Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Renúncia de Richa

Cida ganha a máquina, Ratinho sente o baque e Osmar fica na mesma

Anúncio da renúncia do governador Beto Richa mexe com os ânimos e coloca as cartas na mesa para a eleição de outubro

  • Katia Brembatti
Richa com Cida durante o anúncio de renúncia do tucano na segunda-feira (26). | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Richa com Cida durante o anúncio de renúncia do tucano na segunda-feira (26). Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A vice-governadora Cida Borghetti (PP) ficou com uma expressão solene ao lado de Beto Richa (PSDB) durante todo o pronunciamento em que o governador oficializava, na segunda-feira (26), a renúncia ao cargo a partir do dia 6 de abril. O semblante era de satisfação, mas não era de vitória – até porque o aliado político não disse, com todas as letras, que ela era a única que irá recomendar para substituí-lo no Palácio Iguaçu.

Apesar de não declarar apoio exclusivo, Beto Richa deixou mais clara a sua proximidade com a vice-governadora, a quem elogiou rasgadamente. Disse que ela representava a garantia de manter a estabilidade econômica que o governo havia conquistado e ressaltou que, em todos os anos de parceria, não houve um desentendimento sequer.

Por sua vez, Cida fez o discurso da continuidade, dizendo que não faria grandes mudanças no secretariado. Mais do que a promessa de exclusividade, a governadora pelos próximos nove meses ganha de presente a máquina pública, com a conveniência de administrar um orçamento bilionário, buscando reforçar a imagem para estender, por pelo menos mais quatro anos, a permanência no Palácio Iguaçu.

VÍDEO: Assista à análise sobre o reflexos da renúncia de Richa

Ao não prometer apoio exclusivo, Beto Richa evitou contrariar o até pouco tempo atrás secretário Ratinho Junior (PSD), que pleiteia o cargo de governador. Richa até elogiou o agora deputado estadual, mas não prometeu a imparcialidade esperada quando dois aliados estão em disputa.

Procurado pela reportagem, Ratinho Júnior preferiu não dar declarações. A assessoria de imprensa informou que ele está costurando alianças com vários partidos e que o momento é de avaliação do cenário.

ANÁLISE: O fato é que Ratinho sofreu derrota colossal e agora joga como “terceira via”

Dentre os principais pré-candidatos ao governo, quem falou abertamente sobre o impacto da saída de Beto Richa do governo foi Osmar Dias (PDT), dizendo que o panorama não muda. “Nunca pretendi ter o apoio do Beto. Vou fazer campanha mostrando que dá para fazer melhor”, declarou.

Osmar deixou claro que pretende colar em Cida e Ratinho a imagem de que ambos representam o governo. O pedetista destaca que a renúncia de Beto Richa era esperada, mas que não define o cenário eleitoral, que ainda depende das convenções partidárias, no começo do segundo semestre.

A reportagem entrou em contato com a assessoria do senador Roberto Requião (PMDB), pré-candidato ao governo, mas não obteve retorno.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE