Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

controvérsia

Escolas trocam o Dia dos Pais pelo Dia da Família. Mas deveriam?

Colégios dizem querer incluir novos modelos de família, inclusive LGBT. Mas, para o Escola Sem Partido, troca atende uma agenda ideológica

  • Luana Cavalcante, especial para a Gazeta do Povo
 |
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O Dia dos Pais, celebrado neste domingo, vai passar em branco em muitas escolas brasileiras. Um número crescente de instituições de ensino tem trocado a data pelo genérico Dia da Família. As escolas afirmam promover a “inclusão” e a “diversidade”. Mas, além da boa vontade com alunos órfãos ou que vivem com o padrasto, a mudança pode estar ligada a uma agenda ideológica.

A escola infantil Zigue Zar, em Brasília, adotou o novo calendário há quatro anos. A administradora da unidade, Mariane Golart, diz que o espaço atende crianças de seis meses a 5 anos e que a novidade é bem recebida por casais homossexuais.

“No ano passado recebemos um aluno que tem duas mães. Com a festa da família, não foi preciso fazer nenhuma adaptação”, afirma.

Na Escola Estadual Professor Vítor José de Araújo, em Goiânia, o Dia da Família foi adotado em 2016. A coordenadora pedagógica Amanda Gonçalves Moreno diz que o objetivo é atender os diferentes perfis de famílias da comunidade escolar. 

“Minha opinião, principalmente dentro de uma escola pública, é que devemos estar abertos à realidade da sociedade”, afirma Amanda. 

Para a psicóloga Andréa Roriz, a transformação da data é natural: “As crianças chegam nas escolas com duas mães, ou adotadas por um casal de homens. O casamento tradicional era entre um homem e uma mulher. Hoje existe uma pluralidade”, opina.

Críticas

A abolição do Dia dos Pais é um tema controverso. Com o divórcio facilitado e o aumento da gravidez fora do casamento, o perfil das famílias tem mudado. Mas décadas de estudos têm mostrado que essa fragmentação é ruim para os filhos. Já em 1985, por exemplo, havia evidência suficiente ligando o divórcio a desordens emocionais nas crianças. Ser filho de pais solteiros também torna mais difícil a ascensão social dos jovens de baixa renda. Justamente por isso, a figura paterna não deveria ser valorizada em vez de deixada em segundo plano?

Além disso,  crianças órfãs sempre existiram e isso não impedia a celebração do Dia dos Pais. Seria a mudança no calendário motivada por razões ideológicas?

Para o coordenador do movimento Escola sem Partido, Miguel Nagib,  a resposta é sim. “É uma tentativa de desconstruir a família tradicional, apagar da memória esse cenário cultural. O objetivo está subjacente”, avaliou o procurador.  

Na visão de Nagib, o problema também é jurídico – especialmente nas escolas públicas. “O costume é uma fonte de direito e isso está na lei. Não cabe ao diretor da escola fazer essa mudança”, explica. 

Ele acredita que, por trás da justificativa de inclusão, o verdadeiro motivo para transformar essa tradição é a inserção de agenda ideológica LGBT.  

Miguel Nagib alerta que o tema deve ser assunto do Legislativo. “O Dia da Família fere a expectativa de muitas famílias. Ninguém tem competência para tomar essa decisão e transformar o conceito de pai, mãe e filhos em outra ideia”, afirma.

Homenagear os pais e criar um dia específico para a família, entretanto, não são excludentes. A Escola Adventista de Anápolis (GO), por exemplo, não aboliu o Dia das Mães e o Dia dos Pais, mas também incluiu no calendário o Dia da Família. Neste caso, a ideia é envolver os demais parentes do aluno sem deixar os pais de lado: “É uma data para todos os familiares”, explica Albert Andrade, diretor da escola. 

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Notícias sobre Educação

  1.  | Reprodução / UFABC

    currículo

    Afro-matemática será matéria obrigatória em curso de universidade federal

  2.  |

    ciência

    O Nobel que o Brasil ganhou e ninguém sabia

  3.  |

    Normas técnicas

    Regras da ABNT: veja as normas para monografias e trabalhos acadêmicos

PUBLICIDADE