Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

ELEIÇÕES 2018

‘Barraco’ na internet e queda nas pesquisas: o inferno astral de João Doria

  • Da Redação, com Folhapress
 | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A fase não é das melhores para o prefeito paulistano João Doria (PSDB), que quer ser candidato a presidente da República em 2018 mas enfrenta, dentro de seu partido, a resistência do governador paulista Geraldo Alckmin, antigo padrinho político.

Doria teve um fim de semana marcado por “barraco” e queda nas pesquisas. A partir de sexta-feira, trocou ofensas nas redes sociais com o vice-presidente do PSDB e ex-governador Alberto Goldman. No domingo (8), uma pesquisa revelou piora na avaliação da gestão do prefeito e a rejeição de boa parte dos paulistanos à sua candidatura à presidência da República e às constantes viagens que ele faz pelo país e ao exterior – nesta semana, Doria vai à Itália pela segunda vez desde o início do mandato.

Barraco

A troca de ataques com Goldman começou na sexta-feira (6), quando o ex-governador publicou um vídeo nas redes sociais acusando Doria de se dedicar mais a uma eventual candidatura à Presidência do que à gestão na prefeitura. A resposta do prefeito, no dia seguinte, não foi das mais elegantes.

SAIBA MAIS:Notícias sobre as Eleições 2018

Em gravação, Doria chamou o ex-governador de fracassado e medíocre. “Você vive em casa, de pijamas”, disse o prefeito. Um tom que lembra o empregado pelo prefeito paulistano contra o ex-presidente Lula, seu alvo preferencial, a quem costuma chamar de “sem vergonha, preguiçoso e mentiroso”.

A nova resposta a Doria veio em outro vídeo gravado por Goldman. Nele, o ex-governador afirmou que o prefeito é “raivoso e preconceituoso”.

VEJA TAMBÉM:Notícias sobre João Doria

Parlamentares tucanos de fora de São Paulo viram erros estratégicos nos termos usados por Doria, que poderiam ser interpretados como uma ofensa aos idosos, que representam 17% do eleitorado, segundo relatos da coluna “Painel”, da “Folha de S.Paulo”. Aparentemente, o episódio fez crescer a antipatia de líderes tradicionais do PSDB em relação ao prefeito.

Pesquisa desfavorável

Na pesquisa Datafolha, o tucano despencou quase dez pontos percentuais na aprovação de sua administração. O prefeito tem 32% de aprovação, 26% de rejeição e 40% de avaliação regular entre os paulistanos. Há quatro meses, Doria pontuava 41% de ótimo/bom, 22% de ruim/péssimo e 34% de regular.

LEIA TAMBÉM:Empresários são melhores gestores públicos do que políticos? A ciência responde

A pesquisa entrevistou 1.092 pessoas em 4 e 5 de outubro e tem margem de erro de três pontos porcentuais para mais ou menos.

Conforme o levantamento, 49% dos paulistanos acreditam que as viagens de Doria trazem mais prejuízos do que benefícios à cidade; 35% dos entrevistados aprovam a iniciativa. A maioria (77%) vê benefício pessoal a Doria enquanto 14% acreditam que a cidade de São Paulo é beneficiada.

De acordo com 37% dos entrevistados pelo Datafolha, o prefeito de São Paulo será candidato a presidente. Em junho, 21% tinham essa expectativa. Entretanto, 58% querem que Doria prossiga na função atual, em oposição a 10% que desejam vê-lo na briga pelo governo federal ou a 15% que preferem que ele se candidate a governador de São Paulo.

ANÁLISE:MBL me representa: é o que diz parte do mercado financeiro

Dos entrevistados, 55% afirmam que não votariam no prefeito para presidente. Na candidatura a governador, a taxa é de 47%. Conforme 45% dos eleitores da capital, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) é quem deveria ser o candidato do PSDB a presidente; 31% preferem Doria.

“A culpa é do PT”

Em reação à pesquisa, o prefeito pôs a culpa na falta de dinheiro e na herança do PT, que governou a cidade antes dele. “Nós estamos com nove meses de gestão à frente da prefeitura de São Paulo, sem recursos. Temos R$ 7,5 bilhões de déficit no orçamento, que foi herança do PT, e nós estamos fazendo uma política responsável de controle de despesas”, afirmou.

“É duro fazer gestão pública sem recursos, depender de apoio do setor privado, da cooperação e solidariedade de muitas pessoas”, disse Doria.

Por falar em solidariedade, as doações empresariais à cidade continuam sendo malvistas pelos moradores, segundo a pesquisa Datafolha. Para 46% dos paulistanos, elas não são transparentes (eram 45% em junho). Já 9% as veem como transparentes.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

  1.  |

    tragédia

    Adolescente entra atirando e faz mortos e feridos em escola de Goiás

  2.  | Albari Rosa/Gazeta do Povo

    de olho em 2018

    Chega de reformas. Congresso quer pacotaço contra bandidos e ‘pauta positiva’

  3.  | Marcelo Camargo/Agência Brasil

    Operação patmos

    Polícia descobre dezenas de ligações de WhatsApp para Gilmar Mendes no celular de Aécio

PUBLICIDADE