Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

futebol

Cobrado, Alex Brasil justifica contratações que detonaram polêmica no Coritiba

  • Vinicius Cordeiro especial para a Gazeta do Povo
Alex Brasil deu explicações sobre negócios polêmicos do Coxa. | Antônio More/Gazeta do Povo
Alex Brasil deu explicações sobre negócios polêmicos do Coxa. Antônio More/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Diretor de futebol do Coritiba, Alex Brasil explicou contratações de jogadores que não renderam o esperado e foram cobradas pela torcida. Em entrevista à Rádio Transamérica, o executivo lamentou o rebaixamento do clube e revelou que as decisões de transferências eram tomadas em conjunto com o G5.

“Não tem explicação. Todo mundo se empenhou, tudo foi feito”, declarou Brasil, sobre a queda. Questionado se foi um erro contratar o técnico Marcelo Oliveira, o diretor saiu em defesa do comandante alviverde. “Não. De forma alguma. O trabalho dele e da comissão foi fantástico, não tem o que falar” completou.

Com futuro indefinido no Coxa por causa da eleição no clube no próximo sábado (9), Alex Brasil analisou as negociações de alguns dos principais nomes alviverdes da temporada. Confira abaixo:

Anderson

“O Anderson veio no início e a gente foi com o consenso de todos. Ele nos ajudou no começo, teve a infelicidade de se machucar e depois a coisa não andou mais”, avaliou Brasil.

No Brasileirão, o meia atuou apenas em 12 partidas, não marcou nenhum gol e não deu nenhuma assistência. O técnico Marcelo Oliveira deixou de relacionar o atleta de 28 anos em diversas rodadas e justificou a ausência pela falta de apetite de seu comandado.

No final, o rendimento foi abaixo das expectativas criadas, até mesmo pelo próprio jogador -- em sua chegada, Anderson chegou a declarar que iria estourar no Alto da Glória.

Alecsandro

“O Coritiba, na venda do Veiga, tinha um crédito de R$ 1,8 milhão com o Palmeiras. Dentro disso, esse crédito tinha de ser feito dentro dessa gestão porque se não ia acabar. O Coritiba não gastou um centavo com o Alecsandro aqui. E ele custou mais 500 mil reais que nós conseguimos tirar do Palmeiras. Então de R$1,8 mi, virou R$ 2,3 mi e o Coritiba ganhou em cima”, revelou Alex Brasil sobre os valores do negócio.

“Claro que quando você traz um goleador como o Alecsandro, ninguém esperava que fosse acontecer isso. Não rendeu”, resumiu o diretor de futebol do clube alviverde. Para completar, o atacante tem contrato até final de 2018. Mas para permanecer, o jogador deve ter uma redução salarial: “se ele quiser ficar no Coritiba, ele fica. Caso contrário, não”, completou Brasil sobre o atacante que fez um gol em 15 jogos.

Baumjohann

“Fantástico atleta, trabalhador. Quando veio ao meu conhecimento, eu omiti minha opinião: é um jogador que está sem jogar há muito tempo, em um time B, vindo de férias europeias e vai demorar um certo tempo para se condicionar. Isso era fato. Relatei minha opinião”, afirmou Brasil.

Em um panorama geral, Baumjohann apresentou qualidade técnica, mas deixou nítida a falta de condições físicas. Ficou meses treinando, acabou se machucando na reta final e foi utilizado apenas em três partidas -- nenhuma como titular. Deixado de lado por Marcelo Oliveira em seu começo de trabalho, só entrou em campo após o presidente Rogério Bacellar falar publicamente que já teria escalado o jogador.

Daniel

“Um jogador jovem, onde negociamos com o São Paulo -- que pagava metade dos seus rendimentos. Jogou muito pouco no Estadual. A partir do momento que o departamento avalia e dá o ok, o jogador está apto.” comentou Alex Brasil.

Com três jogos disputados no Paranaense -- 55 minutos, e outras três partidas no Brasileirão, Daniel passou mais tempo no departamento médico alviverde do que jogando. Emprestado pelo Tricolor paulista, sofreu com problemas no joelho e não pôde ser considerado um reforço para a equipe.

Keirrison

“Quando chegou aos meus conhecimentos, o Keirrison tinha uma ação contra o Coritiba e bloqueou um valor. Para a liberação disso, fizeram o contrato e ele abdicou de parte disso. Daí foi contratado. Foi exclusivamente por esse bloqueio que houve na justiça”, deixando claro que a contratação não foi feita por motivos técnicos.

Com cinco jogos feitos, K9 foi importante por dar a assistência para o gol de Yan Sasse, nos acréscimos, que deu a vitória de 4 a 3 do Coxa sobre o Sport. “Não é aquele Keirrison que surgiu aqui. Ele teve sua participação, por mais que não foi aquilo que nós esperávamos”, finalizou Alex Brasil.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Esportes

PUBLICIDADE