PUBLICIDADE

Feita de tijolinhos tradicionais, única igreja em forma de barco de Curitiba celebra 80 anos

Com 80 anos recém-completados, Igreja do Cristo Rei chama atenção por seu formato inusitado e suas obras assinadas por grandes nomes das artes plásticas e sacras nacionais

Igreja do Santuário Cristo Rei e São Judas Tadeu em Curitiba, única na região em formato de barco. Fotos: Hugo Harada/Gazeta do Povo

Igreja do Santuário Cristo Rei e São Judas Tadeu em Curitiba, única na região em formato de barco. Fotos: Hugo Harada/Gazeta do Povo

por Sharon Abdalla

08/01/2018

Não é raro que os símbolos eclesiásticos estejam representados na arquitetura das igrejas. Em Curitiba, no entanto, poucas delas trazem isso de forma tão evidente como o Santuário de Cristo Rei e São Judas Tadeu. Mais conhecido como Igreja do Cristo Rei, ou simplesmente “Igreja do Barco”, o templo localizado no bairro de mesmo nome encanta fiéis e visitantes pela sua estrutura inusitada e por todo o simbolismo que carrega em seu interior.

“A forma de navio tem seu significado porque nós dizemos que a Igreja é a ‘Barca de São Pedro’, que atravessa a história rumo ao porto seguro, que é Cristo. Além disso, São Judas Tadeu era pescador e, portanto, é justo que o coloquemos em um navio”, explicou o padre Afonso Sandman, responsável pela obra da paróquia, em entrevista ao jornal Agenda Local, no início dos anos 1990.

O que muitos de seus admiradores desconhecem, no entanto, é que o santuário, que completou 80 anos no último mês de dezembro, nem sempre teve este formato e já foi ainda mais singela.

Igreja da Paroquia Cristo Rei em Curitiba.

Cruz da fachada da igreja se ergue a 37 metros do chão. Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

A paróquia

Nos anos 1930, a região do Cajuru e do Cristo Rei era pouco habitada e cabia à capela das Irmãs de São José de Chamberry a realização das missas e demais sacramentos. Em 1936, então, Dom Áttico Euzébio da Rocha convidou os padres palotinos a instalarem uma nova paróquia, para a qual as irmãs doaram um terreno situado na antiga Rua Goethe.

Igreja da Paroquia Cristo Rei em Curitiba.

Antes da construção da Paróquia do Cristo Rei, a realização das missas e demais sacramentos ficava a cargo da capela das Irmãs de São José de Chamberry. Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

A incumbência de angariar fundos para a construção da igreja ficou a cargo do padre Germano Mayer — que hoje empresta seu nome ao atual endereço da paróquia —, sendo sua pedra fundamental instalada em 27 de dezembro daquele ano. Cerca de um ano depois, estava concluída a igreja, inaugurada em 05 de dezembro de 1937, tendo o padre Germano como seu primeiro pároco.

Igreja da Paroquia Cristo Rei em Curitiba.

Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

O barco

A forma de barco, pela qual a construção é hoje reconhecida, passou a caracterizar a paróquia cerca de 40 anos mais tarde. “Foi realizada uma obra motivada pela necessidade de ampliação da igreja. O desenho arquitetônico se deve ao arquiteto Kozo Kassai, responsável pelo projeto. No cristianismo, a barca tem diversos simbolismos, representando um lugar de proteção, de abrigo”, explica o padre Renato Vieira, reitor do santuário.

Para que os fiéis não ficassem desassistidos, a nova igreja foi erguida no entorno da antiga, demolida somente quando a construção estava em fase adiantada. Projetada com critérios de simplicidade e autenticidade, a obra foi erguida com madeira, vitrais e tijolos comuns – nos quais é possível visualizar o sinal dos dedos dos oleiros.

Igreja da Paroquia Cristo Rei em Curitiba.

Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

Igreja da Paroquia Cristo Rei em Curitiba.

Painel cerâmico assinado por Cláudio Pastro traz a representação de símbolos católicos. Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

Com 1.191 m², a Igreja do Cristo Rei acomoda 600 fiéis sentados e tem na cruz de sua fachada, que se ergue a 37 metros do chão, seu ponto mais alto. Internamente, a atmosfera convida ao silêncio e à contemplação. Os 18 vitrais laterais de cada um dos lados da nave central, dispostos de três em três, trazem a representação de símbolos católicos. Mas são os painéis e vitrais assinados por grandes nomes das artes plásticas e sacras, como Poty Lazzarotto e Cláudio Pastro, os que completam a beleza singela da paróquia. “É uma proposta de beleza que enfatiza a simplicidade, algo muito importante dentro da catequese e da nossa fé”, resume o padre Renato.

LEIA TAMBÉM

PUBLICIDADE