Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

pesquisa

A verdade desagradável sobre a redesignação sexual que o lobby transgênero não quer que você saiba

Vozes discordantes estão vindo a público para expor quão prejudiciais são a transição de gênero e a redesignação sexual

  • Bruce Ashford* The Daily Signal
As pessoas que passaram pela cirurgia de troca de sexo têm chance aproximadamente 20 vezes maior que a população geral de morrer de suicídio. | Pixabay
As pessoas que passaram pela cirurgia de troca de sexo têm chance aproximadamente 20 vezes maior que a população geral de morrer de suicídio. Pixabay
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A redesignação sexual é tão natural quanto nascer — é o que alguns na mídia nos dizem. E muitos americanos acreditam. Mas um coro crescente de vozes discordantes composto de médicos, pesquisadores e até indivíduos transgêneros está começando a traçar um quadro muito diferente da verdade. 

Essas vozes discordantes estão vindo a público para expor quão prejudiciais são a transição de gênero e a redesignação sexual, tanto médica quanto sociologicamente falando. 

Para começar, pensemos nas revelações recentes de como é problemática a cirurgia de redesignação sexual, quando realizada com o objetivo de tratar a disforia de gênero. 

Em entrevista ao “Telegraph”, o cirurgião reconstrutivo genital Miroslav Djordjevic, mundialmente renomado, disse que andam aumentando em suas clínicas os casos de cirurgia de “reversão” pedidas por indivíduos que querem sua genitália de volta. Essas pessoas sofrem níveis altíssimos de depressão e, em alguns casos, pensamentos suicidas. 

Na cirurgia de redesignação sexual de homem a mulher, médicos como Djordjevic transformam a genitália de um homem para lhe dar o formato de uma vagina, extirpando os testículos e invertendo o pênis. Na cirurgia inversa, de redesignação de mulher a homem, os médicos removem as mamas, o útero e os ovários da mulher e estendem sua uretra, de modo que a mulher convertida em homem possa urinar em pé. 

Um artigo recente publicado na “Newsweek” toma nota das preocupações de Djordjevic, apontando para o caso de Charles Kane, um homem que se submeteu à cirurgia de redesignação de homem a mulher. 

Em entrevista à BBC, Kane explicou que decidiu fazer a cirurgia original imediatamente após sofrer um colapso nervoso. Mas, depois de passar pela cirurgia e começar a identificar-se como uma mulher chamada “Sam Hashimi”, Kane se arrependeu da decisão e procurou a cirurgia de reversão. 

Kane disse: “Quando eu estava no hospital psiquiátrico, no leito ao meu lado havia um homem que achava que era o rei George, enquanto o sujeito do outro lado se achava Jesus Cristo. Então eu decidi que era uma garota chamada Sam.” 

Do mesmo modo, a mulher transgênero Claudia MacLean teria dito que seu psiquiatra a encaminhou a um cirurgião de redesignação sexual após apenas uma consulta de 45 minutos. “Na minha opinião, o que me aconteceu foi tudo motivado por dinheiro”, ela disse.  

Considerando que as clínicas cobram até US$50 mil pelas cirurgias de redesignação, Djordjevic teme que os médicos estejam forrando suas contas bancárias sem se preocupar com o bem-estar físico e psicológico de seus pacientes.  

O bem-estar físico e psicológico deveria ser uma preocupação levada em conta, considerando que 41% dos transgêneros vão tentar o suicídio em algum momento da vida e que as pessoas que passaram pela cirurgia de troca de sexo têm chance aproximadamente 20 vezes maior que a população geral de morrer de suicídio

 

Além dos problemas inerentes à cirurgia de redesignação sexual, deveríamos reconhecer que é problemático dar “tratamentos” hormonais a crianças e adolescentes com disforia de gênero para adiar sua puberdade. 

Em um artigo acadêmico recente, “Growing Pains: Problems with Puberty Suppression in Treating Gender Dysphoria” (Dores do crescimento: problemas com a supressão da puberdade no tratamento da disforia de gênero), o endocrinologista Paul Hruz, o bioestatístico Lawrence Mayer e o psiquiatra Paul McHugh contestam essa prática.  

Eles observam que aproximadamente 80% das crianças com disforia de gênero acabam por ficar à vontade em seu corpo e deixam de sentir a disforia. Eles concluem que “há poucas evidências de que a supressão da puberdade seja reversível, segura ou eficaz para tratar a disforia de gênero”.  

Assim, as evidências científicas sugerem que o uso de hormônios para suprimir a puberdade é nocivo e chega a constituir uma violência.  

Finalmente, as transições de gênero são problemáticas para a sociedade mais ampla, conforme revelam discussões recentes sobre uso de banheiros públicos, realidades militares, políticas habitacionais e eventos esportivos.  

Algo que frequentemente é passado por cima nessas discussões é a situação preocupante e até perigosa criada quando “mulheres” transgêneros competem em eventos esportivos femininos.  

Foi o que aconteceu na luta de artes marciais mistas (MMA) de 2014 entre Tamikka Brents e Fallon Fox. Durante uma surra de dois minutos, Brents sofreu traumatismo craniano, fratura do osso orbital e um ferimento na cabeça que precisou de sete grampos. “Já lutei com muitas mulheres e nunca senti a força que senti naquela noite”, disse Brents. 

Sua adversária, Fallon Fox, não nasceu mulher. Ela é biologicamente homem, mas se identifica como transgênero.  

Brents considerou que Fox tinha uma vantagem injusta. “Como não sou médica, não posso dizer se é ou não é porque ela nasceu homem”, ela disse. “Só posso dizer que nunca na minha vida me senti tão superada por uma adversária, e eu mesma sou uma mulher fora do comum em matéria de força.” 

Brents teve razão em considerar injusta a vantagem de Fox: as diferenças físicas entre homens e mulheres são importantes o suficiente para que lutadoras profissionais mulheres não possam competir efetivamente contra lutadores profissionais homens. 

 Em vista de tudo isso, por que não estamos tendo uma discussão pública mais construtiva e sustentada entre cirurgiões, psiquiatras e parlamentares sobre a ética da redesignação sexual? 

A razão mais importante é o poder do lobby transgênero. 

Consideremos o argumento recente do psicoterapeuta James Caspian, que a Bath Spa University, no Reino Unido, recusou seu pedido de realizar pesquisas sobre cirurgias de reversão sexual porque o tópico foi avaliado como sendo “potencialmente politicamente incorreto”.  

De acordo com Caspian, em um primeiro momento a universidade aprovou sua proposta de pesquisa. Mas a rejeitou mais tarde devido às reações negativas que previu que receberia por parte de lobbies transgêneros poderosos.  

Independentemente de quão politicamente incorretas possam ser as evidências, e ao mesmo tempo em que respeitamos as preocupações de privacidade e segurança das pessoas que se identificam como transgêneros, também precisamos formular uma conclusão séria e honesta sobre os custos humanos da redesignação sexual.  

As melhores opiniões da ciência médica, ciência social, filosofia e teologia convergem. Como diz o pesquisador sênior da Heritage Foundation Ryan Anderson, elas revelam que o sexo é uma realidade biológica, que o gênero é a expressão social dessa realidade e que, portanto, tratamentos e cirurgias de redesignação sexual não constituem bons remédios para aliviar o sofrimento sentido pelas pessoas com disforia de gênero. 

 

Assim, as terapias que mais ajudarão as pessoas com disforia de gênero serão aquelas que ajudam as pessoas a viver em conformidade com a verdade biológica de seu corpo.  

(*) Bruce Ashford é pró-reitor e professor do Seminário Teológico Southeastern Baptist. Ele é co-autor de "One Nation Under God: A Christian Hope for American Politics" e escreve um blog, Christianity for the Common Good.

Conteúdo publicado originalmente em The Daily Signal.


o que você achou?

PUBLICIDADE

mais lidas de Ideias

PUBLICIDADE