PUBLICIDADE

Conheça a cabana do homem que desenhou a Curitiba moderna

O arquiteto Abrão Assad deu vida à Curitiba moderna. Sua maior cartada está em sua obra menos popular: a própria casa

Fotos: Letícia Akemi/Gazeta do PovoFotos: Letícia Akemi/Gazeta do Povo

por Luan Galani

16/02/2017

Abrão Anis Assad é “o” cara. Sem exageros. Vamos às provas? Pense em um lugar de Curitiba: Rua XV de Novembro, Rua 24 Horas, Teatro Paiol, Shopping Mueller, Jardim Botânico, Pedreira Paulo Leminski, Ópera de Arame, estações tubo ou a revoada de pássaros em petit-pavé em frente ao antigo prédio dos Correios. Acredite, todas as opções anteriores têm o dedo do arquiteto. O que o torna uma espécie de Niemeyer das araucárias. Mas bem debaixo da nossa barba, logo ali no Pilarzinho, está a Mona Lisa de Abrão, a mais criativa de suas criações: sua própria casa, onde mora com a esposa, Maria Rita Coelho, e os filhos Anis e Gabriel.

Em um dos pontos mais altos da cidade, a casa é um grande volume retangular de madeira que parece flutuar sobre pilotis.

Em um dos pontos mais altos da cidade, a casa é um grande volume retangular de madeira que parece flutuar sobre pilotis

É uma cabana moderna levantada em um dos lugares mais altos da cidade, com aproximadamente mil metros de altitude. O grande volume retangular de madeira que parece flutuar sobre pilotis (aquelas colunas arredondadas típicas do modernismo) ganhou vida em 1973 a partir de diversos materiais dispensados pela cidade. Quando Curitiba não queria mais seus postes de energia de madeira nem as pedras de granito rosa da Inácio Lustosa, Abrão foi lá e arrematou os lotes. Em quatro meses a casa estava pronta.

Detalhes da casa denunciam que ali mora um escultor: ao lado, colunas de madeira que viraram chaveiro e placa com o antigo nome da propriedade.

Detalhes da casa denunciam que ali mora um escultor: ao lado, colunas de madeira que viraram chaveiro e placa com o antigo nome da propriedade

Usou alumínio na fachada, empregou lã de vidro no forro, desenhou lambrequins na varanda (na parte cheia do desenho vê-se a silhueta de pássaros e na parte vazia, folhas de mamona) e envolveu a casa em grandes cortinas pivotantes de vidro. Em três pavimentos, com mais de 320 m² de área útil, trabalhou com a integração dos ambientes e, nas poucas divisórias que levantou, priorizou painéis de linhas orgânicas, conferindo espacialidade arredondada para diversas áreas, como a cozinha e os banheiros.

Fibra de vidro ensacada reveste todo o teto da casa. No canto direito, painel com os famosos pássaros criados pelo arquiteto para a Rua XV de Novembro.

Fibra de vidro ensacada reveste todo o teto da casa. No canto direito, painel com os famosos pássaros criados pelo arquiteto para a Rua XV de Novembro

Escultor, antes de tudo

Abrão nasceu escultor. Ali pelas bandas da Praça da Espanha, desde muito guri gostava de passar o tempo fazendo esculturas com canivete. Em qualquer lugar, com qualquer pedaço de madeira que encontrasse. Sempre escondido dos pais árabes, que não gostavam que o filho brincasse com objetos cortantes. Assim deu forma a cavalos e pássaros. Até hoje é um “passarinheiro” de mão cheia.

Mistura original de linguagens: o estilo moderno da arquitetura, a atmosfera de cabana com o uso da madeira e diversas referências árabes na decoração.

Mistura original de linguagens: o estilo moderno da arquitetura, a atmosfera de cabana com o uso da madeira e diversas referências árabes na decoração

E trouxe para dentro de casa essa paixão: por todos os cantos você pode encontrar troncos com rostos de pássaros, painéis com esculturas de peixes em baixo relevo, luminárias com face de leão. Talvez seja alguma influência do sangue árabe, ele brinca, já que carrega no próprio sobrenome o mais nobre do panteão dos bichos: Assad, em árabe, significa leão.

Móveis de família e arte garimpada estão por todos os cantos, com destaque para a estátua em madeira maciça que Assad trouxe de Minas Gerais.

Móveis de família e arte garimpada estão por todos os cantos, com destaque para a estátua em madeira maciça que Assad trouxe de Minas Gerais

Ainda criança pegou gosto por construir coisas. Mas não qualquer coisa. Bugigangas profissionais, como aeroplanos e foguetes com rampas de propulsão. Com seis anos, perguntou ao irmão mais velho da família que já somava oito irmãos: “Engenharia dá dinheiro?”. O filho mais velho prontamente respondeu que sim. E ali o menino soube o que queria fazer para o resto da vida. “O sangue árabe decidiu”, caçoa Abrão dele mesmo.

Da mesma forma que o banheiro e outros espaços da casa, a cozinha ocupa uma área curva, como um caracol, com aberturas para entrada de luz natural.

Da mesma forma que o banheiro e outros espaços da casa, a cozinha ocupa uma área curva, como um caracol, com aberturas para entrada de luz natural

Na juventude descobriu a razão certa para percorrer os trilhos da arquitetura. Percebeu que esculpir e projetar não são tão diferentes entre si. “Arquitetura não é escultura pura, mas é nosso habitáculo, nossa vestimenta, que não só abriga, mas protege e nos deixa usufruir de sua beleza”, sentencia. Por isso também frequentou o curso de pintura e escultura da Escola de Música e Belas Artes do Paraná e o curso de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Paraná.

Casa é para ser usada: os Assad levam a regra a sério e ao longo dos anos marcaram em colunas da sala principal a altura dos membros da família.

Casa é para ser usada: os Assad levam a regra a sério e ao longo dos anos marcaram em colunas da sala principal a altura dos membros da família

Escala humana

Abrão estagiou no escritório de um professor, o arquiteto paulistano Luiz Forte Netto, que ajudou a implantar o curso de Arquitetura da UFPR em 1962. Já formado, ajudou a conceber o projeto para o edifício da Petrobras no Rio de Janeiro, que venceu o concurso. Os desenhos em baixo relevo da fachada são dele.

Mas a obra que mais toca seu coração é o Paiol. A menor de todas. Para o arquiteto, é uma questão de escala humana. “Foi lá que a transformação de Curitiba começou”, explica, referindo-se à revolução urbana que tomou conta da cidade a partir de 1970. Os louros pertencem a ele e sua gangue: Jaime Lerner, Osvaldo Navaro, Alan Cannell, Nicolau Klüppel, Domingos Bongestabs e Lubomir Ficinski, entre tantos outros.

Docel roxo no home office do arquiteto entrega sua herança árabe.

Dossel roxo no home office do arquiteto entrega sua herança árabe

Hoje ele continua produzindo normalmente. Aposentadoria aos 74 anos, nem pensar. Nas horas vagas, fica faceiro em receber os amigos com um bom vinho e fazer saraus com sua harmônica. Manda bem. Quando não está em casa, está andando de bicicleta ou a bordo dos seus Twingos coloridos, aquele carrinho monovolume da Renault que foi sucesso no Brasil nos anos de 1990. Mas ultimamente tem se debruçado sobre a revitalização das estações tubo, que, em suas próprias palavras, “precisam ser atualizadas”. Em breve vamos ouvir falar em seu nome mais uma vez.

Painel que Assad fez para a visita do Papa João Paulo 2º.

Painel que Assad fez para a visita do Papa João Paulo 2º

A escada em espiral feita toda à mão é um dos charmes do refúgio de Assad.

A escada em espiral feita toda à mão é um dos charmes do refúgio de Assad

LEIA TAMBÉM

“Curitiba me abandonou”, desabafa Lolô Cornelsen

Casas de madeira com casca de alvenaria na Curitiba do século 19

A nonna que virou cartão postal de Curitiba

PUBLICIDADE