Gazeta do Povo
Curitiba
15°
23°

Terça-feira, 30/09/2014 - Atualizado às 14:52

BLOGS
Banheiros

Funcionalidade e ergonomia

Banheiros devem levar em conta o bem estar dos moradores. A revisão hidráulica e o investimento em peças e revestimentos de qualidade são as dicas dos especialistas

    Compartilhe:

  • WhatsApp
  • Google Plus
  • Twitter
  • Facebook

Modernizar revestimentos, peças e metais ou para corrigir falhas técnicas de funcionamento, os banheiros estão entre os “cômodos-alvo” de reformas em casa. A arquiteta Marina Canhadas explica que, assim como na reforma de salas e quartos, os banheiros também precisam ser adequados ao perfil dos usuários. “Uma reforma deve deixar a casa com o jeito de seus moradores. O banheiro é um ambiente muito pessoal. É comum ter dois ou três banheiros completamente diferentes em uma mesma residência”, diz.

Ela e a sócia Sabina Bottarelli foram as responsáveis pela reforma no apartamento da estudante Daniela Casagrande Calashi. “Tínhamos dois banheiros para reformar. Eles eram bem parecidos, com azulejos antigos e armários em madeira, muito velhos. Queríamos deixá-los mais modernos”, conta.

Para o banheiro de Daniela, as arquitetas optaram por revestimentos claros e apostaram nas pastilhas verdes para alguns detalhes. No outro, que fica na suíte da mãe de Daniela, a aposta foi em azulejo mais escuros e sóbrios. “Foi necessário retirar todo o revestimento antigo e tratar do transporte do entulho. Além disso, modernizamos as peças e os metais”, diz Marina.

Apesar do transtorno durante as obras – a família teve de usar o banheiro da área de serviço por três meses – Daniela avalia a reforma positivamente e credita o bom resultado ao tempo dedicado na fase de projeto. “Pensamos em tudo, cor dos revestimentos, modelos dos metais e dos armários, que foram feitos sob medida por um profissional indicado pela arquiteta”, relata.

Vários imóveis antigos, como o de Daniela que foi construído há 30 anos, têm banheiros espaçosos que por vezes podem ser transformados em dois. Essa foi a solução encontrada pela designer de interiores Cristina Kizltyka na reforma de uma residência. “Transformei um banheiro grande em dois. Um deles passou a integrar uma suíte”, comenta. Esse tipo de reforma costuma ser mais custoso, porque é preciso prever as ligações hidráulicas do novo banheiro. “Normal mente é possível aproveitar a tubulação, mas é recomendável contar com o auxílio de profissionais especializados nesta área.”

Imóveis novos também despertam o desejo de mudanças. Boa parte das construtoras entrega os banheiros com peças em cores básicas, o que motiva as reformas. “Selecionar os acabamentos e combiná-los de forma harmoniosa é o grande desejo de quem vai fazer a mudança para uma casa nova”, analisa Ester Kloss, que transformou um banheiro apenas mudando alguns detalhes e gastando pouco. “Foi possível manter os azulejos porque eram brancos, bonitos e de qualidade.” Com R$ 2.700 foi possível colocar pastilhas, substituir a cuba e o tampo, colocar um box e instalar uma bancada branca em porcelanato e um móvel em madeira abaixo da pia, que recebeu acabamento em verniz de poliuretano, próprio para áreas úmidas. “A ideia era ter um banheiro bem feminino, com espaço para maquiagem e cosméticos”, diz a arquiteta.

Detalhes importantes

Para os arquitetos e construtoras especializadas em reforma, o banheiro é uma parte da casa na qual não se deve economizar. “Comprar materiais de qualidade, especialmente os metais e as peças, é bastante importante para que não se sofra com vazamentos ou até problemas ergométricos na hora do uso”, alerta a arquiteta Mariana Canhadas.

No momento de escolher revestimentos e peças, o melhor é optar por cores claras para transmitir sensação de limpeza. “Ao pensar em reformar um banheiro, sugiro priorizar a área física, a iluminação e a ventilação, que garantem conforto para os usuários”, completa Ester Kloss.

A arquiteta aconselha evitar colocar nos banheiros materiais que absorvam os ácidos contidos nos sabonetes e xampus. “É melhor evitar as pedras muito porosas porque mancham facilmente”, diz. Os tetos de gesso podem apresentar manchas de umidade, provocadas pelo vapor. Para quem não pretende conviver com essa realidade, o ideal é substituir o gesso por lambris de PVC, por exemplo.

Além das questões estéticas é preciso projetar possíveis intervenções estruturais durante a reforma de um banheiro. Merece especial atenção a impermeabilização para reduzir a umidade e seus efeitos nocivos aos revestimentos e à pintura.

Os gastos com os impermeabilizantes representam até 15% do valor de obras em banheiros, segundo o Instituto Brasileiro de Impermeabilização (IBI). As técnicas consistem na aplicação de produtos específicos com o objetivo de proteger a parede e o piso da ação da água. “Para fazer uma boa impermeabilização é necessário contratar o profissional certo. Após realizada, o indicado é não tentar fazer reformas de alvenaria, porque a impermeabilização terá de ser refeita”, diz Marina.

Como o imóvel em que Daniela mora tem quase 30 anos, as instalações hidráulicas foram revisadas antes da mudança de revestimentos. “Contratamos uma empresa que fez a troca de encanamento e providenciou a instalação de uma manta asfáltica para evitar a infiltração."

Revestimentos

Para se ter qualidade e segurança na escolha e execução da troca de revestimentos em ambientes como cozinhas e banheiros são necessários os seguintes cuidados:

1. Escolha

A escolha dos revestimentos cerâmicos exige um profissional – vendedor (com base em um projeto), arquiteto ou engenheiro – que tenha conhecimentos técnicos para fornecer a correta especificação da placa cerâmica, da argamassa de assentamento e de rejuntamento ao ambiente de uso (considerando é interno ou externo, molhado ou seco, de baixo ou alto tráfego, etc).

Para um clima frio e úmido como o de Curitiba, deve-se atentar para as propriedades de absorção de água e de expansão das placas cerâmicas por umidade.

2. Execução

O consumidor deve exigir que o assentador cumpra as normas técnicas de assentamento e as recomendações do fabricante quanto às juntas, tipo de argamassa, tipo de rejunte, tipo de desempenadeira, entre outras. As principais normas de assentamento são as NBRs 13.753/1996, 13.754/1996 e 13.755/1996.

3. Manutenção

Para a conservação diária dos revestimentos deve-se seguir as orientações do fabricante descritas na embalagem. Quando não há indicação, pode-se usar água e detergente neutro. Nunca utilizar produtos que contenham ácidos e bases em sua composição, tais como, limpa-pedras, limpa-alumínio e produtos que não se conheça a procedência.

Fonte: Lilian Dias, engenheira de materiais e diretora do Centro Cerâmico Brasileiro


< capa