Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

2014

Fechar
PUBLICIDADE

Protesto

Campanha contra obras da Copa promove panfletagem no Maracanã

Objetivo foi denunciar os impactos que as obras provocam nas comunidades vizinhas, como ações de despejo e especulação imobiliária

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A Campanha Nacional Contra os Crimes da Copa do Mundo, organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e pelo Movimento Popular Resistência Urbana, promoveu uma panfletagem nesta quarta-feira (4) na entrada do canteiro de obras do Estádio do Maracanã. As obras de reforma do estádio, que vai receber o jogo final da competição, contam com o trabalho de 3 mil operários.

O protesto teve como objetivo denunciar os impactos que as obras da Copa provocam nas comunidades vizinhas, como ações de despejo e especulação imobiliária. Além do Rio de Janeiro, os protestos ocorreram em São Paulo, Manaus, Brasília, Belo Horizonte, Cuiabá, Fortaleza e Curitiba, todas cidades-sede de jogos da Copa. Também houve protestos em São Luiz e Belém, que não estão na lista das cidades que vão receber jogos da competição.

De acordo com o Robson Oliveira, de 42 anos, que integra a organização nacional da campanha, o Comitê Popular da Copa, que reune movimentos sociais nas cidades-sedes, preparou um relatório denunciando que cerca de 900 mil famílias serão despejadas por causa das obras de mobilidade urbana e de construção de estádios. Ele ressaltou que, somente na capital fluminense, aproximadamente 55 mil famílias terão que deixar as casas onde moram atualmente. "Aqui no Rio, a comunidade do Metrô Mangueira, ao lado do Maracanã, vai ser despejada".

A Secretaria Municipal de Habitação informou que o reassentamento das comunidades ocorre em função das obras públicas já programadas, e não por causa dos grandes eventos esportivos previstos para a cidade, como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Em relação à favela Metrô Mangueira, a secretaria informou que ela está localizada em uma região programada para receber intervenções. "As famílias foram avisadas sobre o reassentamento. Não há remoção forçada e ninguém será enxotado de lugar nenhum", assegurou a secretaria, por meio de nota.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Esportes

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais