Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

ideologia de gênero

Ativistas em favor dos transgêneros querem enfraquecer poder familiar

Respeitar as “escolhas” sexuais e de gênero feitas por crianças cada vez menores erode os direitos dos pais e compromete a integridade da família como unidade independente

  • Scott Yenor* Daily Signal
Os americanos não querem que seus filhos pequenos sejam excessivamente sexualizados | Pixabay
Os americanos não querem que seus filhos pequenos sejam excessivamente sexualizados Pixabay
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

As feministas radicais querem revolucionar a sociedade de três maneiras. 

Em primeiro lugar, procuram eliminar as diferenças no modo como meninos e meninas são socializados, para que eles acabem tendo caráter e temperamento muito semelhante. 

Em segundo lugar, procuram promover a independência financeira e emocional das mulheres e crianças em relação à família. 

Por último, esperam derrubar tabus sexuais, abraçando novas maneiras de as pessoas obterem satisfação sexual fora do casamento monógamo e procriador. 

Conquistar o aval público do casamento homossexual foi a última grande vitória feminista. O casamento entre pessoas do mesmo sexo solapou os papéis sexuais dentro do casamento. Colocou os filhos cada vez mais fora dos objetivos do casamento. Reforçou a ideia de que todos os meios de obter satisfação sexual têm valor igual. 

Para onde vai a revolução feminista radical agora? 

A nova área que abre as maiores possibilidades para essa revolução rolante é a dos direitos dos transgêneros, especialmente no que diz respeito às crianças. 

Apesar das conquistas do feminismo radical, o Estado vem protegendo o direito dos pais de educar seus filhos. Afinal, parece justo que os filhos fiquem sob o controle de seus pais, que cuidam de seu desenvolvimento de modo personalizado. 

O pátrio poder está ligado à idade do consentimento, que os Estados protegem para dar às crianças o tempo e espaço necessário para se converterem em adultos maduros e independentes. Os americanos não querem que seus filhos pequenos sejam excessivamente sexualizados e eles respeitam os direitos dos pais de educar seus próprios filhos. 

Os ativistas dos direitos de transgêneros querem reduzir o pátrio poder, aumentando as escolhas independentes que podem ser feitas por crianças pequenas. Respeitar as “escolhas” sexuais e de gênero feitas por crianças cada vez menores erode os direitos dos pais e compromete a integridade da família como unidade independente. 

Isso pode ser verificado na província canadense de Ontário, que aprovou uma lei autorizando agências do Estado a impedir famílias que se negam a afirmar a “identidade de gênero” escolhida por uma criança de adotar filhos ou receber crianças em acolhimento familiar. 

As crianças em Ontário hoje podem tomar decisões que transformam suas vidas e que contrariam o desejo de seus pais, e antes de chegarem à idade de consentimento. 

Mas o princípio contido na lei de Ontário tem um alcance ainda maior. 

O defensor principal da lei considera que negar a identidade de gênero escolhida por uma criança é “abuso infantil”. Se a lei se pautar por esse princípio, o Canadá acabará por negar algo que todas as comunidades políticas tradicionalmente aceitaram: que os pais orientam a educação de seus filhos. 

Isso já pode ser visto na Noruega, onde uma nova lei permite que o Estado decida sobre a redesignação de gênero de crianças de mesmo apenas 6 anos, quando os pais não conseguem concordar quanto ao gênero de seu filho. 

Estados americanos como o Minnesota vêm promovendo a ideologia transgênero em escolas primárias, contrariando o desejo dos pais. Eles disponibilizaram pacotes de “identidade de gênero” para professores da pré-escola, para que crianças de 5 anos possam aprender a explorar sua identidade. 

Essas leis e outras como elas têm por objetivo tornar as crianças independentes de seus pais e facilitar seu processo de efetuar descobertas sexuais, mesmo em idade precoce. Elas solapam os fundamentos da criação dos filhos voltada ao futuro casamento e vida familiar. 

Sob ambos esses cenários, a linha que separa família e Estado é traçada e modificada pelo Estado. 

A partir do momento em que o Estado assume esse papel, toda a sociedade civil, incluindo as igrejas e as empresas privadas, passam a ser vulneráveis à sua ingerência. A família terá mais dificuldade em funcionar quando sua integridade for comprometida. 

Cerca de metade das mulheres americanas em idade reprodutiva não tem filhos. Assim, o pátrio poder não poderá contar com a garantia de ser respeitado no futuro que teria se a maioria dos americanos fossem pais ou mães. 

Os interessados em garantir a preservação dos direitos dos pais precisam assegurar que esses direitos sejam protegidos por lei e promovidos na opinião pública. Mais e mais pessoas precisam entender que, mesmo elas próprias não tendo filhos, o respeito pelos direitos dos pais é do interesse público. 

O respeito pelo pátrio poder e o respeito dado à inocência das crianças são baluartes na resistência ao avanço da ideologia transgênero. 

*Scott Yenor é professor de ciência política na universidade Boise State. Ele foi pesquisador visitante de Pensamento Político Americano no Centro Simon de Princípios e Política da Fundação Heritage (2015-2016).

Tradução de Clara Allain

Conteúdo publicado originalmente no Daily Signal

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Ideias

  1.  | Bigstock

    debate

    O que é “ideologia de gênero”?

  2. O sul-africano Martin Pistorius contraiu uma doença quando ainda era adolescente que o deixou sem atividade cerebral. Mas um dia ele acordou | Divulgação

    perseverança

    Ele passou 12 anos preso no próprio corpo. Então algo incrível aconteceu

  3. Soldado somali patrulha em meio aos destroços deixados pelo ataque terrorista no centro de Mogadíscio, Somália, em 15 de outubro | MOHAMED ABDIWAHAB/AFP

    Terrorismo

    Por que ninguém liga para o maior atentado terrorista desde o 11 de setembro?

PUBLICIDADE