Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

story
Enkontra.com
PUBLICIDADE

LIBERTADORES

Você não viu na tevê: bastidores de Flamengo x Atlético

  • RIO DE JANEIRO
 | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Jonathan Campos/Gazeta do Povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Exemplo

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/13/Esportes/Imagens/Vivo/WhatsApp Image 2017-04-12 at 23.08.27.jpeg
Jonathan Campos
/
Gazeta do Povo

Após o apito final e a saída da torcida do Flamengo do Maracanã, os atleticanos permaneceram nas arquibancadas entoando gritos de incentivo à equipe. A derrota não abalou os rubro-negros, que deram exemplo de apoio incondicional ao Furacão. Cantado pelos torcedores, o hino do Atlético foi uma das últimas músicas a ressoarem no estádio.

Provocação ou saudosismo?

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/13/Esportes/Imagens/Vivo/WhatsApp Image 2017-04-12 at 20.43.51.jpeg
Jonathan Campos
/
Gazeta do Povo

Diversas vezes antes da partida, os telões do Maracanã transmitiram os melhores momentos da vitória do Flamengo sobre o Atlético na final da Copa do Brasil de 2013, no próprio estádio. Os gols do triunfo carioca por 2 a 0, de Elias e Hernane, foram comemorados no estádio pelos flamenguistas.

“O Maraca é nosso”

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/13/Esportes/Imagens/Vivo/WhatsApp Image 2017-04-12 at 19.15.08.jpeg
Jonathan Campos
/
Gazeta do Povo

Duas horas antes do jogo, um grupo de cerca de 20 torcedores do Atlético se valeu do estádio quase vazio para entoar cantos provocativos no Maracanã, como “Time sem estádio” e “O Maraca é nosso”. Espalhados pelas arquibancadas e um pouco desconcertados, o máximo que os poucos flamenguistas conseguiram como resposta foram tímidas vaias.

Deputado federal

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/13/Esportes/Imagens/Vivo/WhatsApp Image 2017-04-12 at 19.15.40.jpeg
Jonathan Campos
/
Gazeta do Povo

Mantendo a tradição de descontração do povo carioca, alguns personagens bem-humorados transitaram no entorno do Maracanã antes do jogo, eu uma mistura de futebol e carnaval. Destaque para um sósia do humorista e deputado federal Tiririca. Dentro do estádio, nas arquibancadas, também sobrou criatividade: valia até por uma melancia na cabeça.

Casa improvisada

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/13/Esportes/Imagens/Vivo/WhatsApp Image 2017-04-12 at 19.15.02.jpeg
Jonathan Campos
/
Gazeta do Povo

Pouquíssimo utilizado neste ano, o Maracanã apresenta as marcas do próprio abandono. Um grupo de gatos aproveitou a situação desoladora para transformar em lar uma das entradas do estádio, aparentemente fechada há muito tempo.

Negócio lucrativo

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/13/Esportes/Imagens/Vivo/WhatsApp Image 2017-04-12 at 19.14.03.jpeg
Jonathan Campos
/
Gazeta do Povo

A chuva intensa que tomou conta do Rio de Janeiro durante horas antes da partida fez a alegria dos vendedores de capas de chuva. Espalhados por todo o entorno do Maracanã, os ambulantes vendiam capa atrás de capa, ininterruptamente. O valor da unidade: R$ 10. A chuva ainda abarrotou os bares ao redor do estádio, com torcedores em busca de cobertura.

Negócio clandestino

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/04/13/Esportes/Imagens/Vivo/WhatsApp Image 2017-04-12 at 19.14.12.jpeg
Jonathan Campos
/
Gazeta do Povo

As entradas para a torcida do Flamengo se esgotaram na segunda-feira (10). Horas antes do jogo, entretanto, era possível adquiri-las com facilidade nas mãos dos cambistas. A presença ostensiva da polícia não inibiu a atividade dos clandestinos. Os valores variavam entre R$ 150 e R$ 250, de acordo com o setor.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Esportes

PUBLICIDADE