Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

escola

Escola às 7h da manhã? Talvez seja cedo demais

Relógio biológico dos estudantes não parece pronto para acordar tão cedo; mudança na agenda escolar, entretanto, tem obstáculos

  • Bruno Raphael Müller, especial para a Gazeta do Povo
Estudo aponta que o melhor cenário seria as aulas começarem a partir das 8h30, e não 7h. | Pixabay
Estudo aponta que o melhor cenário seria as aulas começarem a partir das 8h30, e não 7h. Pixabay
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Braços debruçados sobre a carteira, bocejos nas primeiras horas da manhã e desinteresse pelo conteúdo das aulas. O cenário, familiar para boa parte dos estudantes brasileiros, pode ter uma justificativa além da falta de dedicação aos estudos. Entre debates sobre a nova matriz curricular e as reformas do Ensino Médio nacional, um assunto primordial para a educação – e discutido mundialmente – acabou perdendo relevância: o horário adequado para estar na escola. 

Em 2015, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, através de pesquisas e levantamentos, apontou que o melhor cenário seria as aulas começarem a partir das 8h30, e não 7h, horário padrão nas escolas de lá. A justificativa: dois terços dos adolescentes não dormia a quantidade suficiente por noite. Enquanto o recomendado é um descanso médio de 8 horas, o jovem norte-americano descansa entre 5 e 6 horas. 

Mesmo com o 8º melhor nível educacional do mundo segundo o relatório mais recente do Global Competitiveness Report, os Estados Unidos ainda não foram capazes de resolver o problema. Apenas uma em cada seis instituições adotou o novo horário, visto como “problemático” porque alteraria a divisão tradicional das classes. 

Segundo Fernando Louzada, neurocientista da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e especialista em ciência do sono, no Brasil, onde a maioria das aulas do período matutino têm início às 7h30 (apesar de não haver legislação sobre o tema), a questão deveria ser levada além da adequação nos horários. 

“Parte dos alunos – particularmente os adolescentes – não consegue suprir suas necessidades de sono por acordar às 6h ou antes disso”, argumenta. Ele prossegue: “Por outro lado, há aqueles que conseguem fazer isso sem maiores prejuízos. Estas diferenças ocorrem não apenas pelo desenvolvimento de rotinas mais ou menos adequadas, mas devido a características dos chamados relógios biológicos, algumas delas herdadas da família”. 

Essas características, se consideradas pelo MEC, levariam a uma flexibilização ainda maior do que a proposta na mais recente reforma do Ensino Médio. Louzada, no entanto, crê que seria positiva para alunos e docentes se o conteúdo fosse adequado à capacidade cognitiva do aluno nesse horário. 

“O que defendo não é o atraso puro e simples das aulas.”, justifica. “Nesses casos, a escola poderia começar mais tarde. Das 7h às 9h não haveria aulas ‘tradicionais’: o aluno poderia fazer, por exemplo, aulas de artes plásticas”. 

Na avaliação do neurocientista, a reforma do Ensino Médio corrige um problema de décadas. O próximo passo natural é a adequação da carga horária e da matriz curricular. “Temos que pensar na escola do século 22, mas ainda estamos discutindo uma reforma na educação que se enquadra, no máximo, ao século 20”, ironiza. 

Professora, palestrante e especialista em psicopedagogia do departamento de Gestão e Tecnologias da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Neide Noffs também vê com bons olhos a ideia de postergar a entrada do aluno na escola para um período mais tarde. 

“O jovem brasileiro não entra nesse esquema orgânico de estudar às 7h; é uma luta”, reflete. “Acho mais adequado entrar um pouco mais tarde. É muito melhor iniciar às 8h do que às 7h. Se avaliarmos quem trabalha na secretaria das escolas, não estão lá desde cedo; entram depois das 8h. Então, que seja similar aos adultos e crianças”. 

Neide reforça o argumento de Louzada quanto à flexibilização do estudo, principalmente no ensino em período integral. “Ensino integral é diferente de educação em tempo integral”, diz. “Uma coisa é ficar mais tempo na escola trabalhando a articulação e desenvolvimento do aluno em todas as suas dimensões; outra é ficar o tempo todo na escola com o mais do mesmo. O aluno deve ficar mais na escola, desde que seja para praticar atividades diversificadas”, avalia. 

A psicopedagoga diverge, no entanto, quanto à reforma do Ensino Médio ser um primeiro passo em direção a esse ensino ideal. Na avaliação da professora, existem poucos adolescentes que já sabem qual caminho seguir. “Se perguntar para alguém com 16 anos, ele não vai saber dizer o que quer”, afirma ela, que teme a influência dos “lobistas da educação”. 

Na avaliação de Elizabeth Haro, coordenadora da equipe do Serviço de Apoio Psicopedagógico da PUCPR, é importante relativizar a questão dos horários em que os alunos se sentem mais dispostos a estudar. Para ela, a questão é individual e não deve ser generalizada. “A dificuldade em executar determinadas tarefas pela manhã parece estar mais relacionada com o fato de se ter dormido o número de horas suficiente ou não”, afirma.


o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Notícias sobre Educação

PUBLICIDADE