Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Economia

Fechar
PUBLICIDADE

Operadora

Superintendente da Anatel cita reunião tensa com a TIM

"Eles acham que não deveriam ser punidos", disse o superintendente, acrescentando que a empresa tem direito a recorrer à Justiça, embora não tenha sinalizado essa intenção

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O superintendente de Serviços Privados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Bruno Ramos, afirmou nesta sexta-feira (2) que a reunião com a diretoria da TIM, na tarde da quinta-feira, foi "tensa". A empresa será obrigada a interromper as vendas e ativações de novos chips a partir de segunda-feira em 19 Estados por determinação da agência.

"Eles acham que não deveriam ser punidos", disse o superintendente, acrescentando que a empresa tem direito a recorrer à Justiça, embora não tenha sinalizado essa intenção no encontro.

Segundo Ramos, a diretoria da empresa pediu uma nova reunião com a área de fiscalização da Anatel na segunda-feira. A Claro, suspensa em três Estados, também se reuniu com a agência na quinta-feira. Ambas as empresas apresentaram a primeira versão do plano de investimentos exigido pela Anatel. Neste final de manhã, a diretoria da Oi está reunida com a agência.

O superintendente prevê reuniões diárias com as companhias na próxima semana, mas a liberação das vendas só ocorrerá depois que os planos sejam adaptados às determinações da agência. "Quando você apresenta um documento ao órgão regulador, as operadoras têm que estar alinhadas ao que queremos. Elas terão que fazer ajustes", declarou. Segundo Ramos, as empresas apresentaram planos de investimento anual, mas a agência exigiu que sejam mensais. Além disso, pediu mais detalhes dos dados sobre tempo e qualidade das chamadas.

A expectativa da Anatel é de que os investimentos a serem apresentados pelas empresas tenham efeito imediato na melhoria do atendimento aos consumidores nos call centers. Em relação às redes, a melhora será gradual, ao longo dos próximos dois anos, admitiu o superintendente.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais