Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

ciência

O Nobel que o Brasil ganhou e ninguém sabia

Ele nasceu no Brasil, falava português, gostava de farofa – e venceu o prêmio mais importante da medicina

  • Gabriel de Arruda Castro
Medawar: um Nobel (quase) brasileiro |
Medawar: um Nobel (quase) brasileiro
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O Brasil está fora de todas as listas de ganhadores do Prêmio Nobel. Mas, a depender do critério utilizado, o país tem, sim, um vencedor da honraria: Peter Brian Medawar, Nobel de Medicina em 1960, nasceu em Petrópolis (RJ), falava português e morou no país até os 13 anos de idade. 

Por que, então, ele não é considerado como um ganhador brasileiro do Nobel? 

Peter Brian Medawar nasceu 1915. Seus pais (um libanês radicado no Reino Unido e uma inglesa) haviam se mudado da Inglaterra para o Brasil, e abriram uma relojoaria na cidade fluminense. Medawar, que tinha dupla cidadania, passou a infância toda entre o Rio e Petrópolis. Mudou-se para a Inglaterra já adolescente, para cursar o equivalente ao ensino médio. Ele frequentou um internato para a elite, o Marlborough College (onde estudou Kate Middleton, mulher do príncipe William). 

Ainda assim, Medawar manteve a cidadania brasileira até que, em 1933, foi convocado para alistar-se nas Forças Armadas do Brasil. Sem querer interromper os estudos de zoologia na Universidade de Oxford, ele pediu ajuda do então ministro da Aeronáutica, Salgado Filho – que era seu padrinho. Mas a exceção não foi autorizada pelo então ministro da Guerra (e futuro presidente da República) Eurico Gaspar Dutra. Medawar acabou ficando sem a cidadania brasileira. 

O jovem formou-se 1935 e continuou trabalhando como pesquisador em Oxford. Aos 24 anos, em 1939, ficou em primeiro lugar em um concurso para professor de microbiologia da universidade. 

O Prêmio Nobel, em 1960, veio graças a uma pesquisa que desenvolveu um soro capaz de reduzir drasticamente as chances de rejeição em transplantes de órgãos. Ele dividiu o prêmio com o colega Frank Burnet. 


“Peter Medawar transplantou com sucesso tecido entre fetos de camundongos sem rejeição, em 1951. Ele foi capaz de fazer novos transplantes nos camundongos quando eles se tornaram adultos (...) Os resultados tiveram importância para a doação de órgãos”, descreve a página oficial do Nobel

No ano seguinte, Medawar foi agraciado com o prêmio de doutor honoris causa pela Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro. Na ocasião, disse que voltar ao país foi uma das maiores emoções que já vivera.

Em 1965, já consagrado, ele obteve o título de Sir, a mais alta honraria para cidadãos britânicos. 

O cientista ainda fundou a Sociedade Internacional de Transplantes.

Em suas memórias, o pesquisador relembra com afeto do tempo que passou no Brasil, e menciona com elogios a culinária brasileira (arroz, feijão e farofa em especial). 

Mas, sem a cidadania brasileira, o Nobel nascido no Brasil sempre foi reconhecido apenas como britânico.  

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Notícias sobre Educação

  1.  |

    Normas técnicas

    Regras da ABNT: veja as normas para monografias e trabalhos acadêmicos

  2. Crianças de escola na província de Montreal | Reprodução / Montreal School Board

    exemplo

    Por que o Canadá tem um dos melhores modelos educacionais do mundo?

  3. A maioria dos programas de doutorado não estão preocupados com o que acontece com os estudantes depois que eles se formam. | Pixabay.

    academia

    Especialização em humanas não prepara para o mercado de trabalho

PUBLICIDADE