Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

story
Enkontra.com
PUBLICIDADE

Paranaense

Weverton recebeu pena exagerada por ser um atleta de seleção, defende advogado do Atlético

Weverton está fora do Paranaense. | Lucas Figueiredo/CBF
Weverton está fora do Paranaense. Lucas Figueiredo/CBF
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O Atlético considerou desproporcional a pena de oito jogos de suspensão imposta ao goleiro Weverton pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-PR), na última terça-feira (18), em razão do envolvimento do atleta na confusão registrada após o clássico com o Paraná, no último dia 9, nas quartas de final do Estadual.

O departamento jurídico do Furacão entende, a partir do que se viu no julgamento, que o capitão rubro-negro foi vítima de seu próprio sucesso. Pelo fato de ter sido campeão olímpico e constar nas convocações de Tite, o jogador teria sofrido uma pena maior do que a esperada. Por causa da suspensão, ele está fora do restante do Paranaense.

“Não houve apenas desproporcionalidade na pena. Considerando os votos dos auditores, o julgamento levou em consideração o fato de Weverton ser o atleta mais importante e renomado do estado em termos de visibilidade no momento”, argumenta o advogado Mario Bittencourt, que defendeu o goleiro no Tribunal.

Bittencourt ficou famoso por defender o Fluminense no caso contra com a Portuguesa no Brasileiro de 2013. A Lusa terminou punida e rebaixada, enquanto o Flu livrou-se da Série B no tapetão.

“Em um dos votos, foi dito que, por ele ser campeão olímpico e atleta de seleção, ele tem uma função social e não deve ter certas atitudes em campo. As pessoas têm de entender que antes de tudo ele é um ser humano, que ouviu e desabafou. Realmente fiquei bastante chocado com a pena”, reforça o advogado.

Ainda segundo Bittencourt, a punição de Weverton prejudica o Estadual e comprova que o futebol brasileiro “está ficando muito chato”. “Você tira o atleta mais renomado do estado no momento da fase decisiva da competição. Imagina quantas pessoas não o admiram”, diz.

O advogado citou exemplos de ex-jogadores como Renato Gaúcho, Romário e Edmundo, que costumavam comemorar com provocações às torcidas adversárias. A Gralha, mascote do Paraná, também serviu de comparação.

“O Weverton se defendeu de várias agressões e teve pena maior que os atletas do time adversário. O Paraná não foi punido por incitação. O mascote incitou a torcida adversária antes do jogo e depois apareceu na confusão”, contesta.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Esportes

PUBLICIDADE