Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE
Luiz Augusto Xavier

Luiz Augusto Xavier + VER MAIS COLUNISTAS

opinião

Festa encaminhada no Alto da Glória

  • Luiz Augusto Xavier
 | Hugo Harada/Gazeta do Povo
Hugo Harada/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O Atlético tem como foco principal a Libertadores e ainda vem a Copa do Brasil, enquanto o Coritiba só tem o campeonato estadual como foco.

O Atlético tem um técnico consagrado, que não depende de resultado ou conquista para manter a sequência de seu trabalho, enquanto que o Coritiba tem um treinador interino, que depende de resultado e conquista para ser efetivado.

O Atlético entrou sem seis de seus titulares, poupados para o compromisso da próxima quarta-feira, contra o San Lorenzo, enquanto o Coritiba pôs em campo o melhor que tinha.

São argumentos, entre outros, que já estão por aí, a tentar desdenhar a conquista do título paranaense da temporada.

Sabe o que isso significa? Nada.

LEIA TAMBÉM - Carneiro Neto: Título antecipado do Coritiba

Importa é que o Coritiba foi à Baixada, fez barba, cabelo e bigode e agora só tem de preparar o cerimonial para os festejos de domingo que vem, no Alto da Glória, na partida de volta. Comemoração, sim, pois a reversão de um resultado assim é praticamente impossível.

Ontem o Coxa chegou aos 3 a 0 por ter sido melhor em campo e muito mais objetivo. E mesmo quando o Atlético tentou reagir, no segundo tempo, o goleiro Wilson tratou de garantir a folgada diferença de gols a ser administrada na volta.

A simplória comparação de números permitiria reabilitar o Atlético com o mesmo placar domingo que vem. A diferença é a situação de cada partida. Ontem o Coritiba foi marcando ao natural, sem pressão, enquanto os rubro-negros entrarão em campo sabendo que terão de fazer pelo menos três gols a mais. Obrigação, mas um peso muito grande, mesmo que os atleticanos levem a campo a equipe titular (o que parece ser cada vez mais improvável).

E os alviverdes, de seu lado, terão consciência dessa folga de poderem levar dois gols sem qualquer dano maior. Sem perder o foco, é claro, pois, como diria aquele folclórico jogador, “clássico é clássico e vice-versa”.

E o apito...

A arbitragem, infelizmente, não esteve no mesmo nível do que os dois times apresentaram em campo. Errou feio ao anular um gol de Kléber, no primeiro tempo, por impedimento mal marcado. O mesmo auxiliar repetiu o erro, no segundo tempo, em jogada de Douglas Coutinho, que poderia ter sido transformada em gol.

No lance que gerou a expulsão de Gedoz (correta, diga-se), ele havia sido puxado pela camisa por Kléber, que, minutos antes recebera cartão amarelo. Seria para receber o segundo e, por consequência, o vermelho.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

últimas colunas de Luiz Augusto Xavier

PUBLICIDADE