Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Urbanismo

Novo plano diretor de Curitiba irá impactar o mercado imobiliário

O incentivo a meios alternativos de transporte e a verticalização e adensamento de outras regiões podem criar oportunidades ao setor

  • Sharon Abdalla
Novo plano estimulará o surgimento de novas estruturais. | Jonathan Campos / Gazeta do Povo
Novo plano estimulará o surgimento de novas estruturais. Jonathan Campos / Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A Câmara Municipal realiza nesta quinta-feira (17) a última audiência pública para debater o projeto de revisão do Plano Diretor de Curitiba antes da votação da matéria na casa, prevista para a primeira quinzena de outubro. Entre as diferentes diretrizes para o planejamento da cidade na próxima década, o texto apresenta diversos instrumentos relacionados ao zoneamento, habitação e uso do solo que deverão influenciar o desenvolvimento imobiliário na capital.

INFOGRÁFICO: Conheça as propostas que terão reflexos sobre o mercado imobiliário se aprovadas

O incentivo ao uso de outros modais de transportes em substituição ao carro e à redução dos deslocamentos pela cidade, algumas das principais bandeiras do novo plano, estão entre os principais fatores que devem incentivar o mercado imobiliário. Isso porque o objetivo de adensar e verticalizar a cidade ao longo de novos eixos estruturais no sentido leste-oeste, ocupando vazios urbanos, deve abrir novas áreas e estimular a incorporação vertical.

“Somos a favor dos novos eixos, pois os já existentes estão muito consolidados. Eles deverão criar novos polos de desenvolvimento comercial e habitacional na cidade. É um exemplo que deu certo e que pode ser continuado”, avalia Keiro Yamawaki, arquiteto e presidente da Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura no Paraná (AsBEA-PR).

O estímulo ao uso misto – comercial e residencial – dos imóveis e o acréscimo de um pavimento além do permitido pelo zoneamento aos empreendimentos cujo andar térreo tenha mais da metade de sua área destinada ao comércio, proposta pela emenda da fachada ativa, são outras medidas que interferem nos projetos imobiliários, e que vão de encontro à redução dos deslocamentos. Segundo o vereador Jonny Stica, relator do projeto e autor da emenda, o objetivo é induzir uma nova configuração da cidade em uma espécie de plano de estruturais mais abrangente, no qual o comércio estará mais perto da população e contribuirá para a segurança da via.

IPTU

Prevista no Estatuto das Cidades, a cobrança do IPTU progressivo sobre os imóveis não edificados ou não utilizados por anos a fio também deve estimular o mercado imobiliário da capital. Ao aumentar o valor do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), ela pressionará os proprietários a vender ou dar um uso para a área, otimizando o uso do solo na cidade.

“O alto custo dos terrenos é, hoje, um dos problemas para se construir em Curitiba. Entendemos que da forma como o plano está sendo proposto, ele deve, sim, dar condições de melhorar este custo e de racionalizar o uso da infraestrutura existente na cidade, o que é um belo caminho”, acrescenta José Eugenio Gizzi, presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Paraná (Sinduscon-PR).

Propostas

Entre as mais de 50 emendas apresentadas pelos vereadores ao projeto de revisão do Plano Diretor, muitas terão reflexos sobre o mercado imobiliário, se aprovadas. Conheça algumas delas.


Área Emenda Descrição Autor
Mobilidade Urbana Reaproveitar resíduos sólidos da construção civil nas calçadas Promover a reutilização dos resíduos sólidos da construção civil para a qualificação e melhoria das calçadas e espaços públicos. Jonny Stica e Felipe Braga Côrtes
Mobilidade Urbana / Habitação Fachada ativa Estimular o uso misto das edificações por meio de seu uso residencial e não-residencial (no nível de circulação de pedestres), gerando empregos e reduzindo os deslocamentos entre um ponto e outro da cidade. Jonny Stica
Habitação Paisagem urbana Exigir a variação de forma arquitetônica, para conjuntos residenciais e comerciais, à cada três edifícios iguais ou semelhantes, inclusive habitações de interesse social. Jonny Stica
Habitação Regularização simplificada Institui a regularização simplificada, consistindo na normalização de construções que se encontram em situação irregular junto à Prefeitura Municipal por meio da flexibilização, limitada a necessidade máxima para regularização do imóvel, de parâmetros urbanísticos. Jonny Stica, Geovane Fernandes, Jorge Bernardi, Helio Wirbiski
Habitação Potencial renovável Implantação de potencial renovável para manutenção da edificação tombada e do patrimônio histórico. Jonny Stica, Felipe Braga Côrtes, Helio Wirbiski, Julieta Reis
Meio Ambiente Telhados verdes Adiciona artigo para estabelecer normas, padrões e incentivos à implantação de "telhados verdes", sistemas de cobertura de edificações nos quais é plantada vegetação. Professor Galdino
Meio Ambiente Inclui a cobertura de edificações como espaço para a prática de agricultura urbana Complementa a emenda sobre os telhados verdes ao incluí-los, também , como área de incentivo à agricultura urbana. Professor Galdino
Meio Ambiente IPTU verde Preservar, conservar e proteger o meio ambiente através de políticas que atenuem os impactos ambientais e promovam o desenvolvimento sustentável por meio da oferta de benefício tributário aos proprietários de imóveis. Jonny Stica
Meio Ambiente Paredes verdes Incentivar a construção de "paredes verdes" (jardins verticais), como compensação ambiental, nas edificações publicas e privadas. Helio Wirbiski

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Imóveis

PUBLICIDADE