Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Bandeirantes

Gramados do Norte Pioneiro viram terra estéril para o futebol

No auge, fartura financiada pelos barões da agricultura. Hoje, penúria no campo e na lavoura. A bola sempre rolou na região conforme o ritmo da economia

  • Leonardo Mendes Júnior
O zelador Cidão sofre para manter em ordem o Comendador Meneghel, estádio que padece com o vandalismo e a falta de futebol |
O zelador Cidão sofre para manter em ordem o Comendador Meneghel, estádio que padece com o vandalismo e a falta de futebol
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Gramados do Norte Pioneiro viram terra estéril para o futebol

“O futebol daqui está morto.” As duras palavras saem com naturalidade da boca que mais deu ordens nos gramados da região. Serafim Meneghel comandou o União Bandeirante por quatro décadas. Hoje, é testemunha de um futebol que não existe mais. Casa de equipes que, por meio século, desafiaram os grandes do estado, o Norte Pioneiro tornou-se um cemitério de clubes. Uma a uma, as forças da região foram fechando as portas. Algumas tentaram voltar em versões genéricas, enfraquecidas e de curta duração.

FOTOS: Veja O abandono do Estádio Comendador Luiz Meneghel

VÍDEO: Serafim Meneghel conta histórias e lendas do União Bandeirante

A última incursão no profissionalismo resume bem a situação. Com um histórico rico no amador, o União Nova Fátima, instigado por empresários paulistas, inscreveu-se na Terceirona do ano passado. Sem estádio e sem dinheiro, desistiu no meio da competição. Fora da elite desde 2007, o Norte Pioneiro não deve ter representante também nas duas divisões de acesso do estado este ano. Ausência registrada anteriormente apenas em 1955, 1957 e 2007.

Penúria no futebol que reflete a pobreza dos municípios. Entre as dez mesor­­regiões do Paraná, o Norte Pio­­neiro é a terceira mais pobre, segundo dados do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econô­­mico e Social (Ipardes), com base no Censo de 2010. Responsável por 3% do PIB pa­­ranaense, vive na contra­­mão do estado: é mais agrícola (22% do PIB) e menos industrializada (18%) que a média geral, de 7% e 28%, respectivamente.

Espelho da economia na pobreza e na riqueza. Os períodos de prosperidade, quase sempre puxados pelo café, enchiam de dinheiro o bolso dos fazendeiros e os estádios de torcedores e bons times. O primeiro clube a se aventurar no profissionalismo foi a Esportiva de Jacarezinho, em 1950. Na época, a cidade era o centro da produção cafeeira da região, sede de grandes fazendas com populosas vilas de colonos, ainda guardando resquícios da escravidão.

“O período entre o fim da Segunda Guerra e meados dos anos 60 é o auge do café na região. Os fazendeiros investiam na montagem de times como lazer. Contratavam, pagavam salário, davam bicho em mantimentos e pequenos objetos de luxo. Foi a lógica do futebol em todo o Norte até os anos 70”, conta o professor de História da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Rogério Ivano.

As duas décadas áureas do café são também o período mais glorioso do futebol do Norte Pioneiro. O ápice é em 1962, ano em que 12 equipes da região se inscrevem no Campeonato Paranaense. Duas – Comercial, de Cor­­nélio Procópio, e Esportiva – chegam ao triangular final, contra o Operário. O Comercial leva pela primeira e única vez o título para esta parte do estadol.

Além da prosperidade eco­­nô­­mica, o formato do Es­­­­­tadual estimulava a parti­­ci­­pação de equipes. O torneio era dividido em regiões. Havia um grupo só do Norte Pioneiro. Com acesso difícil a Curitiba – apenas parte da estrada era asfaltada –, os times recorriam a São Paulo e Minas Gerais para buscar jogadores. “Eu rodava o interior de São Paulo atrás de jogador e todos eles já tinham ouvido falar da Esportiva”, orgulha-se Pedro Chueire, 87 anos, diretor de futebol durante toda a existência do time de Jacarezinho. Potências nacionais como Palmeiras, São Paulo, Santos, Corinthians e Flamengo rodavam os mu­­nicípios em concorridos amistosos.

O declínio começou na segunda metade dos anos 60. A unificação do Estadual encareceu o futebol e a queda do café tornou o dinheiro mais escasso. A geada de 1975 foi o golpe final. “O excesso de produção tornava o plantio menos vantajoso, havia muita concentração de terra e os cafezais já estavam velhos. A grande geada foi o cataclisma, jogou a pá de cal no café”, explica Ivano.

Sobreviveram apenas dois times de dono: o União Ban­­­­­­deirante, da família Meneghel, dona de usina e fazendas de cana de açúcar, e o Matsubara, dos Matsubara, barões do algodão. O clássico do Algodão Doce mantém o futebol vivo e forte no Norte Pioneiro entre os anos 70 e 90, um duopólio quebrado apenas pela Platinense, entre 1985 e 89.

A exemplo do que aconteceu com o café, o cultivo de algodão minguou no estado. A família Matsubara perdeu dinheiro e poder de investimento no time. A usina Meneghel retirou o apoio ao União em 2004. Em um futebol mais caro, dominado por empresários, os clubes resistiram pouco pelas próprias pernas.

“As mudanças na economia e no futebol prejudicaram a região. Hoje o futebol vive de marketing, e quem vai investir em uma região onde não se tem retorno de mídia nem massa crítica?”, constata Norio Matsubara, filho de Sueo e herdeiro do clube de Cambará. Herdeiro de um futebol que não existe mais.O abandono do Estádio Comendador Meneghel

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#appId=254792324559375&xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));
]]>Tweet

Esportes | 14:12

Serafim Meneghel conta as histórias e lendas do União

Tiro na bola, invasões de campo, jogadores folclóricos... Cinco vezes vice-campeão estadual, o União Bandeirante tem uma das histórias mais ricas do futebol paranaense, protagonizadas pelo seu fundador e dono.

VER MAIS VÍDEOS

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Esportes

PUBLICIDADE