Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

igreja católica

Tradicionalistas acusam publicamente o Papa Francisco de “propagar heresias”

Depois de uma série de anúncios via Twitter vindos de perfis autointitulados como “anti-Francisco”, 62 conservadores de 20 países divulgaram carta para “corrigir” supostas posições heréticas do Papa

  • Da Redação
 | ALESSANDRO DI MEO    /    EFE
ALESSANDRO DI MEO /    EFE
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Atualizada às 13h, de 24 de setembro de 2017.

O domingo começou quente para o Papa Francisco. Depois de uma série de anúncios via Twitter vindos de sites autodenominados como sendo “anti-Francisco”, 62 tradicionalistas de 20 países divulgaram à meia-noite de sábado (23) uma carta intitulada “Correção filial sobre a propagação de heresias”, afirmando que o Papa defendeu sete posições heréticas sobre a vida moral e os sacramentos em sua Exortação Apostólica Amoris Laetitia e em declarações públicas. A carta, segundo seus signatários, foi entregue ao Sumo Pontífice no último dia 11 de agosto e, como não obteve resposta, foi tornada pública. De acordo com eles, isso não ocorre desde a Idade Média, quando o Papa João XXII foi corrigido publicamente em 1333 pelos chamados “espiritualistas”, que o consideravam pouco exigente com os pecadores.

A missiva, porém, não tem a assinatura de nenhum cardeal, mesmo dos mais críticos à gestão de Francisco, como Raymond Burke, Walter Brandmueller e Joachim Meisner que solicitaram, em 2016, um esclarecimento ao papa sobre os temas tratados na exortação. Apenas um bispo assina a carta, mas este não está em comunhão com a Santa Sé: Bernard Fellay é superior da sociedade separatista São Pio X, fundada por Marcel Lefèbvre, religioso que não aceitou as decisões tomadas no Concílio Vaticano II. Os outros são teólogos, professores, jornalistas, historiadores e sacerdotes de sites tradicionalistas, lefebvrianos e da extrema-direita católica (contrários a qualquer tipo de acompanhamento pastoral aos chamados “pecadores”). Também assinam o documento Ettore Gotti Tedeschi, ex-presidente do Banco do Vaticano, afastado do cargo em 2012, e Antonio Livi, ex-reitor da faculdade de Filosofia da Pontifícia Universidade Lateranense de Roma.

“Escândalos para a fé e a moral vieram à Igreja e ao mundo pela publicação de Amores Laetitia e por outros atos pelos quais Sua Santidade tornou suficientemente claro o escopo e o propósito deste documento. Heresias e outros erros espalharam-se pela Igreja em consequência disso”, afirma o documento de 25 páginas. 

Leia na íntegra a exortação  Amoris Laetitia e a Correção filial sobre a propagação de heresias

O documento questiona, entre outros pontos, a posição da Amoris Laetitia (número 298 da carta) sobre o tratamento que se deve dar dentro da Igreja a pessoas divorciadas vivendo em novas uniões. 

Francisco expôs em Amoris Laetitia, no número 246, que “o divórcio é um mal, e é muito preocupante o aumento do número de divórcios”. Por isso, continuou o Papa, “a nossa tarefa pastoral mais importante relativamente às famílias é reforçar o amor e ajudar a curar as feridas, para podermos impedir o avanço deste drama do nosso tempo”. Depois, explicou que há situações muito diferentes em que é necessário um “discernimento pessoal e pastoral” para cada uma delas. “Sabemos que não existem ‘receitas simples’”, insistiu. 

Para os autores da carta, com esse texto e outras atitudes, o Papa teria cometido “sete heresias”:

  • A recusa em confirmar, em resposta aos cardeais Burke, Caffara (já falecido), Brandmüller e Meisner, que a Amoris Laetitia não abole cinco dos ensinamentos da fé católica; 
  • A intervenção no Sínodo da Família, em 2015, para a aprovação da posição de que os divorciados vivendo em novas uniões pudessem receber os sacramentos, a depender de uma análise “caso a caso”; 
  • A confirmação, em resposta a uma jornalista, das interpretações do cardeal Schönborn que permitem a comunhão a divorciados vivendo em novas uniões, ainda que o Papa reiterou que deve ser estudado “caso a caso”; 
  • Uma carta, endereçada a bispos argentinos, em que o Papa supostamente confirmaria que a interpretação correta da Amoris Laetitia permite a comunhão de divorciados vivendo em novas uniões; 
  • Diretrizes para a diocese de Roma que supostamente permitiriam a comunhão, em certas circunstâncias, para adúlteros e divorciados vivendo em novas uniões; 
  • A nomeação de religiosos que, para eles, discordariam de ensinamentos da Igreja para postos de influência, com destaque para o arcebispo Vincenzo Paglia e o cardeal Kevin Farrel; 
  • A não correção de uma matéria do jornal Osservatore Romano, que noticiou uma interpretação da Amoris Laetitia pelos bispos de Malta e de Gonzo que permitiriam a comunhão para adúlteros;

Os signatários do documento recorreram ao direito canônico para mostrar que o Papa, agindo dessa forma, não estava em posição de infalibilidade papal e que, portanto, a comunidade dos fiéis tem o direito e o dever de corrigir o pontífice de acordo com a posição oficial da Igreja. Eles dizem, no entanto, que não estão em posição de acusar o papa do pecado de heresia.

Leia também: Amoris Laetitia Permite Dar a Eucaristia a Divorciados em Segunda União?

Causas

Para os autores da carta, duas posições de fundo ajudariam a explicar as tendências heréticas que se espalharam pela Igreja a partir da edição da Amoris Laetitia e das atitudes do Papa Francisco: o modernismo e a simpatia por Martinho Lutero, o primeiro protestante reformista.

“A concepção católica da revelação divina é frequentemente negada pelos teólogos contemporâneos, e essa negação levou a uma generalizada confusão entre os católicos sobre a natureza da revelação divina e da fé”, afirmam. “Em segundo lugar, sentimo-nos obrigados em consciência a nos referir às simpatias em precedentes de Sua Santidade por Martinho Lutero, e à afinidade entre as ideias de Lutero sobre a lei, a justificação e o casamento e aquelas ensinadas ou favorecidas por Sua Santidade em Amoris Laetitia e em outros lugares”, dizem ainda.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Ideias

  1. Soldado somali patrulha em meio aos destroços deixados pelo ataque terrorista no centro de Mogadíscio, Somália, em 15 de outubro | MOHAMED ABDIWAHAB/AFP

    Terrorismo

    Por que ninguém liga para o maior atentado terrorista desde o 11 de setembro?

  2. O sul-africano Martin Pistorius contraiu uma doença quando ainda era adolescente que o deixou sem atividade cerebral. Mas um dia ele acordou | Divulgação

    perseverança

    Ele passou 12 anos preso no próprio corpo. Então algo incrível aconteceu

  3.  | Bigstock

    debate

    O que é “ideologia de gênero”?

PUBLICIDADE