Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Polêmica

Chefe de gabinete da presidência do ‘Tribunal da Lava Jato’ exige prisão de Lula

Postagem de servidora no Facebook levou petistas a questionarem imparcialidade do TRF4 para julgar recurso contra condenação do petista no próximo dia 24

  • Da Redação, com agências
 | Fátima Meira/Estadão Conteúdo
Fátima Meira/Estadão Conteúdo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A chefe de gabinete da presidência do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), Daniela Tagliari Kreling Lau, causou polêmica ao publicar em sua página pessoal do Facebook uma petição online em que se exige a condenação e a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O tribunal vai julgar o recurso do petista no dia 24 de janeiro contra a sentença do juiz Sergio Moro no caso do tríplex do Guarujá.

A postagem feita na quarta-feira (3) levou petistas a contestarem a imparcialidade da Corte para julgar o recurso de Lula, que foi condenado a nove anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O post de Daniela foi descoberta e divulgada pelo deputado federal Pepe Vargas (PT-RS).

Leia também: Petistas vão ao TSE contra Huck, Faustão e TV Globo sob alegação de ‘abuso de poder’

“Não bastasse a declaração do presidente do TRF-4, que mesmo confessando não ter lido a sentença de Moro disse que a peça era ‘perfeita’, agora a sua chefe de gabinete faz campanha para pedir a condenação de Lula, publicamente e sem cerimônias. O golpe continua em todas as frentes. Resistir é preciso!”, afirmou o parlamentar em sua rede social.

Em seguida, a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, fez coro ao deputado ao gravar um vídeo criticando a atitude de Daniela e uma suposta “parcialidade e perseguição” contra o ex-presidente na corte.

Por meio da assessoria, o presidente do TRF-4, Carlos Eduardo Thompson, defendeu que sua chefe de gabinete tenha o direito de se manifestar nas redes sociais contra o ex-presidente. Segundo ele, Daniela fez uso de um direito constitucional ao expressar sua opinião “fora do seu horário de trabalho e em caráter absolutamente dissociado das funções do cargo que atualmente ocupa”.

“É oportuno informar que a referida servidora – admitida há 24 anos nos quadros da Justiça Federal da 4ª Região via concurso público ao cargo de técnico judiciário/administrativa – não exerce qualquer atividade relacionada com a área fim desta corte, sequer possuindo formação acadêmica em direito”, diz nota da assessoria.

Leia também: Empreiteiro denuncia suposta conta da propina de Lula e Dirceu na Espanha

Julgamento

Lula será julgado em segunda instância pelo tribunal na manhã do dia 24 de janeiro. Em julho, o ex-presidente foi condenado pelo juiz Sergio Moro a nove anos e seis meses de prisão, pela suposta prática de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo um tríplex no Guarujá (SP) reformado pela empreiteira OAS.

Se Lula for condenado pelo TRF-4, ficará inelegível devido à Lei da Ficha Limpa. Ele pode, porém, se manter na disputa eleitoral por meio de recursos. Uma eventual prisão do petista, em tese, pode acontecer após todos os recursos se esgotarem na corte.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE