PUBLICIDADE
Pnad

Taxa de desemprego caiu para 6,7%, mínima histórica

Número de desempregados despencou 19,3% no País, de 8,216 milhões em 2009, quando foi divulgada a última pesquisa, para 6,627 milhões em 2011

A taxa de desemprego atingiu a mínima histórica em 2011, 6,7%, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad). Essa taxa não é comparável à da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do mesmo instituto, que faz o levantamento apenas de seis regiões metropolitanas do País. Em 2011, a taxa de desemprego média da PME foi de 6%. A partir de 2014, a PME passa a ser substituída pela Pnad Contínua, com o levantamento nacional.

O número de desempregados despencou 19,3% no País, de 8,216 milhões em 2009, quando foi divulgada a última pesquisa, para 6,627 milhões em 2011. "De 2008 para 2009, houve um avanço grande na desocupação por causa da crise internacional. Por isso temos agora uma redução de 1,6 milhão de pessoas na desocupação", explicou Cimar Azeredo, gerente da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE.

A queda no número de desocupados alcançou dois dígitos em todas as regiões brasileiras na passagem de 2009 para 2011: Norte (-13 8%), Nordeste (-13,0%), Sul (-28,2%), Sudeste (-21,3%) e Centro-Oeste (-24,0%). "Essa queda grande (no número de desempregados) é por causa do aumento que teve lá atrás depois da crise", afirmou Maria Lucia Vieira, gerente da PNAD.

A taxa de desemprego também teve redução em todas as regiões do País no período: Norte (de 8,2% em 2009 para 6,9% em 2011), Nordeste (de 8,9% para 7,9%), Sul (de 5,9% para 4,3%), Sudeste (8,8% para 7,0%) e Centro-Oeste (de 7,7% para 5,8%). A taxa nacional de desemprego vinha recuando desde 2005, mas, com o advento da crise econômica externa, houve retração no número de vagas em 2009. A taxa de desemprego, que ficou em 7,1% em 2008, tinha aumentado para 8,2% naquele ano.

Outro avanço no mercado de trabalho foi o salto na formalização do emprego. O número de pessoas ocupadas com carteira assinada no setor privado subiu 11,8% em 2011 ante 2009, o equivalente a 3,6 milhões de novos empregos formais. O contingente de trabalhadores com carteira foi estimado em 33,9 milhões, uma fatia de 74,6% dos empregados do setor privado (contra 70,2% verificados em 2009).

PUBLICIDADE
    • SELECIONADO PELO EDITOR
    • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
    • QUEM MAIS COMENTOU
    Assine a Gazeta do Povo
    • A Cobertura Mais Completa
      Gazeta do Povo

      A Cobertura Mais Completa

      Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

      Tudo isso por apenas

      12x de
      R$49,90

      Assine agora!
    • Experimente o Digital de Graça
      Gazeta do Povo

      Experimente o Digital de Graça!

      Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

      Após o período teste,
      você paga apenas

      R$29,90
      por mês!

      Quero Experimentar
    VOLTAR AO TOPO