Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

igreja católica

Tradicionalistas acusam publicamente o Papa Francisco de “propagar heresias”

Depois de uma série de anúncios via Twitter vindos de perfis autointitulados como “anti-Francisco”, 62 conservadores de 20 países divulgaram carta para “corrigir” supostas posições heréticas do Papa

  • Da Redação
 | ALESSANDRO DI MEO    /    EFE
ALESSANDRO DI MEO /    EFE
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Atualizada às 13h, de 24 de setembro de 2017.

O domingo começou quente para o Papa Francisco. Depois de uma série de anúncios via Twitter vindos de sites autodenominados como sendo “anti-Francisco”, 62 tradicionalistas de 20 países divulgaram à meia-noite de sábado (23) uma carta intitulada “Correção filial sobre a propagação de heresias”, afirmando que o Papa defendeu sete posições heréticas sobre a vida moral e os sacramentos em sua Exortação Apostólica Amoris Laetitia e em declarações públicas. A carta, segundo seus signatários, foi entregue ao Sumo Pontífice no último dia 11 de agosto e, como não obteve resposta, foi tornada pública. De acordo com eles, isso não ocorre desde a Idade Média, quando o Papa João XXII foi corrigido publicamente em 1333 pelos chamados “espiritualistas”, que o consideravam pouco exigente com os pecadores.

A missiva, porém, não tem a assinatura de nenhum cardeal, mesmo dos mais críticos à gestão de Francisco, como Raymond Burke, Walter Brandmueller e Joachim Meisner que solicitaram, em 2016, um esclarecimento ao papa sobre os temas tratados na exortação. Apenas um bispo assina a carta, mas este não está em comunhão com a Santa Sé: Bernard Fellay é superior da sociedade separatista São Pio X, fundada por Marcel Lefèbvre, religioso que não aceitou as decisões tomadas no Concílio Vaticano II. Os outros são teólogos, professores, jornalistas, historiadores e sacerdotes de sites tradicionalistas, lefebvrianos e da extrema-direita católica (contrários a qualquer tipo de acompanhamento pastoral aos chamados “pecadores”). Também assinam o documento Ettore Gotti Tedeschi, ex-presidente do Banco do Vaticano, afastado do cargo em 2012, e Antonio Livi, ex-reitor da faculdade de Filosofia da Pontifícia Universidade Lateranense de Roma.

“Escândalos para a fé e a moral vieram à Igreja e ao mundo pela publicação de Amores Laetitia e por outros atos pelos quais Sua Santidade tornou suficientemente claro o escopo e o propósito deste documento. Heresias e outros erros espalharam-se pela Igreja em consequência disso”, afirma o documento de 25 páginas. 

Leia na íntegra a exortação  Amoris Laetitia e a Correção filial sobre a propagação de heresias

O documento questiona, entre outros pontos, a posição da Amoris Laetitia (número 298 da carta) sobre o tratamento que se deve dar dentro da Igreja a pessoas divorciadas vivendo em novas uniões. 

Francisco expôs em Amoris Laetitia, no número 246, que “o divórcio é um mal, e é muito preocupante o aumento do número de divórcios”. Por isso, continuou o Papa, “a nossa tarefa pastoral mais importante relativamente às famílias é reforçar o amor e ajudar a curar as feridas, para podermos impedir o avanço deste drama do nosso tempo”. Depois, explicou que há situações muito diferentes em que é necessário um “discernimento pessoal e pastoral” para cada uma delas. “Sabemos que não existem ‘receitas simples’”, insistiu. 

Para os autores da carta, com esse texto e outras atitudes, o Papa teria cometido “sete heresias”:

  • A recusa em confirmar, em resposta aos cardeais Burke, Caffara (já falecido), Brandmüller e Meisner, que a Amoris Laetitia não abole cinco dos ensinamentos da fé católica; 
  • A intervenção no Sínodo da Família, em 2015, para a aprovação da posição de que os divorciados vivendo em novas uniões pudessem receber os sacramentos, a depender de uma análise “caso a caso”; 
  • A confirmação, em resposta a uma jornalista, das interpretações do cardeal Schönborn que permitem a comunhão a divorciados vivendo em novas uniões, ainda que o Papa reiterou que deve ser estudado “caso a caso”; 
  • Uma carta, endereçada a bispos argentinos, em que o Papa supostamente confirmaria que a interpretação correta da Amoris Laetitia permite a comunhão de divorciados vivendo em novas uniões; 
  • Diretrizes para a diocese de Roma que supostamente permitiriam a comunhão, em certas circunstâncias, para adúlteros e divorciados vivendo em novas uniões; 
  • A nomeação de religiosos que, para eles, discordariam de ensinamentos da Igreja para postos de influência, com destaque para o arcebispo Vincenzo Paglia e o cardeal Kevin Farrel; 
  • A não correção de uma matéria do jornal Osservatore Romano, que noticiou uma interpretação da Amoris Laetitia pelos bispos de Malta e de Gonzo que permitiriam a comunhão para adúlteros;

Os signatários do documento recorreram ao direito canônico para mostrar que o Papa, agindo dessa forma, não estava em posição de infalibilidade papal e que, portanto, a comunidade dos fiéis tem o direito e o dever de corrigir o pontífice de acordo com a posição oficial da Igreja. Eles dizem, no entanto, que não estão em posição de acusar o papa do pecado de heresia.

Leia também: Amoris Laetitia Permite Dar a Eucaristia a Divorciados em Segunda União?

Causas

Para os autores da carta, duas posições de fundo ajudariam a explicar as tendências heréticas que se espalharam pela Igreja a partir da edição da Amoris Laetitia e das atitudes do Papa Francisco: o modernismo e a simpatia por Martinho Lutero, o primeiro protestante reformista.

“A concepção católica da revelação divina é frequentemente negada pelos teólogos contemporâneos, e essa negação levou a uma generalizada confusão entre os católicos sobre a natureza da revelação divina e da fé”, afirmam. “Em segundo lugar, sentimo-nos obrigados em consciência a nos referir às simpatias em precedentes de Sua Santidade por Martinho Lutero, e à afinidade entre as ideias de Lutero sobre a lei, a justificação e o casamento e aquelas ensinadas ou favorecidas por Sua Santidade em Amoris Laetitia e em outros lugares”, dizem ainda.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Ideias

PUBLICIDADE