PUBLICIDADE

Entre rosas, pinturas e um bispo, conheça as histórias do casarão sueco de Curitiba

Casa de 120 anos na divisa do São Francisco com o Centro Cívico é exemplar curitibano com maior variedade de pinturas artísticas e decorativas nas paredes

Fachada do casarão Villa Sophia com diversos elementos do eclético, como as esquadrias retangulares convivendo com as janelas em arcos plenos. Foto: André Rodrigues/Gazeta do PovoFachada do casarão Villa Sophia com diversos elementos do eclético, como as esquadrias retangulares convivendo com as janelas em arcos plenos. Foto: André Rodrigues/Gazeta do Povo

por Luan Galani

13/12/2016

O casarão que se levanta sobre a Mateus Leme com a Barão de Antonina, logo atrás do shopping Mueller, parece um palacete qualquer aos olhos distraídos. Mas a impressão termina assim que você bota o pé lá dentro, e se depara com uma galeria de pinturas em quase todos os cômodos: holandesinhas dançantes na copa, cruz de Malta na antiga capela, florões dourados em fundo azul no que costumava ser a sala de jantar. É justamente essa colcha de retalhos artística que faz da casa sueca conhecida como Villa Sophia uma joia arquitetônica da cidade.

Detalhe do teto e das faixas decorativas art déco da antiga sala de música da família sueca. Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo

Detalhe do teto e das faixas decorativas art déco da antiga sala de música da família sueca. Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo

Casa sueca no centro de Curitiba.  Foto: André Rodrigues / Gazeta do Povo

Faixa decorativa com holandesas dançantes na antiga copa da Villa Sophia. Foto: André Rodrigues/Gazeta do Povo

Nenhum outro lugar da cidade oferece tantas pinturas diferentes bem preservadas quanto o casarão”, garantem os arquitetos responsáveis pelo projeto de restauro Ivilyn Weigert e Leandro Gilioli. O que encanta ainda mais é que todos esses ornamentos dão conta de jogar luz sobre os principais capítulos da história de 120 anos do pequeno castelo.

Entrada do segundo pavimento com piso de pinheiro, faixas decorativas, portas com formas típicas do art déco e pendente do mesmo tipo encontrado na Catedral. Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo

Entrada do segundo pavimento com piso de pinheiro, faixas decorativas, portas com formas típicas do art déco e pendente do mesmo tipo encontrado na Catedral. Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo

Detalhe das faixas decorativas, que adornam diversos cômodos. Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo

Detalhe das faixas decorativas, que adornam diversos cômodos. Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo

Palacete de apelidos

A casa nasceu por volta de 1896 como uma chácara cercada de pomares pela vontade do sueco Guilherme Lindroth, que ajudou a fundar o Clube Duque de Caxias e o Coritiba Futebol Clube, como consta em um relatório técnico da construção. Apesar da origem escandinava do proprietário, o palacete não guarda características arquitetônicas da terra dos vikings porque Lindroth resolveu “contratar marceneiros alemães, os construtores mais disputados da época, e deixou as pinturas por conta dos italianos, os melhores na lida com o pincel”, conta a restauradora Tatiana Zanelatto Domingues.

Villa Sophia em 1910 quando a paisagem da cidade ainda era rural. Foto: Germano Fleury/ Coleção Família Mueller

Villa Sophia em 1910 quando a paisagem da cidade ainda era rural. Foto: Germano Fleury/ Coleção Família Mueller

Com mais de 2 mil m² distribuídos em três pavimentos e um pé direito de 4,5 metros, a casa esbanja o rigor das técnicas construtivas germânicas sem perder o charme eclético, com muitas linhas geométricas do Art Déco. O casarão recebeu o nome de Villa Sophia em homenagem à esposa de Lindroth, Sophia Mueller, filha do suíço Gotlieb Mueller. A moça adorava cultivar rosas e o primeiro apelido da residência vem daí: “casa das rosas”.

A esposa de Guilherme Lindroth, Sophia Mueller, adorava cultivar rosas. Foto: Coleção Família Mueller

A esposa de Guilherme Lindroth, Sophia Mueller, adorava cultivar rosas. Foto: Coleção Família Mueller

A casa da santa

Depois de 40 anos servindo de residência para as famílias Lindroth e Mueller, em 1937 o imóvel foi vendido para a Igreja Católica e passou a se chamar “casa do bispo”. Foi durante esse período que o casarão ganhou um de seus maiores trunfos: uma reprodução da pintura a óleo da Imaculada Conceição de El Escoria, de 1665, do espanhol Bartolomé Murillo, cuja obra original se encontra no Museu Nacional do Prado.

Reprodução da pintura espanhola da Imaculada Conceição de 1665, agora no hall de entrada do prédio. Foto: André Rodrigues/Gazeta do Povo

Reprodução da pintura espanhola da Imaculada Conceição de 1665, agora no hall de entrada do prédio. Foto: André Rodrigues/Gazeta do Povo

Depois da passagem dos bispos, no final da década de 1950, o imóvel foi repassado para outro ramo da igreja. Depois de anos abandonado, foi adquirido em 2007 por um engenheiro que adora investir em edifícios antigos, mas que prefere o anonimato. Junto do escritório de advocacia Vernalha Guimarães & Pereira Advogados, proporcionaram a repaginada do casarão.

Em tempo: a santa foi pintada originalmente em um cômodo do terceiro andar no lugar da sacada. Com a restauração, ela foi realocada para o hall do edifício, e hoje é a primeira a sorrir para os visitantes.

Detalhes preservados do imponente casarão, como a escadaria de madeira. Foto: Bunno Covello/Gazeta do Povo

Detalhes preservados do imponente casarão, como a escadaria de madeira. Foto: Bunno Covello/Gazeta do Povo

A sala de reuniões do escritório chama a atenção pelo teto adornado. Foto: André Rodrigues/Gazeta do Povo

A sala de reuniões do escritório chama a atenção pelo teto adornado. Foto: André Rodrigues/Gazeta do Povo

LEIA TAMBÉM

Rio mais importante da cidade, Belém sobrevive à ocupação urbana

Pedreira Paulo Leminski quase teve outra cara. Veja o projeto original

Praça do Expedicionário: uma casa para todos os pracinhas

PUBLICIDADE