Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

análise

Por que, afinal, o Paraguai está crescendo bem mais que o Brasil?

Facilidade para empreender, juros menores, menor burocracia, maior produtividade e um governo que fez a lição de casa: conheça os segredos que fazem o país vizinho crescer mais que o Brasil

  • Felippe Hermes especial para a Gazeta do Povo
Fábrica no Paraguai: facilidades inexistentes no Brasil | Marcos Labanca/Gazeta do Povo
Fábrica no Paraguai: facilidades inexistentes no Brasil Marcos Labanca/Gazeta do Povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Travada ainda no século XIX, a batalha naval do Riachuelo tornou-se um dos marcos na Guerra do Paraguai, que levaria o país vizinho a uma destruição sem precedentes no continente. Pouco mais de 150 anos depois, a chegada ao país de uma outra Riachuelo, a varejista de roupas brasileira, promete também tornar-se um marco, desta vez, do crescimento guarani. 

Instalada na cidade vizinha a Assunção, a fábrica que atenderia a varejista brasileira prometia inicialmente produzir 50 mil peças de roupa ao ano, empregando 50 pessoas. Hoje, 2 anos depois, a produção já atinge as 300 mil peças, e emprega quase 400 pessoas. Este, porém, não é nem de longe um fato isolado na história do país vizinho. 

Desde que regulamentou em 2000 a chamada Maquila, lei que permite a empresas estrangeiras se instalarem no Paraguai, obtendo isenção de impostos sobre máquinas e equipamentos, outras 116 empresas estrangeiras já fincaram bandeira no país, com mais de 80% delas tendo trocado Brasil por Paraguai. 

Ex-primo pobre

Para Flávio Rocha, presidente do grupo Guararapes, a lógica é simples: gasta-se em média 24 horas para importar produtos produzidos ali, contra um prazo de três a seis meses para comprar o mesmo produto vindo da China. Com custos de energia chegando a ser 70% menores do que no Brasil, metade dos nossos encargos trabalhistas, e a segunda menor carga tributária do continente, o Paraguai tornou-se um exemplo de crescimento, deixando para trás o estigma de primo pobre. 

Desde 2010, o país registra um crescimento de 5,8%, contra 1,2% do vizinho, o Brasil, país do futuro. Sua inflação, ao contrário da nossa, manteve-se controlada em todo este período em uma média de 4,4%, contra 7% da média brasileira até 2016. 

O que fez o Paraguai sofrer esta mudança? 

Empreender no Brasil não é nem de longe uma tarefa simples. Segundo o Banco Mundial, somos o 123º país do mundo onde é mais fácil fazer negócios, atrás dos nossos vizinhos argentinos, 116º, e dos próprios paraguaios, 106º. Ao contrário deles, continuamos estagnados no ranking, sem perspectiva de crescimento. 

E é justamente estas boas práticas recentes que tornaram o país uma boa opção para produzir e investir. 

Para qualquer empresário disposto a encarar nossa burocracia, é preciso estar atento a um fato pouco agradável: se você quiser dispor de máquinas e equipamentos importados, terá de lidar com um dos países com menores índices de importação e exportação do planeta. Enquanto paraguaios vendem e compram do exterior valores equivalentes a 100% do seu PIB, por aqui, giramos apenas 20% dele. 

O resultado é que investir por aqui exige que além de boa dose de coragem, você pague alguns impostos. Na média, a indústria brasileira paga R$ 42 em impostos para cada R$ 100 faturados. Quando se trata de importar, nossas tarifas podem chegar aos 60%. 

Você compra uma máquina que irá aumentar sua produtividade, e para isso paga 60% do valor final em impostos. Parece lógico? Pois é, para nossos vizinhos não é nem um pouco. Na ponta do lápis, a carga tributária Paraguaia chega a 13%, a segunda menor da América Latina, enquanto a nossa beira os 33%, menor apenas do que em Cuba. 

Pagar impostos por aqui nos consome em média, 2.038 horas por ano, contra 378 no Paraguai. Isto claro, após você já ter gasto em média 80 dias para abrir um negócio, contra os 35 por lá. 

Segundo o ministro paraguaio do Desenvolvimento e Comércio, “a abertura comercial e a atração de empresas estrangeiras são fundamentais para a nossa estratégia de desenvolvimento”. Pode parecer óbvio, mas não custa lembrar que há poucos meses, José Serra, nosso ministro de relações exteriores estava alardeando por aí que este papo de que o Brasil é um país fechado não passa de puro folclore. 

Um governo que faz a lição de casa 

Poucas coisas tornaram-se uma fixação tão grande para os políticos brasileiros ao longo das últimas décadas do que criticar nossos juros excessivos, e apontá-los como centro do problema para um crescimento real e sustentável. No papel, a ideia tem lógica, afinal juros nada mais são do que o custo do dinheiro ao longo do tempo. Quanto mais altos eles são, torna-se mais improvável que alguém abra mão de uma confortável renda fixa para se arriscar em um negócio. 

Na busca por juros menores e incentivos ao consumo e a produção, esbarramos via de regra no populismo, e na esperança de que uma canetada em Brasília resolverá nossos problemas. 

Para os vizinhos paraguaios, a taxa de juros não é exatamente um problema. Por lá, com a inflação em 4,4%, os juros de 5,5% se convertem em uma taxa de juros real de 1,4% ao ano, bem distante dos nossos juros reais de 5,7% (para uma inflação de 4,3% e juros nominais de 10,25% ao ano em 2017). 

Para chegar nesta vantagem quase mágica, o segredo foi aplicar uma receita simples e quase desconhecida por aqui: um governo que não avance sobre o crédito privado. 

Na prática, os juros devem sempre equilibrar a oferta e demanda por dinheiro. Agora, imagine que no Brasil famílias e empresas poupam 16% do PIB todos os anos, ao passo que nosso governo gasta mais do que arrecada outros 5% do PIB. Em outras palavras: destrói poupança. 

Ao final, o mesmo governo abocanha 72% do crédito, relegando a todas as famílias e empresas disputar a tapas os 28% restantes. 

Imagine agora que um empresário ou uma dona de casa queiram adquirir algo a prazo. Em uma disputa por crédito junto ao governo, não é difícil perceber que os 2 primeiros sempre perderão, e por conta disso, acabarão tendo de pagar mais juros. 

Justamente o oposto ocorre no país vizinho. Com uma carga tributária que mal passa dos 13% do PIB, a oferta de crédito pode ser amplamente revertida para investimentos. 

O resultado é que o governo paraguaio pode se endividar de maneira parcimoniosa para acompanhar investimentos privados. Enquanto nossa dívida pública hoje beira os 74% do PIB, no país vizinho não passa de 24% do PIB. Já em 2021, segundo projeta o FMI, deveremos 94% do PIB, contra 28% dos nossos vizinhos. 

Menos burocracia, mais produção

Como consequência de todo este esforço, os investimentos acabam colaborando para deixar os trabalhadores paraguaios cada vez mais produtivos. 

Enquanto encaramos no Brasil uma produtividade que segue estagnada há décadas, por lá, os saltos são vultosos. 

Tome como base por exemplo o ano de 2009. De lá para cá, enquanto brasileiros tornaram-se 6% mais produtivos, os paraguaios agregaram 24% de produtividade. Como consequência mais visível, sua renda acaba crescendo mais do que a nossa. 

Ao ano cada paraguaio torna-se na média 4,2% mais produtivo, contra 0,46% de cada brasileiro, e o resultado é perceptível no bolso. Em 2017, o salário mínimo do país está em US$ 342 dólares, contra US$ 284 dólares no Brasil. Sim, se você recebe salário mínimo, ganha hoje menos que um paraguaio. Há sete anos, este mesmo salário mínimo era de US$ 282 por aqui, contra US$ 306 por lá. 

De 2012 para cá, nosso PIB per capita, já considerada a paridade de poder de compra, saiu de US$ 14,98 mil para US$ 14,53 mil, enquanto os paraguaios viram seu PIB per capita subir de US$ 7,31 mil para US$ 8,63 mil, com uma pequena diferença: 2017 será um ano de crescimento por lá, e queda por aqui. 

Superar a instabilidade política e a desconfiança gerada pelos sucessivos golpes de estado no país ao longo do século XX, permanece um desafio, assim como converter os avanços econômicos em ganhos sociais. Dominado ainda por oligarquias políticas, o país luta para se desvencilhar da imagem de primo pobre na américa latina. Até aqui, com relativo sucesso. 

Para brasileiros acostumados a aguardar com a concretização do chamado país do futuro, as reformas e o apreço pelo controle da economia em geral encontrados por lá, pode ser um belo aviso, de que, tudo permanecendo como está, poderemos continuar nos distanciando ano a ano até nos darmos conta de que ficamos para trás.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Ideias

PUBLICIDADE