Foto aérea de pessoas trabalhando na redação da Gazeta do Povo, em Curitiba.

O Manual do Usuário está de volta, agora como um blog da Gazeta do Povo

Por
14/11/17, 11h06 6 min Comente

Hoje se inicia uma nova fase no Manual do Usuário. O blog passa a ser parte da Gazeta do Povo e eu, Rodrigo Ghedin, volto a escrever nele — com a ajuda dos profissionais da casa e de colaborações especiais do mundo inteiro.

Nesses seis meses afastado daqui, tive a oportunidade de voltar à rotina diária de um veículo jornalístico. (Continuarei; o Manual se soma ao trabalho que desenvolvo como editor de Nova Economia.) Não fazia isso desde o final de 2012 — há quase cinco anos, portanto, o que é uma vida em Internet. Essa nova perspectiva será útil para realinhar a missão do Manual do Usuário. Para que ele continue tendo uma razão de existir, alguns ajustes são necessários.

Mudanças de contexto

Quando criei este blog, o fiz porque notei uma lacuna no noticiário nacional de tecnologia: a de um lugar dedicado a textos reflexivos, opinativos e mais aprofundados, do tipo que trata a notícia como um ingrediente ou ponto de partida, não como o prato principal. Esse material já existia naquela época, mas se perdia, em outros veículos, nas torrentes do hard news e dos rumores. Hoje, eles são em maior número, o que é ótimo! Não sei se o trabalho feito aqui teve alguma influência, mas sinto que progredimos como um todo.

Essa leitura expande aquela decisão de abandonar as análises de celulares. É um tipo de conteúdo que todo mundo faz, alguns muito bem, e, nessa, não havia diferenciação suficiente para justificar esse tipo de conteúdo aqui, ou seja, ele não contribuía para a construção de algo que se pretende seja diferente — a premissa do Manual do Usuário.

Em paralelo, o mercado mudou também. Assisti a uma palestra da Paula Bellizia, presidente da Microsoft Brasil, em que ela disse que “no futuro, todas as empresas serão empresas de tecnologia”. Esse é o mote da editoria de Nova Economia da Gazeta do Povo: a ideia de que o domínio absoluto das cinco maiores empresas do mundo, todas de tecnologia, é um vislumbre da influência que o setor terá em todos os campos da economia e das nossas vidas. Esse futuro já chegou, ele acontece neste momento.

O Manual do Usuário precisa dialogar com uma nova realidade; por isso, as mudanças. No que se publica aqui e também em como, ou seja, no formato. Na prática, haverá um leve aumento no volume de publicações e textos mais opinativos, para dar contexto e fazer apontamentos. Do que vinha sendo feito até agora, pretendo manter apenas a postura que é tão característica deste espaço (menos deslumbramento, mais pé no chão) e a filosofia Slow Web. Nesse sentido, o aumento da produção não deve ser confundido com uma traição a esse compromisso; ser o primeiro ou o mais rápido é algo que eventualmente acontece, mas nunca foi e jamais será um objetivo do projeto.

E, claro, o foco do blog permanece na tecnologia, especialmente em como ela nos afeta. Preocupa-me muito a escalada da intrusão que as empresas de tecnologia, das startups às enormes, propõem (ameaçam?) e em como, cada vez mais, essas investidas são aceitas sem o devido questionamento. Progresso não é necessariamente sinônimo de tecnologia.

Será uma longa jornada, que espero seja enriquecida nos comentários, outra marca registrada do Manual do Usuário. Eles estão como eram antes: ainda no Disqus, com post livre nas manhãs de sexta e total abertura para debates civilizados e pontos de vista divergentes.

Se encontrar algo fora do lugar, avise. Tentamos, eu e o pessoal de pesquisa e desenvolvimento, fazer a migração da forma mais suave possível, mas coisas desse tipo são como mudar de um apartamento para outro no mesmo andar do mesmo prédio: apesar da proximidade, existe sempre o risco de alguém bater a geladeira em uma quina e lascar a parede. Avise-nos, e faremos esses pequenos reparos o quanto antes.

Últimos avisos

À Emily Canto Nunes (agora, no ada.vc), que segurou o rojão com classe e competência no período em que estive ausente, um agradecimento especial. As portas estarão sempre abertas e espero que consigamos tocar juntos algumas pautas, aqui e na Gazeta do Povo, como fazíamos antes e como fizemos recentemente. Obrigado!

Aos ex-assinantes do site, um aviso: o serviço de assinatura independente do Manual do Usuário foi suspenso no início de outubro e assim permanecerá por tempo indeterminado. Vocês terão condições especiais para assinar a Gazeta do Povo e isso será importante para acompanhar o blog, já que ele, agora, está atrás do paywall do jornal. Aguardem um e-mail com mais detalhes.

Aos leitores das antigas que nunca assinaram o site, convido-os a darem uma olhada na assinatura da Gazeta do Povo. Custa só R$ 9,90 por mês ter acesso irrestrito ao conteúdo produzido diariamente por uma equipe de jornalistas sensacional.

Aos novos leitores que estão chegando pela Gazeta do Povo, selecionei cinco histórias originais que contamos aqui. É para dar um gostinho do que esperar do novo blog da casa.

E para não perdermos contato, escolha um canal (ou alguns) para acompanhar o Manual do Usuário. O blog está no:

  • Twitter, onde todos os posts são distribuídos e ainda podemos conversar (pode ser no meu pessoal também);
  • Facebook, onde, com sorte, você nos verá na timeline vez ou outra, ou, sem sorte, acabaremos varridos para baixo do tapete por aquele algoritmo estúpido;
  • Messenger, esse de bate-papo mesmo. Enviaremos links dos posts daqui e, eventualmente, alguma coisa da Nova Economia;
  • Telegram, com o mesmo esquema do Messenger, mas para quem jura de pés juntos que Telegram > WhatsApp; e (ufa!)
  • Newsletter, enviada toda sexta-feira, com um resumo do que foi publicado aqui — e, a partir da próxima, com o melhor de tecnologia que sair na Gazeta do Povo.

Obrigado pela confiança e vamos nessa!

Foto do topo: Jonathan Campos/Gazeta do Povo.

Compartilhe: