Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

série

“É como se fosse legalizado”: o uso de drogas nas universidades do Sudeste

Em universidades do Rio, de São Paulo e Minas, as substâncias ilícitas consumidas vão além da maconha

  • Daiana Constantino e Murilo Basso
Cigarro de maconha na USP: cena comum | Ricardo Matsukawa
Cigarro de maconha na USP: cena comum Ricardo Matsukawa
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Universitários consumem drogas com mais frequência e intensidade do que os demais grupos da população brasileira. Para além do senso comum, este é um fato confirmado pelos dados.  

Levantamento Nacional sobre o Uso de Álcool, Tabaco e Outras Drogas entre Universitários das 27 Capitais Brasileiras mostrou que 48,7% dos estudantes já usaram drogas ilícitas como maconha, cocaína e ecstasy - o índice é mais que o dobro da média da população brasileira. A frequência também é maior: 26% relatam o uso de múltiplas drogas em um ano. Olhando a frieza dos números, não é surpresa que os próprios campi universitários tenham se tornado um reduto em que o consumo de drogas ocorra livremente. 

Na terceira reportagem da série sobre o consumo de drogas em universidades públicas brasileiras, a Gazeta do Povo mostra a situação em algumas das principais instituições do Sudeste.

Aconselhamento

O Padre Danival Milagres Coelho desenvolve um trabalho de orientação espiritual para usuários de drogas na região de Ouro Preto (MG). Embora o projeto não seja voltado apenas para os estudantes, os alunos da Universidade Federal de Ouro Preto constituem parte do público atendido.

“Já acompanhei casos que exigiram um acompanhamento tão intenso que foi preciso aconselhar o jovem a trancar a matrícula, deixar a graduação e focar em recuperar a saúde antes de dar continuidade aos estudos”, diz.

A 630 quilômetros dali, no campus da Unicamp, o consumo ocorre diariamente, sem maiores interferências. “Não tenho problema algum em dizer que sou um grande usuário de maconha”, diz Alberto*, 23, estudante de Engenharia Mecânica. 

De acordo com ele, não há um local específico de consumo na instituição; como a Unicamp é uma área verde, sem prédios ou coberturas, há usuários em por todo o campus. 

“Vejo o pessoal fumando em frente ao bandejão. Os funcionários que fazem a segurança são terceirizados, então eles simplesmente não se importam, fingem que não enxergam. Dentro da faculdade é como se fosse legalizado”, pondera o estudante, que revela, muitas vezes, já chegar as aulas “chapado”. “Se vou ter uma aula expositiva, com um professor que fala baixo, com outras 200 pessoas no mesmo espaço, preciso abstrair: depois, o que precisar aprender, aprendo por conta própria, lendo os slides”, conta o estudante.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/09/22/Educacao/Imagens/Cortadas/image1 (4)-ID000002-1200x800GP-Web-ID000002-1200x800@GP-Web.jpg
Vigias não parecem se importar com o consumo de maconha no campus da USPRicardo Matsukawa

As festas dentro do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) são conhecidas como pontos onde o consumo e mesmo o comércio de drogas recreativas ocorre livremente. “Você vê o pessoal usando lança-perfume. Todo mundo muito doido, dançando, fazendo farra. Mas é algo engraçado: você raramente vê o pessoal drogado brigando. É um clima meio diferente, ninguém está lá para incomodar ninguém; está para curtir”, assegura.

Alberto explica que o fato de o campus estar localizado fora de Campinas, em um distrito fora da cidade, faz com que a universidade se torne uma “grande bolha”, onde vivem apenas universitários. “É como se fosse um bairro onde tudo ocorre livremente – diferente do que acontece em Campinas”, diz, antes de relembrar uma das últimas festas do IFCH. “Tinham pessoas consumindo LSD dentro da festa, sem o menor pudor. Muita gente curte ficar nu: fica maluco após beber, fumar ou cheirar algo e então começa a tirar a roupa e andar pelado pelo campus”. 

USP (Universidade de São Paulo)

Em abril, dois estudantes foram detidos dentro do alojamento da USP São Carlos por suspeita de tráfico de drogas. Foram apreendidos mais de 400 gramas de maconha, 48 comprimidos de ecstasy, 185 micropontos de LSD e uma balança eletrônica. 

Mas a presença de drogas não é um problema recente na USP. Em 2011, três jovens foram detidos na Cidade Universitária por fumar maconha, o que desencadeou uma série de protestos e manifestações de estudantes. Na ocasião, o professor da Faculdade de Direito, Jorge Luiz Souto Maior, falou sobre a postura da instituição em relação à presença de drogas nas suas dependências. 

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/09/13/Educacao/Imagens/Cortadas/244A7787-ID000002-1200x800@GP-Web.JPG
Pichação com referência à maconha na USPRicardo Matsukawa

“Vira ilícito na hora que convém”, criticou. “Não deve haver nenhum tratamento diferente do ponto de vista legal: não se pode dizer que fora da Universidade é uma coisa e dentro é outra.” 

O tráfico e consumo fazem parte do cotidiano da USP. “A rua do Matão é o lar dos maconheiros”, diz Jorge*, 23, estudante de Filosofia. “Não há nenhuma repreensão, é um ambiente pacífico: quem não usa normalmente não se incomoda. Você já sabe os espaços onde o consumo é comum, então aqueles que não se sentem à vontade, não frequentam estes espaços”, completa. 

Não há sequer distinção entre horários em que o número de usuários circulando livremente reduz. “Em qualquer horário há consumo ou mesmo venda sem interferência”, diz uma funcionária da FFLCH (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas) que pediu para não ser identificada. “Incomoda, claro, mas é algo que parece já ter tomado uma proporção que não temos como controlar sem interferência superior”. 

As fotos que ilustram essa reportagem foram feitas justamente na FFLCH. 


Convivência pacífica no Rio de Janeiro 

Estudante do curso de Oceanografia na UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), Maryane Filgueiras Soares, 20 anos, conta que já presenciou o consumo de maconha no campus (Maracanã) onde estuda. “É difícil ver alguém fumando ao ar livre no meio do campus. Geralmente tem lugares específicos para isso. O que mais irrita para quem não fuma é o cheiro, mas como eles ficam em locais mais afastados, no canto deles, é tranquilo”, diz.

Ela acredita que a universidade deveria reforçar o número de guardas para coibir o consumo e garantir a segurança geral dos alunos. 

Já o aluno do curso de Engenharia Elétrica no campus Joao Lyra Filho da UERJ, Carlos Eduardo Duarte Baptista, 18, também diz que estudantes fumam maconha na universidade. Segundo ele, o consumo é de conhecimento da comunidade acadêmica e costuma ser feito em lugares públicos, como escadas de emergência e bosques. “Fico indignado quando vejo, além de ser o cheiro ser péssimo. Se não é legalizado, não acho certo”, afirma.

Minas Gerais: consumo desenfreado 

A venda e consumo de drogas também foi registrado em flagrante dentro do campus da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), principalmente no diretório acadêmico da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich). 

Um vídeo registrado em 2015 mostra o comércio de cocaína e LSD, além do consumo livre de maconha. Depois da denúncia, as aulas do curso de História foram suspensas em todos os turnos devido a preocupação do Colegiado de História com a segurança na instituição. 

Em comunicado na época, o diretor da Fafich, Fernando Filgueiras, afirmou a intenção de “assegurar condições para o pleno funcionamento das atividades de ensino, pesquisa e extensão e para o bom funcionamento da administração da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas”. 

O caso repercutiu na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Na ocasião, o deputado Sargento Rodrigues (PDT) defendeu a presença do Polícia Federal dentro do campus. “A universidade não é uma embaixada intocável, onde as pessoas podem cometer crimes livremente”, disse. “Não são apenas pessoas de fora, mas também estudantes que participam, tanto como usuários quanto como traficantes”. 

O consumo, porém, parece seguir sem restrições. “Durante toda minha graduação, via pessoas fumando no corredor, às vezes até mesmo dentro da sala: acabava a aula e começávamos a fumar”, diz Alessandro*, 32, graduado em Ciências Sociais pela instituição. “Era meio ‘legalizado’ e não acredito que tenha mudado algo. Atrás da Fafich, ficava o Instituto de Geociências, e tinha uma festa sempre às quintas: ali rolava muito consumo de drogas – algumas, aliás, bem mais pesadas do que maconha”, complementa. 

Já no campus da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em junho deste ano, dois jovens foram autuados em flagrante por tráfico de drogas. Foram encontrados na mochila de um dos jovens, estudante da UFU, 150 buchas de cocaína, três tabletes de maconha e R$ 300. 

A situação não é diferente na Universidade Federal do Ouro Preto (UFOP), onde o Padre Danival desenvolve seu trabalho. “É uma ação aberta a toda a comunidade, mas temos recebido inúmeros jovens que procuram orientação e acabam relatando experiências com uso de entorpecentes dentro do campus ou nas repúblicas”, diz. 

Para ele, muitos universitários acabam induzidos ao consumo pelo próprio ambiente das instituições: “Às vezes a pessoa nunca se drogou, mas vê todos os colegas usando, então entra neste mundo por influência. E, infelizmente, não há uma fiscalização mais rígida, seja no campus, nas repúblicas e, por vezes, até mesmo na cidade”, explica. Danival crê que controlar este problema já parece utópico. “Há orientação e certos limites que se colocam, mas já se tornou algo que foge do controle da própria Universidade”, conclui.


Respostas

A Universidade Federal de Ouro Preto diz oferecer aconselhamento aos alunos. “Trata-se, portanto, de temática prioritária para a Instituição não numa perspectiva policial ou punitiva – tal tarefa compete aos órgãos ligados à área de Segurança, conforme determina a Constituição Federal -, mas, sobretudo, educativa”, diz a nota enviada à Gazeta do Povo.

A Unicamp informou que mantém o programa Viva Mais, que oferece atendimento psicológico e psiquiátrico com o objetivo de “promover uma nova cultura em relação ao uso de substâncias psicoativas (lícitas e ilícitas) dentro do campi da universidade”. Além disso, a instituição diz ter uma equipe de vigilância interna que se dedica a identificar os pontos de venda de droga. “Uma vez identificada a atividade, a polícia é comunicada para tomar as providências cabíveis”, afirma, em nota, a universidade.

A Universidade de São Paulo afirmou ter feito melhorias nos sistemas de iluminação e monitoramento da cidade universitária. Além disso, a instituição mantém um convênio com a Polícia Militar e desenvolveu um aplicativo que permite o registro de denúncias. O uso de drogas, entretanto, não foi mencionado na resposta da USP. Diz a nota: “Além de ocorrências relacionadas a furtos, roubos, sequestros, vandalismo, problemas na iluminação pública, vazamentos de água e presença de animais abandonados, os usuários dos campi também podem registrar denúncias de violência contra mulher, incêndio e emergências médicas”.

*Nomes fictícios 

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Notícias sobre Educação

PUBLICIDADE