Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Negócios

Shell e Toyota contrariam a Tesla se unem para promover carros a hidrogênio

Petroleira vai construir postos para abastecer veículos a hidrogênio na Califórnia

  • Bloomberg
 | Tomohiro Ohsumi/Bloomberg
Tomohiro Ohsumi/Bloomberg
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A Shell vai construir sete postos de abastecimento para carros movidos a hidrogênio na Califórnia em uma parceria com a Toyota, estabelecendo a sua mais recente aposta no desaparecimento do motor de combustão interna.

Os postos deixarão o estado americano mais perto da meta de ter 100 locais de abastecimento até 2024. A Comissão de Energia da Califórnia está considerando dar US$ 16,4 milhões em subsídios para as estações, com a Shell e a Toyota contribuindo com US$ 11,4 milhões.

A Toyota conta com o hidrogênio para se livrar de sua linha de motores tradicionais em 2050. A falta de infraestrutura de reabastecimento é um grande obstáculo para os carros de emissões zero conquistarem os consumidores – a Califórnia tem apenas 25 estações agora.

A Shell também está criando uma estratégia para se livrar do petróleo. A demanda pode atingir o pico em apenas cinco anos, disse o diretor financeiro Simon Henry em novembro. A companhia opera seis estações de hidrogênio – quatro na Alemanha e duas na região de Los Angeles – e abrirá uma sétima perto do aeroporto Heathrow, em Londres, ainda este mês.

“A Shell quer estar na vanguarda dessa tecnologia”, disse Oliver Bishop, gerente geral de hidrogênio. A complexidade de produzir, armazenar e entregar o combustível requer “o apoio de governos e de empresas de automóveis como a Toyota para fazê-lo funcionar”.

A Califórnia tem as regras ambientais mais rigorosas nos EUA e metas para a circulação de veículos de emissão zero, tornando-se o local natural para a Shell e a Toyota se unirem nos EUA. Embora a administração Trump tenha indicado que pode enfraquecer as regras ambientais, a Califórnia está alinhada com países da Europa e da Ásia. A Shell pertence a um consórcio apoiado pelo governo alemão, visando a construção de 400 estações até 2023. Tóquio planeja gastar 45,2 bilhões de ienes (US$ 400 milhões) em subsídios de veículos e estações de hidrogênio até os Jogos Olímpicos de 2020.

Para a Toyota, não há dúvidas de que os carros queimando combustíveis fósseis serão evitados ou até mesmo proibidos em poucas décadas, e que a alternativa em que trabalham há 25 anos estará pronta até lá.

“Quando não for permitido mais o uso de combustíveis fósseis, o hidrogênio se tornará uma das principais fontes de combustível”, disse Kiyotaka Ise, presidente da Toyota de pesquisa avançada e desenvolvimento e engenharia.

A aposta do fabricante de automóveis é que as pessoas vão preferir carros como o Mirai – “o futuro” em japonês – em vez de modelos elétricos plug-in (carregados na tomada). O Mirai movido a hidrogênio tem um alcance superior e pode ser abastecido em até três minutos – não envolve longas horas de abastecimento. Ele expele apenas vapor d’água pelo escapamento.

Quatro empresas devem vender veículos movidos por células de combustível neste ano na Califórnia: Toyota, Honda, Hyundai e Daimler. Enquanto a Toyota tornou os híbridos comuns, a indústria está enfrentando pressão por mais produtos de emissão zero de governos que veem a poluição como uma ameaça. Carros totalmente elétricos também estão despertando interesse.

Paris, por exemplo, introduziu regras para proibir todos os veículos, com exceção de emissões zero ou mais novos de baixa emissão, das ruas até 2020. A China estabeleceu um objetivo de 3 milhões de unidades serem vendidas anualmente até 2025, um aumento de seis vezes em relação ao ano passado.

Os veículos de célula de combustível estão ainda em sua infância em termos de produção comercial, dois anos após o Mirai de Toyota entrar no mercado. Mas o potencial retorno da aposta da Toyota é enorme, disse Larry Burns, executivos de pesquisa e desenvolvimento aposentado da GM.

A fabricante de automóveis japonesa está buscando o tipo de vantagem competitiva decisiva que obteve com o Prius híbrido que estreou há 20 anos. “Esta não é uma transição linear, é disruptiva”, disse Burns.

Os planos da Toyota são vender 10 vezes mais carros a hidrogênio em 2020 do que os 3 mil previstos para este ano. Em 2025, a Toyota calcula que será capaz de vendê-los pelo preço que cobra pelos híbridos – algo em torno de US $ 35 mil, aproximadamente o mesmo que o Tesla Modelo 3, disse Keith Wipke, gerente de programa de célula de combustível no Laboratório Nacional de Energia Renovável em Golden, Colorado.

Os céticos dos veículos movidos a hidrogênio têm uma série de argumentos. Para começar, a palavra “hidrogênio” pode evocar memórias do Hindenberg, o dirigível que pegou fogo em Nova Jersey em 1937 e matou 36 pessoas, ou a bomba H, um precursor do que os EUA jogaram no Japão para terminar a Segunda Guerra Mundial.

A resposta das forças pró-hidrogênio: o elemento mais leve e mais comum no planeta é, de fato, altamente inflamável, mas os riscos são controláveis. “O hidrogênio é limpo, é flexível e tem muitas aplicações”, disse o Bispo de Shell.

Tesla

Elon Musk, chefe executivo de Tesla, não tem a mesma crença. Ele está apostando que as pessoas preferem comprar carros movidos a bateria e alimentá-los com painéis solares em casa. Musk afirma que é mais eficiente do que produzir, armazenar e transportar hidrogênio.

Musk pode estar ajudando sem querer a causa da Toyota. No início, a indústria do petróleo não estava convencida de que a transição para carros de emissão zero ocorreria. Então a Tesla obteve 373 mil encomendas de seu sedan Model 3 no ano passado, o que assustou as petroleiras, disse Katsuhiko Hirose, gerente geral do projeto Toyota.

Agora, algumas dessas empresas estão se unindo à Toyota. Total, Air Liquide, Linde e Shell estão entre as 13 empresas que no mês passado formaram um conselho global de hidrogênio. Elas investirão US$ 10,7 bilhões em produtos relacionados ao hidrogênio dentro de cinco anos.

Ainda há um longo caminho pela frente. A Toyota não divulga quanto está perdendo no Mirai, que é vendido por US $ 57.500 nos EUA, e só na Califórnia. Construir o carro é tão complicado que a linha de produção é desprovida de robôs. O carro tem dois tanques de hidrogênio envolvidos em fibra de carbono que são resistentes o suficiente para resistir a tiros de rifles.

Abaixo dos dois assentos dianteiros do Mirai, uma pilha de 370 células é envolvida cada uma em uma malha de titânio com 40 mil pequenos furos. Quando o hidrogênio e o oxigênio fluem através deles, a reação química cria água e eletricidade, a última das quais alimenta a bateria e o motor.

A Toyota começou a montar três Mirai por dia na unidade de Motomachi, perto de sua sede em Toyota City, no Japão. A produção aumentou até cerca de uma dúzia a cada 24 horas. As restrições de produção contribuíram para que a Toyota vendesse apenas 1.034 sedãs Mirai nos Estados Unidos no ano passado.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE