Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

polêmica

O próximo alvo da patrulha ideológica: a matemática

Cada vez mais acadêmicos defendem a tese de que a disciplina privilegia os estudantes com base na etnia

  • Andressa Muniz, especial para a Gazeta do Povo
“O que vemos hoje é uma histeria dos dois lados”, critica especialista. | Wallpoper
“O que vemos hoje é uma histeria dos dois lados”, critica especialista. Wallpoper
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Tradicionalmente considerada uma disciplina objetiva, a matemática ensinada nas escolas não debate questões sociais e culturais comuns a disciplinas como sociologia, história e filosofia. Mas deveria? Para alguns acadêmicos, a resposta é sim. 

Nos últimos anos, tem ganhado força uma corrente segundo a qual a matemática tradicional privilegia os estudantes com base na etnia. 

“Em muitos níveis, a matemática opera como a branquitude. Quem é creditado por fazer e desenvolver a matemática e quem é visto como parte da comunidade matemática é visto geralmente como branco”, escreveu Rochelle Gutiérrez em seu livro “Building Support for Scholarly Practices in Mathematics Methods” (“Construindo suportes para práticas acadêmicas em métodos de matemática”, em tradução livre), de acordo com o site CampusReform.  

Segundo ela, a ênfase em conhecimentos produzidos por pensadores europeus, como o teorema de Pitágoras (um grego), ou o número pi, popularizado pelo matemático suíço Leonhard Euler, reforçam a ideia de que as bases da matemática como ciência foram lançadas na Europa. E com essa abordagem, indivíduos de grupos minoritários são afastados da matemática. “Se uma pessoa não é vista como pertencente à matemática, sempre haverá um senso de inferioridade que emergirá”, argumenta Gutiérrez. 

Representatividade 

Essa ideia foi defendida em uma nota oficial conjunta de duas organizações que tem se dedicado a combater o“eurocentrismo” da matemática: a TODOS: Mathematics for All e o National Council of Supervisors of Mathematics (NCSM). No documento, as organizações apontam que “líderes e professores de matemática devem reconhecer que o atual sistema educacional de matemática é injusto e baseado em um legado de discriminação institucional com base em raça, etnia, classe e gênero”. 

Um estudo realizado pelo matemático Trevor Thayne Warburton defende que a noção de que a matemática como conhecimento abstrato, ou uma ciência pura, também é uma abordagem branca. Segundo ele, isso ocorre porque o ensino delimita os conhecimentos matemáticos de acordo com noções europeias, sobretudo da Grécia Antiga, do que seria o pensamento matemático. 

Para Warburton, essa noção está enraizada na educação e define os modelos e metodologias de ensino de matemática. “Esses discursos dominantes definem os relacionamentos que são estabelecidos com os alunos, o conhecimento do que significa ser um bom professor de matemática e o que é reconhecido como matemática escolar”, diz. 

De acordo com a análise de Trevor, essa concepção deve ser desafiada na formação dos professores de matemática, devem desafiar a noção da matemática pura. 

“Esses discursos podem ser desafiados ao tratar sobre a separação entre matemática pura e aplicada, a separação da matemática em vários ramos e falta de reconhecimento de concepções alternativas do que é matemática e o que significa fazer matemática”, sugere. 


Um dos objetivos é “romper com os moldes da educação reprodutora do racismo”. O que você acha da ideia? Via #Educação

Publicado por Gazeta do Povo em Terça-feira, 17 de outubro de 2017

Brasil 

No Brasil, uma iniciativa nesse sentido é a inclusão de disciplinas de etno-afromatemática no curso de licenciatura em Matemática da Universidade Federal do ABC (UFABC). O objetivo é incluir no currículo de formação de professores o estudo de contribuições africanas e afrodescendentes à matemática contra uma “supervalorização do pensamento de matriz europeia em detrimento da produção intelectual de origem africana”.  

Uma justificativa para esse tipo de mudança é a ideia de que o ensino de matemática está ligado a uma doutrinação. “A matemática é tradicionalmente ensinada de uma maneira que os alunos são expostos a um ensino por si só já doutrinário”, explica Adonai Schlup Sant'Anna, professor do Departamento de Matemática da Universidade Federal do Paraná (UFPR). 

Do mesmo modo, análise realizada por Brian Katz, professor de matemática na Augustana College, e publicada pela American Mathematical Society aponta que a matemática é política e que a determinação dos conteúdos e conhecimentos trabalhados no ensino da disciplina são uma escolha guiada por essa orientação política. 

“A matemática é política porque é aprendida por pessoas. A escola é uma instituição cultural que busca recriar uma cultura”, explica Katz. “Dentro das nossas salas de aula, como algumas vozes, ideias e questões se tornam centrais enquanto outras são desconsideradas?” 

Divergência 

Para Guilherme Rodrigues especialista em Matemática e professor dos cursos de Engenharia da Universidade Positivo (UP), a escolha dos conteúdos ensinados em matemática está mais relacionada às necessidades do mercado. “Vivemos em uma sociedade que trabalha no âmbito do mercado, e há exigências externas. Claro que há também exigências sociais. Essas duas correntes têm que conversar. O que vemos hoje é uma histeria dos dois lados”, diz. 

Segundo ele, determinadas abordagens e métodos de ensino podem ser considerados elitistas porque desconsideram as dificuldades específicas de certas camadas da sociedade, mas esse elitismo não teria base racial. “Considero que o elitismo é a pior de todas as expressões e o racismo também é. Mas vejo que o elitismo nos cerca. Ele não agride só um grupo especifico, ele agride a sociedade como um todo.” 

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Educação

PUBLICIDADE