Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Segunda instância

Prefeito de Porto Alegre pede ajuda ao Exército para julgamento de Lula

Nelson Marquezan Júnior (PSDB) também solicitou apoio da Força Nacional de Segurança

  • São Paulo
  • Estadão Conteúdo
 | LULA MARQUES/Agência PT
LULA MARQUES/Agência PT
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB), solicitou apoio do Exército e da Força Nacional para atuarem no dia do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Tribunal Federal Regional da 4ª Região (TRF-4), na capital gaúcha, previsto para 24 de janeiro. A direção do PT prepara um ato de recepção ao petista para a data.

LEIA MAIS: Lula decide que vai a Porto Alegre para julgamento que pode tirá-lo da eleição

Lula foi condenado, em primeira instância, a 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do triplex do Guarujá (SP). Se a condenação for confirmada, Lula pode ser impedido de disputar a eleição presidencial. O presidente irá ao julgamento no dia 24.

“Devido às manifestações de líderes políticos que convocam uma invasão em Porto Alegre, tomei essa medida para proteger o cidadão e o patrimônio público”, disse o tucano.

No pedido, o tucano diz considerar ameaças de “de ocupação de espaços públicos municipais pelos diversos movimentos sociais que manifestaram-se publicamente nesse sentido” e também “a menção à desobediência civil e luta propugnadas nas redes sociais por alguns políticos, inclusive senadores da República”.

LEIA MAIS: Lula insiste para ser ouvido de novo: “interrogatório de Moro foi totalmente viciado”

Em decisão liminar do dia 29 de dezembro, o juiz Osório Ávila Neto acolheu requerimento em ação civil da Procuradoria da República e interditou o Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, proibindo no local conhecido como Parque da Harmonia instalações do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra desde então e até três dias depois do julgamento.

Não foram proibidas manifestações nas proximidades do TRF-4. “A determinação judicial é para controlar o acesso de modo a assegurar a normalidade do trânsito de pessoas e veículos no entorno do Tribunal, garantido o direito de manifestação no Parque da Harmonia”, destacou a Justiça, em nota.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE