PUBLICIDADE

Lugares para aproveitar o verão e a arquitetura de Curitiba

Siga nosso roteiro e aproveite o clima quente para redescobrir os espaços ao ar livre da cidade

Espaço Jardim Ambiental, na Rua Schiller. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Espaço Jardim Ambiental, na Rua Schiller. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

por HAUS

02/01/2018

Os dias mais quentes aliados às noites mais longas do horário de verão são um convite para se aproveitar a cidade. Afinal, quem não se anima a sair de casa para caminhar ou curtir um happy hour com os amigos com a temperatura próxima (ou até acima) dos 30°C – e distante da registrada nos dias frios do outono/inverno?

Em Curitiba, são muitos os espaços que possibilitam desfrutar momentos de relaxamento ao mesmo tempo em que se contempla a reconhecida arquitetura da capital. Siga nosso roteiro e aproveite o verão curitibano!

Rua 24 Horas

Inaugurada em setembro de 1991, Rua 24 Horas era algo inédito no país. Foto: Hugo Arada/Gazeta do Povo.

Inaugurada no início dos anos 1990, Rua 24 Horas era algo inédito no país. Foto: Hugo Arada/Gazeta do Povo

Inaugurada em setembro de 1991, a Rua 24 Horas retomou nos últimos anos seu papel como importante destino de lazer dos curitibanos. Construída em vidro e metal branco, a rua se tornou um dos cartões-postais da cidade com o projeto assinado pelo arquiteto Abrão Assad e inaugurou uma nova linguagem arquitetônica para a capital – pela qual Curitiba é reconhecida até os dias atuais. O local conta com diversos bares, restaurantes e cafés, além de lojas que comercializam de cosméticos a artes plásticas.

Parque Barigui

Foto: Giuliano Gomes/Arquivo/Gazeta do Povo

Com mais de 1 milhão de m², Parque Barigui conta com equipamentos públicos ao ar livre. Foto: Giuliano Gomes/Arquivo/Gazeta do Povo

É difícil encontrar em Curitiba quem não conheça o Parque Barigui. Inaugurado no início dos anos 1970, o parque é destino obrigatório de moradores e turistas que gostam de praticar atividades físicas ao ar livre, curtir um happy hour com os amigos, fazer piqueniques com a família ou simplesmente contemplar a natureza presente em seus 1,4 milhão de m². As capivaras são uma atração à parte, assim como a fauna exuberante do parque. Na Primavera, a dica é apreciar as corticeiras, flores de coloração avermelhada que só florescem neste período.

Largo da Ordem

Foto: Daniel Castelano/Arquivo/Gazeta do Povo

Tradicional endereço curitibano, o Largo da Ordem reúne arquitetura e lazer no Centro Histórico da capital. Foto: Daniel Castellano/Arquivo/Gazeta do Povo

Coração do centro histórico de Curitiba, o Largo da Ordem enche os olhos dos apaixonados por arquitetura e patrimônio e ajuda a contar a história da cidade. Nele, estão localizadas edificações como a Igreja da Ordem, a Casa Romário Martins e o Palácio Garibaldi (tombado como patrimônio histórico estadual), além das Ruínas de São Francisco e da famosa escultura do Cavalo Babão. Mesas dispostas no calçadão de petit-pavé permitem aos clientes dos bares e restaurantes desfrutar do ar nostálgico que envolve o cenário. A tradicional “Feira do Largo da Ordem”, realizada aos domingos, é outro evento imperdível do endereço.

Rua XV de Novembro

Foto: Albari Rosa

Fechado para o trânsito de veículos nos anos 1970, calçadão curitibano é famoso Brasil afora. Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

Outro cartão-postal de Curitiba, também com projeto assinado pelo arquiteto Abrão Assad, a Rua XV de Novembro oferece diversas atividades para se aproveitar os dias quentes ao ar livre. O calçadão, fechado para o fluxo de veículos nos anos 1970, conta com uma variedade de comércios, bancos de madeira para o descanso dos pedestres emoldurados pelas coloridas floreiras e o chope ou o sorvete gelado sob a cobertura de tom arroxeado também assinada por Assad. A partir desta sexta-feira (1), a XV de Novembro também se transforma na plateia da tradicional apresentação natalina do Palácio Avenida.

Jardim Ambiental

Espaço Jardim Ambiental, na Rua Schiller. FOTO: Aniele Nascimento / Gazeta do Povo.

Praça localizada na Rua Schiller se estende por cinco quadras. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Se você gosta de se exercitar ou deseja aproveitar os dias mais quentes para passar mais tempo com os filhos, a Praça Jardim Ambiental é outro endereço convidativo. Localizada na Rua Schiller, no Alto da XV, ela se estende por cinco quadras, entre as ruas Dias da Rocha Filho e Dr. Goulin, e conta com pistas de skate, cancha de areia e quadra poliesportiva. Mesas de xadrez, playground e pista de caminhada também estão à disposição dos frequentadores nos quase 25 mil m² que compõem a praça.

Bosque Alemão

Bosque alemao, foto para arquivo

Réplica de uma igreja presbiteriana é uma das atrações do Bosque Alemão. Foto: Henry Milléo/Arquivo/Gazeta do Povo

Inaugurado em 1996, no Vista Alegre, o Bosque Alemão tem 38 mil m² de mata nativa e diversos equipamentos que fazem referência à cultura e à arquitetura germânica. Entre eles está o Oratório de Bach, réplica de uma igreja presbiteriana de estilo neogótico, composta por sala de concertos, lanchonete e sanitários, e a reprodução da fachada da Casa Mila. Painéis de azulejo instalados na trilha em meio ao bosque contam a história de “João e Maria”. Já o mirante de 15 m de altura, situado sobre a Torre dos Filósofos, possibilita uma vista panorâmica da cidade e da Serra do Mar ao mesmo tempo em que o visitante pode experimentar as delícias da confeitaria Erika, que vende tortas e biscoitos artesanais no local.

Parcão

Foto: Daniel Castellano/ Arquivo/Gazeta do Povo

Gramado verde, emoldurado pelo museu projetado por Oscar Niemeyer, é um convite ao relaxamento. Foto: Daniel Castellano/ Arquivo/Gazeta do Povo

Destino obrigatório para os dog lovers, o Parcão se tornou um dos destinos preferidos dos curitibanos, especialmente nos finais de semana. Além de ser um dos melhores espaços da cidade para se passear e brincar com os animais de estimação, o imenso gramado verde localizado nos fundos do Museu Oscar Niemeyer é ótimo para reunir os amigos para um piquenique, um jogo de tabuleiro ou apenas para jogar conversa fora. De quebra, ainda é possível contemplar a beleza do “Olho”, assinado pelo renomado arquiteto que dá nome ao local, e visitar as exposições em cartaz no museu.

LEIA TAMBÉM

Quatro restaurantes e cafés com paisagens de tirar o fôlego em Curitiba

 

 

PUBLICIDADE