Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

story
Enkontra.com
PUBLICIDADE

crowdfunding

Startups miram em doações on-line

Financiamento coletivo de projetos sociais virou opção de negócios para empresários curitibanos, que penam para rentabilizar plataformas

Sergio Mainetti Jr., Luma Bonette e José Carlos de Lara Júnior, do CaridadX: startup que arrecada recursos para tratamentos médicos abriu mão de taxa sobre causas buscadas |
Sergio Mainetti Jr., Luma Bonette e José Carlos de Lara Júnior, do CaridadX: startup que arrecada recursos para tratamentos médicos abriu mão de taxa sobre causas buscadas
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Consolidado no exterior como uma opção rápida e sem burocracia para custear o desenvolvimento de produtos inovadores, o crowdfunding virou oportunidade de negócio para empresários curitibanos. Startups nascidas na cidade tentam utilizar o sistema de financiamento coletivo on-line para bancar projetos sociais e, no meio do caminho, tornar as plataformas rentáveis – tarefa que não tem sido nada fácil, visto a falta de confiança e familiaridade dos brasileiros com as arrecadações pela internet.

Em geral, os portais de crowdfunding se mantêm por meio da cobrança de uma taxa de 5% a 15% do total do projeto disponibilizado no site – valor que só fica com os desenvolvedores caso a meta de arrecadação seja atingida. No ar há três anos, o site curitibano ComeçAki (www.comecaki.com.br) já arrecadou mais de R$ 600 mil para 20 causas, valor que, segundo os fundadores, apenas pagou os custos do portal, que cobra 10% sobre cada projeto. Tanto que todos os cinco sócios atuam em outras empresas.

“Ao longo desses anos, acabamos colocando dinheiro no site pelo ideal que temos. Mas há uma grande dificuldade de angariar recursos para conseguir montar uma estrutura comercial real que tenha foco no negócio. Estamos em busca ainda de associados ou investidores-anjo que permitam uma injeção de capital na empresa”, afirma um dos sócios do ComeçAki, Eduardo Nicz.

Uma das causas postadas no site recentemente e que teve sucesso foi a construção de um anfiteatro para crianças em Piraquara. A meta era arrecadar R$ 55 mil, mas as doações pelo site somaram R$ 64,5 mil. Em outra ocasião, a plataforma arrecadou R$ 4,4 mil para bancar os custos de passagem, hospedagem e alimentação da carateca baiana Elaine Barreto, de 9 anos, para participar de um campeonato brasileiro da mobilidade no Pará – a garota fez jus à ajuda e conquistou a medalha de ouro na competição.

Barreira

A possibilidade de o doador contribuir para algo que não necessariamente é tangível – como um produto de tecnologia ou álbum de música – é tanto um dos atrativos dos sites de crowdfunding social como também um obstáculo para os desenvolvedores. O diretor da empresa Visionnaire, Sergio Mainetti Jr., se mobilizou para criar uma startup que coleta recursos para bancar tratamentos de saúde (leia texto ao lado). Até o momento, a empresa tem bancado o portal, mas Mainetti reconhece que a opção não pode perdurar para sempre. “Esse é o nosso maior dilema. Abrimos mão da taxa cobrada do valor dos projetos para incentivar mais causas, mas sabemos que teremos de parar com isso em algum momento”, afirma.

Site busca doações para tratamentos

O site curitibano CaridadX (www.caridadx.com.br) reúne causas postadas por usuários que buscam recursos para custear tratamentos de saúde, aparelhos médicos e remédios. A plataforma entrou no ar em janeiro deste ano e, até o momento, foram lançadas 21 causas, que chamaram a atenção de 2 mil usuários cadastrados. As doações já chegam a R$ 40 mil, apesar de que poucos projetos alcançaram de fato as metas estipuladas.

Neste caso, fracassar na mobilização não necessariamente é motivo de derrota. Ao contrário da maioria dos sites de crowdfunding, no CaridadX todo valor doado é repassado para a causa, mesmo que as doações não atinjam o limite estipulado. Há pessoas que receberam mesmo valores pequenos, de R$ 25 a R$ 300.

A manutenção e divulgação do site é feita pela publicitária Luma Bonette e o programador José Carlos de Lara Junior. Os dois jovens foram “adotados” pelos empresários Glauco Fürstenberger e Sergio Mainetti Jr, da empresa de desenvolvimento de software Visionnaire. O trabalho é praticamente voluntário: Luma atua em um escritório de advocacia, enquanto José Carlos dirige o site de casa, sem receber por enquanto nada por isso. Os dois reforçam que, no momento, o mais importante é o aprendizado e a oportunidade de terem sua própria startup. Tanto que a taxa de 5% de retorno para o site, em cima do valor total das causas, ainda não é cobrada.

“Vejo mais pelo lado da experiência, da oportunidade, de conseguir contatos”, afirma José Carlos.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE