Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Meio ambiente

Área verde particular sob proteção da lei

Proprietários dos terrenos recebem incentivos do município para manter a mata nativa conservada

  • Sharon Abdalla
Eurico Borges dos Reis criou a primeira reserva natural de Curitiba, antes mesmo da lei. | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Eurico Borges dos Reis criou a primeira reserva natural de Curitiba, antes mesmo da lei. Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Você já pensou em ser dono de uma reserva natural? Em Curitiba, os proprietários de áreas com grandes maciços vegetais têm esta possibilidade. Desde 2006, a legislação municipal permite a criação das chamadas Reservas Particulares do Patrimônio Natural Municipal (RPPNMs) e oferece incentivos fiscais e financeiros para quem opta por preservar a mata nativa, ao invés de construir no terreno ou vendê-lo para uma incorporadora.

GALERIA: Confira fotos da reserva natural Cascatinha

O empresário Eurico Borges dos Reis, diretor do Grupo Borges dos Reis, é um dos proprietários que já tiveram esta iniciativa. Em 2002, antes mesmo da publicação da lei, ele decidiu transformar uma área de 8,2 mil m² que integrava o banco de terrenos da empresa na reserva do Cascatinha, a primeira da cidade. “Meu filho descobriu que esta área era onde os antigos imigrantes italianos tomavam água. Como minha família tem uma ligação com eles e com o bairro, resolvemos criar a reserva”, conta.

Como contrapartida à decisão de Reis e dos donos das outras 14 reservadas já criadas, a prefeitura oferece a isenção do IPTU (Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana) e concede títulos referentes ao potencial construtivo do imóvel, que é renovado a cada 15 anos e pode ser comercializado no mercado imobiliário.

Os proprietários também podem explorar economicamente a área com atividades relacionadas à pesquisa e ao ecoturismo, além de educação ambiental e unidades terapêuticas. “Entendemos os incentivos como uma justiça que se faz ao proprietário que mantém o compromisso de perpetuar a área que tem valor pela sua biodiversidade e qualidade de vida que proporciona à cidade”, avalia Alfredo Trindade, superintendente de Obras e Serviços da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA).

Benefícios

Os proprietários concordam com o superintendente e avaliam de forma positiva os incentivos, que tornam o processo atrativo, mas defendem que ainda há o que melhorar. Terezinha Vareschi, proprietária da reserva Airumã e presidente da Associação dos Protetores de Áreas Verdes de Curitiba e Região Metropolitana (Apave) diz não considerar justo que o proprietário arque sozinho com as despesas para a criação da reserva. Ela também acredita que incentivos aos imóveis em processo de inventário ou que tenham dívidas de IPTU contribuiriam para a criação de novas áreas de proteção.

Na avaliação de Reis, levando-se em conta apenas o aspecto econômico, o processo ainda não compensa totalmente, pois o potencial geralmente tem seu valor depreciado na venda. “A médio e longo prazo deverá compensar economicamente. Hoje, ainda é preciso ter o coração um pouco ‘verde’, mas ele já não é só ‘verde’”, pontua.

A criação de uma reserva particular é um ato voluntário do proprietário do terreno, que continua sendo dono da área, e não pode ser revertida. “Apesar dos desafios, vale a pena manter a floresta preservada”, resume Terezinha.

Confira fotos da reserva Cascatinha.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2015/10/09/Imoveis/Graficos/Vivo/RPPN reservas particulares.pdf

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Imóveis

PUBLICIDADE