educação e formação diferenciada, isso pesou para a minha primeira promoção”, finaliza.

Durante a carreira, a empresa ainda apostou no conhecimento do funcionário, que fez pós-graduações e cursos executivos no exterior, como Estados Unidos e Japão. Esse reconhecimento, segundo ele, foi consequência de uma motivação que começou ainda quando estagiário: buscar fazer o que gosta sem esperar algo em troca.

Manual do estagiário

Profissionais de RH e executivos fazem um alerta para as gerações que estão começando no mercado de trabalho: é preciso calma. Abaixo quatro especialistas dão dicas aos jovens:

“Não somos uma peça de um jogo em que o dinheiro vai apenas para acionistas. Os estagiários que eu mais sinto quando o contrato termina são aqueles que cuidam das atividades como se fossem os donos do próprio negócio. As organizações têm seu tempo e ninguém se torna presidente em dois anos”, Fabiano Todeschini, presidente da Volvo Buses.

“O jovem precisa fazer o que gosta sem criar a expectativa de sempre esperar algo em troca. O mercado de trabalho é um funil estreito, em que nem sempre os melhores chegam à presidência, mas qualquer empresa pode trazer grandes oportunidades. Sempre tive respeito por todos, principalmente com os mais humildes, para manter as portas abertas. Assim, a chance de sucesso é muito maior”, Vlademir Daleffe, presidente aposentado da Copel Distribuidora.

“A nova geração tem muito a agregar. É estudada e traz muitas habilidades de tecnologia. Contudo, é preciso manter o interesse por novos conhecimentos e pela implementação de ideias. O lado empreendedor pode ser levado para dentro das empresas”, Patrícia Quaringhi, diretora de atração de talentos da Cetefe RH.

“Para contratar um estagiário, busco aderência à cultura da organização, e um dos itens que mais valorizamos é a autonomia para desenvolver diferentes projetos e atividades. Somente com muito suor e dedicação é possível conquistar uma posição executiva. É como uma maratona: exige persistência, sem fragilizar por percalços”, Ricardo Nanami, Diretor de RH da Volvo.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

  1. Interior do Jade, caixa semi-automático que acelera o checkout no Condor da Nilo Peçanha, em Curitiba | Jonathan Campos/Gazeta do Povo

    novidade

    Conheça a super esteira do Condor que passa as compras até cinco vezes mais rápido

  2. No total, R$ 16,5 bilhões serão destinados para o pagamento do abono salarial do PIS/Pasep no calendário 2017/18. | Foto: Marcos Santos/ USP Imagens/Fotos Públicas

    Finanças

    Governo paga 4.º lote do abono salarial nesta quinta (19)

  3.  | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

    APOSENTADORIA

    Em troca de reforma na Previdência, militares terão benefícios perdidos de volta

PUBLICIDADE