Educação

Fechar
PUBLICIDADE

Salários

Professores de escolas municipais decidem manter a greve

Os docentes exigem da prefeitura que o piso salarial de R$1.199,64 pago a docentes com curso superior em uma jornada de 20 horas seja aumentado para R$ 1.800

No primeiro dia da greve, 77 das 181 escolas de ensino fundamental, 42,5%, aderiram ao movimento |
No primeiro dia da greve, 77 das 181 escolas de ensino fundamental, 42,5%, aderiram ao movimento
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Os professores das escolas municipais de Curitiba decidiram na noite desta quarta-feira (14) manter a greve por tempo indeterminado. A decisão foi tomada em uma assembleia organizada pelo Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba (Sismmac) e o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba (Sismuc). Os demais servidores, representados pelo Sismuc, decidiram suspender a paralisação até o dia 21, quando deverão receber uma contraproposta da prefeitura, mas não descartam a possibilidade de voltarem a parar suas atividades.

De acordo com os sindicalistas, a prefeitura não apresentou propostas na reunião realizada com os professores na tarde desta quarta. “Eles apenas nos pediram que esperássemos até o dia 21 de março para criar uma comissão de estudo, mas depois de várias semanas de discussão não temos outra saída além de pressionar com a greve”, afirmou Gabriel Conte, um dos diretores do Sismmac.

Os professores exigem da prefeitura que o piso salarial de R$1.199,64 pago a docentes com curso superior em uma jornada de 20 horas seja aumentado para R$ 1.800. A prefeitura anunciou em 29 de fevereiro que vai aumentar esse valor para R$ 1.319,90, mas os sindicalistas consideram o reajuste insuficiente. A interpretação feita pelo Sismmac é a de que, se o piso nacional sugerido pelo Ministério da Educação (MEC) para um professor com ensino médio para uma jornada de 20 horas é de R$725,50, um professor com curso superior deve receber no mínimo R$ 1.800 para a mesma carga horária de trabalho. Os sindicatos consideram ainda que a quantia divulgada pelo MEC serve apenas de orientação para cidades mais pobres, o que não é o caso de Curitiba.

O prefeito Luciano Ducci informou que a prefeitura reduziu em quase R$ 100 milhões os gastos em outras áreas para dar um aumento de 10% a todos os servidores municipais e garantir outras gratificações aos professores. “Os sindicatos têm de reconhecer que não há como atender a todos de forma infinita. Se pudéssemos pagaríamos mais, mas isso não é possível”, afirmou.

Diante da reclamação dos professores de que o Programa de Produtividade e Qualidade (PPQ) - anunciado pela prefeitura no início do ano com a promessa de pagar uma gratificação de pelo menos R$ 275 mensais, com a qual os salários dos professores para 20 horas de trabalho chegará a ser de, no mínimo, R$ 1594,90 -, é uma “ilusão”, Ducci ameaçou voltar atrás. “Se eles não querem a gratificação, não damos”, desafiou.

Para o prefeito, a greve é claramente uma ação política. “O reajuste de 10% dado a todos os servidores é o maior na história da prefeitura desde o Plano Real. É o maior também comparado à maior parte dos estados do país e muito acima do piso nacional. Uma grave com um patamar de reajuste desse, deixando crianças fora de aula é, sem dúvida, por motivação política”, finalizou.

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Educação

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais