Moto G4 Plus e Moto G4 lado a lado.

Moto G4 ou Moto G4 Plus? Comparamos os dois para ajudá-lo a fazer a escolha certa

Por
4/8/16, 19h30 15 min 21 comentários

Quando vi os novos Moto G pela primeira vez, estranhei. Achei eles feios. (São três nesta quarta geração; além desses, tem também o Moto G4 Play, lançado hoje por R$ 899.) Acostumada com o design discreto do queridinho do Brasil, estranhei a moldura com aspecto metálico e a tela enorme, de 5,5 polegadas, que deixa eles tão maiores do que as gerações anteriores.

Depois de algumas boas semanas usando o Moto G4 e o Moto G4 Plus como smartphone principal, porém, posso dizer que aquela primeira impressão se dissipou. Encantei-me pelos smartphones, que, por fora, são praticamente iguais. O que os diferencia, então? Qual vale mais a pena? Descubra neste comparativo do Manual do Usuário.

O novo design do Moto G4

Se eu errei ao dizer precipitadamente que os novos Moto G eram feios, acertei ao afirmar que as mudanças de design tiveram consequências boas e ruins. A boa é que os aparelhos ficaram mais finos. A moldura em plástico com pintura metálica dá mais corpo aos aparelhos e deixa a impressão de que ele está mais espesso do que na geração anterior, o que não é verdade: trata-se do Moto G mais fino de todos. Fino e elegante. O design parece mais conciso. Essa moldura pseudo-metálica conversa com a da câmera na parte traseira e o “M” de Motorola está no lugar e no tamanho certos. O ruim é que, mesmo com todos esses acertos, a pegada não é mais a mesma. E pegada é essencial para desenvolver um bom relacionamento também com o seu smartphone.

Moto G4 segurado na mão de perfil.

O que explica esse desconforto com o Moto G na mão, creio, é a perda daquela curvatura nas laterais da parte traseira. Ela ajudava a encaixar o aparelho entre o dedão e o indicador, sabe? Afora isso, o material das capas é menos aderente que da geração anterior, que era praticamente uma borracha. As capas traseiras dos novos Moto G são bonitas, mas mais escorregadias. Pode-se sempre argumentar que o usuário usará uma capinha, o que pode tornar irrelevante essa discussão, porém é preciso saber apreciar a beleza de um smartphone antes de tudo e de um bom design de produto, certo?

Por outro lado, continua fácil trocar as capas (o Moto G4 Plus vem com mais de uma opção na caixa) e ainda existe a possibilidade de personalizar a cara do aparelho no MotoMaker, caso você não seja adepto das capas de proteção, mas queira dar um ar de exclusividade ao seu.

Diferenças entre o Moto G4 e o Moto G4 Plus

São poucas as diferenças entre Moto G4 e Moto G4 Plus. A primeira delas, obviamente, é o preço: são R$ 200 entre Moto G4 (R$ 1.299) e Moto G4 Plus (R$ 1.499, ambos preços sugeridos). É um pouco difícil dizer se vale pagar a mais pelo Plus, pois essa decisão varia bastante a partir das prioridades e profundidade do bolso de cada um. Tentarei pontuar, aqui, o que se ganha gastando R$ 200 a mais e até que ponto esse investimentos extra é válido.

Detalhe do leitor de digitais do Moto G4 Plus.

Uma das principais diferenças entre o Moto G4 e o Moto G4 Plus é do tipo funcional, mas com implicações estéticas: o leitor de impressão digital na parte inferior e frontal do modelo mais caro. Muito embora devesse ser, ele não é um botão, é apenas um leitor de impressão digital e nada mais. Nos primeiros dias de uso do Moto G4 Plus não conseguia controlar meu impulso de tocar o leitor esperando que ele reagisse como um botão. Algo no meu cérebro conectava aquele quadrado à imagem de um botão; volta e meia eu o apertava e nada acontecia. Em uma palavra: frustrante. Não que um botão ali fosse essencial, mas não seria interessante dar mais utilidade para aquele quadrado tão destacado e que ajuda a encarecer o aparelho?

Eu gosto bastante de leitores de impressão digital como forma de desbloquear o smartphone. Esse da Motorola funciona bem. O local, inclusive, é dos mais apropriados. Ao contrário do lance do botão falso, meu cérebro logo se acostumou a usar o dedo como forma de desbloquear a tela ao invés de desenhar padrões ou inserir senhas, como é comum no Android. Se você cadastrar todos os cinco dedos que a funcionalidade permite, o desbloqueio fica ainda mais conveniente. Uma pena que o recurso de bloquear o aparelho com a digital não esteja habilitado como estará no Moto Z, segundo disse a própria Motorola. Seria mais uma utilidade interessante para o leitor.

Fato é que depois de usar o Moto G4 Plus e seu leitor de digitais, fiquei muito mal acostumada. Na migração para o G4 senti muita falta. Ficava apertando o nada esperando desbloquear o smartphone e tive que fazer meu cérebro se acostumar, de novo, com o fato de que ali não tinha mais um leitor de impressão digital e que era preciso ligar a tela para desenhar o padrão e desbloquear o smartphone. E tem mais: embora eu goste dessa funcionalidade específica, o leitor de digitais poderá funcionar para mais coisas no futuro. Provavelmente não para pagamentos por aproximação (alô, Android Pay) no caso dos novos Moto G uma vez que eles não possuem NFC, a mais popular tecnologia para isso na atualidade, mas talvez para autenticação em apps ou sites, por exemplo.

Detalhe da câmera do Moto G4 Plus.

A outra distinção entre os aparelhos é a câmera principal. Enquanto o Moto G4 tem uma de 13 megapixels, a do Moto G4 Plus é de 16 megapixels. Há de se destacar que para uma pessoa que já teve um Moto X primeira geração e já testou um Moto X Play, as câmeras da Motorola têm se mostrado cada vez melhores, especialmente se você lembrar que a linha Moto G é atualmente mais básica da Motorola. (A Lenovo até anunciou um novo Moto E na gringa, mas ele é tão parecido com o Moto G4 Play que não será surpresa se não for lançado aqui.) Na frente, nada diferente: as câmeras frontais, de 5 megapixels e lente grande-angular, são idênticas nos dois modelos.

Ambas as câmeras principais, a do Moto G4 e do Moto G4 Plus, compartilham as seguintes características: flash dual LED com equilíbrio de cores e sensor com abertura de f/2,0. As diferenças não se limitam à contagem de megapixels — que nem chega a ser considerável. Há outros pequenos detalhes que tornam a câmera do Moto G4 Plus um pouco melhor: foco a laser, que ajuda bastante em ambientes escuros, e um Phase Detection Auto Focus (PDAF), cujo desempenho é melhor em ambientes claros. Ou seja, o Moto G4 Plus tem três tecnologias de foco enquanto a câmera do Moto G4 conta com apenas uma.

Fiz alguns testes de cenas com ambos os smartphones e o que se pode perceber é uma facilidade maior de fazer foco no Moto G4 Plus, além de imagens com mais informações em razão daqueles megapixels extras. Fotos com muito zoom também ficam melhores no Moto G4 Plus, como era de se esperar. Apesar disso, se me perguntassem se a câmera é um critério de escolha, eu diria que, sozinha, não é. Já somada às outras vantagens do modelo mais caro, ela agrega e ajuda a justificar aqueles R$ 200 a mais.

Outra distinção entre os modelos é o armazenamento interno. O Moto G4 Plus vem com 32 GB, enquanto o Moto G4, metade disso — 16 GB. Ambos possuem o que a Motorola gosta de chamar de “Dual SIM Inteligente”, um recurso de software que permite que você escolha que chip de operadora será o de dados, sem ter que trocar os SIM cards de lugar como antigamente. Os produtos ainda contam com um espaço para colocar um cartão microSD de até 128 GB. Se você é como eu e não usa microSD, talvez faça mais sentido um aparelho com 32 GB. Mais uns pontinhos a favor do Moto G4 Plus.

E embora as baterias sejam as mesmas, ambas com capacidade de 3000 mAh, o carregador do Moto G4 Plus é um Turbo Power de 15W enquanto o do Moto G4 é um carregador rápido de 10W, o que se traduz em recargas um pouco mais rápidas no modelo mais caro. No dia a dia, o comportamento de ambos os smartphones foi o mesmo, aguentando pouco mais de 12 horas de uso, o que é suficiente para sair de casa por volta das 9h e voltar às 21h com os aparelhos vivos.

Apesar da nomenclatura, se engana quem acha que o Moto G4 só tem coisas a menos. Só esse modelo vem equipado com o receptor de TV Digital com resolução Full HD. Eu não sou grande fã de TV no celular, mas entendo que em época de grandes eventos esportivos como Olimpíadas, Copa do Mundo ou mesmo os habituais Brasileirão, Copa do Brasil e Libertadores, ter uma TV de bolso pode ser bem interessante. Se todas aquelas distinções a favor do Moto G4 Plus não te convenceram a gastar mais nele, talvez a TV digital seja um bom argumento para justificar a compra do Moto G4.

Comparações domésticas — Moto G de 3ª geração e Moto X Play

Montagem com fotos do Moto X Play e Moto G de terceira geração.
Fotos: Rodrigo Ghedin.

Como todo upgrade de geração, há melhorias consideráveis na quarta geração do MotoG que vão além do design. Talvez seja a primeira vez em que o upgrade entre gerações imediatamente próximas do Moto G seja válido. Vejamos o porquê.

Moto G de 3ª geração tinha uma bateria de 2.470 mAh não compatível com a tecnologia de carregamento rápido. A tela era ligeiramente menor (5 polegadas contra 5,5) e de menor resolução (720p contra 1080p). Sabemos que em resolução importa mais a relação entre tamanho físico e quantidade de pixels e, nesse sentido, o Moto G4 também se destaca: são 401 PPI (pontos por polegada) contra 294 PPI do modelo de terceira geração. Não tenho reclamações quanto à tela dos novos modelos, aliás.

Por dentro também houve uma evolução. Se na terceira geração o Moto G vinha equipado com um cansado Snapdragon 410 da Qualcomm (exceção feita ao modelo Turbo, mais caro), na quarta a Lenovo subiu o nível e trouxe o Snapdragon 617 com CPU octa-core de 1,5 Ghz. Também nessa versão a quantidade de RAM subiu para 2 GB, o que já é meio que padrão entre smartphones intermediários desde o ano passado. Esse não é um conjunto premium, mas é um bom custo-benefício que, nos testes, oferece uma experiência de uso bem fluída ao usuário.

Apesar das nomenclaturas darem a impressão de serem produtos de categorias diferentes, uma comparação também válida é a com o Moto X Play. O Moto G4 é, em especificações, mais próxima dele do que do seu antecessor. O SoC é da mesma série, 600 (615 no Moto X Play), que entrega desempenho satisfatório. A câmera tem resolução maior, de 21 megapixels, embora na prática não resulte em grande diferença na qualidade das fotos.

O Moto X Play tem um recurso indiscutivelmente superior, que a Motorola falou até cansar em 2015 e, infelizmente, ignorou no Moto G em 2016: a resistência à água. Nenhum Moto G4 tem essa funcionalidade. Não que eu ache que seja algo imprescindível, mas para quem pratica esportes ou é desastrado, pode ser um diferencial importante.

Um pouquinho de software

Foto de divulgação com vários Moto G4 de costas.
Foto: Lenovo.

Como já é praxe e, na minha opinião, um ponto positivo, a nova geração de Moto G vem com Android quase puro na versão 6.0. Além dos aplicativos do pacote Google, há alguns poucos da fabricante como o Ajuda, o App Box e o Moto, que reúne a lista de gestos que servem como atalho do telefone e permite que o usuário escolha que notificações vão aparecer quando a tela estiver desligada. Confesso que senti falta, nesse aplicativo, das configurações de comando de voz. Elas eram mais fáceis de se fazer do que com o próprio Android e seu Google Now. Para quem compra um novo Moto G, o Google dá um presente: dois anos de armazenamento gratuito para fotos do aparelho em qualidade original no Google Fotos.

O software de câmera, próprio da Moto/Lenovo, passou por mudanças. Agora, o programa conta com um recurso chamado “Melhor Foto” que tira várias fotos para ajudá-lo a escolher a melhor, e com um modo profissional em que o usuário pode ajustar equilíbrio de branco, velocidade do obturador, ISO, compensação de exposição e foco. Eu uso a câmera sempre no automático, por vezes apenas selecionando se vai ter HDR ou não, flash ou não, e fico mexendo no controle de exposição. Mas, se você é do tipo que gosta de brincar de fotógrafo mesmo, agora ficou mais fácil no Moto G — guardadas as severas limitações que uma câmera de smartphone tem nesse sentido. A interface de acesso a esse modo profissional é bem bacana também, bonita e fácil de usar.

Percalços de bastidores

Testar aparelhos não é fácil como alguns pensam. Além das dificuldades inerentes, imprevistos podem acontecer. Para este comparativo, foram dois. Primeiro tive um Moto G4 furtado dentro do ônibus. Porque, sim, testamos os aparelhos no dia a dia e não numa redoma ou dentro de um laboratório. Como isso é muito chato, vale dizer que a Motorola/Lenovo foi bem legal mandando outro aparelho logo em seguida para terminarmos os testes e fazermos as fotos.

O segundo contratempo foi que, por duas vezes, o Moto G4 Plus descarregou completamente e demorou algumas horas para voltar a vida, mesmo com o carregador de 15W. A Lenovo também trocou esse Moto G4 Plus e, depois disso, não tive mais problemas do tipo. O modelo problemático foi enviado para análise, mas como havia redefinido ele antes de devolver, a Lenovo disse que não conseguiu investigar se algum aplicativo estava atrapalhando o funcionamento do aparelho. O Moto X Play que testei no ano passado fez isso algumas vezes e até reinicia sozinho, logo, vale o alerta: se isso acontecer, acione a assistência.

Moto G4 ou Moto G4 Plus?

Moto G Play, Moto G e Moto G Plus.
Moto G4 Play, Moto G4 e Moto G4 Plus.

O Moto G4 Play chegou ao mercado com o preço sugerido de R$ 899, mas sem testes mais elaborados não temos como antecipar se ele terá um jeitão mais Moto G de raiz, ou seja, hardware humilde e um custo menor.

Os melhores Moto G4 não são da mesma linhagem dos anteriores. O preço elevado dessa nova geração, mesmo com os upgrades (especialmente o do SoC), deixa isso bem claro — mesmo levando em conta o encarecimento do dólar e a inflação, mais de R$ 1.000 é muito para um negócio que quatro anos atrás não chegava a R$ 600.

Essa é a nova realidade dos intermediários no Brasil. O último relatório do IDC aponta que o ticket médio dos smartphones no primeiro trimestre de 2016 foi de R$ 1139,23; um ano antes, havia sido de R$ 790,52. Segundo Diego Silva, analista de pesquisas da IDC Brasil, “duas faixas de preços tiveram crescimento. A de valores entre R$ 1 mil a R$ 1299 cresceu 321,9%, e a acima de R$ 3 mil teve um aumento de 110,6%. Há um ano, por exemplo, os aparelhos com valores entre R$1 mil e R$ 1299 representavam 4,4% do total do mercado. Hoje, representam 28,4%”.

As ofertas apontam uma disputa acirrada nessa faixa de preço entre as fabricantes, com Galaxy A5 (2016) e os novos Galaxy J5 Metal e J7 Metal da Samsung, X Screen e K10 da LG e Zenfone 2/3 da Asus. Contra eles, a Lenovo está bem representada pelo Moto G4 — eu continuo indicando ele. E entre o modelo padrão e o Moto G4 Plus, se o orçamento permitir, fique com o Plus. Os extras valem a diferença de preço.

Atualização: tinha dito que os novos Moto Gs vinham com uma gaveta híbrida SIM card/micro SD, mas na verdade eles vêm com três slots em separado. Na época estava testando também o Moto X Play e confundi. Além de não vir com giroscópio, o Moto X Play 2015 tem essa gaveta híbrida que a Motorola abandonou na linha G.

Compartilhe:
  • Victor Serrão

    Tenho um Moto G4 Plus e não entendi a questão do escolher entre dual sim e microSD. No meu aparelho eu tenho duas linhas funcionando e também tenho um microSD de 32Gb. Entendi errado o que está no texto?

    E outra, os dois simcard possuem 4G habilitado.

    • Emily Canto Nunes

      Sim, Victor, os dois são habilitados para 4G, mas o 4G não funciona simultaneamente, foi isso que quis dizer. :)

      • Marcos Tony Lehmann

        Pois entendi que seria entrada híbrida, como a Samsung faz onde se escolhe microSim ou microSD no slot 2.

      • Victor Serrão

        Também não há entrada híbrida. São três slots independentes.

        • Victor Serrão

          Emily o seu texto está errado. Você deveria corrigir, não acha?

          • Emily Canto Nunes

            Oi, Victor, tudo bem? Muito obrigada pela correção. De fato confundi com o Moto X Play que testei na mesma época. Desculpe o erro e obrigada de novo. ;)

  • Eu escolhi o Moto x Segunda geração, porque as atualizações dele foram muito rápidas.
    Depois, a Motorola foi vendida para a Lenovo… e agora, ela já disse que não vai lançar tantos updates assim.

    Logo, não vejo vantagem em comprar um motorola hoje em dia.
    Caro, sem updates frequentes… ou seja, mais do mesmo.

  • Meu Moto X Play vai fazer 1 ano de vida e só agora eu descobri que ele é resistente a água.

    • Amaranto Júnior

      Eu tbm acabei de descobrir ?

    • jairo

      O que mata o X play é a falta de giroscopio

      • Saulo Benigno

        Porque mata?

        • jairo

          O nome do gadget é X Play , e os jogos que necessitam de giroscopio como ficam?

          • Saulo Benigno

            Impressionante, que bola fora viu :o

  • ALPHA DELTA VICTOR

    Puxa! Furtada? Tem de ficar mais esperta aí!

    Moto G? O meu comprado em 2014 por 600 reais à vista vai muito bem, obrigado. Se me oferecerem esse novo Plus por 800 reais eu poderia pensar em comprar…

  • Yago G.

    Emily, vi num hands on que o Moto G4 tem a tela mais amarelada que o MotoG4 Plus, você percebeu isso? O material é exatamente o mesmo?

  • Andre Guilhon

    Tá mas….. Roda Pokemon Go!?
    ahhahahaha Brincadeira!

  • Marcos Tony Lehmann

    Só tem uma dúvida que queria esclarecer. O tom amarelado da tela que percebi (MotoG4 plus) em vários reviews. Acho que o dispositivo tem um recurso de ajuste (seria uma calibração?) e gostaria que me respondessem se resolve o branco amarelo da tela, pois pelas análises (como num comparativo G4 Plus e LG G5 SE no TudoCelular) percebe-se que concorrentes mostram um branco bem realista enquanto o Moto g tem um tom bem desagradável… Detestei o X de 2014 por isso mas lá era amoled. Nunca vi lCD IPS assim

  • jairo

    Não possuem NFC , isto em 2016 ……shame you Lenovo/Motorola

  • Rodney Andrade

    Queria saber como faço no adroit para fazer o uso do celular com uma mao apenas… visto que tela a bem grande… hoje no iphone eu apenas faço duplo toque e a tela desce e no w10m eu precioso o menu home e a tela tambem desde… E no Android e possivel ???

  • Rodney Andrade

    Queria saber como faço no adroit para fazer o uso do celular com uma mao apenas… visto que tela a bem grande… hoje no iphone eu apenas faço duplo toque e a tela desce e no w10m eu precioso o menu home e a tela tambem desde… E no Android e possivel ???

  • Paula

    A luz de notificação do meu moto g 4 plus acendeu sozinha, e não sei como desativar, como faço pra tirar esse luz de notificação?