Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

“Eu moro com ele”

Lula reclama de postagens da esposa de Moro no Facebook em recurso no TRF-4

Defesa diz que tribunal foi “omisso” em relação ao impacto da página na rede social em que Rosângela Moro emitia opiniões e agradecia o apoio ao marido, o juiz da Lava Jato Sergio Moro

  • Estadão Conteúdo
O juiz Sergio Moro e a esposa Rosângela: página em que ela agradecia o apoio da população ao marido está desativada desde novembro do ano passado. | Reprodução/Instagram
O juiz Sergio Moro e a esposa Rosângela: página em que ela agradecia o apoio da população ao marido está desativada desde novembro do ano passado. Reprodução/Instagram
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A defesa do ex-presidente Lula afirmou em recurso ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) que a Corte de apelação da Operação Lava Jato foi omissa em relação a uma página criada pela mulher do juiz federal Sergio Moro no Facebook e que atualmente está desativada. Os advogados do petista entregaram nesta terça-feira (20), embargos de declaração contra o acórdão que condenou Lula a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá.

“O acórdão objurgado também restou omisso em relação à argumentação trazida pela defesa acerca de página do Facebook criada e administrada pela esposa do juiz Sergio Moro”, alegaram os defensores.

“A irresignação jamais recaiu sobre comentários odiosos feitos por terceiros contra o Embargante (Lula) ou em suposta tentativa de restringir o direito constitucional de expressão, mas sim, em decorrência do conteúdo veiculado pela página que, ainda que se alegue que o magistrado não a controle, é razoável concluir que ele não só tem conhecimento do que é publicado, como está de acordo com o teor das publicações. Segundo padrões alienígenas de análise, não há dúvida além do razoável para se chegar a essa conclusão.”

A página “Eu MORO com ele” foi criada em abril de 2016 e está desativada desde novembro do ano passado. Segundo a defesa, a página na rede social “ilustra com perfeição o antagonismo entre Lula e Moro, “tidos como inimigos, e o modo como o juiz de primeiro grau sempre se posicionou como se acusador fosse”.

“Esses fundamentos foram completamente desconsiderados pelo acórdão, que transformou o debate em uma questão de liberdade de expressão, deixando de analisar o fato de que a página, à época ainda ativa, era administrada pela esposa do magistrado e demonstrava sua clara inclinação à acusação, por meio da constante exaltação do procurador da República Deltan Dallagnol, aqui um dos acusadores e membro do Parquet regional”, registrou a defesa. “Necessário que se supra essa omissão, analisando-se os argumentos trazidos pela defesa.”

Prazos e recursos

O prazo para entregar o recurso terminava às 23h59 desta terça. O recurso tem 175 páginas. A defesa de Lula apontou 28 omissões, 16 contradições e cinco obscuridades no mérito do acórdão. Os advogados indicaram ainda dez omissões nas preliminares do julgamento.

Os magistrados não têm prazo para analisar o recurso. Caberá ao relator da Lava Jato na Corte, desembargador João Pedro Gebran Neto, receber o embargos, elaborar um relatório e seu o voto e marcar a data para julgamento da 8ª Turma. Este recurso não tem revisor.

Na primeira instância, o ex-presidente havia sido condenado por Sergio Moro a 9 anos e 6 meses de prisão. Após a publicação do acórdão do embargo de declaração, a defesa pode, em até 12 dias, entrar com outro embargo de declaração relativo ao recurso anterior. Este novo embargo também é analisado pelos desembargadores.

A defesa de Lula tem direito ainda a entrar com Recurso Especial perante o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e com Recurso Extraordinário no Supremo Tribunal Federal. Esses recursos devem ser apresentados simultaneamente e não têm efeito suspensivo. Os advogados podem, no entanto, pedir a suspensão do envio do cumprimento da medida para Curitiba enquanto as Cortes em Brasília não julgarem os pedidos.

No julgamento que aumentou a pena de Lula, o desembargador Leandro Paulsen deixou expresso, ao final do seu voto, que a pena do petista deve ser imediatamente executada em caso de decisão unânime da Corte e se esgotados todos os recursos ainda cabíveis no âmbito da segunda instância.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE