Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

ditadura

Derrocada da Venezuela obriga esquerda europeia a fazer exame de consciência

Grande parte da esquerda europeia sempre elogiou e chegou a dizer que a Venezuela servia como fonte de inspiração

  • Sara Miller Llana The Christian Science Monitor
O líder trabalhista britânico Jeremy Corbyn, que mora em um país de primeiro mundo, chegou a dizer que a Venezuela servia de inspiração | HANNAH MCKAY/
AFP
O líder trabalhista britânico Jeremy Corbyn, que mora em um país de primeiro mundo, chegou a dizer que a Venezuela servia de inspiração HANNAH MCKAY/ AFP
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

“Uma inspiração”, “um herói” –era assim que esquerdistas europeus elogiavam o falecido Hugo Chávez, louvando a “revolução bolivariana” que ele promoveu na Venezuela. 

Para o líder trabalhista britânico Jeremy Corbyn e partidos de esquerda como o Syriza e o Podemos, no sul da Europa, a ascendência de Chávez foi durante muito tempo a mais clara contestação da desigualdade na América Latina, do neoliberalismo de Washington e da austeridade em casa. 

Hoje o quadro que eles divisam é muito menos nítido. 

Uma crise humanitária assola a Venezuela. Sob a presidência de Nicolás Maduro, o país está cada vez mais ditatorial. E isso colocou em um campo político minado as vozes que elogiavam o chavismo, como Corbyn. Alguns representantes da esquerda agora pedem uma avaliação mais isenta na Europa do que está acontecendo no país sul-americano mergulhado em crise. 

Leia tambémCinco fatos relevantes para entender a situação da Venezuela neste momento

“Acho que a esquerda internacional está muito confusa em relação à questão da Venezuela”, diz o historiador britânico Mike Gonzalez, ex-professor de Estudos da América Latina na Universidade de Glasgow. “Para muitas pessoas que dedicaram sua vida, suas esperanças e seu engajamento àquele processo de transformação, é doloroso dar de cara com a realidade.” 

Asa Cusack, editor gerente do blog do Centro da América Latina e do Caribe na London School of Economics, escreveu em artigo recente no “Guardian”: “Para muitos acadêmicos da esquerda que apoiam as metas do chavismo, essa derrocada da democracia vem dando lugar a muito exame de consciência e muito sofrimento”. 

Desde março, depois de a Suprema Corte venezuelana ter tentado dissolver o Congresso, controlado pela oposição, mais de 120 venezuelanos morreram em choques entre manifestantes e as forças de segurança. Maduro promoveu um referendo em julho para formar uma Assembleia Constituinte que vai reescrever a Constituição, uma iniciativa vista amplamente como manobra para aumentar seu poder. Na sexta-feira a Assembleia Constituinte assumiu o controle do Congresso na prática, efetivamente entregando todo o poder ao Executivo. Enquanto isso, a escassez de alimentos e remédios se agrava e milhares de venezuelanos fogem do país e pedem asilo no exterior. 

Tudo isso deixou a esquerda internacional em posição incômoda. 

Esquerdista da velha escola que chocou o Reino Unido em 2015 quando conquistou o controle do Partido Trabalhista, em 2013 Jeremy Corbyn descreveu Hugo Chávez como “uma inspiração a todos nós que resistimos à austeridade e à economia neoliberal na Europa”

Agora o líder oposicionista britânico está sendo pressionado a esclarecer sua posição. Falando em um evento este mês, quando foi pressionado a explicar as ações de Maduro na Venezuela, Corbyn respondeu: “O que eu condeno é a violência que vem sendo cometida por qualquer lado, por todos os lados, em tudo isto”. 

Quando, mais tarde, ele criticou o presidente Donald Trump por este ter culpado “os dois lados” na marcha supremacista branca em Charlottesville, seus oponentes de direita o criticaram fortemente. O deputado conservador Andrew Rosindell disse ao “Daily Mail”: “Jeremy Corbyn está sendo um hipócrita total. Ele se recusa a condenar seus companheiros radicais de extrema esquerda na Venezuela e então ataca Donald Trump por empregar as mesmíssimas palavras para evitar atacar a extrema direita nos Estados Unidos”. 

Cusack diz que apoia o fato de que as declarações de Corbyn sobre a Venezuela ressaltam que os dois lados recorreram à violência – algo que, segundo ele, a mídia não vem noticiando – e que Corbyn pediu por uma solução pacífica, ao mesmo tempo em que muitos simplesmente presumem que a Venezuela esteja condenada a cair em uma guerra civil. 

Mas tecer críticas explícitas a Maduro – ou mesmo traçar uma distinção entre os êxitos (e fracassos) de Chávez e o retrocesso antidemocrático de Maduro – coloca Corbyn em uma saia justa política. “Parte da razão por que ele não pode seguir esse caminho é que isso será usado como bastão para castigá-lo.” 

Esse tipo de associação já atrapalhou outros líderes europeus, desde o primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, que foi ao funeral de Hugo Chávez em 2013, até o partido de esquerda espanhol Podemos, cujos líderes deram assessoria a Chávez. 

O fundador do Podemos, Pablo Iglesias, pediu no Facebook este mês um diálogo entre os dois lados. “Nem o chavismo nem o antichavismo vão deixar de existir”, ele escreveu. “Esperemos que os líderes das duas partes entendam que o pior acordo é preferível a um conflito.” 

Críticos desancaram seus comentários, dizendo tratar-se de falsas equivalências, mesmo porque os venezuelanos hoje formam o maior grupo a buscar asilo na Espanha, ultrapassando os sírios e ucranianos. 

De fato, a crise venezuelana é tão polarizadora fora quanto dentro do país, e as diferenças ideológicas são profundas. Segundo Asa Cusack, alguns elementos da direita estão aproveitando os acontecimentos na Venezuela para desancar o socialismo de modo geral, algo que ele considera um exagero. Ao mesmo tempo, algumas vozes da esquerda procuram defender a qualquer custo o caminho seguido pela Venezuela. 

Mike Gonzalez dirigiu-se a essas pessoas em artigo intitulado “Sendo honestos em relação à Venezuela” que publicou este mês na revista “The Jacobin”. “Outros da esquerda optaram por não dizer nada ou por ignorar a realidade complexa” da Venezuela, escreveu. “Sejam quais forem suas motivações, seu silêncio equivale à cumplicidade com uma nova classe governante que se oculta por trás da linguagem do socialismo.” 

Suas críticas lhe valeram elogios – e também uma reação contrária de esquerdistas empedernidos que o acusam de ser agente da CIA. Mas Gonzalez diz que a esquerda internacional tem uma tarefa a cumprir. “A esquerda fora da Venezuela pode ajudar a reerguer o movimento”, ele resumiu na “Jacobin”, “participando de uma prestação de contas honesta do que deu errado.” 

Até agora, porém, a esquerda internacional não vem seguindo o exemplo de sua liderança. O intelectual francês Bernard-Henri Lévy recentemente condenou Jean-Luc Mélenchon, o esquerdista que quase provocou uma virada na eleição presidencial francesa, por ter se recusado a condenar Nicolás Maduro ou reconhecer os erros de Hugo Chávez. 

Em artigo de opinião publicado este mês ele escreveu: “Como o Podemos na Espanha, o Syriza na Grécia e Jeremy Corbyn no Reino Unido, Mélenchon e seus seguidores ‘rebeldes’ parecem acreditar que é possível desculpar o derramamento de sangue na luta contra o ‘imperialismo’”.




Tradução de Clara Allain

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Ideias

PUBLICIDADE