Post livre #73

Por
17/2/17, 7h50 1 min 749 comentários

Cá estamos nós em outra sexta-feira! E, com ela, outro post livre, aquele “momento dial-up” quando colocamos a conversa em dia e tiramos as dúvidas que nos acompanharam durante a semana. Vale lançar qualquer assunto ali nos comentários e espera-se reciprocidade — ou seja, participe dos debates propostos pelos outros. Encerramos os trabalhos na noite de domingo.

Compartilhe:
  • ande

    Aos estudiosos das lojas virtuais, alguma recomendação de como começar uma?

    Criei uma rapidamente usando o Magento na DigitalOcean mas não gostei muito, aí troquei e fiz o setup de uma PrestaShop e achei muuuuuuuuuito melhor. Esse final de semana devo começar a ver os módulos de pagamento e frete para adicionar nela.

    As opções como LojaIntegrada, Iluria, Wix e diversas outras acho muito bom para começar mas todas tem diversos problemas pequenos que inviabilizam usar. :/

    • Louis

      Isso é muito interessante, mas, confesso que não sei nada sobre isso. Você tem alguma local para indicar, onde começar isso?

    • Louis

      Isso é muito interessante, mas, confesso que não sei nada sobre isso. Você tem alguma local para indicar, onde começar isso?

      • ande

        Não muito, pois como sou programador, aluguei um servidor, meti a cara e fiz o setup do Magento e do Prestashop e estou brincando com isso. Para opções já prontas, encontrei o Iluria e LojaIntegrada como opções bacanas para iniciar.

  • Breno

    Decepcionado com a divulgação pelo The Verge de 0,3% de smartphones com Windows e BBOS de 0,0%. O duopólio venceu. Mas está estagnado e sem criatividade.

    • Harlley Sathler

      Li isso ontem também mas depois de pensar um pouco, percebi que isso não é totalmente inesperado: Já tem um tempo que nem a Microsoft lança telefone com windows e nem a Blackberry lança nada com o BBOS, daí é de se esperar que depois de algum tempo os números comecem a minguar, seja pelo fim da vida útil dos últimos aparelhos lançados seja pela impaciência dos usuários em conviver com sistemas sem suporte. Eu fui um ávido usuário do Windows Phone, desde a versão 7.0 (pra mim a melhor) até os betas do 10, mas chegou num ponto em que não dava mais. No dia em que troquei de telefone, abandonei, com pesar, a plataforma. Na época cheguei a namorar alguns aparelhos com o BBOS (nessa época o Passport era meu sonho de consumo), mas como a grana tava curta pra arriscar em telefone que logo perderia o suporte, acabei me rendendo ao android.

      • Pois é. Se a própria desenvolvedora abandona a plataforma, a gente não consegue fazer muita coisa =
        Sou fã do Windows Phone em especial por causa das câmeras, em que a combinação de software e hardware ficou muito boa. Ele tinha tudo pra ser um Iphone, no que tange a essa combinação de soft e hard, muito chato que não vingou.

        • Harlley Sathler

          Sinto falta até hoje do botão físico para disparar a câmera!

          • tuneman

            o meu Quantum Go dispara quando pressiono a tecla de volume…., faria tanta falta assim um botão realmente dedicado a isso?

          • Maicon Bruisma

            Pra mim faz, usei bastante Lumias e Sony, mantenho um 930 por que gosto do aparelho e sua câmera e por causa da segurança. Quando pego qualquer aparelho diferente para fotografar fico catando o botão da câmera, um botão de duas fases faz diferença, odeio focar por toque pq nunca fica legal, pelo botão sim, é fácil e prático, clicou fotografou.

          • Harlley Sathler

            O botão da câmera dos Lumias não servia só para disparar a foto (isso é fácil de replicar em qualquer Android, como o seu Quantum Go). O botão era realmente parecido com um disparador de câmera. Pressiona até a metade para a câmera focar no que você quer e termina de pressionar capturar a foto. Isso na verdade veio nos aparelhos da Nokia bem antes dos Lumia.

          • Harlley Sathler

            O botão da câmera dos Lumias não servia só para disparar a foto (isso é fácil de replicar em qualquer Android, como o seu Quantum Go). O botão era realmente parecido com um disparador de câmera. Pressiona até a metade para a câmera focar no que você quer e termina de pressionar capturar a foto. Isso na verdade veio nos aparelhos da Nokia bem antes dos Lumia.

          • tuneman

            ah entendi.
            mas as pessoas não ligam muito pra isso. alias, acho que nem ligam tanto assim pra qualidade da camera…. sendo “boa” elas aceitam numa boa.

          • tuneman

            ah entendi.
            mas as pessoas não ligam muito pra isso. alias, acho que nem ligam tanto assim pra qualidade da camera…. sendo “boa” elas aceitam numa boa.

        • Marcos Balzano

          As câmeras são Nokia, que sempre foram ótimas. Só que ter uma câmera melhor que a concorrência num OS sem sucesso não adianta muita coisa.

        • Marcos Balzano

          As câmeras são Nokia, que sempre foram ótimas. Só que ter uma câmera melhor que a concorrência num OS sem sucesso não adianta muita coisa.

    • Maicon Bruisma

      Quando sai do 730 consegui um BB Z30 de barbada, foi uma das melhores experiências que tive. Tinha tudo para dar certo, era bem gestual tipo IOS, porem com liberdade, instalava apk do android, não faltava nada, e quanto ao aparelho, tinha excelente performance, saida micro HDMI, bateria otima, som estéreo, câmera boa, era um ótimo aparelho. Fico olhando a Blackberry lançando aparelhos com android, a Nokia também, nada é mais como antes, não são elas de verdade, ainda que a BlackBerry mantem coisas próprias como a suíte de segurança, ainda sim não são elas. Uma pena esse duopólio, não sou muito fã de IOS e nem todo android me agrada, o jeito é se contentar com o que o mercado oferece.

      • Harlley Sathler

        A questão é que, de fato, não são elas mesmo! A Blackberry descontinuou o BBOS (aliás, alguém sabe que fim levou o excelente QNX?) e depois avisou que não fabricaria mais seu hardware mas terceirizaria o desenvolvimento. A volta da marca Nokia ao mercado de celulares se deu também por licenciamento pelo pessoal da HMD (parece que ela é formado por ex funcionários da Nokia). Acho que vale a máxima que aprendi com o Pica-Pau: Se não pode com eles, junte-se a eles! Só não sei se a longo prazo isso vai dar resultado já que, aparentemente, quem ganha dinheiro com Android é só a Samsung.

        • Maicon Bruisma

          E a Microsoft ?

    • A samsung (maior entre os android) e apple não tem nada a ver com isso. Se as outras sucumbiram, isso foi por culpa única e exclusiva delas que não tiveram o timing correto pra se adequar às mudanças do mundo.

    • A samsung (maior entre os android) e apple não tem nada a ver com isso. Se as outras sucumbiram, isso foi por culpa única e exclusiva delas que não tiveram o timing correto pra se adequar às mudanças do mundo.

      • Harlley Sathler

        No caso da Blackberry diria que nem foi só timing. Se sentaram nos louros passados e foram arrogantes quanto à sua posição no mercado.

        • ser arrogante e não se moldar as novas tendências, é timing errado sim.

        • ser arrogante e não se moldar as novas tendências, é timing errado sim.

  • Epaminondas

    Estava pensando sobre o prazo de sete dias para devolução de produtos comprados pela internet. Isso é válido também para os clubes de assinatura ou caixas surpesa mensais, tais como Omelete Box e Nerd ao Cubo?

    • Daria um bom caso judicial.

    • Daria um bom caso judicial.

    • Fabio Montarroios

      Boa questão e como leigo me parece q sim.

  • Maicon Bruisma

    Estava falando com uns amigos sobre aquele caso dos dados compartilhados do whatsapp. Chegamos numa conclusão unanime que aquilo já estava acontecendo muito antes da divulgação, mas conseguimos chegar numa duvida além disso. Eu vivo fazendo trocas pela olx, minha ultima troca foi meu Zuk Z2 pelo Moto X Force, nesse caso mais recente (já havia acontecido antes), eu conversei com a pessoa apenas pelo chat do OLX, e ainda por cima pelo modo pc no meu lumia. Marcamos o local e eu fui, sem ter o numero do cara ou sequer saber o nome do mesmo. Chegando lá fizemos o procedimento de analise dos aparelhos e fizemos a troca, nesse caso levei o aparelho resetado de casa e ele também, e deixei para logar minhas contas em casa. Feito isso já em casa, entro no facebook e a primeira coisa que aparece é a indicação dessa pessoa como amigo, mas, apesar de ignorar, olhei o perfil da mesma para ter certeza de que era ela. Não deu 1 dia e recebi a solicitação de amizade dessa pessoa, aceitei e perguntei como ela me achou, e ela disse que o facebook indicou. Não havia amigos em comum. Não tinha como ele (Facebook) saber que eu tava falando com essa pessoa pq não adicionei numero nem nada, o telefone não tinha conta logada de nada e tava com a localização desligada, o mesmo vale para o outro cara que conversou comigo pelo app da olx. Queria saber como o facebook sabe de coisas que não deveria saber. As vezes parece que estou sendo constantemente observado, e esse tipo de coisa tambem já aconteceu com amigos, e sempre levamos na paranoia ate se tornar frequente.

    • Maicon Bruisma

      E desculpa pelo textão.

      • Conta Desativada

        Não é errado escrever texto grande, o problema é não dividi-lo em parágrafos…

      • Louis

        Não se desculpe. Essa rede social é um câncer, lotado de mentiras.

        • Ligeiro

          Comentários anonimos também :p

    • Cab

      O feicebuque capta muita informação no aparelho que é instalado, não ficaria impressionado se ele pegasse o código IMEI do telefone e descobrisse que vocês logaram dos mesmos aparelhos.

      • Maicon Bruisma

        Isso me assusta. Apesar de não estar com o facebook logado no meu lumia, o outro cara podia estar, e mesmo pelo chat da olx o facebook pegaria os dados, ou talvez estivesse com o app em outro aparelho naquele momento. O Facebook não quer ter tudo, quer ser tudo, engolindo empresas, copiando as que não pode ter, se solidificando na casa de cada pessoa. Pelo que me consta, já são 2 bilhões de usuários.

    • Juscelino K

      Sim, já acontecia antes de ser divulgado. Sem perguntar se podia, sem compartilhar agenda do telefone, o Facebook já estava pegando os contatos do WhatsApp e sugerindo a amizade. Se não me engano isso já acontecia no final de 2015 (foi quando parei de usar o Facebook e desinstalei o aplicativo e o Messenger).

      Se me lembro bem, tem uma configuração de privacidade do Facebook que impede que você seja sugerido como amigo a alguém. O WhatsApp teve aquele opt-out de compartilhamento no ano passado, mas eu não confiaria.

      Se você quiser continuar usando o Facebook, mas se incomoda com estas petulâncias da plataforma, a melhor dica é parar de usar o aplicativo e usar somente via browser. Mentira, essa é a segunda melhor dica. A primeira é parar de usar o Facebook.

      • Maicon Bruisma

        Mas ai é que esta, eu so uso via browser e não adicionei a pessoa no meu whats, apenas conversei pelo olx, tanto é que não sabia seu nome. Ate que ponto o facebook pode ir? Existem limites?

      • Maicon Bruisma

        Mas ai é que esta, eu so uso via browser e não adicionei a pessoa no meu whats, apenas conversei pelo olx, tanto é que não sabia seu nome. Ate que ponto o facebook pode ir? Existem limites?

      • Maicon Bruisma

        Mas ai é que esta, eu so uso via browser e não adicionei a pessoa no meu whats, apenas conversei pelo olx, tanto é que não sabia seu nome. Ate que ponto o facebook pode ir? Existem limites?

        • Juscelino K

          Você tem o Messenger instalado? Está compartilhando a agenda?

        • Juscelino K

          Você tem o Messenger instalado? Está compartilhando a agenda?

          • Maicon Bruisma

            Tenho o Messenger no Android, não no Lumia, por onde usei o olx

          • Maicon Bruisma

            Tenho o Messenger no Android, não no Lumia, por onde usei o olx

          • Gabriel Andrade

            Lembrando que maior parte dos usuários faz login na OLX utilizando a conta do Facebook, por aí ele pode ter coletado os dados de vocês dois

          • Maicon Bruisma

            Pode ser isso também, o outro cara pode ter logado usando a conta dele, eu não uso mas partindo dele já dá pra conseguir bastante coisa.

    • Fabio Montarroios

      acontece o mesmo comigo. aparecem sugestões BEM estranhas do face… eu fico com ele deslogado do pc a maior parte do tempo e não o acesso de forma alguma pelo celular… converso com pessoas em situações sem nenhum tipo de vínculo e, pimba, daqui a pouco elas aparecem como sugestão no face.

    • Paulo Pilotti Duarte

      Cookies talvez?
      Não é incomum que eu faça uma pesquisa com o Facebook aberto numa outra aba e depois de um tempo apareça uma propaganda qualquer relacionada com a minha pesquisa.

      • Maicon Bruisma

        Tá aí a resposta mais plausível, mesmo não logado no momento, hora ou outra loguei no Facebook e possivelmente ele coletou esses dados. Merecia um processo.

  • Alguém ouve lps? Eu tive vários lps até 2007 e precisei me desfazer deles, pois o toca disco que tinha na casa da minha mãe pifou na época. Agora estou cogitando voltar aos discos. Alguma recomendação de qual aparelho comprar?

    PS: Já sei que aquelas vitrolinhas em formato de maleta são uma porcaria.

    • Já faz mais de dez anos que não compro nenhum tipo de música em mídia física. Até gostaria de ouvir LPs mas só de pensar na organização e no espaço que isso demanda já fico com preguiça — só faço questão de manter essa estrutura para livros, já que não me adaptei aos ebooks.

    • Cab

      Não sei qual aparelho comprar, mas vou aproveitar o gancho pra dizer que Spotify pra mim foi uma das melhores invenções recentes, me fez até abrir mão da pirataria e passar a pagar por música, algo que não acontecia há muito tempo.

    • Cab

      Não sei qual aparelho comprar, mas vou aproveitar o gancho pra dizer que Spotify pra mim foi uma das melhores invenções recentes, me fez até abrir mão da pirataria e passar a pagar por música, algo que não acontecia há muito tempo.

    • Ligeiro

      Procura o Techmoan no Youtube ;)

    • Ligeiro

      Procura o Techmoan no Youtube ;)

  • Em semana de (acertada) decisão judicial contra a Uber, foi impressionante ver como um exército inteiro de classe média se mobiliza na internet contra direitos dos trabalhadores e a favor de patrões.

    • Juscelino K

      Não entendo esse pensamento esquerdista. Os termos são claros, há a opção da escolha, há a opção da renúncia, a pessoa aceita, depois se sente injustiçada e a justiça, baseada em uma lei de 1940-e-alguma-coisa e que definitivamente não está adequada a 2017, passa a mão na cabeça e abre um precedente perigoso.

      Não concordo com muitas coisas que o questionável Uber faz, mas querer “celetizar” uma relação de trabalho baseada em prestação de serviço é de uma estupidez profunda. O correto deveria ser forçar o Uber a trabalhar com motoristas formalizados como MEI, Micro Empreendedor Individual, e não estabelecer um vínculo que não existe.

      E não sei por qual motivo, mas “Trabalhador X Patrão” me lembra Os Trapalhões.

      • Paulo Pilotti Duarte

        Só porque os termos são claros, não quer dizer que não são abusivos.

        • Juscelino K

          “Você dirige o quanto quiser, quando quiser, como quiser e eu te pago 75% do valor da corrida. Eu te dou o aplicativo e milhares de clientes em potencial, o resto você se vira. Ok?”

          Praticamente uma arma apontada pra cabeça.

          • Paulo Pilotti Duarte

            É irrelevante a analogia misseniana de “uma arma apontada para a cabeça” porque não se discute aqui a liberdade ou não de fazer parte do aplicativo e sim a possibilidade dos termos serem abusivos e contarem com a incapacidade de uma porção dos trabalhadores de perceberem isso.

          • Juscelino K

            Não Paulo, o que se discute é que estabeleceram vínculo em uma opção de um profissional ser remunerado por um valor predeterminado exercendo algo que ele pode fazer quando quiser e como quiser.

            É a mesma estupidez dos sindicatos de quererem impedir a modalidade de contas digitais por ameaçarem os empregos dos caixas de banco.

          • Juscelino K

            Não Paulo, o que se discute é que estabeleceram vínculo em uma opção de um profissional ser remunerado por um valor predeterminado exercendo algo que ele pode fazer quando quiser e como quiser.

            É a mesma estupidez dos sindicatos de quererem impedir a modalidade de contas digitais por ameaçarem os empregos dos caixas de banco.

          • Se há vínculo empregatício (e, na prática, ele existe), então o espertalhão é o Uber que se utiliza de uma retórica falaciosa para não pagar direitos trabalhistas.

            Se há algo que precisamos combater com todas as forças é este capitalismo do silício que só tende a gerar precarização do trabalho e miséria — ainda que uma miséria repleta de smartphones.

          • Paulo Pilotti Duarte

            O problema é que sem ser PJ, esse vínculo empregatício existe. É uma PF aderindo a um contrato de trabalho (pois o motorista não presta um serviço ao aplicativo) com uma PJ. Isso caracteriza vínculo, via de regra.

            Só o fato de se exigir um CNPJ para o contrato já iria limar boa parte das pessoas que são incapazes de entender o contrato que o Uber coloca. E essa discussão não ocorre apenas no Brasil.

          • E mesmo que os motoristas fossem PJs ainda assim seria possível a configuração de vínculo empregatício — e com um nível de exploração ainda maior.

          • E mesmo que os motoristas fossem PJs ainda assim seria possível a configuração de vínculo empregatício — e com um nível de exploração ainda maior.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Sim, de fato.

            O ponto de ser PJ só livraria uma grande porcentagem de pessoas que entra nessa sem saber os termos e como funciona o Uber. Todos os problemas oriundos do modo de atuação do aplicativo ainda estariam lá, porém com um dano minimizado.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Sim, de fato.

            O ponto de ser PJ só livraria uma grande porcentagem de pessoas que entra nessa sem saber os termos e como funciona o Uber. Todos os problemas oriundos do modo de atuação do aplicativo ainda estariam lá, porém com um dano minimizado.

        • Marcos Balzano

          O que você acha que tem de abusivo nisso?

          • Paulo Pilotti Duarte

            O Uber fica com 20% de tudo sem arcar com nada, senão a infraestrutura. Isso é abuso. O motorista não tem vínculo – ainda que ele não seja PJ e nem atue como prestador de serviços para o aplicativo – e não tem direito assegurados.

            Pode não parecer abusivo para quem tem dinheiro e/ou quem usa ele como escape para pagar dívidas pontuais, mas para quem não tem essa opção e cai no marketing de “seja seu próprio patrão” que é vendido pelo aplicativo, é abusivo e caracteriza uma relação de trabalho precária e semi-escrava (ele pode sair, mas, não tem direitos).

          • Marcos Balzano

            Assim como qualquer tipo de freelance. E a profissão de taxista, nunca foi conhecida por ser ótimo workplace, sempre foi um trabalho ruim, e nada proveitoso, o Uber não mudou isso.

            O Uber arca apenas com a infra que ele disponibiliza. Mas ele traz a clientela. Além do Uber estimular um mercado que estava em decadência, o de motorista particular, antes um monopólio dos táxis. Quem tem as condições de investir num carro recente, e tem condições de arcar com os custos de entrar na plataforma, não acho que estão sendo abusados.

            Além de que forçar um discurso dizendo que é uma condição semi-escrava, é extremista para dizer no mínimo. Se tornar empreendedor por meio de uma plataforma, e dizer que tem vínculo empregatício é forçar um discurso que a lei hoje não consegue amparar. A CLT em relação a isso, não está preparada para tal.

          • Marcos Balzano

            Assim como qualquer tipo de freelance. E a profissão de taxista, nunca foi conhecida por ser ótimo workplace, sempre foi um trabalho ruim, e nada proveitoso, o Uber não mudou isso.

            O Uber arca apenas com a infra que ele disponibiliza. Mas ele traz a clientela. Além do Uber estimular um mercado que estava em decadência, o de motorista particular, antes um monopólio dos táxis. Quem tem as condições de investir num carro recente, e tem condições de arcar com os custos de entrar na plataforma, não acho que estão sendo abusados.

            Além de que forçar um discurso dizendo que é uma condição semi-escrava, é extremista para dizer no mínimo. Se tornar empreendedor por meio de uma plataforma, e dizer que tem vínculo empregatício é forçar um discurso que a lei hoje não consegue amparar. A CLT em relação a isso, não está preparada para tal.

          • Se eu fosse motorista do Uber, faria todo o possível juridicamente para que meus direitos trabalhistas fossem cumpridos. Ai de quem vier querer mudar a CLT para beneficiar os patrões!

          • Marcos Balzano

            Esse discurso que todo patrão é malvado e quer ferrar com o o trabalhador pobre sofredor já está batido demais. E se o uber tiver de arcar com os custos dos direitos dos trabalhadores, acredite que a divisão 80/20 irá inverter. Por que com 20% do faturamento, não se cobre os custos que a legislação atual exige. Aonde o motorista iria ter um faturamento mínimo, acabando com a flexibilidade da plataforma.

            Além de encarecer o serviço para a população, fazer com que um freela se torne um segundo emprego, e o motorista não poder passar das 44 horas semanais, coisa que taxistas nem sabem o que é, há muito tempo, antes do Uber existir por aqui.

          • Paulo Pilotti Duarte

            “Esse discurso que todo patrão é malvado e quer ferrar com o o trabalhador pobre sofredor já está batido demais.”

            Porque?
            A realidade nos mostra que não, que é exatamente isso o que ocorre diariamente nas relações de trabalho país afora.

          • Paulo Pilotti Duarte

            “Esse discurso que todo patrão é malvado e quer ferrar com o o trabalhador pobre sofredor já está batido demais.”

            Porque?
            A realidade nos mostra que não, que é exatamente isso o que ocorre diariamente nas relações de trabalho país afora.

          • Marcos Balzano

            Sim claro, todo patrão é malvado, e sua missão é explorar o máximo seu trabalhador pobre e oprimido, só assim ele dorme feliz.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Toda a discussão sobre isso invariavelmente recai na ironia porca e incapaz.

          • Marcos Balzano

            Mas é isso que é gritado aos quatro ventos. Que o trabalhador pobre e oprimido, é explorado pelo patrão malvado, aonde a burguesia é o câncer da sociedade. Só que isso não é mais verdade, hoje a CLT precisa ser reformulada, pois não se adéqua mais a sociedade que vivemos hoje. Não que há de fato, um conluio entre patrões e o governo para ferrar com o trabalhador. Hoje a CLT protege demais o trabalhador que não trabalha. Além de permitir várias brechas para aquele que não quer trabalhar que fique protegido no sistema. A previdência está quebrada por conta dos assistencialismos que foram anexados durante os anos, veja o caso, 80% de um programa assistencialista lá eram fraudes. Isso é problemático. E precisa ser revisto, pois fundo de previdência se sustenta sozinho.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Precisamos separar as coisas:

            i) A previdência não está quebrada. Tem uma vasta literatura sobre isso, principalmente de pessoas especialistas no assunto. Não tenho os links aqui, mas irei colocar mais tarde.

            ii) O trabalhador é oprimido diariamente sim. O trabalhador produz enquanto o patrão vive de renda – ou do dinheiro que herdou, por exemplo. Isso é opressão porque quem trabalha recebe menos do que quem apenas observa. Você precisa entender que um pequeno empresário que vai todo o dia trabalhar na sua empresa com mais 10 empregados não é o inimigo da esquerda, ele não detém nenhum meio de produção. Quem é o inimigo aqui é quem detém meio de produção, emprega pessoas em estado análogo a escravidão e manipula governos em prol de interesses pessoais. Esse é o ponto que devemos tocar. Essa é a burguesia que devemos atacar.

            iii) A CLT protege o trabalhador, todo o trabalhador. A relação de trabalho entre uma pessoa e uma empresa é, quase sempre, assimétrica em termos de poder econômico, por isso a tendência da decisão judicial é sempre levar pro trabalhador. A CLT cria mecanismo de defesa para o trabalhador mais pobre, principalmente, que sem ela vai ficar a mercê das empresas (e mesmo assim temos a terceirização, pejotização, etc) que tratarão o empregado como algo descartável (ainda mais). Flexibilizar a CLT é, guardadas as proporções, revogar a lei áurea.

          • Marcos Balzano

            i) A previdência enquanto fundo de pensão, de fato não está, mas como foi adicionado diversos programas assistencialistas à ela, a conta não fecha. Não num curto prazo, e sim no longo, aonde irá ficar cada vez mais caro sustentar todo o sistema do jeito que está hoje. Se algo não mudar, o fundo todo pode quebrar, afetando a quantidade crescente de aposentados. Como se trata de investimento à longo prazo, seu impacto só é sentido quando chegar o dia. Algo precisa mudar pois o sistema atual está fadado ao fracasso.

            ii) Você claramente nunca tocou tua empresa, aonde só observa enquanto os outros trabalham, não é uma realidade. Sou empresário há mais de 15 anos, antes disso era assalariado. Aonde que no Brasil, existe uma empresa com trabalhos análogos a escravidão? Uma fábrica de roupas clandestinas? Talvez, mas empresas com CNPJ não existe isso, a legislação e os Sindicatos já berram quando vê um pequeno maltrato.

            Todos tentamos manipular o governo em prol de interesses pessoais. Votamos em pessoas para que moldem o país a nosso gosto, claro, entendo seu ponto. E sim, várias empresas forçam certos aspectos, e para isso que é bom o governo, para barrar certos ataques a liberdade individual.

            Mas forçar a escravidão no meio que vivemos hoje, acho demais.

            iii) A CLT protege o trabalhador, mas dificulta qualquer ação contra aquele que não quer trabalhar. Eu, por exemplo, contratei uma recepcionista num contrato temporário de 2 meses, sem possibilidade de contratação, mas ainda sim, tive que pagar licença maternidade, o que fiquei fudid@ em fazer, dado que era emprego temporário e em nenhum momento fui informado do fato, apenas quando fui notificado da ação trabalhista. Além do mais, a tal ex-funcionária, nunca havia trabalhado antes, e até ano passado, não havia voltado ao mercado de trabalho. A ação dela só não quebrou minha empresa pois recebi ajuda financeira da família, senão ela teria causado a falta de emprego de mais de 30 pessoas.

          • Marcos Balzano

            i) A previdência enquanto fundo de pensão, de fato não está, mas como foi adicionado diversos programas assistencialistas à ela, a conta não fecha. Não num curto prazo, e sim no longo, aonde irá ficar cada vez mais caro sustentar todo o sistema do jeito que está hoje. Se algo não mudar, o fundo todo pode quebrar, afetando a quantidade crescente de aposentados. Como se trata de investimento à longo prazo, seu impacto só é sentido quando chegar o dia. Algo precisa mudar pois o sistema atual está fadado ao fracasso.

            ii) Você claramente nunca tocou tua empresa, aonde só observa enquanto os outros trabalham, não é uma realidade. Sou empresário há mais de 15 anos, antes disso era assalariado. Aonde que no Brasil, existe uma empresa com trabalhos análogos a escravidão? Uma fábrica de roupas clandestinas? Talvez, mas empresas com CNPJ não existe isso, a legislação e os Sindicatos já berram quando vê um pequeno maltrato.

            Todos tentamos manipular o governo em prol de interesses pessoais. Votamos em pessoas para que moldem o país a nosso gosto, claro, entendo seu ponto. E sim, várias empresas forçam certos aspectos, e para isso que é bom o governo, para barrar certos ataques a liberdade individual.

            Mas forçar a escravidão no meio que vivemos hoje, acho demais.

            iii) A CLT protege o trabalhador, mas dificulta qualquer ação contra aquele que não quer trabalhar. Eu, por exemplo, contratei uma recepcionista num contrato temporário de 2 meses, sem possibilidade de contratação, mas ainda sim, tive que pagar licença maternidade, o que fiquei fudid@ em fazer, dado que era emprego temporário e em nenhum momento fui informado do fato, apenas quando fui notificado da ação trabalhista. Além do mais, a tal ex-funcionária, nunca havia trabalhado antes, e até ano passado, não havia voltado ao mercado de trabalho. A ação dela só não quebrou minha empresa pois recebi ajuda financeira da família, senão ela teria causado a falta de emprego de mais de 30 pessoas.

          • Paulo Pilotti Duarte

            i) Ainda assim, não é consenso de que esteja quebrada.

            ii) Jamais irei contratar os seus préstimos como vidente, uma vez que apenas pela minha argumentação você achou que eu nunca tive empresa (eu tive, faliu por conta de problemas societários, mas a URL ainda permanece: http://www.octopuz.com.br). O seu erro, novamente, é crer que eu quando se fala de “empresários” se coloca no bando um cara como você que tem um pequeno burguês, que trabalha e não detém meios de produção. O grande empresário combatido é o Gerdau, que deve bilhões ao estado do RS (vide operação Zelotes) e que pretende colocar o sobrinho-neto (Eduardo Bier, dono da cervejaria) dele na prefeitura de Porto Alegre através do partido Novo.

            E sim, tem muita empresa com CNPJ grande que já foi condenada ou está sob investigação por conta de trabalho análogo ao escravo. O ex vice-presidente José Alencar tinha vários desses processinhos correndo contra as empresas dele.

            iii) Aí é mais um problema de má fé do que da CLT. E sempre vão existir esses problemas, é um risco que se corre quando se tem empresa. O juíz, porém, deve julgar 1000 casos desse tipo onde a empresa agiu de ma fá para cada caso onde o empregado agiu assim. Eu tenho umas histórias bem escabrosas de prestadores de serviço da GM de Gravataí em relação a CLT, licença maternidade e outras coisas.

          • Paulo Pilotti Duarte

            i) Ainda assim, não é consenso de que esteja quebrada.

            ii) Jamais irei contratar os seus préstimos como vidente, uma vez que apenas pela minha argumentação você achou que eu nunca tive empresa (eu tive, faliu por conta de problemas societários, mas a URL ainda permanece: http://www.octopuz.com.br). O seu erro, novamente, é crer que eu quando se fala de “empresários” se coloca no bando um cara como você que tem um pequeno burguês, que trabalha e não detém meios de produção. O grande empresário combatido é o Gerdau, que deve bilhões ao estado do RS (vide operação Zelotes) e que pretende colocar o sobrinho-neto (Eduardo Bier, dono da cervejaria) dele na prefeitura de Porto Alegre através do partido Novo.

            E sim, tem muita empresa com CNPJ grande que já foi condenada ou está sob investigação por conta de trabalho análogo ao escravo. O ex vice-presidente José Alencar tinha vários desses processinhos correndo contra as empresas dele.

            iii) Aí é mais um problema de má fé do que da CLT. E sempre vão existir esses problemas, é um risco que se corre quando se tem empresa. O juíz, porém, deve julgar 1000 casos desse tipo onde a empresa agiu de ma fá para cada caso onde o empregado agiu assim. Eu tenho umas histórias bem escabrosas de prestadores de serviço da GM de Gravataí em relação a CLT, licença maternidade e outras coisas.

          • “Mas forçar a escravidão no meio que vivemos hoje, acho demais.”

            Você realmente não conhece a realidade brasileira.

          • Marcos Balzano

            Cite 1 exemplo de EMPRESA no Brasil, que trate funcionários de forma análoga a escravidão.

          • Marcos Balzano

            Cite 1 exemplo de EMPRESA no Brasil, que trate funcionários de forma análoga a escravidão.

          • Paulo Pilotti Duarte
          • A função de qualquer empresa é lucrar, não é?

          • Então o fato de um serviço ser barato justifica a exploração do trabalho? Já não bastam nossos perversos smartphones fabricados por gente em condição análoga à escravidão no sudeste asiático — e sem perceber estamos importando lentamente esse modelo via relações de trabalho como as do Uber.

            A presença do Uber no Brasil foi positiva em denunciar e quebrar a máfia dos táxis. Agora, precisamos corrigir suas graves violações de direito do trabalho.

          • Marcos Balzano

            O Uber só deu certo no Brasil por ser mais barato que o taxi. Até chegar outra plataforma mais barata e tomar seu lugar, é assim que o capitalismo funciona.

          • Marcos Balzano

            O Uber só deu certo no Brasil por ser mais barato que o taxi. Até chegar outra plataforma mais barata e tomar seu lugar, é assim que o capitalismo funciona.

          • E, enquanto isso, ele que se adeque à legislação trabalhista. Ser barato não justifica desrespeitar a lei.

          • Marcos Balzano

            Mas o debate atual é se há ou não vínculo empregatício. Foi decisão de primeira instância, existe uma diferença entre o que você ACHA, e o que é, pois um vendedor no Mercado Livre é tão dependente da plataforma como um motorista, e ainda sim não há um vínculo empregatício.

          • Ligeiro

            Vamos lá:

            1)O Uber apesar de se dizer uma plataforma, ele meio que implícita em suas propagandas que o serviço é de responsabilidade DELA, não dos parceiros.

            2) As condições de prestação de serviços devem ser baseadas nas condições que a empresa determinou – veículo, vestimenta, conduta.

            3) Ela recebe de 20 a 30% da operação realizada. Não estamos falando de 5 a 15%. De 100 reais, 20 vão para o Uber, uns 20 para a gasoilna, uns 20 para o carro, e sobra 40 para tu pagar as contas.

            4) O que determina você estar dentro do sistema do Uber é o que eles monitoram e avaliam.

            5) Quando está com o aplicativo ativo, está no momento trabalhando para ela . Você não pode pegar o carro e ir para outro lugar se quiser. Tem que atender a determinação do serviço.

            6) O que define o valor que você vai receber é a empresa, não você.

            Tudo isso é passível de condicionar você à empresa, tal como uma pessoa contrata o serviço de outra. E isso, se não for devidamente valorizado, é exploração.

          • Marcos Balzano

            Assim funciona todo o marketplace aonde se contrata alguém para fazer algo. O que faz o Uber ter relações empregatícias e um mercado livre não?

            E sobre quando o app estar aberto, você é livre de escolher ou não se vai trabalhar. Se vai ou não ficar aonde quiser.

            Com o Uber sendo uma empresa que contrata motoristas, todo e qualquer marketplace pode se tornar um emprego. Até o AirBnB. O que não é verdade. E nos taxis sempre foi assim, o dono do ponto cobra um valor, até o dono do carro cobra um valor para para que quem opera o taxi tenha que pagar, ainda que a pessoa não arque com os valores de manutenção.

          • Ligeiro

            Visão errada.

            – Salvo engano, o Mercado livre Deixa bem claro que a oferta de produtos vem de quem vende. Eles só intermedeiam. De fato, graças também a reclamações anteriores de co-autoria, hoje o Mercado Livre tem uma infraestrutura para manutenção de ordem, que tenta evitar fraudes.

            – O Uber se propõe como responsável pelos veículos. Ele não é um intermediário indireto. Em um comparativo mais simples: Há uns 3-5 anos atrás, existia plataformas de carona como o Triipda. Eles deixavam claro que eram intermediadores. Similar hoje é o Blá-Blá-Car que também deixa claro que é intermediador. E só cobra uma pequena porcentagem em relação ao serviço ofertado.

            Air Bnb é um intermediador, mas cobra altas taxas e se responsabiliza pela qualidade do serviço do “parceiro” ou de seus “contratantes”. Por isso a relação fica similar ao do Uber: quando se põe total responsabilidade na empresa, quem é responsável pela qualidade do serviço e conforto do operador é a empresa. Não o próprio operador.

            – Nos táxis é totalmente diferente, como falei. Eles pagam poucas taxas, porém estão sob gestão da lei, mas o taxista é responsável pela manutenção e operação. Hoje, em muitos municípios, o tratamento dado ao táxi é o mesmo dado ao ônibus – um serviço licitado que deve operar com as regras que o governo define. No entanto, o governo subentende que a responsabilidade dos veículos e qualidade do serviço é do operador e deixa bem claro isso.

          • Ligeiro

            Visão errada.

            – Salvo engano, o Mercado livre Deixa bem claro que a oferta de produtos vem de quem vende. Eles só intermedeiam. De fato, graças também a reclamações anteriores de co-autoria, hoje o Mercado Livre tem uma infraestrutura para manutenção de ordem, que tenta evitar fraudes.

            – O Uber se propõe como responsável pelos veículos. Ele não é um intermediário indireto. Em um comparativo mais simples: Há uns 3-5 anos atrás, existia plataformas de carona como o Triipda. Eles deixavam claro que eram intermediadores. Similar hoje é o Blá-Blá-Car que também deixa claro que é intermediador. E só cobra uma pequena porcentagem em relação ao serviço ofertado.

            Air Bnb é um intermediador, mas cobra altas taxas e se responsabiliza pela qualidade do serviço do “parceiro” ou de seus “contratantes”. Por isso a relação fica similar ao do Uber: quando se põe total responsabilidade na empresa, quem é responsável pela qualidade do serviço e conforto do operador é a empresa. Não o próprio operador.

            – Nos táxis é totalmente diferente, como falei. Eles pagam poucas taxas, porém estão sob gestão da lei, mas o taxista é responsável pela manutenção e operação. Hoje, em muitos municípios, o tratamento dado ao táxi é o mesmo dado ao ônibus – um serviço licitado que deve operar com as regras que o governo define. No entanto, o governo subentende que a responsabilidade dos veículos e qualidade do serviço é do operador e deixa bem claro isso.

          • Ligeiro

            Comparando com táxis:

            1) Táxi é um serviço condicionado às regras que um órgão municipal regula.

            2) Existem poucos, mas relevantes impostos a serem pagos para a prefeitura à quem presta os serviço.

            3) A regra principal é seguir a cobrança de tarifa baseada no taxímetro. Não pode ser mais que o mostrado no taximetro (exceto se considerar os 50% fora da cidade em alguns casos).

            4) Demais regras são colocadas conforme condições da prefeitura.

            5) A priore, um taxista pode trabalhar quantas horas ele quiser. Mas na prática ele trabalha o quanto ele julgar que consegue de valores em um dia.

            6) Taxistas não podem recusar corridas (exceto condições que não demonstrem segurança) e não podem fazer coisas fora das regras condicionadas da prefeitura, sob pena de perder a licença.

            7) O valor que o taxista recebe é basicamente do táxista. Exceções ocorrem a quem trabalha com veículos sublocados.

          • Ligeiro

            Comparando com táxis:

            1) Táxi é um serviço condicionado às regras que um órgão municipal regula.

            2) Existem poucos, mas relevantes impostos a serem pagos para a prefeitura à quem presta os serviço.

            3) A regra principal é seguir a cobrança de tarifa baseada no taxímetro. Não pode ser mais que o mostrado no taximetro (exceto se considerar os 50% fora da cidade em alguns casos).

            4) Demais regras são colocadas conforme condições da prefeitura.

            5) A priore, um taxista pode trabalhar quantas horas ele quiser. Mas na prática ele trabalha o quanto ele julgar que consegue de valores em um dia.

            6) Taxistas não podem recusar corridas (exceto condições que não demonstrem segurança) e não podem fazer coisas fora das regras condicionadas da prefeitura, sob pena de perder a licença.

            7) O valor que o taxista recebe é basicamente do táxista. Exceções ocorrem a quem trabalha com veículos sublocados.

          • Ligeiro

            Se o Uber quisesse adequar-se a lei, já teria sido feito desde quando ele chegou no Brasil. É como uma criança pirracenta: só para quando derem algo.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Mas eles não são empreendedores – os motoristas – porque eles dependem de um aplicativo – como você mesmo disse – que lhes traga clientela. Na prática ou eles são parceiros de negócio (um dos fornecedores do Uber) ou eles são empregados.

          • Marcos Balzano

            É vendido como parceiro.

          • Marcos Balzano

            É vendido como parceiro.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Já vi vendido como parceiro e como “empreendedor”.

      • A lei áurea é de 1888 e nem por isso ela é irrelevante. Não é a idade de uma lei que a torna válida ou não, mas a justiça e o direito que ela garante.

        No caso do modelo da Uber, trata-se de uma relação de trabalho mascarada de colaboração contratual. No entanto, são evidentes a remuneração, a habitualidade, a disponibilidade e a subordinação entre trabalhador e patrão — sobretudo pelos mecanismos quase invisíveis dos algoritmos do aplicativo que forçam na prática essas características. Se há vínculo, então que sejam respeitados os DIREITOS dos trabalhadores.

        A Uber representa um modelo perigoso de precarização do trabalho, pelo qual o processo de infoproletarização da sociedade não só avançará com mais rapidez como tenderá a torná-la ainda menos apta a combatê-lo, pela diluição das possibilidades táticas de resistência. É preciso bloquear o processo enquanto há tempo.

    • Conta Desativada

      Isso só ratifica o que já é sabido há tempos: a maioria dos brasileiros é criminoso. Fala mal de políticos, mas se tivesse oportunidade, faria a mesma coisa! Ou melhor, no nosso cotidiano podemos observar os mais diversos tipos de corrupções, de jeitinhos, a única coisa que diferencia dos políticos é o montante envolvido. Brasileiro, em geral, odeia lei e ordem, é indisciplinado, bagunceiro e odeia a instituição que tenta melhorar esse cenário todo: a Polícia.

      • É isso ai.

      • Desculpe-me, mas seu argumento simplesmente não possui qualquer rebatimento em qualquer realidade que seja. Com base em que você alega que brasileiro não gosta de “ordem”? Tirou o dado de onde?

        E quem disse que a polícia — uma corporação assassina e inimiga dos mais pobres —está interessada em arrumar tudo isso?

        Acho que falta algo além de achismo nisso.

        • Conta Desativada

          Eu até ia escrever uma resposta estruturada, mas quando li “polícia — uma corporação assassina e inimiga dos mais pobres” desisti. Não vale o esforço.

        • Conta Desativada

          Eu até ia escrever uma resposta estruturada, mas quando li “polícia — uma corporação assassina e inimiga dos mais pobres” desisti. Não vale o esforço.

        • Concordo! Que a PM saia pras ruas com flores pra combates as vítimas da sociedade que estão armadas de fuzil!

        • Concordo! Que a PM saia pras ruas com flores pra combates as vítimas da sociedade que estão armadas de fuzil!

          • Fabio Montarroios

            Teria menos gente morrendo de bala perdida e menos policial morto, te garanto.

          • Fabio Montarroios

            Teria menos gente morrendo de bala perdida e menos policial morto, te garanto.

          • pode cre.

          • pode cre.

          • Ligeiro

            – O policial oferece uma flor para o “pobre coitado ‘vítima’ da sociedade que apenas quer manter seu ponto de venda de entorpecentes que estraga a vida de muitos naquela região”. E não tá nem aí para isso.

            – O “pobre coitado…” ri e atira na cara do policial, pelo prazer de ver um “bobo que não sabe que na vida, vale mais a força do que qualquer outra coisa”.

            – Vários policiais armam-se com flores e vão lá convencer com palavras e respeito o “pobre coitado ‘vítima’…” que violência não compensa.

            – O “pobre coitado…” pega sua metralhadora e matam todos…

          • Ligeiro

            – O policial oferece uma flor para o “pobre coitado ‘vítima’ da sociedade que apenas quer manter seu ponto de venda de entorpecentes que estraga a vida de muitos naquela região”. E não tá nem aí para isso.

            – O “pobre coitado…” ri e atira na cara do policial, pelo prazer de ver um “bobo que não sabe que na vida, vale mais a força do que qualquer outra coisa”.

            – Vários policiais armam-se com flores e vão lá convencer com palavras e respeito o “pobre coitado ‘vítima’…” que violência não compensa.

            – O “pobre coitado…” pega sua metralhadora e matam todos…

          • Podíamos começar descriminalizando e regulando o comércio e uso de drogas hoje ilícitas. 99% desses fuzis desapareceriam.

            Ah, mas — eu esqueci! — o comércio ilegal beneficia certos grupos e certas famílias ricas e tradicionais do país…

          • Beneficia também grandes gravadoras da indústria fonográfica por ex.

          • Beneficia também grandes gravadoras da indústria fonográfica por ex.

          • Conta Desativada

            “descriminalizando e regulando o comércio e uso de drogas hoje ilícitas. 99% desses fuzis desapareceriam.”

            hahahahahhahahhahahaha

            Coitado! Muito inocente você…. Nossa!!!! kkkkkkkkkk Incrível sua inocência. Você tem quantos anos, cara? 11, 10?

          • ad hominem?

          • ad hominem?

          • Conta Desativada

            Copiando de outro comentário que escrevi:

            É uma brutal leviandade dizer que com a descriminalização a violência diminuiria.
            Você acha que num passe de mágica os criminosos que portam armas de fogo largariam suas armas porque agora se vende maconha na farmácia??? Tráfico é tão somente uma das várias atuações criminosas…

            Você nunca ouviu falar em roubos? Arrastões? Roubos de banco, de carga etc etc… Tudo isso se faz com fuzis. Dificilmente os traficantes são só traficantes, eles são criminosos e atuam em vários segmentos usando armas de fogo, violência…

          • Conta Desativada

            Copiando de outro comentário que escrevi:

            É uma brutal leviandade dizer que com a descriminalização a violência diminuiria.
            Você acha que num passe de mágica os criminosos que portam armas de fogo largariam suas armas porque agora se vende maconha na farmácia??? Tráfico é tão somente uma das várias atuações criminosas…

            Você nunca ouviu falar em roubos? Arrastões? Roubos de banco, de carga etc etc… Tudo isso se faz com fuzis. Dificilmente os traficantes são só traficantes, eles são criminosos e atuam em vários segmentos usando armas de fogo, violência…

          • Não naturalize a condição de criminoso de quem quer que seja. Hoje temos estruturas inteiras capilarizadas no meio social que facilitam o envolvimento com o tráfico — e a repressão ao tráfico só aumenta a violência e essa guerra inútil. Quebrar o tráfico significa quebrar essas estruturas.

            De resto: https://awebic.com/democracia/como-portugal-descriminalizou-as-drogas-e-e-um-exemplo-para-o-mundo/

          • Não naturalize a condição de criminoso de quem quer que seja. Hoje temos estruturas inteiras capilarizadas no meio social que facilitam o envolvimento com o tráfico — e a repressão ao tráfico só aumenta a violência e essa guerra inútil. Quebrar o tráfico significa quebrar essas estruturas.

            De resto: https://awebic.com/democracia/como-portugal-descriminalizou-as-drogas-e-e-um-exemplo-para-o-mundo/

          • Conta Desativada

            A questão é muito simples: não quer ir pra cadeia, não quer se tratado como criminoso, não cometa crime! Não existe desculpa para entrar pro tráfico. Só entra quem quer!

            Eu discuto esses temas de violência, criminalidade, drogas etc não por achismo ou por “bagagem adquirida na Internet”… Eu possuo legitimidade para falar sobre isso.

            Eu nasci e morei duas décadas em uma das favelas mais perigosas da cidade do Rio de Janeiro. Para chegar em casa, precisava passar por vários pontos de venda de droga e por algum tempo eu fui vizinho de um dos traficantes mais procurados do Estado, eu morava num beco que só passa moto etc. Mas não virei traficante por ser pobre e morador de favela. Eu vivi, vi isso com os meus próprios olhos: colegas de escola com família estruturada, tendo tudo em casa, mas quis virar bandido para ter dinheiro fácil e um (falso) poder… Eu escolhi estudar e trabalhar. É tudo uma questão decisões pessoais.

          • Conta Desativada

            A questão é muito simples: não quer ir pra cadeia, não quer se tratado como criminoso, não cometa crime! Não existe desculpa para entrar pro tráfico. Só entra quem quer!

            Eu discuto esses temas de violência, criminalidade, drogas etc não por achismo ou por “bagagem adquirida na Internet”… Eu possuo legitimidade para falar sobre isso.

            Eu nasci e morei duas décadas em uma das favelas mais perigosas da cidade do Rio de Janeiro. Para chegar em casa, precisava passar por vários pontos de venda de droga e por algum tempo eu fui vizinho de um dos traficantes mais procurados do Estado, eu morava num beco que só passa moto etc. Mas não virei traficante por ser pobre e morador de favela. Eu vivi, vi isso com os meus próprios olhos: colegas de escola com família estruturada, tendo tudo em casa, mas quis virar bandido para ter dinheiro fácil e um (falso) poder… Eu escolhi estudar e trabalhar. É tudo uma questão decisões pessoais.

          • ochateador

            Tenho que te falar parabéns por não ter escolhido o meio de vida mais fácil, mas que a longo prazo se torna o mais difícil.

          • Fabio Montarroios

            Por mais q vc tenha um bom exemplo… ainda assim, e vc mais ainda, sabe q pessoas são perseguidas todos os dias apenas por uma questão de controle social e isso não tem nada a ver com crime, sendo q a maioria não cometeu crime algum ou, se o cometeu, são infrações leves q poderiam ter outro tipo de punição q passa bem longe de cadeia… Acompanhei um caso BEM de perto de um cara q foi preso por estar na rua apenas. Foi acusado por uma pessoa e a Promotor inventou o q pôde pra esse cara ficar na cadeia… Passou quatro meses em cana e foi difícil tirar ele de lá.

          • Conta Desativada

            Infelizmente, merda acontece. E merda não acontece só com negro, pobre e favelado, não. Já vi alguns casos de pessoas que foram presas injustamente devido a testemunhas desonestas, e pessoas de classe média, branca.

            Exemplo: aqui no RJ, um farmacêutico servidor público federal, branco, com salário de 8 mil ficou quase um mês preso acusado de um roubo porque o filho da puta da testemunha afirmou categoricamente que ele havia praticado o roubo… Ele só estava no lugar e na hora errados. Enfim, merda acontece.

            Não existe perseguição, não existe controle social. O que existe é o policial dando o devido tratamento que criminoso merece. Ou você acha que o policial seria respeitado se chegasse na favela sorrindo pra um monte de bandido? Tem que chegar na pressão, botando pra foder mesmo. E policial experiente tem um radar apurado para pessoas que já “puxaram cadeia”…

          • Conta Desativada

            Infelizmente, merda acontece. E merda não acontece só com negro, pobre e favelado, não. Já vi alguns casos de pessoas que foram presas injustamente devido a testemunhas desonestas, e pessoas de classe média, branca.

            Exemplo: aqui no RJ, um farmacêutico servidor público federal, branco, com salário de 8 mil ficou quase um mês preso acusado de um roubo porque o filho da puta da testemunha afirmou categoricamente que ele havia praticado o roubo… Ele só estava no lugar e na hora errados. Enfim, merda acontece.

            Não existe perseguição, não existe controle social. O que existe é o policial dando o devido tratamento que criminoso merece. Ou você acha que o policial seria respeitado se chegasse na favela sorrindo pra um monte de bandido? Tem que chegar na pressão, botando pra foder mesmo. E policial experiente tem um radar apurado para pessoas que já “puxaram cadeia”…

          • Fabio Montarroios

            Cara, não é por aí. Há muitos estudos e evidências de que há uma nítida perseguição e um controle social há décadas… Não tem por onde achar outra explicação se não a perseguição pra justificar tantas mortes e tantas prisões. Muitos autores falam sobre isso… E não são só os policiais. O judiciário segue a mesma linha: a prisão é exceção no nosso código penal, mas é justamente o contrário. Pessoas são presas por crimes leves ou por apenas estarem em situação ‘suspeita’. O número de execuções extrajudiciais é absurdamente alto – sem falar nos casos q não se tem notícias.

            Temos criminosos violentos, sem dúvida, e com esses é preciso achar um tipo de solução diferente, mas q, com certeza, não passa por jogá-los nas prisões brasileiras no estado em q estão.

            Nenhuma outra forma de abordagem policial foi experimentada, então não tem como falar q outras medidas funcionariam. E os policiais q tentam outras abordagens são rechaçados, punidos ou afastados de suas funções.

            Vc está no clima da guerra q o governo encampa pra se beneficiar do medo e q isso envolve. Vc está na condição de quem está com medo e precisa atacar esse inimigo imaginário. Existe crime organizado, assaltante de banco, estelionatário etc… Tem muito homicida tb. Mas eles não são a maioria, são a minoria. Mas o sistema prisional trata os presos da mesma forma e vira essa maçaroca de gente nas cadeias e se instaura o caos.

            Existem outras formas de resolver o problema q não pela guerra. E outra, um dia pode sobrar uma bala de fuzil pra vc, seja da polícia ou de criminosos qdo essa guerra se expandir.

        • ochateador

          Sua idéia sobre a polícia é bem errada….

          • Fabio Montarroios

            Ele pode não ter se expressado da melhor forma possível, mas em termos ideológicos, não se engane. Projetos relacionados ao proteger o cidadão sem distinção são raríssimos e o militarismo é ultra fortalecido pelos oficiais q precisam manter seus privilégios. Nem todo policial é assassino, mas a mensagem que transmitem a ele (especialmente aos praças) é o da aniquilação. Essa mensagem vem do governo e dos oficiais. Oficiais recém formados, ao terminarem seus cursos nas academias de polícias, tem uma competição q levam muito a sério: qual deles será o primeiro a matar. É assim, infelizmente. Uma tentativa de trazer o policiamento japonês aqui pro Brasil, em caráter experimental, foi sabotado pelo governo paulista. Eles não querem mudanças… eles querem comprar mais armas e equipamentos da indústria q os ajuda nas eleições e querem colocar os despossuídos no seu devido lugar.

          • Fabio Montarroios

            Ele pode não ter se expressado da melhor forma possível, mas em termos ideológicos, não se engane. Projetos relacionados ao proteger o cidadão sem distinção são raríssimos e o militarismo é ultra fortalecido pelos oficiais q precisam manter seus privilégios. Nem todo policial é assassino, mas a mensagem que transmitem a ele (especialmente aos praças) é o da aniquilação. Essa mensagem vem do governo e dos oficiais. Oficiais recém formados, ao terminarem seus cursos nas academias de polícias, tem uma competição q levam muito a sério: qual deles será o primeiro a matar. É assim, infelizmente. Uma tentativa de trazer o policiamento japonês aqui pro Brasil, em caráter experimental, foi sabotado pelo governo paulista. Eles não querem mudanças… eles querem comprar mais armas e equipamentos da indústria q os ajuda nas eleições e querem colocar os despossuídos no seu devido lugar.

          • ochateador

            Meu primo foi PM em SP por 3 anos (um atalho que ele tomou para virar bombeiro que é a profissão que ele trabalha hoje).
            Conversei várias vezes com ele e com os PM que se formaram com ele, além dos veteranos. Essa competição de quem mata antes não existe.
            A quantidade de vezes que eles poderiam ter usado a força (ou a arma) para resolver uma situação, mas preferiram usar a conversa para resolver o problema chegam a centenas/milhares.
            Acredite. Eles fazem de tudo para resolver as coisas usando 0 de violência, pois os PM sabem que se a corregedoria ou a justiça entrar no meio, quem vai se ferrar é os PM (mesmo que ele seja 100% inocente, tenha diversas testemunhas/câmeras provando isso e que a “vítima/acusador” seja a única culpada, mas que resolveu processar o PM por impedir ela de fazer baderna).

          • Fabio Montarroios

            Não sei qual a experiência do seu primo, mas essa competição existe. É disseminada nas academias de polícia justamente pelo clima de guerra/militar. Acho difícil crer q eles fazem de tudo pra resolver as coisas sem violência, pq eles não orientados pra isso. A depender da situação, eles usam a força ou matam. Não à toa temos a polícia q mais mata no mundo. Isso tem solução, mas passa por não negar a realidade.

          • Fabio Montarroios

            Não sei qual a experiência do seu primo, mas essa competição existe. É disseminada nas academias de polícia justamente pelo clima de guerra/militar. Acho difícil crer q eles fazem de tudo pra resolver as coisas sem violência, pq eles não orientados pra isso. A depender da situação, eles usam a força ou matam. Não à toa temos a polícia q mais mata no mundo. Isso tem solução, mas passa por não negar a realidade.

          • Ligeiro

            Mas é o que (infelizmente) grande parte da população tem em mente :p

          • Ligeiro

            Mas é o que (infelizmente) grande parte da população tem em mente :p

      • Fabio Montarroios

        Acho q esse estereótipo não bate mais com a realidade difusa e diversa dos dias de hj, ainda mais amplificada pelas influências q as pessoas podem sofrer pelo o q elas acessam todos os dias… de notícias falsas a conteúdos úteis.

        • Conta Desativada

          Não podemos negar que com o passar do tempo, de um modo geral, podemos até ter melhorado um pouco. Mas estamos muito aquém do razoável. O acesso à Internet não é uma mágica que torna todos civilizados de um dia para o outro. E, infelizmente, é fácil percebemos isso, basta andar na rua…

      • Boa pescaria!

      • Boa pescaria!

        • Ligeiro

          Ele não está tão errado na lógica dele.

          Pela condição social atual, a Polícia é a guardiã da lei. E a população deve ser a seguidora da lei, sob consequência de receber uma punição da guardiã.

          • Paulo Pilotti Duarte

            A PM não é guardiã da lei, ela é a violência institucional. O braço repressor do Estado.

          • Ligeiro

            Por favor, não use este discurso do jeito que o faz.

            Quando um grupo de cidadãos cria vigilantes internos, eles também seriam uma forma de repressão?

            http://www.revistaforum.com.br/digital/139/mexico-cidadaos-armados-em-uma-guerra-falida/

          • Paulo Pilotti Duarte

            Sim e não. Dependem de como agem. A PM atual é um braço de repressão do Estado, com monopólio sobre a violência física.

          • Ligeiro

            Esse é o ponto.

            Pega o exemplo do Espirito Santo: 7 dias sem polícia, e a cidade entrou em um caos. Culpam a polícia pela falta de policiamento. E depois culpam a polícia pelo excesso de violência.

            Este tipo de pensamento ignora que usamos métodos arcaicos que não se aprimoram por medo, comodismo ou por não existir opção que supere.

            A polícia é o monopolio da violência, no entanto também ela usa esta violência para atacar quem está contra a lei . Se a lei está errada, se corrija a lei, não a polícia.

          • Ligeiro

            Esse é o ponto.

            Pega o exemplo do Espirito Santo: 7 dias sem polícia, e a cidade entrou em um caos. Culpam a polícia pela falta de policiamento. E depois culpam a polícia pelo excesso de violência.

            Este tipo de pensamento ignora que usamos métodos arcaicos que não se aprimoram por medo, comodismo ou por não existir opção que supere.

            A polícia é o monopolio da violência, no entanto também ela usa esta violência para atacar quem está contra a lei . Se a lei está errada, se corrija a lei, não a polícia.

          • Paulo Pilotti Duarte

            O primeiro passo é corrigir a violência policial. Você pode fazer valer a lei nas ruas, contra a criminalidade, sem ser excessivamente violento – e isso não quer dizer dar flores a marginais ou coisa do tipo. A PM do Brasil bate em professor, em motorista de ônibus, em estudante etc. A única ação policial possível no Brasil é BATER.

            O segundo passo é corrigir as leis.

          • Ligeiro

            Cara, policial BATE porque o outro lado NÃO OBEDECE. Policial é uma autoridade, não um conselheiro.

            Se a população respeitasse a polícia, policial não bateria. Só faria o procedimento básico (revistar, conversar, multar, prender) e acabou.

            Policial BATE só quando está em situação de altíssimo estresse, pois o cara tá pensando no emprego dele, nas consequências dele justamente bater em alguém (ele só bate para afastar), senão ele sabe que pode ser expulso, etc… etc..

            Eu não discordo que tem que corrigir a violência policial. Mas me pergunto: e a violência da população, quem vai corrigir?

          • Ligeiro

            Cara, policial BATE porque o outro lado NÃO OBEDECE. Policial é uma autoridade, não um conselheiro.

            Se a população respeitasse a polícia, policial não bateria. Só faria o procedimento básico (revistar, conversar, multar, prender) e acabou.

            Policial BATE só quando está em situação de altíssimo estresse, pois o cara tá pensando no emprego dele, nas consequências dele justamente bater em alguém (ele só bate para afastar), senão ele sabe que pode ser expulso, etc… etc..

            Eu não discordo que tem que corrigir a violência policial. Mas me pergunto: e a violência da população, quem vai corrigir?

          • “violência da população”?

          • ochateador

            violência da população = pessoas que simplesmente fazem o que bem entendem (cagando para as consequências) só porque não querem respeirar as leis.

          • ochateador

            violência da população = pessoas que simplesmente fazem o que bem entendem (cagando para as consequências) só porque não querem respeirar as leis.

          • Ligeiro

            Se você não enxerga isso, desculpe-me, ou é cínico, ou é cego.

          • Violência quem sofre é o povo pobre e trabalhador. Violência quem pratica é essa polícia assassina e elitista.

          • Ligeiro

            Violência quem sofre é quem tem algo que é valorizado por outro, e é de alguma forma subtraído este valor.

            – Seja um ser humano que serve como força de trabalho em uma fábrica na china, ou até no meio do mar. – Subtraiu a energia dele para transformar em dinheiro.

            – Seja uma socialite com suas joias em um condomíno em Miami que foi roubada, ameaçada e estuprada – subtrairam seus itens de valores e sua saúde

            – Seja o cara em Londres que está com um sorriso no rosto e alguém que não gostou dele só foi lá e tentou mata-lo. – Subtrairam sua vontade de viver.

          • Conta Desativada

            Excelente! Nenhum policial sai de casa pensando “hoje eu vou bater até a minha mão cansar…” O policial só quer cumprir seu plantão tranquilo e voltar pra esposa e filhos… Se ele precisa se impor fisicamente é porque foi obrigado.

          • Obrigado a bater em trabalhadores e a defender o capital.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Você já viu os vídeos das manifestações do ano passado?
            Dos professores apanhando da PM no PR?
            Dos professores e policiais civis apanhando da PM no RS?

            Se tu realmente tem essa ideia de que policial bate apenas em quem não obedece, não posso fazer nada (apenas lamentar que tu vota) porque temos N exemplos de como a repressão policial pode ser violenta sem sentido nenhum.

          • Ligeiro

            Vi sim. O problema são dois:

            – Quem mandou bater (ou deixou acontecer) foi superior (governador). E infelizmente se policial renega isso, é preso por deserção. Aqui, a lei está errada e deveria ser modificada. Detalhe! Em Curitiba, quem ganhou para prefeito foi justamente alguém ligado ao mesmo governo que deixou a violência acontecer.

            – Fora isso, há a questão dos “manifestantes tresloucados”. Pixadores, vândalos e tudo mais. Estes tipos são os que incitam também a violência em uma manifestação.

            Tem que se parar com o discurso de que “policial é um ser do Estado”, pois se esquecem que o Estado é feito por pessoas da sociedade como qualquer um de nós.

          • Ligeiro

            Vi sim. O problema são dois:

            – Quem mandou bater (ou deixou acontecer) foi superior (governador). E infelizmente se policial renega isso, é preso por deserção. Aqui, a lei está errada e deveria ser modificada. Detalhe! Em Curitiba, quem ganhou para prefeito foi justamente alguém ligado ao mesmo governo que deixou a violência acontecer.

            – Fora isso, há a questão dos “manifestantes tresloucados”. Pixadores, vândalos e tudo mais. Estes tipos são os que incitam também a violência em uma manifestação.

            Tem que se parar com o discurso de que “policial é um ser do Estado”, pois se esquecem que o Estado é feito por pessoas da sociedade como qualquer um de nós.

          • Paulo Pilotti Duarte

            “infelizmente se policial renega isso, é preso por deserção”
            Exatamente por isso que não pode existir polícia militar.

          • Ligeiro

            Salvo engano, acho que qualquer polícia, mesmo civíl, tem regra. Tou com preguiça de pesquisar sobre, perdão.

            De qualquer forma, não discordo que precisa discutir a desmilitarização (se bem que acho que isso também não vai resolver muita coisa – pode parecer absurdo o que escrevo em seguida, mas ao menos a militarização ainda dá alguma mínima ordem em um grupo social, não tão diferente de uma religião), mas o problema é esse: parar de focar no “A culpa é da Polícia” e focar no “a culpa é da sociedade”.

            Temer esta aí pois as pessoa votaram na chapa Dilma-Temer. Ponto.
            Corrupção ainda acontece pois as pessoas ainda são “coleguinhas” umas das outras.
            Violência ainda ocorre pois é usada como parâmetro para força em uma sociedade.

            E não é culpa (só) das elites. Tem pobre que virou elite e não ajudou em nada a mudar a situação.

            Tem muito o que se discutir. O problema, e isso é notório nestes comentários, é que polarizou demais. As pessoas tem medo de ceder sua posição, pois no final ainda existe a posição básica de 0 x 1, mocinho x bandido, idôneo x corrupto. E para um, o outro que pensa o contrário dele sempre será o outro, não o igual.

            Se a gente continuar discutindo de forma vazia aqui a culpa de quem, e não generalizar, não adianta nada. Só está apontando dedos e criando novos presos, nem que sejam presos morais.

          • Ligeiro

            Salvo engano, acho que qualquer polícia, mesmo civíl, tem regra. Tou com preguiça de pesquisar sobre, perdão.

            De qualquer forma, não discordo que precisa discutir a desmilitarização (se bem que acho que isso também não vai resolver muita coisa – pode parecer absurdo o que escrevo em seguida, mas ao menos a militarização ainda dá alguma mínima ordem em um grupo social, não tão diferente de uma religião), mas o problema é esse: parar de focar no “A culpa é da Polícia” e focar no “a culpa é da sociedade”.

            Temer esta aí pois as pessoa votaram na chapa Dilma-Temer. Ponto.
            Corrupção ainda acontece pois as pessoas ainda são “coleguinhas” umas das outras.
            Violência ainda ocorre pois é usada como parâmetro para força em uma sociedade.

            E não é culpa (só) das elites. Tem pobre que virou elite e não ajudou em nada a mudar a situação.

            Tem muito o que se discutir. O problema, e isso é notório nestes comentários, é que polarizou demais. As pessoas tem medo de ceder sua posição, pois no final ainda existe a posição básica de 0 x 1, mocinho x bandido, idôneo x corrupto. E para um, o outro que pensa o contrário dele sempre será o outro, não o igual.

            Se a gente continuar discutindo de forma vazia aqui a culpa de quem, e não generalizar, não adianta nada. Só está apontando dedos e criando novos presos, nem que sejam presos morais.

          • Paulo Pilotti Duarte

            É muito diferente a punição pra um militar em relação a um civil, por exemplo.

            Ao que se pese, a culpa não é da PM (“O PM não aperta do gatilho sozinho” já disse o Cap. Nascimento) apenas e exclusivamente, mas a corporação tem sim uma pesada culpa em todo o sistema de exclusão social que nós vivemos quando ela ressoa através do monopólio da força o discurso de ódio as minorias.

            Quanto a chapa, eu acho que não faz mais sentido ter vice, sinceramente, porque é como criar um possível adversário político dentro de casa. Sem falar que a própria função do vice se perdeu com o tempo: eles existiam nos EUA porque uma viagem durava meses, ida-e-volta, e era necessário ter um chefe do governo (da chapa) no poder enquanto o outro estava ausente. Hoje em dia não tem motivo pra isso existir. Abolir o vice melhoraria as coisas bastante em determinadas democracias como a nossa. Mas eu, por exemplo, jamais votei no projeto “Ponto para o futuro” do Temer ou compactuei com as reformas que ele está passando e/ou pondo em votação. O PT jamais faria isso. Esse argumento é bem raso (quem votou na Dilma colocou o Temer no poder porque não tinha escolha ao votar na Dilma, e mesmo assim, o Temer assinou e concordou com o plano inicial de governo da Dilma, ou seja, ele traiu aqueles que votaram na chapa dele).

            “Tem pobre que virou elite e não ajudou em nada a mudar a situação.”
            Isso pode ser explicado, em partes, pela falta de consciência de classe que afeta o brasileiro, principalmente das classes B/C/D que ser acham mais próximo de uma elite industrial do que um assalariado braçal.

            A teoria marxista tem um problema sério quando não contempla o trabalhador de colarinho branco, o rato de escritório, e o deixa a margem da sociedade, focando-se apenas no trabalhar braçal da industria. É notório que o texto e a teoria foram escritos em outra época, mas, o erro é nunca termos tido uma atualização desse pensamento em relação ao trabalhador intelectual que bate ponto como macaco.

            Essas duas questões – falta de pertencimento e de consciência de classe – leva as duas principais classes trabalhadoras do país a serem antagônicas (a classe média e a classe baixa) de forma que elas acabam se situando, muitas vezes, em lados opostos de uma batalha que ambos estão perdendo (pra elite do país). O pato quem vai pagar vai ser essas duas classes e não o Skaf e a FIESP, mas, a narrativa é tão forte que a classe média comprou a ideia de ser elite quando se vestiu de amarelo na Av. Paulista.

            A polarização sempre vai existir porque tu tem de um lado a classe trabalhadora, explorada e esmagada pelo capital e pela exploração do trabalho, onde o lucro que ela produz é concentrado nas mãos do grande empresário, e do outro tu tem quem defende esse grande empresário acreditando que faz parte da mesma mesa que ele.

            E sim, eu sei que teve muito pobre e muito trabalhador nisso tudo.

          • Paulo Pilotti Duarte

            É muito diferente a punição pra um militar em relação a um civil, por exemplo.

            Ao que se pese, a culpa não é da PM (“O PM não aperta do gatilho sozinho” já disse o Cap. Nascimento) apenas e exclusivamente, mas a corporação tem sim uma pesada culpa em todo o sistema de exclusão social que nós vivemos quando ela ressoa através do monopólio da força o discurso de ódio as minorias.

            Quanto a chapa, eu acho que não faz mais sentido ter vice, sinceramente, porque é como criar um possível adversário político dentro de casa. Sem falar que a própria função do vice se perdeu com o tempo: eles existiam nos EUA porque uma viagem durava meses, ida-e-volta, e era necessário ter um chefe do governo (da chapa) no poder enquanto o outro estava ausente. Hoje em dia não tem motivo pra isso existir. Abolir o vice melhoraria as coisas bastante em determinadas democracias como a nossa. Mas eu, por exemplo, jamais votei no projeto “Ponto para o futuro” do Temer ou compactuei com as reformas que ele está passando e/ou pondo em votação. O PT jamais faria isso. Esse argumento é bem raso (quem votou na Dilma colocou o Temer no poder porque não tinha escolha ao votar na Dilma, e mesmo assim, o Temer assinou e concordou com o plano inicial de governo da Dilma, ou seja, ele traiu aqueles que votaram na chapa dele).

            “Tem pobre que virou elite e não ajudou em nada a mudar a situação.”
            Isso pode ser explicado, em partes, pela falta de consciência de classe que afeta o brasileiro, principalmente das classes B/C/D que ser acham mais próximo de uma elite industrial do que um assalariado braçal.

            A teoria marxista tem um problema sério quando não contempla o trabalhador de colarinho branco, o rato de escritório, e o deixa a margem da sociedade, focando-se apenas no trabalhar braçal da industria. É notório que o texto e a teoria foram escritos em outra época, mas, o erro é nunca termos tido uma atualização desse pensamento em relação ao trabalhador intelectual que bate ponto como macaco.

            Essas duas questões – falta de pertencimento e de consciência de classe – leva as duas principais classes trabalhadoras do país a serem antagônicas (a classe média e a classe baixa) de forma que elas acabam se situando, muitas vezes, em lados opostos de uma batalha que ambos estão perdendo (pra elite do país). O pato quem vai pagar vai ser essas duas classes e não o Skaf e a FIESP, mas, a narrativa é tão forte que a classe média comprou a ideia de ser elite quando se vestiu de amarelo na Av. Paulista.

            A polarização sempre vai existir porque tu tem de um lado a classe trabalhadora, explorada e esmagada pelo capital e pela exploração do trabalho, onde o lucro que ela produz é concentrado nas mãos do grande empresário, e do outro tu tem quem defende esse grande empresário acreditando que faz parte da mesma mesa que ele.

            E sim, eu sei que teve muito pobre e muito trabalhador nisso tudo.

          • Ligeiro

            Toda vez que leio textões como o seu, entendo o porque do Che Guevara e Fidel matar um monte do que consideravam “capitalistas”… :p De tanto ver esta leitura de “polarização”, a vontade que tenho de falar é: não é mais fácil matar quem é contrário ao que tu pensa e assim resolver os problemas?

            Sobre Dilma e Temer não é um argumento raso: é uma situação existente de lei e ponto final. Quem apoiava o PT pensasse nisso ANTES da po**a desta eleição acontecer.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Eu expliquei porque não é tão simples, é o máximo que eu posso fazer mediante a sua incapacidade de entender ou a vontade de não entender.

          • Ligeiro

            Esse é o ponto.

            Não é só eu que tem essa condição que você descreve como incapacidade ou não vontade.

            Sempre que começa uma conversa sobre política, desencamba para uma das seguintes situações:

            – Ou usam o “discurso marxista” (ou atacam isso)
            – Ou usam o “discurso capitalista” (ou atacam isso)
            – Ou usam o “verdadeiro e único discurso nazifascista” (Tudo pelo Estado, Nada contra o Estado) (ou falam que o discurso anterior virou isso).

            Cara, as pessoas querem uma conversa simples do porque da situação estar assim. Não querem uma análise profunda da situação, e nem tem cabeça para isso pois estão neste momento tentando pagar as contas. E isso não é culpa “das elites” -as condições sociais hoje são assim: se quer, ou faça ou pague por este algo. E se formaram assim nos últimos tempos.

            O que vejo em resumo é que se alguém consegue fazer algo que vire dinheiro, ele fica rico. Pronto. Seja juntar um monte de dados de pessoas em um lugar, ser o monopólio de algo ou servir algo que as pessoas gostem.

            No fundo, acho que no final quem chupa da elite é o proletariado, já que por justamente não precisar pensar tanto nas condições sociais existentes, não precisa esquentar a cabeça tanto, só sobreviver e pronto. :p

            Sei lá. Esse é um defeito que noto em discursos como o seu, ou do anônimo defensor do Bolsonaro.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Não tem COMO ser uma conversar simples quando as causas não são simples.
            Eu posso dizer, de modo simples, que temos que todos dialogar e chegar ao melhor denominador.

            Isso é simples mas tacanho, aleijado, tosco e mentiroso.

            “nem tem cabeça para isso pois estão neste momento tentando pagar as contas. E isso não é culpa “das elites” -as condições sociais hoje são assim: se quer, ou faça ou pague por este algo. E se formaram assim nos últimos tempos.”

            Sério, olha o que tu me afirma e depois diz que a culpa não é das elites é “da vida” e temos quie aceitar. Determinismo no seu ápice.

            “O que vejo em resumo é que se alguém consegue fazer algo que vire dinheiro, ele fica rico. Pronto. Seja juntar um monte de dados de pessoas em um lugar, ser o monopólio de algo ou servir algo que as pessoas gostem.”

            Aqui você comete um erro clássico de qualquer pessoa que quer defender o seu ponto de vista na internet e mostrar-se contrário ao impacto que dinheiro e educação tem na capacidade do individuo dele ter acesso a oportunidades: evidência anedótica. Pouco importa o que você vê, vivencia ou percebe no seu dia-a-dia, isso não reflete o todo de uma sociedade, isso reflete a sua experiência pessoal e quando você diz isso você muitas vezes levanta um espantalho.

            Mas indo além, lhe pergunto: quem tem oportunidades – educação e dinheiro – para fazer algo assim? O cara que precisa trabalhar 9h por dia, gastar 4h de condução e ainda arrumar tempo pra conseguir cursar um EJA ou o cara que tá na faculdade federal, com ajuda dos pais para pagar desde o livro-texto até a gasolina dele e do carro pro final de semana?

            Se tu não percebe o problema dessa realidade, daí não é comigo mais – não estou aqui fazendo trabalho de base.

            “No fundo, acho que no final quem chupa da elite é o proletariado, já que por justamente não precisar pensar tanto nas condições sociais existentes, não precisa esquentar a cabeça tanto, só sobreviver e pronto. :p”

            Exatamente esse é o plano de quem se mantém no poder. Enquanto quem está abaixo não pensa, melhor. Se tu der mecanismo para a classe baixa pensar ao invés de se matar de trabalhar para se sustentar.

            “Sei lá. Esse é um defeito que noto em discursos como o seu, ou do anônimo defensor do Bolsonaro.”

            O problema é que você quer que concordemos com você ou que apresentemos soluções simples, prontas, sem questionamento e que apontem um norte. Não existe isso em nenhum tipo de ciência social, você precisa pensar, ler autores e saber identificar os mecanismo sociais que te levam para cada direção.

            Se tu quer que alguém chegue aqui e te diga como pensar, como fazer e como agir; tá tudo errado.

            Não tem como tentar explicar comportamentos sociais e sociedades absurdamente complexas sem argumentos que sejam complexos. Não é matemática ou computações que podemos reduzir as coisas a mera equações ou algoritmos, precisa pensar e nem sempre o resultado é o esperado.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Não tem COMO ser uma conversar simples quando as causas não são simples.
            Eu posso dizer, de modo simples, que temos que todos dialogar e chegar ao melhor denominador.

            Isso é simples mas tacanho, aleijado, tosco e mentiroso.

            “nem tem cabeça para isso pois estão neste momento tentando pagar as contas. E isso não é culpa “das elites” -as condições sociais hoje são assim: se quer, ou faça ou pague por este algo. E se formaram assim nos últimos tempos.”

            Sério, olha o que tu me afirma e depois diz que a culpa não é das elites é “da vida” e temos quie aceitar. Determinismo no seu ápice.

            “O que vejo em resumo é que se alguém consegue fazer algo que vire dinheiro, ele fica rico. Pronto. Seja juntar um monte de dados de pessoas em um lugar, ser o monopólio de algo ou servir algo que as pessoas gostem.”

            Aqui você comete um erro clássico de qualquer pessoa que quer defender o seu ponto de vista na internet e mostrar-se contrário ao impacto que dinheiro e educação tem na capacidade do individuo dele ter acesso a oportunidades: evidência anedótica. Pouco importa o que você vê, vivencia ou percebe no seu dia-a-dia, isso não reflete o todo de uma sociedade, isso reflete a sua experiência pessoal e quando você diz isso você muitas vezes levanta um espantalho.

            Mas indo além, lhe pergunto: quem tem oportunidades – educação e dinheiro – para fazer algo assim? O cara que precisa trabalhar 9h por dia, gastar 4h de condução e ainda arrumar tempo pra conseguir cursar um EJA ou o cara que tá na faculdade federal, com ajuda dos pais para pagar desde o livro-texto até a gasolina dele e do carro pro final de semana?

            Se tu não percebe o problema dessa realidade, daí não é comigo mais – não estou aqui fazendo trabalho de base.

            “No fundo, acho que no final quem chupa da elite é o proletariado, já que por justamente não precisar pensar tanto nas condições sociais existentes, não precisa esquentar a cabeça tanto, só sobreviver e pronto. :p”

            Exatamente esse é o plano de quem se mantém no poder. Enquanto quem está abaixo não pensa, melhor. Se tu der mecanismo para a classe baixa pensar ao invés de se matar de trabalhar para se sustentar.

            “Sei lá. Esse é um defeito que noto em discursos como o seu, ou do anônimo defensor do Bolsonaro.”

            O problema é que você quer que concordemos com você ou que apresentemos soluções simples, prontas, sem questionamento e que apontem um norte. Não existe isso em nenhum tipo de ciência social, você precisa pensar, ler autores e saber identificar os mecanismo sociais que te levam para cada direção.

            Se tu quer que alguém chegue aqui e te diga como pensar, como fazer e como agir; tá tudo errado.

            Não tem como tentar explicar comportamentos sociais e sociedades absurdamente complexas sem argumentos que sejam complexos. Não é matemática ou computações que podemos reduzir as coisas a mera equações ou algoritmos, precisa pensar e nem sempre o resultado é o esperado.

          • Ligeiro

            Por isso que o pessoal que defende algo mais “social” tem problemas: as pessoas querem realmente alguém que “dê um norte”. Por que tu acha que o Lula deu certo (e depois deu errado)? Por isso que o Bolsonaro acaba subindo: as pessoas querem sim alguém que diga como pensar.

            A grande maioria das pessoas não querem pensar a fundo na sociedade, ou talvez nem tenham a capacidade ou disponibilidade para tal. Sei lá. Uma métrica bem simples e boba é ver o que é mais visto em um portal, e geralmente ou é sobre uma celebridade ou sobre algo grave. Um outro exemplo está aqui: http://media.pburgos.com/

            Pega o “links mais compartilhados da semana”. Em primeiro lugar, finalmente, algo útil que é “como não cair no golpe do Uber”. Segundo, “algo milagroso que faz algo que você quer”. Terceiro um texto de uma “pequena mídia” que tente a generalização (vide textos do Pedro Burgos que falam sobre isso tudo :) ).

            Eu entendo que há uma renca de coisas, mas cansei do discurso de que é “culpa das elites”. Não me deglute mais isso, não desce nem com água. Para mim, isso só seria comprovado se matassem todos que são julgados como “elites” e deixasse o resto acontecer. Se mudar algo para melhor, beleza.

          • Ligeiro

            Por isso que o pessoal que defende algo mais “social” tem problemas: as pessoas querem realmente alguém que “dê um norte”. Por que tu acha que o Lula deu certo (e depois deu errado)? Por isso que o Bolsonaro acaba subindo: as pessoas querem sim alguém que diga como pensar.

            A grande maioria das pessoas não querem pensar a fundo na sociedade, ou talvez nem tenham a capacidade ou disponibilidade para tal. Sei lá. Uma métrica bem simples e boba é ver o que é mais visto em um portal, e geralmente ou é sobre uma celebridade ou sobre algo grave. Um outro exemplo está aqui: http://media.pburgos.com/

            Pega o “links mais compartilhados da semana”. Em primeiro lugar, finalmente, algo útil que é “como não cair no golpe do Uber”. Segundo, “algo milagroso que faz algo que você quer”. Terceiro um texto de uma “pequena mídia” que tente a generalização (vide textos do Pedro Burgos que falam sobre isso tudo :) ).

            Eu entendo que há uma renca de coisas, mas cansei do discurso de que é “culpa das elites”. Não me deglute mais isso, não desce nem com água. Para mim, isso só seria comprovado se matassem todos que são julgados como “elites” e deixasse o resto acontecer. Se mudar algo para melhor, beleza.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Isso é tudo problema de educação: as pessoas querem o imediato, é óbvio, porque é isso que vai resolver os problemas delas. O governo, porém, não poderia pensar assim sob pena de jamais construir algo significativo pro país. É o caso do Brasil.

            É preciso mudar esse discurso e esse pensamento, mas, não é possível quando alguém vem e me diz algo como tu diz. E infelizmente esse é o pensamento padrão.

          • Ligeiro

            Milhões de pessoas nascem no mundo. Isso é imediato. Milhões de pessoas seguem os padrões sociais estabelecidos em cada ponto onde nasceram.

            Só quando chegam lá entre os 15 – 18 anos que eles vão fazer algo e definir o que querem.

            A situação atual está como eco de coisas de 18 anos atrás. Pessoas esperaram dos governos algo melhor. Não chegou. Aí cada um foi para um canto, uns estudaram e viram que a culpa é das elites, outros estudaram e viraram as elites, terceiros estudaram e servem as elites, quartos estudaram e não sabem nem o que fazer pois veem nisso tudo uma grande bagunça (eu incluso :p )

          • Ligeiro

            Milhões de pessoas nascem no mundo. Isso é imediato. Milhões de pessoas seguem os padrões sociais estabelecidos em cada ponto onde nasceram.

            Só quando chegam lá entre os 15 – 18 anos que eles vão fazer algo e definir o que querem.

            A situação atual está como eco de coisas de 18 anos atrás. Pessoas esperaram dos governos algo melhor. Não chegou. Aí cada um foi para um canto, uns estudaram e viram que a culpa é das elites, outros estudaram e viraram as elites, terceiros estudaram e servem as elites, quartos estudaram e não sabem nem o que fazer pois veem nisso tudo uma grande bagunça (eu incluso :p )

          • ochateador

            “nem tem cabeça para isso pois estão neste momento tentando pagar as contas.”

            A explicação é simples.
            José e Maria são casados, só estudaram até o ensino médio e possuem 2 filhos(as).
            José ganha R$ 1000,00 mensais e Maria ganha R$ 1500,00 mensais. Os filhos(as) estão em uma escola pública. O gasto mensal da família é de R$ 2000,00. Esse valor é gasto em energia elétrica, água encanada, telefone fixo(+internet), alimentação, combustível para o carro, gasto do celular (plano de dados). O valor que sobra ( R$ 500,00 ) ás vezes são guardados na poupança, as vezes são gastos em alguns mimos para a família.

            Um dia José resolve fazer cursar o ensino superior pois assim a empresa pode subir ele de cargo e dobrar o salário ( de 1 mil para 2 mil ). Os R$ 500,00 que sobravam todo o mês vão ser investido nisso. Do salário da família, o valor que sobrará é R$ 0,00 , se algum gasto aumentar, alguma coisa terá que ser cortada (mas vamos supor que nenhum valor se altere).
            4 anos depois, último ano do José no curso superior, a empresa começa a demitir funcionários, quem tem ensino superior fica, quem não tem pode rodar ou ficar. José mostra a empresa que está terminando o curso e portanto ganha um salvo-conduto temporário com 1 condição “terminar o curso naquele ano ou ele irá ser demitido”.

            Antes do ano letivo começar, a universidade resolve aumentar a mensalidade de R$ 500,00 para R$ 600,00. A escola dos filhos(as) resolve cobrar R$ 100,00 a mais na mensalidade de cada aluno. Um gasto adicionado de R$ 300,00 mensais (e o salário de José ou Maria não irá aumentar pois ambas empresas estão com dificuldades financeiras).
            Pois bem.

            Você pode transferir os filhos de escola, mas eles sairão da melhor da cidade para uma outra qualquer.
            Você pode vender os celulares, mas considerando que os 4 celulares junto vão valer apenas R$ 500,00 (lembre-se, são 4 anos sem folgas no orçamento e portanto ninguém trocou de celular).
            Você pode reduzir os gastos de alimentação, energia, água, telefonia fixa/móvel, mas não conseguirá uma redução mensal maior que R$ 100,00.
            Você pode vender o veículo, mas o José não conseguirá ir até a universidade (que fica do outro lado da cidade [a casa, escola dos filhos(as), empresa ficam perto um do outro] e o tempo perdido no deslocamento será de 4h [ida+volta]) e temos que lembrar que transporte público gera um gasto…

            A reserva que tinha na poupança foi gasta na compra de alguns remédios quando algum membro da família ficou doente. Portanto se alguém ficar doente não tem mais dinheiro para remédios.

            Sério.
            Você acha que essa família vai querer ficar debatendo algum assunto de política por horas e horas quando ela tem que dar um jeito de pagar as contas do mês, não ficar com uma dívida muito grande e ainda permitir que José termine o curso superior (senão ele será demitido da empresa e por tabela 40% da renda da família será comprometida) ?

          • Conta Desativada

            Você tem porte de arma para não precisar da PM?

          • Paulo Pilotti Duarte

            Eu disse que não preciso da PM?

          • Conta Desativada

            Se você classifica a PM como “guardiã da violência institucional”, não seria lógico você utilizar os serviços da PM….

          • Paulo Pilotti Duarte

            Não tenho escolha nem de mudar a PM, quanto mais de não usá-la.
            Ainda assim, nunca usei a PM pra nada e quando precisei, eles não vieram.

          • Conta Desativada

            Como cidadão, é seu dever lutar pelo melhor para o seu país.

            Eu amo a Polícia! Sou fissurado em qualquer assunto relacionado à atividade policial. Meu grande sonho é me tornar policial, desde adolescente. Por isso, fiz o concurso da Polícia Civil e aguardo a boa vontade do governo me chamar.

            Mas estou longe de estar satisfeito com a nossa realidade. Eu adoro a Polícia! Mas detesto a estrutura policial brasileira. Em termos de Polícia, estamos muito atrasados.

            A Polícia Militar precisa acabar assim como a Polícia Civil também precisa acabar!
            Termos praças, oficiais, delegados… isso é uma bizarrice sem tamanho…

            Precisamos de UMA Polícia Estadual forte, única, com ciclo completo (e óbvio totalmente civil). Uma Polícia com uma única porta de entrada, pautada na meritocracia.

            Enfim, em vez de falar mal da Polícia, exija uma Polícia moderna. Certo?

          • Paulo Pilotti Duarte

            Pelo menos concordamos que a polícia militar precisa acabar. Não faz sentido ela sequer existir.

            Valorização da polícia também é algo necessário.

    • O tiro saiu pela culatra. Deve ter ficado com uma cara de nádegas. Mas isso não tira o fato de que o pai dele tá crescendo na corrida eleitoral sim. Odeiem o tanto que quiserem o bolsonaro mas é preciso reconhecer isso.

      Também é preciso reconhecer que odeiem o lula ou não, ele é o favorito de longe pra ganhar ano que vem.

    • O tiro saiu pela culatra. Deve ter ficado com uma cara de nádegas. Mas isso não tira o fato de que o pai dele tá crescendo na corrida eleitoral sim. Odeiem o tanto que quiserem o bolsonaro mas é preciso reconhecer isso.

      Também é preciso reconhecer que odeiem o lula ou não, ele é o favorito de longe pra ganhar ano que vem.

      • Fabio Montarroios

        Bastante preocupante essa subida do Bolsonaro. Não pelo Bolsonaro em si, q encontraria muitas dificuldades graças as leis pra levar muitas das suas propostas aidante, mas pela animosidade q motiva seus eleitores a votarem nele e essa animosidade resultar em mudanças de lei se junto com o Bolsonaro, forem eleitos deputados tão reacionários qto ele em número substancial…

        • Talvez seja pq o pessoal já tá de saco cheio dos medalhões políticos do brasil e queira dar chance a alguém diferente.

          • Fabio Montarroios

            Mas se vc for ver, o discurso reacionário não é novidade. O próprio Bolsonaro não é novidade, já q ele é um político profissional… A novidade é a forma como o discurso reacionário ganhou força. E, claro, não comparo o discurso reacionário com o conservador, q é outra coisa… Bolsonaro e família falam abertamente em execuções, punições desmedidas, desmantelamento de políticas sociais, perseguição de minorias… Isso existe há tempos, de maneira sorrateira, agora esses caras não têm pudor algum em falar sobre isso. Me impressiona q muita gente inteligente esteja comprando esse discurso apenas como forma de reação aos medalhões…

          • bolsonaro realmente é político profissional, pois é parlamentar desde os anos 90. o que eu disse é pq o poder sempre circula entre pmdb e psdb. e nos últimos 15 anos ficou com o pt. são sempre as mesmas figuras e somado a isso a divulgação de podres pela imprensa, as pessoas estão assim como vc disse..

            as execuções que vc fala, creio que seja pena de morte pra bandido. desmantelamento de políticas sociais realmente é um assunto complicado, mas o que eu vi na imprensa é que ele quer dar oportunidade pros menos favorecidos de crescerem na vida e não precisarem mais do assistencialismo, tipo, ele não quer que a pessoa fique o dia todo na rede recebendo ajuda do governo. quanto a perseguição de minorias, acho que são as próprias minorias que se auto perseguem, fazendo vitimismo e incitando luta de classes.

          • bolsonaro realmente é político profissional, pois é parlamentar desde os anos 90. o que eu disse é pq o poder sempre circula entre pmdb e psdb. e nos últimos 15 anos ficou com o pt. são sempre as mesmas figuras e somado a isso a divulgação de podres pela imprensa, as pessoas estão assim como vc disse..

            as execuções que vc fala, creio que seja pena de morte pra bandido. desmantelamento de políticas sociais realmente é um assunto complicado, mas o que eu vi na imprensa é que ele quer dar oportunidade pros menos favorecidos de crescerem na vida e não precisarem mais do assistencialismo, tipo, ele não quer que a pessoa fique o dia todo na rede recebendo ajuda do governo. quanto a perseguição de minorias, acho que são as próprias minorias que se auto perseguem, fazendo vitimismo e incitando luta de classes.

          • Fabio Montarroios

            mas o q tem dado sustentação aos partidos, psdb e pt, é justamente o pmdb, q nunca lança seu candidato próprio pra presidente… o marcos nobre tem uma tese interessante q ele chama de o pemedebismo q a marca da política nacional q transcende o próprio pmdb… é um tipo de de cultura política.

            e deu pra notar q o anti-petismo chegou a um ponto desproporcional a ponto de elencar um único partido como problemático, apesar de todas as pesquisas indicarem q as pessoas não acreditam em nenhum partido político… achando q todos são corruptos e tal.

            sobre o vitimismo é outro debate turvado pelos reacionários e pelas próprias minorias q não são capazes de fazer uma leitura mais ampla e se restringem aos seus contextos de maneira muito fechada e excludente de opiniões divergentes. é muito complicada essa questão e o bolsonaro, com seu discurso populista, não ajuda em nada… ao contrário.

            https://www.youtube.com/watch?v=7_D2cjQJhB8

          • Fabio Montarroios

            mas o q tem dado sustentação aos partidos, psdb e pt, é justamente o pmdb, q nunca lança seu candidato próprio pra presidente… o marcos nobre tem uma tese interessante q ele chama de o pemedebismo q a marca da política nacional q transcende o próprio pmdb… é um tipo de de cultura política.

            e deu pra notar q o anti-petismo chegou a um ponto desproporcional a ponto de elencar um único partido como problemático, apesar de todas as pesquisas indicarem q as pessoas não acreditam em nenhum partido político… achando q todos são corruptos e tal.

            sobre o vitimismo é outro debate turvado pelos reacionários e pelas próprias minorias q não são capazes de fazer uma leitura mais ampla e se restringem aos seus contextos de maneira muito fechada e excludente de opiniões divergentes. é muito complicada essa questão e o bolsonaro, com seu discurso populista, não ajuda em nada… ao contrário.

            https://www.youtube.com/watch?v=7_D2cjQJhB8

          • o pmdb quer que a população se exploda. o objetivo deles é apoiar quem estiver no poder e caçar cargos importantes em troca de favores.

          • Louis

            O PT e PSDB também. Era nojenta baixaria petista, dizendo que qualquer partido que vencesse acabaria imediatamente com o Bolsa Família. Para uma família pobre, que é a maioria em muitos lugares, só pensar nisso já acaba com a pessoa. O PT é um câncer que serviu aos próprios interesses, em nome de muita mentira e perseguição.

            A situação atual é apenas uma resposta da indignação da sociedade.

          • Fabio Montarroios

            Curioso, o câncer era o PMDB, agora é o PT?

          • Fabio Montarroios

            Curioso, o câncer era o PMDB, agora é o PT?

          • Louis

            O antipetismo só chegou a esse ponto por culpa do próprio PT, que preferiu crescer marginalizando uma parte da sociedade, pois, dividir uma parte da sociedade torna mais fácil controlá-la.

            E nessa guerra não existem bonzinhos, apenas quadrilhas.

          • O Brasil está dividido há 500 anos. Nos últimos 15 a parte excluída começou a frequentar faculdades, aeroportos e shopping centers. O PT desenvolveu o capitalismo brasileiro em uma década mais do que todos os outros governos em 500 anos — e mesmo assim ainda tem uns malucos que o chamam de “comunista”.

            Você simplesmente não tem dados para dizer que a população foi “marginalizada” quando todos os indicadores mostram que ela foi incluída. Menos doxa e mais reflexão, por favor.

          • Fabio Montarroios

            Não sei se é por aí, Louis. Veja q o coro antipetista ganhou força graças aos movimentos dito apartidários q vimos não o serem de fato.

          • Paulo Pilotti Duarte

            A divisão nunca foi iniciada pelo PT depois da “Carta ao Povo Brasileiro” ou do “Expurgo de 1992”. Antes disso, sim, mas antes disso o PT ainda era parte da esquerda revolucionária. Depois de 1992 ele se ateve ao discurso da esquerda progressista e depois na ocasião do Lula I ele se voltou totalmente a social-democracia nos moldes da alemã.

            Os dois primeiros governos do Lula foram inicialmente de uma severa austeridade nas contas públicas e posteriormente de uma alavancagem de crédito nas classes mais pobres. Isso, somado ao programa de distribuição de renda que o BF é, conseguiu tirar grande parte do país da miséria e permitir que muitas MPEs saíssem da ilegalidade e passassem a contratar, CLT inclusive.

            Só acredita que o PT seja de esquerda e que tenha dividido o país quem é influenciado pelo pensamento do MBL e FIESP.

          • Marcos Balzano

            O PT teve um discurso de esquerda ferrenho até chegar no poder. E muito dos frutos do Governo Lula vieram de ações do FHC, que não tem uma mudança repentina. Não tiro o mérito de tudo que o Governo do PT fez, mas acho que ele pecou ao não dar continuidade as ações assistencialistas, para que houvesse a evolução do cidadão.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Não, o PT não tinha um discurso ferrenho de esquerda. Ele tinha um discurso de esquerda progressista que é uma ala muito branda da esquerda. Depois da carta ele teve um discurso social-democrata – que em países como os EUA pode ser, considerado de esquerda mas, via de regra, é centro-esquerda.

            As políticas econômicas do FHC tem o mérito de terem acabado com a inflação nos primeiro anos do Real e da manutenção desse plano através do governo dele, porém, isso custou ao país reservas, – o câmbio no governo FHC era estático, ou seja, o dólar estava artificialmente controlado aqui dentro de modo que a balança comercial do Brasil se beneficiasse – crescimento econômico e desemprego.

            O governo do Lula I aplicou, por conta disso, uma série de medidas de austeridade que já tinha sido sugeridas pelo Armínio Fraga mas que o FHC não quis aplicar e se beneficiou posteriormente com a crise de 2008 e com o boom das comodities brasileiras. A crise de 2008 trouxe investimentos com prazo de validade (quando EUA e Europa voltassem a crescer, elas iriam embora, não importava o quanto estivesse atraente o Brasil). Esse modelo com prazo de validade levou o Lula a pensar que a melhor saída seria investir internamente, criando crédito fácil e a manutenção de programas de acesso a universidade (formação superior), distribuição de renda (BF) e aceleração (PAC I).

            Não foram ações erradas da parte dele, mas, foram ações frágeis e que não seguiram na era Dilma, e que além de tudo necessitavam de outras medidas para manutenção desse crescimento, principalmente uma revisão na tributação sobre consumo e na tributação de grandes fortunas, IR e heranças.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Não, o PT não tinha um discurso ferrenho de esquerda. Ele tinha um discurso de esquerda progressista que é uma ala muito branda da esquerda. Depois da carta ele teve um discurso social-democrata – que em países como os EUA pode ser, considerado de esquerda mas, via de regra, é centro-esquerda.

            As políticas econômicas do FHC tem o mérito de terem acabado com a inflação nos primeiro anos do Real e da manutenção desse plano através do governo dele, porém, isso custou ao país reservas, – o câmbio no governo FHC era estático, ou seja, o dólar estava artificialmente controlado aqui dentro de modo que a balança comercial do Brasil se beneficiasse – crescimento econômico e desemprego.

            O governo do Lula I aplicou, por conta disso, uma série de medidas de austeridade que já tinha sido sugeridas pelo Armínio Fraga mas que o FHC não quis aplicar e se beneficiou posteriormente com a crise de 2008 e com o boom das comodities brasileiras. A crise de 2008 trouxe investimentos com prazo de validade (quando EUA e Europa voltassem a crescer, elas iriam embora, não importava o quanto estivesse atraente o Brasil). Esse modelo com prazo de validade levou o Lula a pensar que a melhor saída seria investir internamente, criando crédito fácil e a manutenção de programas de acesso a universidade (formação superior), distribuição de renda (BF) e aceleração (PAC I).

            Não foram ações erradas da parte dele, mas, foram ações frágeis e que não seguiram na era Dilma, e que além de tudo necessitavam de outras medidas para manutenção desse crescimento, principalmente uma revisão na tributação sobre consumo e na tributação de grandes fortunas, IR e heranças.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Não, o PT não tinha um discurso ferrenho de esquerda. Ele tinha um discurso de esquerda progressista que é uma ala muito branda da esquerda. Depois da carta ele teve um discurso social-democrata – que em países como os EUA pode ser, considerado de esquerda mas, via de regra, é centro-esquerda.

            As políticas econômicas do FHC tem o mérito de terem acabado com a inflação nos primeiro anos do Real e da manutenção desse plano através do governo dele, porém, isso custou ao país reservas, – o câmbio no governo FHC era estático, ou seja, o dólar estava artificialmente controlado aqui dentro de modo que a balança comercial do Brasil se beneficiasse – crescimento econômico e desemprego.

            O governo do Lula I aplicou, por conta disso, uma série de medidas de austeridade que já tinha sido sugeridas pelo Armínio Fraga mas que o FHC não quis aplicar e se beneficiou posteriormente com a crise de 2008 e com o boom das comodities brasileiras. A crise de 2008 trouxe investimentos com prazo de validade (quando EUA e Europa voltassem a crescer, elas iriam embora, não importava o quanto estivesse atraente o Brasil). Esse modelo com prazo de validade levou o Lula a pensar que a melhor saída seria investir internamente, criando crédito fácil e a manutenção de programas de acesso a universidade (formação superior), distribuição de renda (BF) e aceleração (PAC I).

            Não foram ações erradas da parte dele, mas, foram ações frágeis e que não seguiram na era Dilma, e que além de tudo necessitavam de outras medidas para manutenção desse crescimento, principalmente uma revisão na tributação sobre consumo e na tributação de grandes fortunas, IR e heranças.

          • tuneman

            “ele não quer que a pessoa fique o dia todo na rede recebendo ajuda do governo”
            politicos incluem-se nessa?

          • também. mas ai teriamos que mudar o sistema de administração governamental.

          • também. mas ai teriamos que mudar o sistema de administração governamental.

          • Paulo Pilotti Duarte

            “as execuções que vc fala, creio que seja pena de morte pra bandido. desmantelamento de políticas sociais realmente é um assunto complicado, mas o que eu vi na imprensa é que ele quer dar oportunidade pros menos favorecidos de crescerem na vida e não precisarem mais do assistencialismo, tipo, ele não quer que a pessoa fique o dia todo na rede recebendo ajuda do governo. quanto a perseguição de minorias, acho que são as próprias minorias que se auto perseguem, fazendo vitimismo e incitando luta de classes.”

            Eu nunca tinha lido tanta coisa errada/desonesta aqui no MdU de uma vez só.

          • Temos que respeitar as opiniões de todos.

            Você pode opinar também caso queira.

          • Uma coisa é opinião, outra é discurso de ódio. É desumano dizer que alguém que sofre preconceito e discriminação está se “vitimizando”.

          • Uma coisa é opinião, outra é discurso de ódio. É desumano dizer que alguém que sofre preconceito e discriminação está se “vitimizando”.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Isso é outro grande problema. As pessoas acho que liberdade de expressão é liberdade para discurso de ódio. São coisas bem diversas.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Isso é outro grande problema. As pessoas acho que liberdade de expressão é liberdade para discurso de ódio. São coisas bem diversas.

          • Ligeiro

            O problema é que liberdade plena de expressão é liberdade para quaisquer tipo de discurso, mesmo os contrários à liberdade. É um dilema que o pessoal ainda não aprendeu a lidar.

          • Ligeiro

            O problema é que liberdade plena de expressão é liberdade para quaisquer tipo de discurso, mesmo os contrários à liberdade. É um dilema que o pessoal ainda não aprendeu a lidar.

          • Não é assim, não. Digo, pode ser, mas no Brasil não existe essa liberdade plena — tanto que racismo é crime, e inafiançável. Pessoal confunde muito isso. Liberdade de expressão não é carta branca para ofender.

          • Ligeiro

            Ghedin, tou falando que tem gente que usa o termo “liberade” como algo “sem amarras”, ignorando a lei. É isso. Para o cara, a lei é nada.

          • Paulo Pilotti Duarte

            É extremamente temeroso pena de morte no Brasil com a polícia cientifica que nós temos. 1/3 ou mais dos presos do Brasil ainda aguarda julgamento, por exemplo, e mais de 70% deles são presos relacionados aos tráfico de drogas. Quer começar a minimizar o problema da segurança no país comece a discutir a descriminalização da maconha. As ações defendidas pelo Bolsonaro só iriam aprofundar o estado de sítio atual (o que provavelmente é o que ele quer).

            Políticas sociais são necessárias em todos os países. O desenvolvimento alemão, por exemplo, só é possível por conta de um tripé de desenvolvimento social que auxiliar desempregados, estudantes e pessoas em situações de vulnerabilidade social com bolsas governamentais, auxílio para educação e posterior auxílio opara se recolocar no mercado de trabalho. Ainda poderíamos falar do sistema francês e do sistema canadense ou escandinavo, ambos com pesada assistência social como base do desenvolvimento. Ou mesmo o de Cingapura, uma ditadura que muitos dos eleitores do PSDB e do Bolsonaro idolatram como sendo um oásis liberal, mas que na verdade é bastante controlada pelo estado, principalmente no que tange a educação (o Estado determina currículos, profissões e detém controle sobre saúde e educação e bancos).

            Luta de classes é basicamente o que torna possível ao cidadão de baixa sair de baixo. Sem ela estaríamos todos trabalhando 16h por dia, provavelmente. O “vitimismo” é uma palavra estúpida para camuflar uma ação ainda mais estúpida: o fisiologismo. Normalmente quem usa esse tipo de argumento é alguém que acredita que “pobre é pobre porque é vagabundo” e logo em seguida pontua com uma história de uma exceção qualquer de alguém que “venceu na vida” mesmo tendo que trabalhar 18h por dia, se esquecendo da massa de gente que não tem acesso a educação de qualidade, a saúde e a oportunidades depois de formado. É muito bom falar das minorias quando não se é uma minoria.

            Me irrita e me incomoda, porém, como a esquerda está fechada em si e como não consegue dialogar com o povo, fica só na masturbação intelectual do DCE, mas isso não problema da luta de classes e muitos menos é um problema do “vitimismo das minorias”.

          • Conta Desativada

            É uma brutal leviandade dizer que com a descriminalização a violência diminuiria.
            Você acha que num passe de mágica os criminosos que portam armas de fogo largariam suas armas porque agora se vende maconha na farmácia??? Tráfico é tão somente uma das várias atuações criminosas… E outra coisa. Mesmo a venda de cigarro sendo legalizada, há muita gente por aí que vende cigarros ilegais no Brasil e vai preso por isso, há disputa de quadrilhas… Enfim, dizer que liberação de drogas ajuda na questão da violência é uma grande balela.

          • Você tem dados? Porque nos países em que se testaram variados graus de descriminalização a violência diminuiu.

            Além disso: é claro que em um país tão desigual não é apenas um fator o decisivo para a violência urbana. O principal problema continua sendo a situação de pobreza a que é submetida a maior parte da população.

          • Paulo Pilotti Duarte

            É um dos fatores, não é o único, porém.

            Eu te coloquei que a maior parte da população carcerária é oriunda de crimes relacionados ao tráfico de drogas (mais de 70%). Atacar o problema do tráfico é atacar a massa carcerária, a violência das grandes cidades e o crime organizado. Indicadores de outros países que isso ajuda na diminuição da violência e dos crimes relacionados.

            Com certeza, porém, não é o único fator a ser considerado.

          • Conta Desativada

            As penas precisam ser endurecidas ainda mais, pois só assim esses criminosos vão começar a pensar duas, três vezes se vale a pena correr o risco de ficar um bom tempo presas. A cadeia deve servir como punição, as pessoas precisam temer a cadeia. Mas não é o que vemos agora. Criminosos até zombam dos policiais, riem na cada deles, pois sabem que ficarão pouco tempo.

            Precisam melhorar a capacidade de ação das nossas Polícias, equipá-las melhor, dar melhores armas para terem condições de enfrentarem esses criminosos.

          • Conta Desativada

            As penas precisam ser endurecidas ainda mais, pois só assim esses criminosos vão começar a pensar duas, três vezes se vale a pena correr o risco de ficar um bom tempo presas. A cadeia deve servir como punição, as pessoas precisam temer a cadeia. Mas não é o que vemos agora. Criminosos até zombam dos policiais, riem na cada deles, pois sabem que ficarão pouco tempo.

            Precisam melhorar a capacidade de ação das nossas Polícias, equipá-las melhor, dar melhores armas para terem condições de enfrentarem esses criminosos.

          • Paulo Pilotti Duarte

            “As penas precisam ser endurecidas ainda mais”

            Não é a severidade da pena que traz segurança.

          • Conta Desativada

            Claro. Porque criminoso trafica e rouba a distância, encarcerado….

          • Paulo Pilotti Duarte

            Sim.

          • Conta Desativada

            Penas brandas fomentam a criminalidade, a violência que atinge todos nós.

            Você é roubado hoje, o ladrão é preso, em alguns poucos meses (senão semanas) você o encontra roubando de novo… O que ele aprendeu disso? Vale a pena roubar… Mas se ele ficasse 10 anos preso… ele pensaria duas vezes antes de roubar de novo….

          • Mais uma vez: seu achismo não tem rebatimento em nenhum estudo sério. A maior parte da população encarcerada no Brasil sequer foi a julgamento — e enquanto permanece na prisão ela se aprofunda ainda mais nas estruturas organizadas do crime. Não é com mais prisão (uma violência do Estado) que combateremos a violência difusa na sociedade.

          • Conta Desativada

            OK. Tenho uma proposta para você.

            Vá a uma favela carioca, chega num ponto de comércio de droga com um monte de “seguranças” armados de fuzil e inicie uma conversa amigável com eles, tente convencê-los a mudar de vida. Boa sorte!

          • Conta Desativada

            OK. Tenho uma proposta para você.

            Vá a uma favela carioca, chega num ponto de comércio de droga com um monte de “seguranças” armados de fuzil e inicie uma conversa amigável com eles, tente convencê-los a mudar de vida. Boa sorte!

          • Paulo Pilotti Duarte

            Primeiro, temos que pensar porque exatamente ele rouba.

            Como você disse, o roubo tem um alto índice de risco e de lucro (o custo do roubo é ir pra cadeia por um tempo X) mas o lucro do tráfico e da venda de artigos roubados é alto também.

            Isso aliado a um país com escassez de oportunidades ao povo da periferia gera, primariamente, uma grande massa de pessoas envolvidas no tráfico (que é o que dá mais lucro) e posteriormente em outras atividades ligadas ao tráfico (roubos, arrastões, furtos).

            Num país sem oportunidades, pobre e altamente desigual, o roubo (o crime) é uma das saídas mais comuns e mais vantajosas para a classe baixa. Sem atacar isso primeiro não tem como mudar o status.

            Segundo passo é atacar o que gera mais dinheiro e é responsável por mais presos no atual sistema carcerário: tráfico de drogas. Atacando isso ainda vão sobrar muitos outros tipos de crimes a serem cometidos, porém, sem o mesmo lucro e o mesmo custo de oportunidade. Isso por si só afastaria uma série de pessoas propensas ao crime.

            Resumo: sem propiciar oportunidades – através de programas sociais – e fazer com que a atividade principal do crime – o tráfico – seja menos lucrativa, não existe severidade penal que impeça o crime de aumentar.

          • Ligeiro

            Tem um dilema aí:

            – Em áreas carentes, ao que sei, há um grande número de auxílios – escolas, organizações, religiões, etc… isso falando em tempos atuais.

            – Sempre é tratado de forma pública que “a consequência para quem comete crimes é a prisão”.

            – Há todo um trabalho para convencer as pessoas em regiões carentes que agir de forma marginal só os prejudicam.

            Será que a pessoa que tem consciência que “atitudes ilicitas geram um risco maior”, não mensura isso? E no final não usa o discurso de “vitma da sociedade” para apenas pereptuar suas ações criminosas?

            Caramba, Lula veio de um lugar da seca, tal como muitos políticos hoje vieram de lugares pobres. Quer dizer que o motivo do politico roubar é pq ele foi pobre?

          • Paulo Pilotti Duarte

            “Será que a pessoa que tem consciência que “atitudes ilicitas geram um risco maior”, não mensura isso? E no final não usa o discurso de “vitma da sociedade” para apenas pereptuar suas ações criminosas?”

            Isso é o custo de oportunidade. È mais vantajoso no curto prazo que se roube e se assuma o risco, assim, de ser preso, do que minguar num emprego de SM por 50 anos a fio.

            “Caramba, Lula veio de um lugar da seca, tal como muitos políticos hoje vieram de lugares pobres. Quer dizer que o motivo do politico roubar é pq ele foi pobre?”

            Mas tem políticos ricos que roubam tanto quanto. Não faz sentido esse pensamento.

          • Ligeiro

            Faz sim, Paulo.

            Custo de oportunidade, ao que vejo, é “valorizar” mais o conforto próprio do que o equilíbrio interno moral.

            E rico ou pobre, imagino que o que permite a pessoa a agir de forma amoral tem mais a haver com suas consciências e experiencias do que com o cara ser rico ou pobre.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Se assim fosse, a maioria dos presos não seria pobre e negro, oriundo de favelas e comunidades pobres de periferia.

          • Ligeiro

            cara, como tenho raiva deste tipo de argumentação… com licença…

          • Ligeiro

            cara, como tenho raiva deste tipo de argumentação… com licença…

          • Paulo Pilotti Duarte

            Você traz um argumento fisiologista e espera o que?
            Se quer que alguém argumente com você traga mais do que isso e não tenha atitudes como essa quando alguém diz algo que tu não gosta.

          • Ligeiro

            fisiologismo é o velho “rico vs. pobre”. Caramba. Estamos em 2017, muita gente que conheço que era pobre virou rica, e só não está presa não é porque é rico, mas porque corrompeu ou era amigo da polícia ou de pessoas da lei – politicos, juizes, etc…

          • Ligeiro

            fisiologismo é o velho “rico vs. pobre”. Caramba. Estamos em 2017, muita gente que conheço que era pobre virou rica, e só não está presa não é porque é rico, mas porque corrompeu ou era amigo da polícia ou de pessoas da lei – politicos, juizes, etc…

          • Paulo Pilotti Duarte

            Meu Deus, mas não é essa a questão.
            Tu está usando evidência anedóticas pra reforçar um ponto bem documentado.

            Sim, muita gente pode sair da pobreza e ir pra riqueza, mas o triplo disso, pelo menos, não consegue. O que existe de errado com essas pessoas? São todas “amorais”? Tiveram experiência ruins que as fizeram serem vagabundas/malvadas/criminosas?

            Não é porque UMA PESSOA não faz X que iremos ignorar todos os dados que nos dizem que quem faz X tem uma condição sócio-econômica baixa (e todos os problemas decorrentes disso).

          • Conta Desativada

            Se a maioria dos presos é pobre, negro e favelado é porque o negro, pobre e favelado cometeu crime. Ou você acha que a Polícia se identificasse um ladrão, traficante e esse sendo negro, pobre e favelado, o policial ficaria com pena e não o prenderia?

          • Paulo Pilotti Duarte

            “Se a maioria dos presos é pobre, negro e favelado é porque o negro, pobre e favelado cometeu crime”

            Oi?
            Mas a questão não é essa meu caro …

          • Conta Desativada

            Cara! Nada justifica praticar crime. NADA!!! Eu acabei de escrever isso em outro comentário e vou repetir aqui, assim como já falei em outros lugares na Internet: eu nasci e vivi por duas décadas em uma das favelas mais perigosas da cidade do RJ. Eu precisava passar por vários pontos de tráfico, com criminosos armados de fuzil, fui vizinho de um traficante caçado pela Polícia. Várias vezes acordei pela manhã e deixei de ir para a escola porque havia operação policial, para prender o meu vizinho, e havia uma guerra no beco onde eu morava… A fachada da casa onde eu morava toda com marcas de tiro…

            O que aconteceu comigo?

            Eu não virei bandido, eu não usei droga, eu não fiz amizades com pessoas erradas. Eu estudei, trabalhei e hoje moro num bairro de classe média no RJ. E o melhor de tudo: estou aprovado no concurso da Polícia Civil de SP, só esperando o Geraldinho me nomear para eu ir morar em SP e virar policial lá….

            E outra, quem diz que falta escola, saúde etc… está mentindo. Tem um monte de escola, clínica… Sempre estudei em escola pública, só no ensino superior que eu fui pro ensino privado. Sempre fui bem atendido na clínica da região… Qualquer besteira que tentam te vender como “falta de oportunidades” etc etc é uma completa besteira!!! Eu sou pardo mais claro, puxei minha mãe… Meu pai é negro e minha irmã é negra… Minha irmã morou na mesma favela comigo, sempre estudou em escola pública… Sabe o que aconteceu com ela quando terminou o ensino médio? Fez o pré-vestibular comunitário e foi aprovado em quatro universidades públicas… Hoje ela é professora universitária e também mora em uma bairro de classe média num condomínio completo…
            É tudo uma questão de escolhas, de decisões pessoais…

          • Paulo Pilotti Duarte

            A sua experiência pessoal é evidência anedótica (e você não deve usá-la como totem) e não traduz o todo da questão.

            Eu tenho o mesmo background que você e me formei numa universidade federal e agora estou estudando pra concursos, isso não quer dizer, porém, que outras pessoas façam o mesmo que nós dois fizemos. As estatísticas mostram que países mais iguais são menos violentos porque as pessoas tem acesso a educação melhor, saúde de qualidade e oportunidades de emprego e crescimento. E aqueles que vem de classes baixas, em todos os países desenvolvimento, tem assistência do governo para que possam sair dessa situação.

            Sim, estudos nos mostram que faltam oportunidades no Brasil, que faltam escolas que sejam capazes de melhorar a situação das classes baixas, que falta saúde de qualidade e que o poder estatal não chega nas comunidades pobres. Não interesse o quanto tu berra, o quanto tu te usa como totem ou o quanto tu crê que isso seja verdade, os dados que temos nos mostram o oposto.

          • Ligeiro

            Só que não dá para usar nem um totem nem os dados para provar que lado a ou b estão certos ou errados – exceto se para realmente usar algo como parâmetro para ser seguido, e isso significa tornar este parâmetro como uma lei

          • ochateador

            Corte 2 benefícios que os presos tem e veja se não diminui a quantidade de presos.

            Benefício 1: progressão de pena. Foi condenado a 20 anos ? Vai ficar 20 anos presos sem choro nem vela (nem 1 dia a mais nem 1 dia a menos).

            Benefício 2: esposa/esposo/filho dos presos ganham uma bolsa-auxílio. corte isso e veja as pessoas pensarem 2 (ou mais vezes) antes de idolatrarem os criminosos.

          • ochateador

            Corte 2 benefícios que os presos tem e veja se não diminui a quantidade de presos.

            Benefício 1: progressão de pena. Foi condenado a 20 anos ? Vai ficar 20 anos presos sem choro nem vela (nem 1 dia a mais nem 1 dia a menos).

            Benefício 2: esposa/esposo/filho dos presos ganham uma bolsa-auxílio. corte isso e veja as pessoas pensarem 2 (ou mais vezes) antes de idolatrarem os criminosos.

          • A lei dos crimes hediondos, entre outras tantas, aumentaram o rigor das penas e, surpresa (não, na real), isso não diminuiu a criminalidade. Outros já escreveram aqui, mas reforço: o caminho não é esse.

            Quem idolatra criminoso? E por que a família deve sofrer as consequências do crime cometido? Pense nos filhos dessa pessoa, que nem sabem o que está acontecendo e, além do choque de perder o convívio com o pai, ainda ficam numa situação de fragilidade porque o sustento (lícito ou ilícito, não vem ao caso neste ponto) diminui de uma hora para outra. Pense bem, são crianças. Negar um auxílio a crianças, que tem respaldo na contribuição dada à previdência anteriormente pelo preso. Sinceramente, isso é muita falta de coração…

          • ochateador

            Não acho falta de coração Rodrigo.
            MAs sim de mostrar que a pessoa vai pagar pelas consequências de seus atos. Fez merda e foi julgado por isso ? Que aguente as consequências. Só assim para que as pessoas ao redor do “criminoso julgado” aprendam.

            Por pior que esteja o país, tem milhares de oportunidades de trabalho existentes. Basta a pessoa ter vergonha na cara e não pensar apenas no lucro fácil e efêmero (e que geral uma falsa sensação de poder).

          • Explica para mim: qual ato a criança, filha do suposto criminoso, cometeu para ter que pagar suas consequências?

          • Explica para mim: qual ato a criança, filha do suposto criminoso, cometeu para ter que pagar suas consequências?

          • ochateador

            A criança não cometeu crime nenhum.
            O único que cometeu crime foi o adulto responsável por ela. Se esse adulto não pensou em como seus atos criminosos afetariam as pessoas ao seu redor o problema é do adulto.

          • Aí que tá: o problema não é do adulto, é da criança, porque é ela vai sofrer as consequências do ato do adulto. O auxílio reclusão mitiga esse problema (da criança e da família).

          • ochateador

            Auxílio reclusão mitiga o problema como ?
            Um adulto vai preso, sua(eu) eposa(o) ganha uma bolsa financeira do governo (vamos dizer que seja 1 salário mínimo).
            Aí o cara gera 5 filhos. Cada filho gera 1 bolsa.
            Portanto nesse caso estou vendo meus impostos serem gastos para pagar 6 salários mínimos para bancar a família de um FDP que cometeu crime.
            Não Rodrigo.
            A família (seja esposa(o) ou criança) que se foda. O adulto que usasse o cérebro dele para não fazer merda. Tem muito emprego disponível por aí. Pode pagar pouco, mas pelo menos o adulto não vive de forma ilegal/ilícita e com isso ajuda a sociedade (ao invés de foder com ela).
            Essa coisa de dar um auxílio financeiro para a família do adulto preso, só serve para glorificar a profissão de bandido e a curto/médio/longo prazo gerar cada vez mais bandidos.
            E como disse o usuário @ContaDesativada1:disqus tem muita gente que ajuda as pessoas “carentes”. Vai da própria pessoa escolher ser uma pessoa que viverá de modo lícito ou ilícito.

          • ochateador

            Auxílio reclusão mitiga o problema como ?
            Um adulto vai preso, sua(eu) eposa(o) ganha uma bolsa financeira do governo (vamos dizer que seja 1 salário mínimo).
            Aí o cara gera 5 filhos. Cada filho gera 1 bolsa.
            Portanto nesse caso estou vendo meus impostos serem gastos para pagar 6 salários mínimos para bancar a família de um FDP que cometeu crime.
            Não Rodrigo.
            A família (seja esposa(o) ou criança) que se foda. O adulto que usasse o cérebro dele para não fazer merda. Tem muito emprego disponível por aí. Pode pagar pouco, mas pelo menos o adulto não vive de forma ilegal/ilícita e com isso ajuda a sociedade (ao invés de foder com ela).
            Essa coisa de dar um auxílio financeiro para a família do adulto preso, só serve para glorificar a profissão de bandido e a curto/médio/longo prazo gerar cada vez mais bandidos.
            E como disse o usuário @ContaDesativada1:disqus tem muita gente que ajuda as pessoas “carentes”. Vai da própria pessoa escolher ser uma pessoa que viverá de modo lícito ou ilícito.

          • Conta Desativada

            (cliquei no primeiro comentário seu que vi para enviar esta mensagem, sequer li o conteúdo…)

            Para encerrar minha participação neste post livre.

            Prezado Rodrigo, gostaria, encarecidamente, de pedir que você nunca para de se dedicar a escrever sobre tecnologia, pois neste campo você é ótimo! Já para outros suas ideias (como de muitas outras pessoas por aqui) são dignas de pena ou de piada mesmo.

            De todos os textos seus que eu já li, o único que eu achei péssimo foi justamente um que fugia bem do campo da tecnologia. Os demais eu adorei. Ah, e ainda bem que você não seguiu a carreira de advogado, senão seria mais um “dotô” bobão dos que vemos por aí.

            Eu tenho uma sugestão para você e para outros que participam deste espaço e exprimiram uma posição deveras demagógica… Vocês precisam sair um pouco da frente das telas (e dos livros também) e conhecerem o mundo real. Sério. Lendo muita coisa do que você escreveram aqui, parece que a gente vive em planetas diferentes. Vocês parecem viver em um mundo de fantasia. Por isso, coloquem um tênis e vão andar por aí para conhecer o mundo de verdade. Ele é muito mais bruto e cruel do que vocês imaginam.

            Uma nota acerca desse tema de criminalidade.

            As pessoas não se tornam criminosas devido à falta de oportunidades, criminosos não são vítimas das circunstâncias sociais. Quando morei na favela, vi que, embora houvesse muitas pessoas bem pobres, elas se recusavam, veementemente, a fazer parte de qualquer atividade criminosa. Se não conseguiam emprego formal, iam catar latinha na rua, catar papelão para vender em em espaços de reciclagem, enfim, sempre dispostos a fazer somente trabalhos honestos.

            Enquanto outras, que não passavam tantas necessidades assim, deliberadamente, ingressavam no mundo do crime. Posso te afirmar categoricamente que se você oferecer um emprego pra um traficante ele vai recusar e dizer claramente que prefere ser traficante, portar um fuzil e participar de confrontos armados e execuções sumárias.

            E por que isso?

            Porque criminosos são pessoas que já nascem com esse dom para perpetrar maldade, com essa crueldade intrínseca, possuem o desejo de causar dor e sofrimento por onde passam.

            Ou você acha que por que um sujeito não consegue um emprego ele, do nada, é capaz de esfaquear, cortar alguém vivo, colocar fogo em seu semelhante, disparar 15 tiros à queima-roupa de qualquer um? Esfaquear alguém para roubar uma bicicleta?

            Por isso, a prisão deve ser extremamente dura. O rigor da pena para traficantes deve ser substancialmente aumentado. Porque quem trafica está a um passo de tirar a vida de alguém – o usuário que não paga a conta, o concorrente, uma vítima que estiver no meio de algum confronto.

            Enfim, vocês precisam perder essa ingenuidade, essa inocência.

          • Obrigado pelo conselho, mas peço desculpas de antemão porque não ficarei só na tecnologia. Seu comentário, aliás, me motiva a escrever mais sobre outros temas. Porque estamos, enquanto sociedade, precisando.

            O mundo é “bruto e cruel” porque se perpetuam ideias como as suas. Há caminhos diferentes, mais promissores; reconhecê-los é o primeiro passo na busca por eles. O que você chama de ingenuidade eu vejo como pensar essas outras formas em resposta às “brutas e cruéis” que, o mundo está aí de prova, não resolvem os problemas. Pelo contrário, acirram os ânimos e geram mais violência.

            E, pela milésima vez (mais para constar do que para lembrá-lo): anedotas não servem de parâmetro.

          • Obrigado pelo conselho, mas peço desculpas de antemão porque não ficarei só na tecnologia. Seu comentário, aliás, me motiva a escrever mais sobre outros temas. Porque estamos, enquanto sociedade, precisando.

            O mundo é “bruto e cruel” porque se perpetuam ideias como as suas. Há caminhos diferentes, mais promissores; reconhecê-los é o primeiro passo na busca por eles. O que você chama de ingenuidade eu vejo como pensar essas outras formas em resposta às “brutas e cruéis” que, o mundo está aí de prova, não resolvem os problemas. Pelo contrário, acirram os ânimos e geram mais violência.

            E, pela milésima vez (mais para constar do que para lembrá-lo): anedotas não servem de parâmetro.

          • Ligeiro
          • Ligeiro
          • “Fazendo vitimismo”. Explique-se, por favor. Pois não entendo como “vitimismo” quando um trabalhador ou trabalhadora pobre e negro(a) da periferia reclama com justiça de um sistema que o obriga a perder 6 horas de seu dia em um transporte lotado para passar pouco tempo com os filhos e ganhando mal, sofrendo preconceito e discriminação enquanto alguns branquinhos ricos aproveitam uma vida ganha sem qualquer mérito.

            E só não reconhece a luta de classes quem se beneficia dela.

          • “Fazendo vitimismo”. Explique-se, por favor. Pois não entendo como “vitimismo” quando um trabalhador ou trabalhadora pobre e negro(a) da periferia reclama com justiça de um sistema que o obriga a perder 6 horas de seu dia em um transporte lotado para passar pouco tempo com os filhos e ganhando mal, sofrendo preconceito e discriminação enquanto alguns branquinhos ricos aproveitam uma vida ganha sem qualquer mérito.

            E só não reconhece a luta de classes quem se beneficia dela.

          • Fabio Montarroios

            Se as pessoas pensassem q suas próprias cabeças podem parar na guilhotina, elas não aprovaram penas duras. Recomendo um doc do herzog sobre o corredor da morte e um doc brasileiro sobre o brasileiro executados na indonésia por tráfico de drogas. No primeiro o carrasco pediu arrego e ficou destroçado e no segundo vc vê o absurdo q é levar à morte uma pessoa.

          • valeu as dicas. Apesar dos atritos do pessoal ai, temos que estar sempre abertos a visões distintas das nossas. Acho que isso faz bem pra pessoa progredir.

          • valeu as dicas. Apesar dos atritos do pessoal ai, temos que estar sempre abertos a visões distintas das nossas. Acho que isso faz bem pra pessoa progredir.

          • Fabio Montarroios

            Sem falar nas homenagens a torturadores e a menção ao estupro de uma deputada num bate-boca na câmara. O cara é deplorável.

          • Nesses casos ai ninguém se salva. Pois as pessoas que o criticam por homenagear ustra, idolatram nomes como fidel castro. no caso da maria do rosário, ela o incitou a responder rispidamente.

          • Fabio Montarroios

            Então, essa é uma generalização que fazem… Quem apoia os Direitos Humanos jamais apoiaria ditadores que perseguem e executam pessoas. Isso não tem cabimento. Se a ideologia pesa a esse ponto pra uma pessoa, ela já se descolou dos DH. E, convenhamos, por mais que uma pessoa seja provocada, ainda mais na condição de deputado, jamais deveria evocar um crime (estupro).

          • concordo com relação ao que vc diz dos direitos humanos. logo concluo que muita gente que tende à esquerda ou à direita são uma contradição ambulante.

          • Fabio Montarroios

            muita desinformação, pouca leitura, muito machão querendo pagar de fodão… se colocar esse povo cara a cara, se não descambarem pra agressão num átimo, seria um show patético e tedioso de acusações sem fundamento…

          • Tão bacana ver alguém falando de política, principalmente tocando na palavra PT sem ser bradando palavras ao vão

          • Fabio Montarroios

            Já me acusaram de petista, o problema é q eu nunca achei a minha carteirinha de filiação… tô procurando. Vou ver se ficou no fundo de alguma gaveta… :)

          • tuneman

            e fico abismado com a quantidade de cristão que é a favor de pena de morte ou tortura.

          • tuneman

            e fico abismado com a quantidade de cristão que é a favor de pena de morte ou tortura.

          • Fabio Montarroios

            Ah… Isso daí nem se fala. Tem padre que homenageia torturador. Creio q esse daí curte um Ghost B.C. nas horas vagas.

          • Fabio Montarroios

            Ah… Isso daí nem se fala. Tem padre que homenageia torturador. Creio q esse daí curte um Ghost B.C. nas horas vagas.

          • Fabio Montarroios
          • tuneman

            blargh.
            e já viu a pagina do Bolsonaro no facebook? é só ódio e violência, ainda mais de seus seguidores.

          • A culpa agora é da vítima? Esse discurso machista é justamente o cultivado por Bolsonaro e seus monstros.

          • Paulo Pilotti Duarte

            “no caso da maria do rosário, ela o incitou a responder rispidamente”

            Sério que tu acredita nisso?
            É OK dizer que não vale a pena estuprar uma mulher porque ela “o incitou” numa discussão? É de boas mesmo manter esse discurso de ódio ao mesmo tempo em que se propaga um discurso de “vitimismo das minorias”?

            É tanta coisa absurdamente ERRADA no teu discurso que eu preciso de uma dissertação de mestrado para falar sobre todos os pontos.

          • Paulo Pilotti Duarte

            “no caso da maria do rosário, ela o incitou a responder rispidamente”

            Sério que tu acredita nisso?
            É OK dizer que não vale a pena estuprar uma mulher porque ela “o incitou” numa discussão? É de boas mesmo manter esse discurso de ódio ao mesmo tempo em que se propaga um discurso de “vitimismo das minorias”?

            É tanta coisa absurdamente ERRADA no teu discurso que eu preciso de uma dissertação de mestrado para falar sobre todos os pontos.

          • Louis

            Nisso, ele, Jean Wyllys, Dilma e Lula são iguais. Afinal, um assassino como Che Guevera e Hugo Chavez serem venerados como são por esses grupos de esquerda é abominável. Ainda pior do que o caso do Bolsonaro.

          • tuneman

            tão abominável quanto venerar generais da ditadura…. e é exatamente isso que o Bolsonaro e seus seguidores fazem.
            eles vendem uma imagem de salvação, mas comportam-se de forma tão escrota quanto os “esquerditas”

          • Claro, faz todo o sentido historiográfico comparar che guevara com o coronel ustra. Tá cheio de teses por aí defendendo esse anacronismo, né? Parabéns, louis, TÁ SERTINHO.

          • Claro, faz todo o sentido historiográfico comparar che guevara com o coronel ustra. Tá cheio de teses por aí defendendo esse anacronismo, né? Parabéns, louis, TÁ SERTINHO.

          • Claro, faz todo o sentido historiográfico comparar che guevara com o coronel ustra. Tá cheio de teses por aí defendendo esse anacronismo, né? Parabéns, louis, TÁ SERTINHO.

          • Louis

            Ao contrário de você, não defendo nenhum dos dois e nem tenho a intenção de querer ser o dono da verdade.

          • Louis

            Ao contrário de você, não defendo nenhum dos dois e nem tenho a intenção de querer ser o dono da verdade.

          • Eu não defendo ninguém: aponto apenas o quão pouco rigoroso e sério é promover essas comparações e generalizações anacrônicas e sem qualquer fundamento. Che Guevara foi um insurgente revolucionário atuando em situação de guerrilha enquanto um monstro como Coronel Ustra era um agente do Estado desafiando toda e qualquer definição de “estado de direito” para violar corpos e mentes daqueles com quem ele e o Estado discordavam. Goste-se ou não de Guevara ele estava atuando clandestinamente enquanto Ustra tinha as instituições nas mãos: isto não se compara!

            E, ainda pior, há gente como Bolsonaro que continua defendendo esse tipo de terrorismo de Estado!

          • Ligeiro

            Se compara sim, gabriel.

            Atitudes de revolução no passado, feitas por “líderes” (como Guevara, Che, dois asiáticos e outros) sempre tiveram elementos de tortura, preconceito e segregação. Isso vale também para a “revolução socialista” na europa oriental e russia.

            Não importa se clandestinamente ou não – se há tortura, haverá quem é contra.

          • Fabio Montarroios

            Eu não creio que essa pessoas que vc citou venerem Che e Hugo Chavez. Talvez admirem e talvez tenham ressalvas sobre eles. Acho q vc leva essa questões a ferro e fogo e vai na onda dessas discussões que não nos levam à nada.

          • Marcos Balzano

            Mas ele falou que não a estupraria, nunca evocou o estupro em si. Chego a achar cômico a notícia.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Provavelmente porque você não é mulher.

          • Fabio Montarroios

            Cara, ele disse q ela não merecia ser estuprada, por conseguinte há as q merecem no raciocínio dele… E se o estupro é um crime hediondo e nem isso ela merece, qual a punição ela mereceria? Ele a tratou como uma pessoa desprezível…

          • Fabio Montarroios

            Evocar: 1 t.d. chamar (algo, ger. sobrenatural), fazendo com que apareça ‹evocou todos os santos que conhecia para ajudá-lo naquela hora›
            2 t.d. tornar (algo) presente pelo exercício da memória e/ou da imaginação; lembrar ‹saudoso, evocava a infância com frequência› ‹apaixonado, evocava o rosto da amada›

          • A violência simbólica de Bolsonaro é ainda mais perversa. Você acha isso cômico só porque não é mulher e nunca passou por isso.

            Bolsonaro praticamente naturalizou o estupro e reduziu a figura feminina a mero objeto de violência sexual do homem, ao dizer que Maria do Rosário não “merecia” ser estuprada. Naturalizou o estupro e naturalizou essa condição subalterna da mulher! Isto é de uma violência simbólica absurda, muito mais grave e séria que a violência física: é criminoso.

            Não entendo como existem filhos da puta de merda que acham que esse monstro pode ser presidente de qualquer coisa que seja.

          • A violência simbólica de Bolsonaro é ainda mais perversa. Você acha isso cômico só porque não é mulher e nunca passou por isso.

            Bolsonaro praticamente naturalizou o estupro e reduziu a figura feminina a mero objeto de violência sexual do homem, ao dizer que Maria do Rosário não “merecia” ser estuprada. Naturalizou o estupro e naturalizou essa condição subalterna da mulher! Isto é de uma violência simbólica absurda, muito mais grave e séria que a violência física: é criminoso.

            Não entendo como existem filhos da puta de merda que acham que esse monstro pode ser presidente de qualquer coisa que seja.

          • Marcos Balzano

            Como NÃO sou mulher não posso opinar caso seja contrário a TUA opinião? Ótimo, não expressarei minhas opiniões para não ser atacado.

            E sobre: “Não entendo como existem filhos da puta de merda que acham que esse monstro pode ser presidente de qualquer coisa que seja.”

            Os “filhas da puta de merda”, são cidadãos iguais a você, exercendo o direito deles de manisfestar a opinião e tentar eleger democraticamente quem eles acham que iria representar melhor eles. E, tem sido uma tendência ao redor do mundo, que figuras nacionalistas, de direita, irem ao poder. Esse tipo de ataque não é saudável, apenas divide a população. Veja Trump, tem quem o ame, e tem quem o odeie. Não há meio termo.

          • Marcos Balzano

            Como NÃO sou mulher não posso opinar caso seja contrário a TUA opinião? Ótimo, não expressarei minhas opiniões para não ser atacado.

            E sobre: “Não entendo como existem filhos da puta de merda que acham que esse monstro pode ser presidente de qualquer coisa que seja.”

            Os “filhas da puta de merda”, são cidadãos iguais a você, exercendo o direito deles de manisfestar a opinião e tentar eleger democraticamente quem eles acham que iria representar melhor eles. E, tem sido uma tendência ao redor do mundo, que figuras nacionalistas, de direita, irem ao poder. Esse tipo de ataque não é saudável, apenas divide a população. Veja Trump, tem quem o ame, e tem quem o odeie. Não há meio termo.

          • Fabio Montarroios

            Vc pode discordar de mulheres, claro. Não está interditado. Mas determinados assuntos ganham, talvez pela primeira vez, a versão feminina q estava interditada pq elas não achavam meio de expressão. A internet ajudou a mudar isso, mas tb tem seus problemas…

            Acompanhei um debate sobre um problema q aconteceu aqui em SP. Uma moça branca resolveu usar um turbante e foi abordada por um grupo de moças negras indicando a ela q o turbante era parte da cultura negra e ela não deveria usá-lo. A moça tirou o turbante e mostrou os cabelos em queda por conta de um câncer e disse q o usaria se quisesse e foi embora.

            Depois disso o movimento feminista de mulheres negros perdeu o rumo… Resolveu decretar q mulheres brancas não poderiam usar turbante e q isso era apropriação cultural. Quem as criticava, especialmente a expoente do movimento, a Djamira, era tratado por racista.

            A mim, q não participou da discussão, ficou nítido q o movimento negro estava sendo reacionário e sendo eles tb racistas…

            Mas a questão do estupro é bem complicada… E o Bolsonaro estimula a cultura do estupro com esses comentários idiotas dele. E, veja, é em menor escala, mas homens tb são vítimas de estupro. Qdo estuprador vai pra cadeia, parte da imprensa e parte da população exige q eles sejam estuprados pelos outros presos. No caso das mulheres, elas são vítimas diárias de estupros e, pelas estatísticas, por gente conhecida…

          • Marcos Balzano

            Não é questão de discordar de uma mulher, é não poder discordar porque não sou mulher, 2 pessoas diferentes disseram que não posso opinar pois não sou mulher e/ou nunca sofri estupro.

            Mas se fosse concordar eu poderia opinar. Que seletividade é essa da liberdade de expressão?

            As pessoas tem defendido a liberdade e a manutenção dos direitos da população, mas fazem de tudo para negar a voz de quem seja contrário. Aqui foi só mais um exemplo.

          • Marcos Balzano

            Não é questão de discordar de uma mulher, é não poder discordar porque não sou mulher, 2 pessoas diferentes disseram que não posso opinar pois não sou mulher e/ou nunca sofri estupro.

            Mas se fosse concordar eu poderia opinar. Que seletividade é essa da liberdade de expressão?

            As pessoas tem defendido a liberdade e a manutenção dos direitos da população, mas fazem de tudo para negar a voz de quem seja contrário. Aqui foi só mais um exemplo.

          • Fabio Montarroios

            Vc não é mulher e eu tb não… mas podemos, sim, nos colocar no lugar do Outro e ver q, por exemplo, o q o Bolsonaro falou é muito sério… Ele fala aquilo de modo inconsequente, ignorando a realidade do país q ele diz querer defender. São estatística do próprio governo informando o número de mulheres q sofrem agressões. Daí vc disse q era ‘cômico’, pq ele não evocou o estupro… Mas ele evocou sim e de uma forma ainda mais perversa: resolveu desqualificar a deputada dizendo q ela não era merecedora de um crime hediondo. Na visão dele tem mulher q merece ser estuprada… Daí q te lembraram q vc acha cômico por não ser mulher, pq pra uma mulher ouvir isso é muito mais grave do q um homem ouvir. Afinal, a chance de homem ser estuprado é infinitamente menor.

          • Conta Desativada

            Besteira e mais besteira esse episódio do Bolsonaro. Ele não falou nada demais e ponto final. Do mesmo jeito que em uma palestra um delegado de polícia aqui do RJ, num momento e tom de brincadeira, falou coisas assim: “mulher gosta de apanhar senão não se sente valorizada” por aí.. não me recordo muito, faz anos… Sendo que esse delegado foi um dos idealizadores do programa delegacia legal que criou a delegacia especial de atendimento a mulher….

          • Conta Desativada

            Besteira e mais besteira esse episódio do Bolsonaro. Ele não falou nada demais e ponto final. Do mesmo jeito que em uma palestra um delegado de polícia aqui do RJ, num momento e tom de brincadeira, falou coisas assim: “mulher gosta de apanhar senão não se sente valorizada” por aí.. não me recordo muito, faz anos… Sendo que esse delegado foi um dos idealizadores do programa delegacia legal que criou a delegacia especial de atendimento a mulher….

          • Fabio Montarroios

            Pra vc ver q mesmo um imbecil é capaz de fazer coisas interessantes. Imagine do que um não-imbecil seria capaz de fazer. Me parece q faria mais e melhor.

          • Você perguntou ali em cima o que é “cultura do estupro????”; esses dois episódios, a fala do Bolsonaro e a desse delegado aí, são dois exemplos bem claros de manifestações da cultura do estupro.

          • Conta Desativada

            CULTURA DE ESTUPRO???????????? POR FAVOR!!!!!!!
            Em que país vocês moram????
            Eu moro no Brasil e aqui inexiste qualquer cultura do estupro!!! E olha que eu morei vinte anos em favela e não vi nenhuma cultura de estupro!!!!

          • Conta Desativada

            CULTURA DE ESTUPRO???????????? POR FAVOR!!!!!!!
            Em que país vocês moram????
            Eu moro no Brasil e aqui inexiste qualquer cultura do estupro!!! E olha que eu morei vinte anos em favela e não vi nenhuma cultura de estupro!!!!

          • Alguém já te alertou aqui, mas vale o repeteco: evidências anedóticas não contam no plano geral. O fato de você não ter presenciado um estupro ou ouvido falar de algum não significa que eles não ocorram.

            Eu ia colar um monte de notícias, mas fica mais fácil assim: vai no Google News, escreve “estupro” no campo de busca e dá Enter.

          • Fabio Montarroios

            já sei q conceito de cultura vc tá usando:

            https://www.youtube.com/watch?v=vlatNXyxG1o

          • Fabio Montarroios

            já sei q conceito de cultura vc tá usando:

            https://www.youtube.com/watch?v=vlatNXyxG1o

          • Fabio Montarroios

            Ou melhor ainda, esse outro gênio aqui:

            https://www.youtube.com/watch?v=z0wdCqh5ZQo

          • Quer números? Aqui estão eles: isto é cultura do estupro http://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2016-05/pesquisa-mostra-que-86-das-mulheres-brasileiras-sofreram-assedio-em

            e é só a ponta do iceberg

          • Conta Desativada

            O homem que bater em qualquer mulher… que estuprar… deve ser preso e, por mim, haveria pena perpétua para estupro, porque, geralmente, estupradores não conseguem se controlar… Esse é um ponto. É crime e o criminoso deve ser punido. Agora, dizer que temos uma CULTURA (!!!!!!!!) de estupro???? Pelo amor de deus!!!

          • Talvez a sua dificuldade seja em entender o que “cultura” significa nesse contexto. O que se entende quando se fala “cultura do estupro” é a normalização de condutas que oprimem as mulheres, que as subjugam.

            A fala do Bolsonaro, por exemplo, parte da premissa de que tem mulher que merece e mulher que não merece ser estuprada. Na cabeça doentia desse cara, a objetificação da mulher é normal. Isso perpassa todo o nosso tecido social, ainda é muito forte. Não precisa ser um estuprador para fortalecer a cultura do estupro; piadas e o pouco caso sobre o problema (como você está fazendo aqui) já ajudam, e muito, nesse sentido.

            Agora, coloque-se no lugar de uma mulher, nesse contexto. Você não sai de casa tranquila, é impossível. Enquanto isso não for viável, então, sim, estaremos mergulhados numa cultura do estupro.

          • Você a está perpetuando com este discurso.

          • Você a está perpetuando com este discurso.

          • Fabio Montarroios

            Não falou nada demais pra vc, q não está analisando a coisa de maneira minimamente sensata. Qualquer pessoa minimamente instruída veria um problema aí, seja pela lógica ou seja pelo decoro. Mas se vc acha q um parlamentar pode falar uma atrocidade dessa, vc não poderia dar um piu sobre toda sorte de abuso q eles cometerem.

          • Conta Desativada

            Enfim, o pessoal tem buscado pêlo em ovo, infelizmente…
            Ah, e esse delegado acho que até já morreu… ou já se aposentou… Deu para ver que era super gente boa… falou inclusive sobre os filhos e a esposa…
            Assim como é o deputado Jair Bolsonaro, homem de família, do bem…

          • Fabio Montarroios

            Não fode…

          • Super do bem um sujeito que faz apologia da tortura.

          • Como SER HUMANO eu me sinto ofendido pelas ofensas e agressões reiteradas dele contra todas as minorias. O que ele falou é crime e precisa ser julgado e punido.

          • Ligeiro

            cara, tem um monte de anonimo (até eu) aqui que está cometendo um crime de anonimato. todo mundo aqui seria julgado :p

          • Conta Desativada

            Crime de anonimato? Qual é o artigo?

          • Ligeiro

            Artigo 5.º da Constituição Paragrafo 6º IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

          • Ligeiro

            Artigo 5.º da Constituição Paragrafo 6º IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

          • Conta Desativada

            Mas isso não é um crime. Os crimes estão no Código Penal.
            Quando a gente não utiliza nosso nome, ninguém está cometendo crime. Mas, por exemplo, se fizermos um cadastro de um e-mail usando o CPF de outra pessoa, aí configura o crime de falsidade ideológica, artigo 299.

          • Ligeiro

            Se não segue a constituição, também é um crime.

          • Vocês não são anônimos, eu tenho o IP de todo mundo.

          • Vocês não são anônimos, eu tenho o IP de todo mundo.

          • Ligeiro

            Não adianta muita coisa, ghedin. Infelizmente. Se adiantasse, eu juro que teria virado policial para prender um monte de gente…

          • Conta Desativada

            Com um grande esforço, é extremamente difícil a polícia não conseguir localizar. Por exemplo, se alguém usa rede wi-fi aberta, os policiais fazem vigilância no local e vão no encalço do sujeito…

          • Conta Desativada

            Ter o IP é um passo importante para localizar alguém. Mas localizar de fato, é outra história. Eu não uso meu nome aqui, mas se porventura uma autoridade constituída me enviar um e-mail solicitando meus documentos, eu forneço, pois não tenho nada a temer…

          • Marcos Balzano

            Acho que a contextualização da situação ajuda a explicar, o porquê acho cômico.

            https://www.youtube.com/watch?v=LD8-b4wvIjc

            Ela o acusa de estuprador, ele retruca dizendo “jamais irei estuprar você que você não merece”. Entendo na situação, ele, não é de fato um estuprador, e que se fosse, não a estupraria. Moralmente condenável, sem dúvida nenhuma, mas ainda sim, não é ilegal o que foi dito. Quando ele a empurra, perde totalmente a razão ao meu ver, partindo para a agressão física, tal qual sofreu no dia da votação do Impeachment.

            O que acho cômico, é ela o calunia, mas o fato dele falar algo considerado pior numa ótica faz com que tudo que ela fez válido perto do que ele disse. Ele literalmente disse que não cometeria crime contra ela. Dependendo das visões pessoais, eu achei brilhante.

            Ainda sim, acho a pessoa de Jair Bolsonaro desprezível, mas não vi crime cometido na fala.

          • Fabio Montarroios

            Ela diz q ele promove a violência e depois ele fala q ele é estuprador. Ela continua dizendo q é, mas não fica claro q ela está dizendo q ele é estuprador ou ela disse q seguindo nessa linha de pensamento, de q ele promove a violência, então ele tb é um estuprador. Não é um bom raciocínio, mas não pelo o q ele disse depois… E além de tudo ter empurrado ela. Não tem por onde. Esse não é tipo de representante q precisamos, mas ele foi eleito e ainda pode ser eleito presidente…

          • Fabio Montarroios

            Ela diz q ele promove a violência e depois ele fala q ele é estuprador. Ela continua dizendo q é, mas não fica claro q ela está dizendo q ele é estuprador ou ela disse q seguindo nessa linha de pensamento, de q ele promove a violência, então ele tb é um estuprador. Não é um bom raciocínio, mas não pelo o q ele disse depois… E além de tudo ter empurrado ela. Não tem por onde. Esse não é tipo de representante q precisamos, mas ele foi eleito e ainda pode ser eleito presidente…

          • Conta Desativada

            Cultura do estupro????? Onde você vive???

          • Fabio Montarroios

            Na disneyland, talvez.

          • Conta Desativada

            Se dependesse de mim, o senhor Jair Bolsonaro se tornaria presidente amanhã! E mandaria o Temer pro asilo.

          • Conta Desativada

            Se dependesse de mim, o senhor Jair Bolsonaro se tornaria presidente amanhã! E mandaria o Temer pro asilo.

        • Kagarro

          Achei que o povo tinha se cansado de gente retardada governando o país, mas pelo jeito… quanto mais retardado for mais sucesso faz!!

          • Fabio Montarroios

            são muitos interesses em jogo e é compreensível esse clima q favorece um bolsonaro da vida. não me parece q somos governados por retardados, mas por oportunistas profissionais. sobre uma outra ótica, diria q até são uma espécie de estelionatários acima da lei…

          • Fabio Montarroios

            são muitos interesses em jogo e é compreensível esse clima q favorece um bolsonaro da vida. não me parece q somos governados por retardados, mas por oportunistas profissionais. sobre uma outra ótica, diria q até são uma espécie de estelionatários acima da lei…

          • Kagarro

            Podem até tecnicamente não serem retardados… mas com certeza têm a capacidade cerebral bem reduzida (é fácil perceber isso)… e, o pouco que o cérebro deles consegue processar é somente destinado ao roubo.

      • Louis

        O twitter é dominado por adolescentes usados como manada e esquerdistas sem um pingo de decência, logo, uma pesquisa bem furada.

        • tuneman

          sim, mais zueira mesmo. sem contar que o twitter é muito elitista.

          • Fabio Montarroios

            Tem q comprovar renda pra entrar no Twitter. A última vez que tentei conversar com alguém lá perguntaram se eu falava mais que cinco idiomas… Desisti.

          • Twitter elitista?

          • Twitter elitista?

          • tuneman

            Sim. Quantos internautas há no mundo? Quantos desses usam Twitter? Quantas dessas contas são pessoas verdadeiras?

            O Twitter não é parâmetro para medir nada.

          • tuneman

            Sim. Quantos internautas há no mundo? Quantos desses usam Twitter? Quantas dessas contas são pessoas verdadeiras?

            O Twitter não é parâmetro para medir nada.

          • Para mim, aplicativo de moleque mimado é o Snapchato.

          • tuneman

            Vdd. Snapchat é pior ainda.

          • tuneman

            Vdd. Snapchat é pior ainda.

        • Claro, porque uma pesquisa no Twitter teria relevância estatística séria não fossem esses tais adolescentes, né?

          Aliás: fonte, por favor. ;)

          • ochateador

            Fonte Arial 12.

          • ochateador

            Fonte Arial 12.

          • Prefiro Helvetica ou Univers

        • Fabio Montarroios

          Mas Louis, essa sua birra com esquerdas tb é juvenil, lamento.

          • Louis

            Não tenho uma birra com a esquerda, mas, com gent desse espectro político que mente.

          • Louis

            Não tenho uma birra com a esquerda, mas, com gent desse espectro político que mente.

          • Fabio Montarroios

            Todo mundo mente, Louis. Parece q nunca viu House…

    • Fabio Montarroios

      Parece aquela pesquisa do Datena sobre manifestação com ou sem baderna…

    • Conta Desativada

      O Brasil precisa urgentemente do Jair Bolsonaro na presidência da república!
      Ele é a única esperança que vislumbro para o nosso país começar a melhorar.

      • :/

      • tuneman

        começar a melhorar em qual sentido?

      • tuneman

        começar a melhorar em qual sentido?

        • Conta Desativada

          Em todos os sentidos!

      • Louis

        Mesmo com puro sarcasmo, escrever isso deve ser deprimente.

        • Marcos Balzano

          É só ver o Doria em SP, ou o Trump nos EUA, ou Marine Le Pen na França, essa onda de direita bem nacionalista, tem tomado conta do mundo. Talvez não seja o que precisamos, mas sim o que teremos. O Brasil passou quase 14 anos com um governo bem assistencialista, com uma forte tendência à esquerda. Por uma série de fatores, não só ligados ao PT em si, deu o que deu. A saída lógica, é ir para o oposto do que estava no poder, para ver se muda algo.

        • Marcos Balzano

          É só ver o Doria em SP, ou o Trump nos EUA, ou Marine Le Pen na França, essa onda de direita bem nacionalista, tem tomado conta do mundo. Talvez não seja o que precisamos, mas sim o que teremos. O Brasil passou quase 14 anos com um governo bem assistencialista, com uma forte tendência à esquerda. Por uma série de fatores, não só ligados ao PT em si, deu o que deu. A saída lógica, é ir para o oposto do que estava no poder, para ver se muda algo.

          • Se você conseguir me provar que o governo do PT foi de esquerda eu até talvez me sinta convencido a votar nele nas próximas eleições, mas…

            como pode ser de esquerda um governo que tão bem fez ao capitalismo brasileiro?

          • Fabio Montarroios

            Não dá pra comparar o Doria com a ultra direita… Ele é um tolo, mas não o vi encampar nada terrível. Tirando esse lance dos pichadores, q é perigoso pela animosidade que isso gera, ele tem feito discurso que inibe violência contra minorias e moradores de rua. Mas ele é populista ao seu modo e nitidamente higienista.

          • Viu isto? “Doria oferece dados de usuários do Bilhete Único à iniciativa privada” http://oglobo.globo.com/brasil/doria-oferece-dados-de-usuarios-do-bilhete-unico-iniciativa-privada-20942133

          • Viu isto? “Doria oferece dados de usuários do Bilhete Único à iniciativa privada” http://oglobo.globo.com/brasil/doria-oferece-dados-de-usuarios-do-bilhete-unico-iniciativa-privada-20942133

          • Marcos Balzano

            Este é uma daquelas ações que pode ser muito boa ou muito ruim, tudo depende da execução. Como é dito no texto, não se sabe o que nem o quanto vai ser vendido. Mas isso pode ajudar, se divulgado na medida certa, como podemos ver uma completa invasão de privacidade. É um questão de esperar para ver como será feito.

          • Eu não consigo vislumbrar como passar os dados da população à iniciativa privada pode ser bom. Sem falar que é uma quebra de confiança absurda do Estado. Imagine, meus dados, cedidos para usar o serviço de transporte público, vendidos para empresas. Como isso pode ser bom?

          • Eu não consigo vislumbrar como passar os dados da população à iniciativa privada pode ser bom. Sem falar que é uma quebra de confiança absurda do Estado. Imagine, meus dados, cedidos para usar o serviço de transporte público, vendidos para empresas. Como isso pode ser bom?

          • Ligeiro

            Olha o dilema da liberdade…

          • Ligeiro

            Olha o dilema da liberdade…

          • Que dilema tem aí?

          • Que dilema tem aí?

          • Ligeiro

            errei, pensei que tava falando outra coisa. Perdão

          • Ligeiro

            errei, pensei que tava falando outra coisa. Perdão

          • Marcos Balzano

            Os dados pedidos não são diferentes do que se consegue por ai já. São nome, Rg CPF e data de nascimento.

            Além que a SPtrans, responsável pelo Bilhe Único, é uma autarquia. E como é citado no artigo, ainda não há muito debate jurídico sobre as informações, sobre o que pode e não pode. E fico firme, o que for vendido, se o acordo for bem feito, eles podem melhorar as rotas, adaptar rotas com a demanda, coise que é feito hoje manualmente, talvez um serviço computadorizado possa fazer isso melhor. É um pouco otimista, mas os dados do bilhete único não são assim extremamente comprometedores.

          • Marcos Balzano

            Os dados pedidos não são diferentes do que se consegue por ai já. São nome, Rg CPF e data de nascimento.

            Além que a SPtrans, responsável pelo Bilhe Único, é uma autarquia. E como é citado no artigo, ainda não há muito debate jurídico sobre as informações, sobre o que pode e não pode. E fico firme, o que for vendido, se o acordo for bem feito, eles podem melhorar as rotas, adaptar rotas com a demanda, coise que é feito hoje manualmente, talvez um serviço computadorizado possa fazer isso melhor. É um pouco otimista, mas os dados do bilhete único não são assim extremamente comprometedores.

          • Fabio Montarroios

            Tem uma pesquisa socio econômica q as pessoas respondem voluntariamente… e isso está no pacote.

          • Marcos Balzano

            Na verdade, não se sabe o que pode ou não ser vendido, o que vai ou não ser vendido, estamos comentando rumores, não se esqueça disso.

          • Fabio Montarroios

            Sim, são possibilidades. Mas antes de serem possibilidade ou mesmo oportunidades, elas já estão no plano da especulação. E, como vc sabe, especular é core do mercado financeiro no qual o sr. Doria faz a festa com seu estilo businessman.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Eles não podem mandar pra empresa o trajeto? Por onde passou, hábitos, quanto tempo leva pra ir/voltar pra casa, etc?

            Isso geraria bastante dinheiro pra empresa em mkt.

          • Fabio Montarroios

            Olha q sacana…

          • Sabe o que pode ser ainda mais preocupante, transformar o Bilhete Único em cartão de crédito.
            Não vejo nisso nenhuma preocupação social-econômica do prefeito, mas uma nova oportunidade de alavancar a venda com um favorecimento na coleta de dados.
            Isso é extremamente preocupante.

          • Marcos Balzano

            Ele foi eleito no primeiro turno na maior cidade do Brasil, por mais que a mídia de esquerda o pinte como vilão, 50%+1 da população o quer lá. Isso já diz bastante do que vem por aí em 2018.

          • Marcos Balzano

            Ele foi eleito no primeiro turno na maior cidade do Brasil, por mais que a mídia de esquerda o pinte como vilão, 50%+1 da população o quer lá. Isso já diz bastante do que vem por aí em 2018.

          • Lula líder isolado em todos os cenários.

          • Fabio Montarroios

            Não é questão de pintá-lo como vilão. Ele, de fato, angariou votos num momento de extremo antipetismo. Por mais q até o próprio Doria reconheça q o Haddad tenha feito uma boa administração, a população quis mais é aproveitar a chance de atingir o PT, afinal, Haddad foi escolhido pelo Lula, assim como o vice Chalita… É compreensível, portanto, q ele tenha perdido de forma tão avassaladora. O antipetismo não explica tudo sozinho, mas é parte importante desse processo q levou Doria, um cara extremamente questionável, ao cargo de prefeito da maior cidade do país. A imprensa, claro, está dando uma força, pq ela tb faz parte do antipetismo.

          • Fabio Montarroios

            Não é questão de pintá-lo como vilão. Ele, de fato, angariou votos num momento de extremo antipetismo. Por mais q até o próprio Doria reconheça q o Haddad tenha feito uma boa administração, a população quis mais é aproveitar a chance de atingir o PT, afinal, Haddad foi escolhido pelo Lula, assim como o vice Chalita… É compreensível, portanto, q ele tenha perdido de forma tão avassaladora. O antipetismo não explica tudo sozinho, mas é parte importante desse processo q levou Doria, um cara extremamente questionável, ao cargo de prefeito da maior cidade do país. A imprensa, claro, está dando uma força, pq ela tb faz parte do antipetismo.

        • Conta Desativada

          Não é sarcasmo. É o meu ponto de vista, sendo o mais sincero e sério possível. Se o senhor Jair Bolsonaro se candidatar para o cargo máximo do executivo federal, meu voto é dele. Assim como sempre foi para o poder legislativo federal.

          • Que país de merda é aquele que precisa de salvadores — principalmente quando o salvador é um potencial assassino defensor da tortura e da agressão às minorias.

    • Ligeiro

      Sinceramente se eu fosse forçado a escolher entre os dois, sou mais o Lula. Apesar do cinismo, ao menos ele não vive culpando pobre por tudo e acusando a torto e direito qualquer um (exceto quem o ataca… ou também “azelite” :p ). Ambos falam demais, mas o nível de ódio destilado do Bolsonaro passa todos os limites.

      Se fosse possível sair desta esquete, minha terceira opção seria “anarquia”.

    • Frederico

      Votei em Lula só para ver o resultado, estava em 44 x 56 na quarta. Hahaha, que patético

    • ochateador

      Jesus… voto na merda ou na merda ?

      • Ligeiro

        se for obrigado, vote na merda que tiver mais macia :p

        • ochateador

          Mas aí suja mais :(

    • Ligeiro

      O mundo é lindo…

      “Motorista prende ladrão na porta do ônibus e dirige até a delegacia” =p

      https://noticias.uol.com.br/tabloide/ultimas-noticias/tabloideanas/2017/02/09/motorista-prende-ladrao-na-porta-do-onibus-e-dirige-ate-a-delegacia.htm

    • Ligeiro

      O mundo é lindo…

      “Motorista prende ladrão na porta do ônibus e dirige até a delegacia” =p

      https://noticias.uol.com.br/tabloide/ultimas-noticias/tabloideanas/2017/02/09/motorista-prende-ladrao-na-porta-do-onibus-e-dirige-ate-a-delegacia.htm

  • Felipe

    Oi pessoal. O que vocês acharam do caso do YouTubers que receberam R$ 65 mil para elogiarem a reforma do ensino médio?
    https://www.youtube.com/watch?v=ENIPdSbuafA

    • Conta Desativada

      65 mil? Preciso mudar de profissão! Vou criar um espaço nesse YouTube também!

    • Conta Desativada

      65 mil? Preciso mudar de profissão! Vou criar um espaço nesse YouTube também!

      • Louis

        Me too.

        • Fabio Montarroios

          Isso é dinheiro fácil. Eu quero acordar às cinco da manhã e reunir minha equipe pra caçar pichadores!

        • Fabio Montarroios

          Isso é dinheiro fácil. Eu quero acordar às cinco da manhã e reunir minha equipe pra caçar pichadores!

          • Hein?!

          • Fabio Montarroios

            Esse é o espírito agora, lamento, Gabriel. É isso ou vc tá demitido.

          • Sério?! Mas você trabalha com o que?

          • Fabio Montarroios

            To zuando, mano

          • haha, sei lá, vai que você presta serviço pra prefeitura!

          • Fabio Montarroios

            infelizmente não. uma coisa q eu gostaria é de entrevistar o doria. tenho umas questões pra ele.

          • Fabio Montarroios

            infelizmente não. uma coisa q eu gostaria é de entrevistar o doria. tenho umas questões pra ele.

          • Frederico

            Pichador GO, ideia de app

          • Ligeiro

            Subway Surfers é isso :p

            Mas eu prefiro “Gearhead GO”, que é um “aplicativo que lhe dá bonus em dinheiro para quem flagra fabricante de multas não dando seta, empinando moto, acima do limite de velocidade, pegando quem faz conversaõ errada, usando o celular no volante, etc…!”

    • Fabio Montarroios

      Eles receberem grana do governo pra falarem de mudanças sem novidade, afinal é verba de propaganda do governo, o problema é o público desses caras acharem q eles falam dessas e outras coisas sem nenhum tipo de motivação financeira…

      • A “novidade” é que o conteúdo apresentado não tem característica de publicidade, né? Parece espontâneo e é aí que mora o perigo.

        • Fabio Montarroios

          Espero q o público deles veja como traição da parte deles… Tem que jogar limpo. Mas topar com governo Temer e jogar limpo me parece. Mentos com Coca-Cola.

        • Ligeiro

          Ghedin, isso já é uma prática antiga… :p Vide “Diário do Centro do Mundo”, “247”…

          • Frederico

            Dilma Bolada

    • São os tais 100% de aprovação sobre os quais o Temer gosta tanto de falar.

    • Reinaldo Santos

      Nada contra fazer propaganda de algum produto ou serviço, apenas poderia ser transparente com seus assinantes do canal e informar que trata-se de uma propaganda. Estou cansado de ver vídeos pela metade e parar ao descobrir que é uma propaganda não declarada.
      Logo alguém vai criar uma extensão no Chrome para denunciar e bloquear esses vídeos.

      • Paulo Pilotti Duarte

        O Youtube já coloca avisos não?

      • Paulo Pilotti Duarte

        O Youtube já coloca avisos não?

        • ochateador

          Por lei qualquer pessoa ao falar de algum produto/assunto tem que deixar BEM CLARO que é propaganda publieditorial.
          Não preciso dizer que o pessoal do marketig está cada mais mais criativo em fazer propagandas disfarçadas de opinião espontânea/natural.

    • Paulo Pilotti Duarte

      O pior disso tudo é existir a possibilidade de propaganda furtiva. Nos EUA isso é proibido faz tempo.

    • Marcos Balzano

      Do ponto de vista de um investimento no marketing, uma pechincha. O canal tem 7 MI de inscritos, um alcance enorme, e com um público mais próximo/similar a quem a mensagem é destinada. Dado o valor da propaganda numa Folha/Estadão e uma Globo, 65 mil parece um bom valor.

    • Marcos Balzano

      Do ponto de vista de um investimento no marketing, uma pechincha. O canal tem 7 MI de inscritos, um alcance enorme, e com um público mais próximo/similar a quem a mensagem é destinada. Dado o valor da propaganda numa Folha/Estadão e uma Globo, 65 mil parece um bom valor.

    • A matéria da Folha diz que dois canais foram procurados para produzirem vídeos do tipo e recusaram, mas não os nomeia. Queria saber quais foram…

      A propósito: http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/02/1859532-governo-paga-youtubers-para-fazer-elogios-as-mudancas-do-ensino-medio.shtml

    • Confesso que nem sabia que esse canal existia. Temer está esperto.

    • Confesso que nem sabia que esse canal existia. Temer está esperto.

    • O curioso é que são apenas 14mil ? ante mais de 200 mil ?.

  • Não acredito que finalmente no Brasil tem um notebook 14 polegadas (tamanho de 13) com tela Full HD e sem leitor de DVD (novos Dell Inspiron 7000). Eu já ia desistir e comprar aquele Samsung S20 de 4gb mesmo…pq importar o XPS 13 ou Macbook fora da realidade

    • Fabio Montarroios

      nossa, muito caros…

      • Infelizmente acho que pro padrão Brasil nem tem como dizer isso :/ Lenovo vende notebook de 14 polegadas por mais de 2000 reais ainda com aquela resolução 1366.
        Se fizer pesquisa hoje de notebook no Brasil, é de chorar. Pessoas vendem XPS no Mercado Livre por quase 6 mil reais. Ainda é recheado de notebooks pesados e tela HD. E Macbook novo e usado, bem…. Já vi Macbook de 2012 sendo vendido por 4000 reais

    • Também fiquei positivamente surpreso! Tem tudo para vender bem.

      • Fiquei feliz também que tem a opção Ubuntu. Pra mim que já tem a licença do W10 é menos um gasto. Agora sipá eu preferia que ele viesse sem a GPU hahaha menos um dissipador e ventoinha, menor peso. E trocaria o valor por um SSD default.

    • Adriano Garcez

      Tem algum notebook à venda no Brasil com tela IPS que custe até R$2500?

    • Adriano Garcez

      Tem algum notebook à venda no Brasil com tela IPS que custe até R$2500?

      • Não sei mesmo. Chutaria que não. Talvez os Avell ou Powernote da vida (?)

      • Não sei mesmo. Chutaria que não. Talvez os Avell ou Powernote da vida (?)

    • Cab

      putz, queria um desses alguns meses atrás. Como não tinha nada parecido tô com um desktop aqui. =/

    • Cab

      putz, queria um desses alguns meses atrás. Como não tinha nada parecido tô com um desktop aqui. =/

    • 16GB também é um recurso inesperado para esses notebooks, geralmente só nesse “gamers” que são gigantescos.

      • Fabio Montarroios

        Reparei nisso. Tô sofrendo como meu q vai até 8Gb… Mas a versão nova desse modelo já permitia 16 Gb. Fazem falta esses 8 Gbs…

  • “Aquele momento dial-up”!

  • Paulo Pilotti Duarte

    Para não passar batido, o Mark Zuckerbeg lançou ontem um “manifesto” sobre o futuro do Facebook e toca em coisas interessantes como o fato das pessoas se comunicarem muito mais por meio de grupos privados do que na timeline e dedica uma parte relativamente grande do manifesto a falar sobre as “fake news” e como combatê-las.

    https://www.facebook.com/notes/mark-zuckerberg/building-global-community/10154544292806634

  • Paulo Pilotti Duarte

    Para não passar batido, o Mark Zuckerbeg lançou ontem um “manifesto” sobre o futuro do Facebook e toca em coisas interessantes como o fato das pessoas se comunicarem muito mais por meio de grupos privados do que na timeline e dedica uma parte relativamente grande do manifesto a falar sobre as “fake news” e como combatê-las.

    https://www.facebook.com/notes/mark-zuckerberg/building-global-community/10154544292806634

    • Comecei a ler e fiquei incomodado. Ele fala diversas vezes em “infraestrutura social” e posiciona o Facebook como uma peça-chave dessa infraestrutura. Ter a nossa “infraestrutura social” arquitetada pelo Facebook é assustador…

    • Comecei a ler e fiquei incomodado. Ele fala diversas vezes em “infraestrutura social” e posiciona o Facebook como uma peça-chave dessa infraestrutura. Ter a nossa “infraestrutura social” arquitetada pelo Facebook é assustador…

      • Paulo Pilotti Duarte

        Acho que visão dele é de o Facebook deve controlar e salvar o mundo.
        Acho interessante entender como a empresa pensa e como ela vê o mundo, ainda que seja, de fato, preocupante parar pra pensar em tanto poder centralizado.

        • Fabio Montarroios

          Vc save se ele é um judeu praticante? Eu não sei se há messianismo no judaísmo…

          • Harlley Sathler

            Ele é judeu?! Não sabia… De qualquer forma, não entendo muito de judaísmo, mas pelo que sei há alguns judeus que se intitulam messiânicos.

          • Harlley Sathler

            Ele é judeu?! Não sabia… De qualquer forma, não entendo muito de judaísmo, mas pelo que sei há alguns judeus que se intitulam messiânicos.

          • Fabio Montarroios

            Sim, mas como tenho a mente confusa, é melhor vc checar.

  • Ainda sobre o Uber: em alguns anos a empresa não terá mais motoristas e não se preocupará mais em driblar legislação trabalhista, já que seremos todos guiados por carros autônomos.

    O caso do uber espelhará um processo alargado em todos os setores da economia. As duas questões básicas são:
    1. Já que todo valor é proveniente do trabalho humano, de onde os capitalistas conseguirão seus lucros?
    2. Sem trabalho, de onde nós — trabalhadores precários — tiraremos dinheiro para não só consumirmos os produtos do capitalismo do silício como para nos mantermos como trabalhadores precários?

    A pergunta 1 normalmente é respondida olhando para países periféricos: hoje a força de trabalho ultra-explorada da Ásia (manufatura) e da África (extração, mineração, etc) transfere seu excedente de valor para os países centrais. Mas em um cenário global de informatização do trabalho e substituição por robôs, qual será a periferia da periferia? Ou sempre haverá uma reserva de mais-valia em algum lugar miserável?

    A questão 2, por sua vez, costuma ser respondida pelos capitalistas com uma coisinha chamada renda básica universal de cidadania (sério, Elon Musk não é nenhum socialista). Justamente por isto ela é tão interessante e desejável quanto perigosa.

  • Ainda sobre o Uber: em alguns anos a empresa não terá mais motoristas e não se preocupará mais em driblar legislação trabalhista, já que seremos todos guiados por carros autônomos.

    O caso do uber espelhará um processo alargado em todos os setores da economia. As duas questões básicas são:
    1. Já que todo valor é proveniente do trabalho humano, de onde os capitalistas conseguirão seus lucros?
    2. Sem trabalho, de onde nós — trabalhadores precários — tiraremos dinheiro para não só consumirmos os produtos do capitalismo do silício como para nos mantermos como trabalhadores precários?

    A pergunta 1 normalmente é respondida olhando para países periféricos: hoje a força de trabalho ultra-explorada da Ásia (manufatura) e da África (extração, mineração, etc) transfere seu excedente de valor para os países centrais. Mas em um cenário global de informatização do trabalho e substituição por robôs, qual será a periferia da periferia? Ou sempre haverá uma reserva de mais-valia em algum lugar miserável?

    A questão 2, por sua vez, costuma ser respondida pelos capitalistas com uma coisinha chamada renda básica universal de cidadania (sério, Elon Musk não é nenhum socialista). Justamente por isto ela é tão interessante e desejável quanto perigosa.

    • Ligeiro

      excelente questão

    • Paulo Pilotti Duarte

      A força de trabalho da Ásia já está sendo migrada pra África – e existiram planos de migrar para águas internacionais, a Nike chegou a encomendar estudos jurídicos sobre o tema – por conta de uma “onda” de direitos trabalhistas que começou a se espalhar pelo continente. Chineses estão saindo da miséria absoluta e com isso a MdO está ficando mais cara (ainda assim, absurdamente barata) o que nos levará para a África, o último continente a ser sucateado com fábricas.

      A RBU começou a ser levada a sério esse ano apenas. Nome como o Elon Musk e o Bill Gates já se pronunciaram sobre o assunto. A Suíça já colocou na rua um plebiscito e alguns países da Escandinávia estão pensando sobre a possibilidade.

      Alemanha, França e Canadá tem programas que não exatamente de RBU mas se assemelham – exigem uma contrapartida do beneficiado – como forma de melhorar a MdO do país e dar uma manutenção mínima ao sistema capitalista.

      No Brasil, com essa onde libertária-conservadora, acho que não iremos discutir isso pelos próximos 40 anos – e só iremos nos dar conta da real necessidade quando for tarde demais – e o único político que até o momento falou sobre isso foi o Eduardo Suplicy – e foi execrado por nomes do PSDB como o Dória.

      Acho que a RBU é a única saída pro capitalismo, sem isso não tem como manter o crescimento que ele necessita. O próximo ponto, porém, onde o capitalismo esbarra é justamente o planeta. Não tem planeta suficiente pro capitalismo se manter. Mas essa é outra discussão.

    • Paulo Pilotti Duarte

      A força de trabalho da Ásia já está sendo migrada pra África – e existiram planos de migrar para águas internacionais, a Nike chegou a encomendar estudos jurídicos sobre o tema – por conta de uma “onda” de direitos trabalhistas que começou a se espalhar pelo continente. Chineses estão saindo da miséria absoluta e com isso a MdO está ficando mais cara (ainda assim, absurdamente barata) o que nos levará para a África, o último continente a ser sucateado com fábricas.

      A RBU começou a ser levada a sério esse ano apenas. Nome como o Elon Musk e o Bill Gates já se pronunciaram sobre o assunto. A Suíça já colocou na rua um plebiscito e alguns países da Escandinávia estão pensando sobre a possibilidade.

      Alemanha, França e Canadá tem programas que não exatamente de RBU mas se assemelham – exigem uma contrapartida do beneficiado – como forma de melhorar a MdO do país e dar uma manutenção mínima ao sistema capitalista.

      No Brasil, com essa onde libertária-conservadora, acho que não iremos discutir isso pelos próximos 40 anos – e só iremos nos dar conta da real necessidade quando for tarde demais – e o único político que até o momento falou sobre isso foi o Eduardo Suplicy – e foi execrado por nomes do PSDB como o Dória.

      Acho que a RBU é a única saída pro capitalismo, sem isso não tem como manter o crescimento que ele necessita. O próximo ponto, porém, onde o capitalismo esbarra é justamente o planeta. Não tem planeta suficiente pro capitalismo se manter. Mas essa é outra discussão.

      • Instalação de manufaturas em águas internacionais estava além da minha capacidade de imaginar artimanhas do capitalismo. Gente!

        Só falta agora instalarem manufaturas na Antártica.

      • Instalação de manufaturas em águas internacionais estava além da minha capacidade de imaginar artimanhas do capitalismo. Gente!

        Só falta agora instalarem manufaturas na Antártica.

        • Ligeiro

          Este assunto já escuto há um bom tempo e não duvido que ocorra atualmente. É como digo: se a lei não te atende, ou tu burla, ou tu muda.

    • Marcos Balzano
  • Vagner Aniceto

    Amanhã vai fazer uma semana que estou sem smartphone, e olha… Que paz e tranquilidade que é isso.

  • Vagner Aniceto

    Amanhã vai fazer uma semana que estou sem smartphone, e olha… Que paz e tranquilidade que é isso.

    • Conte-nos mais. O que, exatamente, melhorou? Não teve nenhum perrengue pela falta do smartphone?

      • Vagner Aniceto

        Tive problemas pequenos. Dificuldade de comunicação com duas pessoas com quem comprei coisas pelo ML/OLX já que não tenho telefone fixo e perdi também o acesso ao whatsapp. O segundo item que mais me faz falta é o Internet Banking, mas só vou perder uns 2 min quando sair do trabalho pra pagar um boleto no caixa eletronico, em vez de escanear pelo app do banco. Fora isso quase nada faz falta.
        O quê melhorou: Minhas sessões de jogatina, guitarra ou qualquer outra coisa não são mais interrompidas pelo toque do telefone. Fica pior ainda quando você atende o telefone e é uma operadora te oferecendo algum serviço. Continuo mantendo contato com as pessoas mais próximas sem nenhum problema pelo PC.

        • Ligeiro

          o_O

        • Ligeiro

          o_O

    • Conta Desativada

      Por um longo período, após eu comprar meu primeiro, único e atual smartphone, um Motorola Moto G. (Ah, antes dele eu tive um celular que talvez possa ser classificado como smartphone também, mas não o usava como um, era um Motorola Moto Q11 com Windows Mobile 6.1, que até hoje funciona.)

      Enfim, por muito tempo eu perdia muitas horas do meu dia à toa no smartphone. Muitos aplicativos, jogos, rede social etc etc. Até que certo dia eu dei um basta.

      Eu continuo usando o Moto G como: relógio, despertador, bloco de notas (Google Keep) e celular, só isso mesmo.

      Por exemplo, hoje, a única vez que eu toquei no meu smartphone foi quando eu desativei o alarme. Ele está aqui em cima da mesa imóvel o dia inteiro. Daqui a pouco vou usar o cronômetro para mensurar o meu tempo de atividade física e ele voltará a ficar paradinho em cima da mesa.

      E, sim, me senti muito bem após “abandonar” o smartphone.

      TODAS as minhas demandas da internet, eu uso o laptop, que em casa “vira desktop”.

  • Tava pensando em trazer uma indicação de anime boa para cá, mas o ambiente de pescaria aqui tá muito hostil.

  • Tava pensando em trazer uma indicação de anime boa para cá, mas o ambiente de pescaria aqui tá muito hostil.

  • Tava pensando em trazer uma indicação de anime boa para cá, mas o ambiente de pescaria aqui tá muito hostil.

    • Ligeiro

      Os que sugeri “no passado” e apaguei continuam na ativa.

    • Ligeiro

      Os que sugeri “no passado” e apaguei continuam na ativa.

      • Inclusive tô assistindo Polar Bear Cafe até hoje, a conta gotas

    • Marcos Balzano

      Traga por favor, aqui é outro ambiente que jamais expressarei minhas opiniões com medo da represália.

      • Fabio Montarroios

        Não é pra tanto, Marcos.

      • Fabio Montarroios

        Não é pra tanto, Marcos.

        • Marcos Balzano

          Se você ler alguns comentários aqui, verá que esse discurso não está muito longe do que já foi falado.

        • Marcos Balzano

          Se você ler alguns comentários aqui, verá que esse discurso não está muito longe do que já foi falado.

    • Frederico

      Sugira, por favor!

    • ochateador

      Só sugerir Boku no pico.

    • ochateador

      Só sugerir Boku no pico.

    • Fabio Montarroios

      só tem tubarão hj.

    • Fabio Montarroios

      tô assistindo o ‘shin atashin’chi’. dou boas risadas.

  • Já que o clima está bem polêmico, vou trazer um assunto que rendeu discussões em um nicho do twitter. O que vocês acham das mídias (em especial a cultura pop japonesa) que se aproveitam da imagem de garotinhas e, em muitas ocasiões, as sexualizam, com a desculpa que na verdade são mulheres adultas?

    • Marcos Balzano

      Vou te dar um jargão com palavras costumeiras de pessoas que chilicam na internet por tudo, mas não consomem o que pregam.

      Acho que a cultura patriarcal opressora de tal cultura é um retrocesso frente à mulher, e sua posição hoje na sociedade, está submissão da mulher na cultura japonesa é inaceitável e não deve ser só tolerada, como combatida e erradicada. Além de objetificarem a mulher, tentam vender um padrão como o que é atrativo e o que não, prejudicando as mulher com a imposição de padrões de beleza inatingíveis.

      ——

      Após me expressar de maneira que espero não ofender nem violar ninguém, apesar de usar a língua portuguesa, como todos sabemos, é machista e opressora.

      Agora dando minha real opinião, como é uma cultura restrita ao japão, e as pouca formas de contato que temos é por meio de animes. Não irei entrar no mérito, pois lá é outro mundo, e que é verdade aqui pode não ser lá. Expressar um ponto de vista sobre uma cultura totalmente diferente da que estamos habituados parece para mim, contraprodutivo.

    • Marcos Balzano

      Vou te dar um jargão com palavras costumeiras de pessoas que chilicam na internet por tudo, mas não consomem o que pregam.

      Acho que a cultura patriarcal opressora de tal cultura é um retrocesso frente à mulher, e sua posição hoje na sociedade, está submissão da mulher na cultura japonesa é inaceitável e não deve ser só tolerada, como combatida e erradicada. Além de objetificarem a mulher, tentam vender um padrão como o que é atrativo e o que não, prejudicando as mulher com a imposição de padrões de beleza inatingíveis.

      ——

      Após me expressar de maneira que espero não ofender nem violar ninguém, apesar de usar a língua portuguesa, como todos sabemos, é machista e opressora.

      Agora dando minha real opinião, como é uma cultura restrita ao japão, e as pouca formas de contato que temos é por meio de animes. Não irei entrar no mérito, pois lá é outro mundo, e que é verdade aqui pode não ser lá. Expressar um ponto de vista sobre uma cultura totalmente diferente da que estamos habituados parece para mim, contraprodutivo.

      • Paulo Pilotti Duarte

        Alguém foi completamente “triggered” hoje.

        • Marcos Balzano

          Com certeza.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Em termos de desenhos eu acho errado e não consumiria jamais, mas, conversando uma vez com um amigo ele me disse: “se o teu livro ou HQ tem um assassino, isso te faz um assassino em potencial?”

          • Paulo Pilotti Duarte

            Em termos de desenhos eu acho errado e não consumiria jamais, mas, conversando uma vez com um amigo ele me disse: “se o teu livro ou HQ tem um assassino, isso te faz um assassino em potencial?”

          • A discussão era justamente se quem consome e gosta desse tipo de material penderia para a pedofilia…

          • Marcos Balzano

            Acho que vale da máxima, nem todo que consome é, mas todo que é, consome.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Eu acho difícil dizer isso exatamente porque eu sempre consumi coisas muito gore (principalmente filmes) e literatura de horror com assassinatos, torturas e coisas desse gênero, mas não consigo sequer imaginar algo real sendo feito perto de mim sem sentir enjoo.

            Um cara que lê um conto erótico ou consome uma HQ com pedofilia – ou algo que seja tangente, como as japonesas onde o desenho é claramente de uma criança ou menor de idade mas que, nos balões, diz que tem 18 anos – pode ser acusado de pedofilia? Pode ser um pedófilo em potencial?

            Serei eu, então, um possível torturador?

            Não tenho opinião formada sobre isso e realmente acho muito complexo opinar.

          • Frederico

            Não terminei de ler esse texto ainda, porque estava achando a escrita ruim, mas se lembro bem ele tocava em alguns pontos disso:

            You’re 16. You’re a Pedophile. You Don’t Want to Hurt Anyone. What Do You Do Now?

            https://medium.com/matter/youre-16-youre-a-pedophile-you-dont-want-to-hurt-anyone-what-do-you-do-now-e11ce4b88bdb#.k1qwxktk1

      • Fabio Montarroios

        Mas aí tem a antropologia, né?

      • Fabio Montarroios

        Mas aí tem a antropologia, né?

      • Dessa perspectiva, dá para botar mais fogo nesse Post Livre se entrar na polêmica do momento que é a apropriação cultural.

      • Dessa perspectiva, dá para botar mais fogo nesse Post Livre se entrar na polêmica do momento que é a apropriação cultural.

        • Fabio Montarroios

          Comentei sobre isso em algum momento aqui. Vc acompanhou essa discussão por conta do famigerado turbante?

        • Fabio Montarroios

          Comentei sobre isso em algum momento aqui. Vc acompanhou essa discussão por conta do famigerado turbante?

          • Vi o caso, mas estou meio longe do Facebook, então não acompanhei muito a argumentação em relação a isso.

            Pessoalmente, fiquei bem perdido com esse conceito, penso que eu sendo fan de blues/jazz seria errado externar não tendo muito identificação com a cultura negra em geral. Por outro lado, nem dá para imaginar o mundo musical de 99,99% das pessoas sem essa apropriação cultural que ocorreu desses gêneros.

            Via de regra, sou contra postura combativas de ambos os lados do espectro político, querer cercear sua cultura com quem não merece me parece interessante. Mas também evito palpitar, já que não é um tópico o qual acompanho ou compreendo bem.

          • Fabio Montarroios

            Tá sendo muito diplomático… Esse lance de apropriação cultural não caberia nesse caso e não há meios de controlar essas coisas. Deve se proteger o patrimônio imaterial e tradições, mas impedir as pessoas de se apropriarem de coisas q não têm direitos autorais é inviável.

          • Fabio Montarroios

            Tá sendo muito diplomático… Esse lance de apropriação cultural não caberia nesse caso e não há meios de controlar essas coisas. Deve se proteger o patrimônio imaterial e tradições, mas impedir as pessoas de se apropriarem de coisas q não têm direitos autorais é inviável.

          • Estou justamente porque não acompanhei muito bem, mas minha opinião “sem filtros” no momento é que isso é uma ideia ridiculamente pouco fundamentada mesmo para o padrão de humanas de discussão (já que você reclamou da diplomacia, vou chutar o pau da barraca haha).

            Me parece um absurdo delimitar apropriação cultural de, sei lá, apreciação de outras culturas. Que cultura não se apropriou de outra? E, como disso, acho contraproducente as minorias tentarem brigar no esquema “nós contra eles” ao invés de incentivar o conhecimento de sua cultura seja da forma que for. Minha única experiência como minoria é sendo cético e, quando “luto”, é pela diplomacia.

          • Estou justamente porque não acompanhei muito bem, mas minha opinião “sem filtros” no momento é que isso é uma ideia ridiculamente pouco fundamentada mesmo para o padrão de humanas de discussão (já que você reclamou da diplomacia, vou chutar o pau da barraca haha).

            Me parece um absurdo delimitar apropriação cultural de, sei lá, apreciação de outras culturas. Que cultura não se apropriou de outra? E, como disso, acho contraproducente as minorias tentarem brigar no esquema “nós contra eles” ao invés de incentivar o conhecimento de sua cultura seja da forma que for. Minha única experiência como minoria é sendo cético e, quando “luto”, é pela diplomacia.

        • Marcos Balzano

          Considerando a história dos países americanos, somos todos apropriadores culturais. Berrar e falar que não pode pois uma cultura/etnia/religião usa ou faz X e quem não pertence não pode, acho que é demais. Salvo quando alguém usa ou faz algo com intuito de ridicularizar quem usa/faz.

          Vivemos num mundo globalizado, o Brasil é um país multicultural desde sua origem, as culturas acabam se mesclando. Um exemplo é a feijoada, que suas origens na cultura brasileira vem da senzala, e dizer hoje que só pode comer feijoada são os negros é tolice, na minha opinião.

          Até consigo compreender o debate por trás da apropriação cultural, que é algo mais sério, mas xingar porque alguém que não é negro usou turbante é o cúmulo.

        • Marcos Balzano

          Considerando a história dos países americanos, somos todos apropriadores culturais. Berrar e falar que não pode pois uma cultura/etnia/religião usa ou faz X e quem não pertence não pode, acho que é demais. Salvo quando alguém usa ou faz algo com intuito de ridicularizar quem usa/faz.

          Vivemos num mundo globalizado, o Brasil é um país multicultural desde sua origem, as culturas acabam se mesclando. Um exemplo é a feijoada, que suas origens na cultura brasileira vem da senzala, e dizer hoje que só pode comer feijoada são os negros é tolice, na minha opinião.

          Até consigo compreender o debate por trás da apropriação cultural, que é algo mais sério, mas xingar porque alguém que não é negro usou turbante é o cúmulo.

    • Fabio Montarroios

      Tenho visto mais animes e, cara, a situação da mulher neles é, no mínimo, mal resolvida. Mesmo animes para adultos (não eróticos, tem um nome japonês pra esse subgenero q me escapa agora, assim como todo o idioma japonês) resvalam em coisas assim. Estou vendo um agora, ‘Aku no hana’ (acho q é “Flores do mal” em porturguês), q não vai por esse caminho e tem um estilo fabuloso. Quer dizer, estou no capítulo 5, e tem a ver com a descoberta da sexualidade entre adolescentes, mas é tratado de sobre outra ótica. É muito autoral. De resto, seja nos jogos os nos animes (mangás eu não sei, pq não consumo) o negócio é bem por aí: nitidamente são adolescentes em situações eróticas. Não me espanta, pq parece q isso perpassa a cultura machista japonesa. Lembro q, há não muito tempo, estava uma onda no japão de colocar uma câmera nos pés para filmar as mulheres por baixo nos metrôs lotados. A forma de vida do japão parece muitíssimo reprimida e os animes são uma forma de vazão complicada… Gostaria de ler algo sério sobre isso.

    • Fabio Montarroios

      Tenho visto mais animes e, cara, a situação da mulher neles é, no mínimo, mal resolvida. Mesmo animes para adultos (não eróticos, tem um nome japonês pra esse subgenero q me escapa agora, assim como todo o idioma japonês) resvalam em coisas assim. Estou vendo um agora, ‘Aku no hana’ (acho q é “Flores do mal” em porturguês), q não vai por esse caminho e tem um estilo fabuloso. Quer dizer, estou no capítulo 5, e tem a ver com a descoberta da sexualidade entre adolescentes, mas é tratado de sobre outra ótica. É muito autoral. De resto, seja nos jogos os nos animes (mangás eu não sei, pq não consumo) o negócio é bem por aí: nitidamente são adolescentes em situações eróticas. Não me espanta, pq parece q isso perpassa a cultura machista japonesa. Lembro q, há não muito tempo, estava uma onda no japão de colocar uma câmera nos pés para filmar as mulheres por baixo nos metrôs lotados. A forma de vida do japão parece muitíssimo reprimida e os animes são uma forma de vazão complicada… Gostaria de ler algo sério sobre isso.

      • Ah, do mesmo autor de Aku no Hana tem um mangá excelente, chamado Inside Mari. Trata de distúrbios de personalidade e identidade de uma garota adolescente. Vale muito a pena ler, é bem rápido.

        • Fabio Montarroios

          Parece a mesma história. E vc? O q acha pessoalmente disso?

          • Eu sinceramente acho bem errado essa sensualização de personagens em animes e mangás, ainda mais se tiver o agravante de a personagem ter 1000 anos mas corpo de 8. Analisando mais o contexto, pelo que criadores de conteúdo lá falam, o mercado pop infelizmente se voltou muito para os otakus, exacerbando esses tipos de fetiches. A quantidade de coisa moe só pelo fato de sermoe é absurdo e é isso que vende.
            Por exemplo: o sucesso de um anime é geralmente medido pela quantidade de blurays e DVDs que ele vende, e apenas o público aficionado de verdade gasta horrores para comprar esse material. Soma-se o fato de que toda cultura japonesa me parece estranha, as relações que eles esboçam nos mangás sempre me parecem nada saudáveis.

          • Fabio Montarroios

            Tenho reparado nisso. Na reação deles. Tem a timidez absurda e vorgonha desmedida para situações q para nós, brasileiros, e até para o brasileiro mais tímido, seria ridícula.

            Tem isso tb: é uma indústria explorando a erotização q, claro, vende como em qualquer lugar do mundo. Mas acho BEM complicado isso e não sei se há movimento contrários a esse tipo de produção. Todos os animes q vejo tento me esquivar disso… Mas vez por outra tem algo absurdo. Tava vendo ‘Fullmetal Alchemist’ e numa cena, um general velhote, passa a mão na bunda de uma soldado em treinamento de tiro como quem não quer nada. A reação da moça é de apenas descontentamento (ela passou a atirar mais vezes por isso) e não de reprovação.

    • Fabio Montarroios

      O flerte com a pedofilia é nítido. Vi uma listagem de animes WTF no Mojo e um deles tinha uma alusão a um incesto ou era um anime sobre uma relação incestuosa, não me lembro. Mas era uma coisa entre adolescente e eles exibiam uma cena do cara escovando os dentes da irmã e era uma cena erotizada…

    • Em uma das edições nacionais de Lolita, tem um texto do Nabokov no final em que ele trata desse assunto. Pertinente, aliás. E acho que tem que haver uma distinção, nem sempre fácil ou clara, entre o que se pretende no nível artístico e o que se faz, com a desculpa da arte, para saciar tarados.

      Não tenho bagagem para avaliar esses desenhos japoneses, apesar de todo o estigma e os sintomas sociais que apontam que, sim, essa erotização é uma válvula de escape para algo mais grave. No caso de Lolita, porém, sei lá… o personagem é doentio, mas é um puta livro bom. A ficção, a arte é o espaço ideal para exercitar a imaginação em níveis que, no real, seriam absolutamente reprováveis.

    • Em uma das edições nacionais de Lolita, tem um texto do Nabokov no final em que ele trata desse assunto. Pertinente, aliás. E acho que tem que haver uma distinção, nem sempre fácil ou clara, entre o que se pretende no nível artístico e o que se faz, com a desculpa da arte, para saciar tarados.

      Não tenho bagagem para avaliar esses desenhos japoneses, apesar de todo o estigma e os sintomas sociais que apontam que, sim, essa erotização é uma válvula de escape para algo mais grave. No caso de Lolita, porém, sei lá… o personagem é doentio, mas é um puta livro bom. A ficção, a arte é o espaço ideal para exercitar a imaginação em níveis que, no real, seriam absolutamente reprováveis.

      • Fabio Montarroios

        No Lolita não tem uma apologia da pedofilia. Na verdade ele pinta o cara como uma pessoa doente mesmo…

        Pelo menos no Brasil, e se não estou enganado, é crime, inclusive, colocar uma criança numa situação ficcional de abuso.

        Alguns artistas exploraram esses limites e realmente envolvem reflexão dada a ambiguidade das obras. A portuguesa Paula Rego, por exemplo. E o Balthus, claro.

      • Frederico

        do DFW: Fiction’s about what it is to be a fucking human being

    • Fabio Montarroios
    • Fabio Montarroios

      E tem um pessoal q gastou um BOM tempo tentando legitimar de algum modo a pedofilia. Esse verbete estranho está na Wikipedia.

      https://pt.wikipedia.org/wiki/Ativismo_ped%C3%B3filo

    • Fabio Montarroios

      E tem um pessoal q gastou um BOM tempo tentando legitimar de algum modo a pedofilia. Esse verbete estranho está na Wikipedia.

      https://pt.wikipedia.org/wiki/Ativismo_ped%C3%B3filo

    • Fabio Montarroios

      E achei mais isso aqui q tem relação com o q comentei com o Ghedin mais abaixo:

      https://www.ideafixa.com/oldbutgold/quando-o-pintor-inspira-o-fotografo

      Por acaso, ou não, te relação com o japão…

    • Fabio Montarroios

      E achei mais isso aqui q tem relação com o q comentei com o Ghedin mais abaixo:

      https://www.ideafixa.com/oldbutgold/quando-o-pintor-inspira-o-fotografo

      Por acaso, ou não, te relação com o japão…

    • Ligeiro

      Sei que na verdade, baseado em um texto que li, o problema lá é cultural.

      http://elpais.com/diario/2010/03/20/cultura/1269039605_850215.html

  • Adriano Garcez

    Alguém daqui já usou as plataformas para fazer freelances como o Workana ou o 99jobs? Se sim, que tipo de serviços fizeram lá? No Workana só acho gente pedindo programadores front-end e web developers.

  • Fabio Montarroios

    Encomentei um raspberry pi 3. Minha mais dificuldade foi achar um bom case e uma boa fonte. Acabei encontrando e espero ter feito um bom negócio… Alguém aqui usa e tem alguma dica pra dar?

    • Paulo Pilotti Duarte

      Pro 3 eu não sei, pro 2 eu usava uma fonte de telefone normal e uma case que eu comprei pelo DX. Demorou uns 4 meses mas veio, sem taxar inclusive.

      Eu usei ele como reprodutor do Plex por uns 2 anos. Abandonei esse uso depois que eu comprei Xbox One que veio com um app muito do Plex. Agora o Pi é um emulador de vários consoles antigos =D

    • Paulo Pilotti Duarte

      Pro 3 eu não sei, pro 2 eu usava uma fonte de telefone normal e uma case que eu comprei pelo DX. Demorou uns 4 meses mas veio, sem taxar inclusive.

      Eu usei ele como reprodutor do Plex por uns 2 anos. Abandonei esse uso depois que eu comprei Xbox One que veio com um app muito do Plex. Agora o Pi é um emulador de vários consoles antigos =D

      • Fabio Montarroios

        Vou usar pra isso tb! Jogar jogos antigos. Fiquei muitos anos sem jogar e perdi muita coisa.

      • Fabio Montarroios

        Vou usar pra isso tb! Jogar jogos antigos. Fiquei muitos anos sem jogar e perdi muita coisa.

    • Marcos Balzano

      Sobre a fonte, vá com uma de telefone mesmo, desde que não seja muito vagabunda.

      E pretende dar que uso à ele?

      • Fabio Montarroios

        Muito em breve vou desenvolver jogos (se conseguir aprender como fazê-los) e estou buscando uma forma de viabilizar esses jogos em alguma plataforma barata e viável de usar num projeto social.

        Essa fonte q comprei é de 5v e 3A. Acho q vai ser o suficiente.

      • Fabio Montarroios

        Muito em breve vou desenvolver jogos (se conseguir aprender como fazê-los) e estou buscando uma forma de viabilizar esses jogos em alguma plataforma barata e viável de usar num projeto social.

        Essa fonte q comprei é de 5v e 3A. Acho q vai ser o suficiente.

        • Marcos Balzano

          Sobre os jogos, vai depender da plataforma que irá usar. Acho que uma plataforma na web será uma boa pedida, Unity ou HTML5 são boas e solidas opções.

          Para plataformas para divulgar, a GOG.com e a itch.io, e até a Steam como boas plataformas.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Também estou nessa vida de gamedev. Que mal te pergunte, porque o Pi exatamente?

            Faz tudo em Unity que ele depois exporta pra Android, iOS e Web.

            A Steam acabou com o Greenlight, isso me esmoreceu a publicar meu jogo por lá.

          • Fabio Montarroios

            Porque penso numa solução mais completa. Queria fazer um jogo rapidamente e sem muita complicação, pq a parte complicada teria mais relação com a história no jogo e seus objetivos. Sei do quão precário é a situação da maioria das escolas e o Pi pode ajudar nisso sendo ele de baixo custo e dispensar a internet a depender do q se for fazer. E ele pode ser usado com outras finalidades além do jogo. Peguei uma dica tb por aqui sobre o Pocketpc q usa Linux e seria uma opção interessante tb. E tava de olho justamente no unity.
            Em suma, acho q os jogos podem fazer um trabalho melhor q os livros didáticos e se eu fizer apenas os jogos, acho q aí enfrento barreiras em como fazer a molecada, professores e pedagogos jogarem.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Entendi.

            Eu me focaria no Unity mesmo pra fazer essa parte e depois pensaria na distribuição exatamente. Você pode ter, como falou o Marcos, um webapp offiline ou mesmo um PC velhão que rode um browser qualquer – acho que é possível ter isso com um custo menor do o que um Pi3.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Entendi.

            Eu me focaria no Unity mesmo pra fazer essa parte e depois pensaria na distribuição exatamente. Você pode ter, como falou o Marcos, um webapp offiline ou mesmo um PC velhão que rode um browser qualquer – acho que é possível ter isso com um custo menor do o que um Pi3.

          • Fabio Montarroios

            Pode ser tb, claro, mas tb preciso ter um lance atraente e com possíveis desdobramentos q, me parece, o Pi permite além dos jogos, já q é usado em robótica e outras soluções… Teria mais a ver com uma difusão de como é possível usar a informática de forma mais natural. E o projeto do Pi me agrada muitíssimo. Simpatizo muito com a ideia.

          • Marcos Balzano

            Solução barata de fornecer jogos, e toda uma experiência a custo próximo de zero. O Greenlight foi uma boa ideia com péssima execução, acho que a nova proposta, o Direct seja uma solução melhor, dependendo do valor cobrado para publicar o game.

          • Marcos Balzano

            Solução barata de fornecer jogos, e toda uma experiência a custo próximo de zero. O Greenlight foi uma boa ideia com péssima execução, acho que a nova proposta, o Direct seja uma solução melhor, dependendo do valor cobrado para publicar o game.

          • Paulo Pilotti Duarte

            O Direct ainda é nebuloso demais pra mim …

          • Paulo Pilotti Duarte

            O Direct ainda é nebuloso demais pra mim …

          • Marcos Balzano

            É esperar para ver, como vai ser.

          • Fabio Montarroios

            Acho q a depender do lugar, a web pode ser inviável. Não é toda escola q tem internet e isso é bem triste. Daí pensei nos ‘paquetas’, q os cubanos usam pra ver seriados americanos driblando a falta de acesso à internet, graças aos cartões SD q o Pi usa.

          • Marcos Balzano

            Um webapp pode ser usado offline. Cabe apenas salvar o mesmo.

          • Marcos Balzano

            Um webapp pode ser usado offline. Cabe apenas salvar o mesmo.

          • Fabio Montarroios

            É uma alternativa interessante. Mas ainda assim precisaria de um browser pra rodar, certo?

          • Fabio Montarroios

            É uma alternativa interessante. Mas ainda assim precisaria de um browser pra rodar, certo?

          • Marcos Balzano

            Sim. Mas um Ubuntu para ARM, já tem um Firefox, ou um Chromium se quiser ser 100% opensource.

          • Fabio Montarroios

            Boa!

          • Fabio Montarroios

            Boa!

    • Ranner Barbosa

      pagou quanto meu caro fabio?? to de olho pra usar o retropie etc

      • Fabio Montarroios

        Por enquanto tá assim:

        Raspberry Pi: US $36.59
        Case Flirc Raspberry Pi 3: US $14.95 + $13.50 (frete)
        Fonte e cabo: US $ 15.57

        Vou precisar de um cartão de memória. Esse compro por aqui mesmo e um cabo HDMI talvez. Tem o teclado (existem vários modelos) e mais um controle 8bitdo q provavelmente custará mais uns 25 dólares, mas isso vou vendo aos poucos.

      • Fabio Montarroios

        Por enquanto tá assim:

        Raspberry Pi: US $36.59
        Case Flirc Raspberry Pi 3: US $14.95 + $13.50 (frete)
        Fonte e cabo: US $ 15.57

        Vou precisar de um cartão de memória. Esse compro por aqui mesmo e um cabo HDMI talvez. Tem o teclado (existem vários modelos) e mais um controle 8bitdo q provavelmente custará mais uns 25 dólares, mas isso vou vendo aos poucos.

    • Pedro Henrique Bonifácio

      Eu tenho um. Utilizei o Windows Iot pra desenvolver sistemas supervisórios e agora to organizando as coisas pra montar uma central de mídia usando OpenLEC.

      • Fabio Montarroios

        Vixe… Super avançado!

  • Frederico

    Cheguei agora e rapaz, já dá pra trocar futebol por Uber nos assuntos que geram buzz.

    È foda, dá tipo terça e penso em assuntos que gostaria de conversar no post livre. Na quinta, já esqueci de todos. É frustrante.

    No mais, fica a recomendação desse texto

    Em um motel, lutador desidrata e entra em agonia antes de sua grande luta

    https://esporte.uol.com.br/mma/ultimas-noticias/2017/02/01/em-um-motel-lutador-desidrata-e-entra-em-agonia-antes-de-sua-grande-luta.htm

    “Há 20 dias ele pesava 104kg. Cortou doces, refrigerantes e o jantar. Iniciou uma dieta radical de apenas 400kcal diárias (única refeição do dia: quatro ovos cozidos sem gema, quatro cabeças de brócolis, duas rodelas de pepino e alface à vontade). Trabalhava 16 horas em dois empregos e treinava por outras duas horas no fim da noite.

    Perdeu 16kg, a voz e a alegria de viver.”

    • Fabio Montarroios

      Eu vi. Muito foda e bela reportagem!

    • Fabio Montarroios

      Eu vi. Muito foda e bela reportagem!

    • Paulo Pilotti Duarte

      Depois de ler uns 90% agora, percebi que eu já tinha lido antes haha
      Enfim, bela reportagem.

      Se te interessa matérias longas sobre esporte, recomendo o Punteiro Izquierdo (foco total no futebol e suas histórias): https://medium.com/puntero-izquierdo

    • Paulo Pilotti Duarte

      Depois de ler uns 90% agora, percebi que eu já tinha lido antes haha
      Enfim, bela reportagem.

      Se te interessa matérias longas sobre esporte, recomendo o Punteiro Izquierdo (foco total no futebol e suas histórias): https://medium.com/puntero-izquierdo

      • Frederico

        Curto muito! De futebol na verdade gostaria mais de ler sobre histórias dos profissionais de bastidores, como a galera da preparação física, médico, galera que cuida da grama, designers que fazem a imagem do clube etc. O foco fica muito no grupo de jogadores em si, acho que se perde oportunidade para outras grandes histórias.

        Esses dias no UOL saiu uma reportagem sobre um preparador físico brasileiro que está lidando agora com tenistas bem rankeados. Sinto falta disso.

        • Pedro Henrique Bonifácio

          Eu acho esse lado de bastidor bem interessante também. Esse ano conheci um fisioterapeuta da seleção brasileira de Canoagem, ele contou cada história do rio 2016 que olha…

        • Pedro Henrique Bonifácio

          Eu acho esse lado de bastidor bem interessante também. Esse ano conheci um fisioterapeuta da seleção brasileira de Canoagem, ele contou cada história do rio 2016 que olha…

          • Frederico

            Mutreta ou superação?

          • Pedro Henrique Bonifácio

            Um pouco de tudo; incluindo como ele foi parar no camarote mais disputado da abertura, como ficou hospedado no navio da delegação americana e também da galera que ele conheceu e se destacou.

    • Eu li essa história e achei aterradora. Nem tudo é glamour como eles tentam vender

    • Acho que o problema nem é a uber, mas a ânsia de certa classe média deslumbrada em desqualificar trabalhadores — classe média que se pensa burguesa mas é no fundo proletária.

    • Acho que o problema nem é a uber, mas a ânsia de certa classe média deslumbrada em desqualificar trabalhadores — classe média que se pensa burguesa mas é no fundo proletária.

      • Ligeiro

        modo provocação :p

        – classe média que se pensa burguesa, no fundo é trabalhadora, que antes era pobre miseravel :p

        /modo provocação :p

        • Tem uma entrevista muito boa da Marilena Chauí, feita no fervor dos protestos de 2013, em que ela aborda essa questão de uma maneira bem feliz (a citação é longa, mas válida):

          “Não faz sentido usar os instrumentos dos institutos de pesquisa e da sociologia, falando de classe A, B, C, D, E, definidas por renda e escolaridade. É preciso pensar as classes sociais conforme sua relação com a forma da propriedade e do sistema de produção, isto é, os proprietários privados dos meios sociais de produção e os não-proprietários, isto é, a força produtiva, os trabalhadores. Situada fora do poder econômico (do capital) e da organização social (dos trabalhadores) está a classe média, que sonha com aquele poder e tem como pesadelo ‘cair’ na classe trabalhadora. Esse critério nos permite compreender que o que surgiu no Brasil com os programas sociais foi uma nova classe trabalhadora, mas que surge no momento em que vigora o capitalismo neoliberal. Então, ela é precarizada, fragmentada, não possui formas de organização e de referência que lhe permitam ter clara identidade, nem formas de expressão no espaço público. Por isso é atraída pelas ideologias de classe média, como a ‘teologia da prosperidade’ (do pentecostalismo) e a do ‘empreendedorismo’ (dos chamados micro-empresários).”

          A entrevista completa: http://www.geledes.org.br/marilena-chaui-pela-responsabilidade-intelectual-e-politica/#gs.bnTc08k

          • Ligeiro

            Lerei depois com mais calma. No entanto, digo que muitos que hoje são ricos, ha 50 anos atrás eram pobres.

            Até hoje implico com estes discursos de segregação, pois falam muito de teorias, mas ignoram as práticas e as inúmeras condições existentes.

          • Ligeiro

            Lerei depois com mais calma. No entanto, digo que muitos que hoje são ricos, ha 50 anos atrás eram pobres.

            Até hoje implico com estes discursos de segregação, pois falam muito de teorias, mas ignoram as práticas e as inúmeras condições existentes.

          • Paulo Pilotti Duarte

            “No entanto, digo que muitos que hoje são ricos, ha 50 anos atrás eram pobres”

            Dificil, a riqueza ainda é super concentrada em poucas famílias no Brasil.
            Podem ser classe alta, elite, ou qualquer coisa que queira-se colocar aqui, mas, muito poucos passaram a ser detentores dos meios de produção de fato.

          • Frederico

            Li uma manchete recente que falava que as famílias italianas mais ricas lá do renascimento ainda estão entre as mais ricas hoje na botinha.

          • Fabio Montarroios

            Deve ser direito autoral do Maquiavel q tá entrando até hj.

          • Frederico

            culpa da ubisoft tb talvez

          • Ligeiro

            Muita gente que era antes dona de algo que virou padrão, como empresa de transporte, fábrica de alimento, supermercados, etc, hoje são os milionários. Fora donos de terrenos, incorporadores, espeCUladores, etc… mas aí é outra história.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Defina “muita gente”.
            De fato, tem gente que consegue fazer isso, mas, novamente, alguém que é dono de um mercadinho ou de uma fábrica não, necessariamente, alguém sem acesso.

            Sair da classe média (ou da classe média alta) para a classe alta é um pulo grande mas muito mais possível do que sair da classe baixa pra média. Esse entrave, esse obstáculo, essa estratificação social é o que deve ser combatido e minimizado ao máximo.

            O que me parece é que você baseia toda a sua narrativa argumentativa no que você vê acontecendo do seu lado. Isso é um erro.

          • Ligeiro

            Assim como você comete o erro de pensar que eu tenho que pensar igual a você ou seguir os seus conceitos.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Não, você deve pensar por si. Se pareceu o oposto, peço desculpas.

            O ponto é que tem coisas que os dados nos indicam, como o fato de que existe um obstáculo quase intransponível que separa um jovem pobre de periferia de ascender socialmente – ou seja, chegar na classe média.

            Para se negar isso, é preciso que se apresente uma outra fonte de dados que seja maior do que “eu vi pessoas ficarem ricas” ou o exemplo pessoal do cara que defende o Bolsonaro.

            Não tem, em absoluto, nenhum problema em achar que a vida como está atualmente está boa, ou que as elites ganham pouco dinheiro ou mesmo acreditar que pobre está onde está porque não se esforçou o bastante ou mesmo porque ele quer estar na periferia (desejo é desejo).

            O problema está em discutir/argumentar aqui sem trazer algo mais sólido que a experiência pessoal.

          • Frederico

            Não estou discordando, nem tenho conhecimento para isso

            mas de onde vem esse tal “tem como pesadelo ‘cair’ na classe trabalhadora”? É uma percepção que me incomoda muito

          • Fabio Montarroios

            Se vc participar de uma assembleia de condomínio e ver como as pessoas tratam do futuro dos terceirizados nessas reuniões… acho q dá uma ideia do q é o pesadelo de fazer parte dessa classe mais prejudicada. Daí o pesadelo da classe média fazer parte desse grupo q tem o futuro decido por quem ganha só um tiquinho a mais. Onde eu moro há uma classe média bem mixuruca q acha q está em Beverly Hills. Não sei q diabos de fantasia é essa q eles vivem, mas no prédio da frente, q é de outro padrão, a fantasia deles é ainda maior…

          • Fabio Montarroios

            Se vc participar de uma assembleia de condomínio e ver como as pessoas tratam do futuro dos terceirizados nessas reuniões… acho q dá uma ideia do q é o pesadelo de fazer parte dessa classe mais prejudicada. Daí o pesadelo da classe média fazer parte desse grupo q tem o futuro decido por quem ganha só um tiquinho a mais. Onde eu moro há uma classe média bem mixuruca q acha q está em Beverly Hills. Não sei q diabos de fantasia é essa q eles vivem, mas no prédio da frente, q é de outro padrão, a fantasia deles é ainda maior…

          • a análise da chauí, é claro, é menos sociológica do que, digamos, “ensaística”. Ainda que não esteja amparada em dados estatísticos, não se trata de uma análise anedótica, já que dialoga fortemente com as representações mais comuns associadas ao pensamento de classe-média no brasil e com o debate público.

            Pense, por exemplo, em como, alguns anos atrás, c e r t a s p e s s o a s indignavam-se com o fato de nossos aeroportos estarem parecendo “rodoviárias” (e não é propriamente com a superlotação que elas estavam preocupadas). Ou em encontrar o porteiro na sua antes exclusivíssima viagem a Paris: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/80046-ser-especial.shtml

          • a análise da chauí, é claro, é menos sociológica do que, digamos, “ensaística”. Ainda que não esteja amparada em dados estatísticos, não se trata de uma análise anedótica, já que dialoga fortemente com as representações mais comuns associadas ao pensamento de classe-média no brasil e com o debate público.

            Pense, por exemplo, em como, alguns anos atrás, c e r t a s p e s s o a s indignavam-se com o fato de nossos aeroportos estarem parecendo “rodoviárias” (e não é propriamente com a superlotação que elas estavam preocupadas). Ou em encontrar o porteiro na sua antes exclusivíssima viagem a Paris: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/80046-ser-especial.shtml

      • Frederico

        (off: concordo com a moça Alexandra sobre o ranking dos episódios de Abstract. Platon é realmente um nível acima, com o Chris e a Paula um pouco abaixo e aí o outros)

      • Frederico

        (off: concordo com a moça Alexandra sobre o ranking dos episódios de Abstract. Platon é realmente um nível acima, com o Chris e a Paula um pouco abaixo e aí o outros)

        • ainda não encontrei tempo pra ver (e não vou conseguir antes de março…) mas estou bem curioso

      • Interessante um texto que eu li sobre como abordar essa questão, é mais voltado para pessoas bem sucedidas, mas vale para abrir o assunto com um liberal convicto: http://nautil.us/issue/44/luck/dont-tell-your-friends-theyre-lucky

      • Interessante um texto que eu li sobre como abordar essa questão, é mais voltado para pessoas bem sucedidas, mas vale para abrir o assunto com um liberal convicto: http://nautil.us/issue/44/luck/dont-tell-your-friends-theyre-lucky

  • C. Herrera

    No ano passado, o Rodrigo Ghedin relatou como “salvou” o Moto G de seu pai… bom, meu pai também estava passando por um “perrengue” já há algum tempo com seu Moto G 2a. Geração e Android 6.0: muito lento, esquentando, bateria descarregando fácil e, pior, reiniciando do nada, demorando muito para bootar e exibindo a mensagem “Otimizando aplicativo 1 de 1” (ou algo assim).

    O aparelho não tinha nada “estranho”: app do Facebook, WhatsApp, Telegram, Gmail, Maps… nada, nenhum aplicativo realmente estranho, o celular do jeito que entreguei. Limpei cache, deletei fotos, músicas, etc., MAS, quando DESINSTALEI o app do Facebook, o celular melhorou SIGNIFICATIVAMENTE.

    Beleza! Agora vai. E foi realmente muito bem… até que resolvi reiniciar o aparelho (mera curiosidade) e, oh, não! “Otimizando aplicativo 1 de 1”, e demora, demora, demora…

    Tá. Decidi fazer um wipe cache partition…. (sim, um factory reset era outra opção) reinicia, mesma mensagem, só que, desta vez, o APP DO FACE (que eu havia removido) RESSURGE na gaveta de aplicativos! (xingos aqui:__________).Tá: desinstalo de novo, wipe cache outra vez e, então… nada: boot normal, tão rápido quanto o hardware permite, nada de otimizar app, e funcionando tão fluído quanto se poderia esperar. Claro, não reinstalei o Face – também nunca instalei em meus aparelhos por considerá-lo irrelevante (para mim).

    Minha conclusão: a não ser que o aparelho ou OS tenha algum defeito obscuro, estou inclinada a acreditar que o responsável pelo mau funcionamento é mesmo o app do Facebook. Pelo que leio, heavy users e caras que realmente tem conhecimento sobre o assunto nem mesmo cogitam em instalá-lo, em geral, por considerá-lo muito mal feito e fonte de problemas.

    Se isso é verdade, que birra: o “Zuqui” tem “fantastilhões” de dólares, pessoal e recursos inimagináveis à disposição e, mesmo assim, o app parece ser um grande lixo.

    E vocês, convivem em “paz” com o app?

    • Ligeiro

      Não uso mais o app. Só via navegador. Melhor coisa.

    • Facebook é um aplicativo que pesa em qualquer aparelho, apesar de existirem motivos diferentes para softwares diferentes.

    • Conta Desativada

      Abandonar o Facebook é a solução. Pra uma vida melhor.

  • Ranner Barbosa

    Só pra falar: caramba QUANTOS COMENTARIOS, fazia tempo que não via uma sexta tão movimentada aqui.

    • Ligeiro

      Acho que tenho que concordar com o Luis Henrique, do jeito que uma conversa saiu ali, foi uma “boa pescaria”.

      A se pensar também que de fato, conversas polarizadas resultam nisso :p

    • Ligeiro

      Acho que tenho que concordar com o Luis Henrique, do jeito que uma conversa saiu ali, foi uma “boa pescaria”.

      A se pensar também que de fato, conversas polarizadas resultam nisso :p

    • Fabio Montarroios

      Agradeça ao Bolsonaro.

    • Frederico

      As ultimas três semanas foram bem miadas, voltamos com a programação normal

    • Louis

      Política.

      Infelizmente o país está divido e isso é muito bom, para algumas organizações.

      • Fabio Montarroios

        E qual organização está se beneficiando? Disqus?

      • Dividido o país sempre esteve, não esqueça…

  • Ligeiro

    Notei que “sites para técnicos” hoje cobram para você fazer um download deles. A se pensar que todos os softwares oferecidos nestes “sites para técnicos” são gratuitos ou oriundos de material de serviço das empresas.

  • Frederico

    Pessoal versado em Medium etc.: por que a URL do Medium é do jeito que é?
    Há parte do título na URL e depois uma sequência bizarra de caracteres. Para que serve isso em termos técnicos?

    • Chutaria que para não ter problema de texto com títulos iguais (?) terem URLs parecidas

    • Chutaria que para não ter problema de texto com títulos iguais (?) terem URLs parecidas

      • Frederico

        mas já tem o nome do usuário na url, então teoricamente toda url seria única

      • Frederico

        mas já tem o nome do usuário na url, então teoricamente toda url seria única

  • Othon Briganó

    Talvez isso seja supérfluo para alguns (a.k.a. “frescura”), mas tem me incomodado um pouco.

    Desde o ensino médio percebo que minhas anotações não são produtivas. Não sei exatamente o motivo, mas tem sido muito pouco eficiente. Agora, na universidade, ficou mais gritante. Procurei alguns métodos e o Cornell me agradou, embora ainda esteja em período de teste, hehehe.

    Como vocês tomam notas? Seguem algum método? Anotam o máximo possível?

    • Fabio Montarroios

      Minhas anotações sempre foram um fisco. Confusão total e pouco úteis. Fico mais ligado na aula e anoto coisas q depois nem sei mais do q se tratam…

    • Frederico

      Ia dizer que já tentei o Cornell, mas na real nem o setup da página eu fiz. Porém acho a ideia genial.

      Não sou de tomar notas, então faço tudo desorganizado, mas meio que funciona até.

    • Ranner Barbosa

      eu nem faço mais, principalmente se for tomar notas escrevendo, minha letra é uma garrancho tbm, odeio escrever a mão…

    • Ranner Barbosa

      eu nem faço mais, principalmente se for tomar notas escrevendo, minha letra é uma garrancho tbm, odeio escrever a mão…

  • Frederico

    Uma coisa que não gosto no disqus é que ele não mostra qual tópico de uma conversa está rendendo. Desde de minha última visita nesse PL, surgiram mais uns 30 comentários, mas é dificil saber onde ou quais se não foram uma resposta direta a você.

    Em nota não relacionada, bom texto sobre o Nexo Jornal: https://medium.com/farol-jornalismo/pode-o-modelo-de-negócios-do-nexo-realmente-dar-certo-3c1bf2e05911#.mltql3eha

    • Fabio Montarroios

      Tb noto isso… Poderiam usam as cores como eles usam pra indicar novos comentários qdo vc está com a área de comentários aberta. Vacilo deles…

    • Aproveitando, ainda existe alguma opção ao Disqus?

      Estou tentando começar um blog de data science e fiquei impressionado com o peso da ferramenta e umas requisições estranhas que ele faz pelos anúncios.

      • Frederico

        Lembro do Livefyre e do IntenseDebate

      • Opa, Data Science. Me interesso

        • Como a área é nova e estou começando, acho interessante tentar compartilhar esse caminho, mas é bem trabalhoso produzir esse tipo de conteúdo no tempo vago.

          Se não morrer, como 99,9% dos blogs, deve ser atualizado muito eventualmente: https://gdarruda.github.io

      • Não conheço ferramenta que dê a mesma liberdade ao comentarista.

    • Sinto uma relação de “amor e ódio” pelo Nexo. De um lado, ele tem uma equipe de colunistas excelente (poxa, a Lilia Schwarcz escreve com regularidade para o site!), uma identidade visual muito boa (mas acho que podiam aproveitar melhor o tamanho das telas) e um apuro formal que muitos jornais e jornalistas tradicionais não têm.

      Por outro lado, o EXCESSIVO didatismo da cobertura deles por vezes irrita, além de ser ágil DEMAIS (entendo a necessidade de matérias e notícias curtas, já que a proposta deles está longe de ser slow web, mas às vezes são curtas demais).

      Acho que a grande referência é mesmo o Vox, mas nesse ponto acho que o vox equilibra melhor essas características (e parece também saber utilizar melhor as potencialidades visuais da web em diferentes dispositivos de uma maneira muito melhor). O problema do Vox — que acho que não tem no Nexo — é que eles são claramente pró-stablishment Democrata, mas as matérias tentam passar um ar “neutro” e “objetivo”. Na campanha eleitoral, só faltavam demonizar o Bernie Sanders e canonizar a Clinton, por exemplo (e acho que o Nexo consegue fugir disso, equilibrando cobertura jornalística com colunas).

      Além disso, o podcast é excelente e a equipe consegue capturar nuances do debate público que nenhum outro jornal consegue (por exemplo: enquanto todos demonizavam o pixo e o grafite e reduziam o problema à questão da propriedade privada, eles lançaram uma edição excelente do podcast deles com a fala de pixadores e grafiteiros e colocaram no ar essa entrevista que procura ir além da superfície: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/01/22/O-que-pensam-dois-urbanistas-sobre-a-pol%C3%ADtica-de-Doria-de-combate-a-pichações-e-pichadores )

    • Sinto uma relação de “amor e ódio” pelo Nexo. De um lado, ele tem uma equipe de colunistas excelente (poxa, a Lilia Schwarcz escreve com regularidade para o site!), uma identidade visual muito boa (mas acho que podiam aproveitar melhor o tamanho das telas) e um apuro formal que muitos jornais e jornalistas tradicionais não têm.

      Por outro lado, o EXCESSIVO didatismo da cobertura deles por vezes irrita, além de ser ágil DEMAIS (entendo a necessidade de matérias e notícias curtas, já que a proposta deles está longe de ser slow web, mas às vezes são curtas demais).

      Acho que a grande referência é mesmo o Vox, mas nesse ponto acho que o vox equilibra melhor essas características (e parece também saber utilizar melhor as potencialidades visuais da web em diferentes dispositivos de uma maneira muito melhor). O problema do Vox — que acho que não tem no Nexo — é que eles são claramente pró-stablishment Democrata, mas as matérias tentam passar um ar “neutro” e “objetivo”. Na campanha eleitoral, só faltavam demonizar o Bernie Sanders e canonizar a Clinton, por exemplo (e acho que o Nexo consegue fugir disso, equilibrando cobertura jornalística com colunas).

      Além disso, o podcast é excelente e a equipe consegue capturar nuances do debate público que nenhum outro jornal consegue (por exemplo: enquanto todos demonizavam o pixo e o grafite e reduziam o problema à questão da propriedade privada, eles lançaram uma edição excelente do podcast deles com a fala de pixadores e grafiteiros e colocaram no ar essa entrevista que procura ir além da superfície: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/01/22/O-que-pensam-dois-urbanistas-sobre-a-pol%C3%ADtica-de-Doria-de-combate-a-pichações-e-pichadores )

      • Fabio Montarroios

        Conheço o designer do site o cara é fera. Mas o peso do site realmente complica a vida… Ele impede de salvar textos no pocket e isso é outra chateação.

        De resto, é um jornalismo equilibrado. Elencando fatos e tal. Nitidamente influenciado pelo estilão do ‘Vox’ como vc observou. E eles se dedica, a algo q a Folha faz mais eventualmente através de reportagens especiais: contextualizar as coisas. Sem serem didáticos eles explicam situações complexas de forma acessível a uma parcela grande do público.

        Penso seriamente em assinar, mas acho o valor um pouco alto… Poderiam ter assinaturas diferentes. Uma mais barata com acesso limitado e outra com acesso total.

      • Fabio Montarroios

        Conheço o designer do site o cara é fera. Mas o peso do site realmente complica a vida… Ele impede de salvar textos no pocket e isso é outra chateação.

        De resto, é um jornalismo equilibrado. Elencando fatos e tal. Nitidamente influenciado pelo estilão do ‘Vox’ como vc observou. E eles se dedica, a algo q a Folha faz mais eventualmente através de reportagens especiais: contextualizar as coisas. Sem serem didáticos eles explicam situações complexas de forma acessível a uma parcela grande do público.

        Penso seriamente em assinar, mas acho o valor um pouco alto… Poderiam ter assinaturas diferentes. Uma mais barata com acesso limitado e outra com acesso total.

      • Frederico

        A identidade visual deles é a mesma da editora Ubu (na verdade, a da Ubu é a mesma, já que veio depois). Uma vez perguntei quem fez tanto a identidade visual quanto o código, tenho a resposta num e-mail perdido em algum lugar. Todavia, acho a navegação no site um tanto confusa.

        Hahaha, tenho raiva dessas matérias curtas, de 3 parágrafos (até mesmo 3 frases). Verdade que tem vários momentos que passam do ponto no didatismo, mas eu gosto quando se trata de economia e política (alguns podem argumentar que é um enviesamento disfarçado).

        Outro problema do disqus: fode com links longos ou com caracteres especiais. Darei uma ouvida nesse podcast porque o assunto em si me interessa de leves

      • Frederico

        A identidade visual deles é a mesma da editora Ubu (na verdade, a da Ubu é a mesma, já que veio depois). Uma vez perguntei quem fez tanto a identidade visual quanto o código, tenho a resposta num e-mail perdido em algum lugar. Todavia, acho a navegação no site um tanto confusa.

        Hahaha, tenho raiva dessas matérias curtas, de 3 parágrafos (até mesmo 3 frases). Verdade que tem vários momentos que passam do ponto no didatismo, mas eu gosto quando se trata de economia e política (alguns podem argumentar que é um enviesamento disfarçado).

        Outro problema do disqus: fode com links longos ou com caracteres especiais. Darei uma ouvida nesse podcast porque o assunto em si me interessa de leves

  • Fabio Montarroios

    Alguém interessado nesses filmes q vão disputar o Oscar?

  • Fabio Montarroios

    Alguém interessado nesses filmes q vão disputar o Oscar?

    • Frederico

      To interessado em Hell or Highwater (mais pelo título do que qualquer coisa) e Moonlight. Esse último parece ser a topzera verdadeira do ano.

    • Frederico

      To interessado em Hell or Highwater (mais pelo título do que qualquer coisa) e Moonlight. Esse último parece ser a topzera verdadeira do ano.

      • Fabio Montarroios

        Pois é, ‘Moonlight’ parece ser, disparado, o melhor. Esse ‘Hell or Highwater’ eu tava por fora. Parece bom tb.

    • Ranner Barbosa

      To pra ve-los mas só vi Arrival até agora, to ansioso pra ver Manchester (esse vou ver no cinema) e acho que esse fds farei maratona com o resto.

      • Fabio Montarroios

        Vi ‘Manchester’ ontem e é legal.

      • Frederico

        Ah, Arrival é bem legal. Bem diferente do que esperava

      • Fabio Montarroios

        ‘Arrival’ é bom mesmo. Fazia tempo q não via um filme adulto de ficção científica.

      • Fabio Montarroios

        ‘Arrival’ é bom mesmo. Fazia tempo q não via um filme adulto de ficção científica.

      • Fabio Montarroios

        ‘Arrival’ é bom mesmo. Fazia tempo q não via um filme adulto de ficção científica.

      • Fabio Montarroios

        ‘Arrival’ é bom mesmo. Fazia tempo q não via um filme adulto de ficção científica.

      • Fabio Montarroios

        ‘Arrival’ é bom mesmo. Fazia tempo q não via um filme adulto de ficção científica.

      • Fabio Montarroios

        ‘Arrival’ é bom mesmo. Fazia tempo q não via um filme adulto de ficção científica.

  • Frederico

    Vocês tem livros favoritos? E há obras (não só literárias) que vocês admiram só pela beleza do título?

    Para esse último caso, gosto muito do “Ficando longe do fato de estar meio que longe de tudo” do DFW e “Tudo que é sólido se desmancha no ar” de Marshall Berman. Na música gosto de “Gotta knock a little harder” da Yoko Kano/Seatbelts (em referência a Bob Dylan).

  • Frederico

    Vocês tem livros favoritos? E há obras (não só literárias) que vocês admiram só pela beleza do título?

    Para esse último caso, gosto muito do “Ficando longe do fato de estar meio que longe de tudo” do DFW e “Tudo que é sólido se desmancha no ar” de Marshall Berman. Na música gosto de “Gotta knock a little harder” da Yoko Kano/Seatbelts (em referência a Bob Dylan).

  • Fabio Montarroios

    Impostos no Ebay. Vcs sabem me dizer se os impostos q o Ebay compra, a depender da compra, eles devolvem pra vc caso a Receita não os cobre ou nem?

  • Fabio Montarroios

    Impostos no Ebay. Vcs sabem me dizer se os impostos q o Ebay compra, a depender da compra, eles devolvem pra vc caso a Receita não os cobre ou nem?

  • Opa, quase esqueço de divulgar meu renovado blog, feito em Jekyll, hospedado no GitHub Pages e sem uma linha sequer de JavaScript:

    https://ghed.in

    Feedback é bem-vindo e espero que gostem!

  • Opa, quase esqueço de divulgar meu renovado blog, feito em Jekyll, hospedado no GitHub Pages e sem uma linha sequer de JavaScript:

    https://ghed.in

    Feedback é bem-vindo e espero que gostem!

    • Frederico

      Acho que você pode aumentar o tamanho da fonte e experimentar com outras tipografias. Fora isso, não há muito o que dizer, é bastante rápido e leve.

  • Frederico

    Vocês conhece a robô Rosie, que combate corrupção?

    “O deputado Celso Maldaner (PMDB-SC), por exemplo, foi denunciado por ter registrado doze almoços em um mesmo local, no mesmo horário e no mesmo dia, totalizando um gasto total de R$ 727,78.”

    http://exame.abril.com.br/tecnologia/rosie-a-robo-que-denuncia-quando-um-deputado-e-corrupto/

    Para quem não quer acessar a Exame, um nao.usem.xyz: http://nao.usem.xyz/acf8

    • Fabio Montarroios

      Será q ele não tentou passar a cartão várias vezes e ficava dando erro todas as vezes? Isso sempre acontece com deputados…

    • Fabio Montarroios

      Será q ele não tentou passar a cartão várias vezes e ficava dando erro todas as vezes? Isso sempre acontece com deputados…

      • Frederico

        É, pode ser
        Para azar dele, também debitava da conta a todo erro. Malabarismo doido é justificar o que são em dois estados diferentes

        • Fabio Montarroios

          Tava zoando. Muito bizarro esse almoço…

        • Fabio Montarroios

          Tava zoando. Muito bizarro esse almoço…

          • Frederico

            poxa, tb tava

          • Frederico

            poxa, tb tava

  • Nunca vi tanta treta num post livre.

  • Nunca vi tanta treta num post livre.

    • Conta Desativada

      Eu fomentei um pouco, talvez…rs Mas só no início e um pouco, depois eu perco a paciência e eu não ganho nada para fazer plantão aqui também. rsrs

  • Tenho a impressão de que o Nintendo Switch poderia ser o que a Apple TV de quarta geração tentou e não conseguiu: um aparelho para entretenimento, com forte foco familiar e “social” e com elementos de interface versáteis e engenhosos (os JoyCons lembram um pouco o Siri Remote mas, diferente deste, funcionam efetivamente como controles para jogos e não apenas para a interface com o sistema). O aparelho da Apple continua sendo uma caixa sofisticada para assistir à netflix e sincronizar aparelhos via airplay, mas não consegue nada muito além disso (sobretudo fora dos EUA por conta do suporte à Siri). Seria um sucesso de vendas, porém, se a apple tivesse conseguido licenciar exclusivamente propriedades da Nintendo (ou mesmo substituir os consoles dela). Já a Nintendo, com o Switch, venderá bem, mas sempre terá de batalhar a posição de “videogame” secundário.

    Os mini-games do 1–2 Switch, aliás, fariam muito mais sentido vendidos por $1,99 ou algo do tipo em uma loja tipo App Store do que vendidos como um pacote como a Nintendo está fazendo.

    Enfim: será que Apple algum dia se interessaria em comprar a Nintendo?

  • Tenho a impressão de que o Nintendo Switch poderia ser o que a Apple TV de quarta geração tentou e não conseguiu: um aparelho para entretenimento, com forte foco familiar e “social” e com elementos de interface versáteis e engenhosos (os JoyCons lembram um pouco o Siri Remote mas, diferente deste, funcionam efetivamente como controles para jogos e não apenas para a interface com o sistema). O aparelho da Apple continua sendo uma caixa sofisticada para assistir à netflix e sincronizar aparelhos via airplay, mas não consegue nada muito além disso (sobretudo fora dos EUA por conta do suporte à Siri). Seria um sucesso de vendas, porém, se a apple tivesse conseguido licenciar exclusivamente propriedades da Nintendo (ou mesmo substituir os consoles dela). Já a Nintendo, com o Switch, venderá bem, mas sempre terá de batalhar a posição de “videogame” secundário.

    Os mini-games do 1–2 Switch, aliás, fariam muito mais sentido vendidos por $1,99 ou algo do tipo em uma loja tipo App Store do que vendidos como um pacote como a Nintendo está fazendo.

    Enfim: será que Apple algum dia se interessaria em comprar a Nintendo?

    • Saiu um artigo muito bom na Bloomberg sobre o Apple TV dia desses: https://www.bloomberg.com/news/articles/2017-02-16/apple-vowed-to-revolutionize-television-an-inside-look-at-why-it-hasn-t

      Parece que sempre houve o desejo de tornar esse produto algo além de um “hobby”, como a Apple se refere a ele, mas sempre tem algum entrave que não permite concretizar a visão da empresa no produto. Tem coisa que nem todo o dinheiro do mundo resolve. Esse parece ser um caso.

      • No final o discurso tocado pela apple foi o de “o futuro da tv são aplicativos”, já que não deu certo a parceria com as operadoras de tv a cabo. Mas acho que, se há algum futuro, não está nem em um lado nem em outro.

        Não sirvo de parâmetro para nada, mas aqui em casa eu simplesmente não “acesso” a tv tradicional (nossa tv sequer está ligada à tv aberta e não tenho tv a cabo). O aparelho serve apenas para receber a apple tv e um eventual console. Isto está longe de ser comum (ao contrário, é bem raro), mas vejo situações similares com colegas, sem falar no fenômeno ampliado de “cord cutting” nos eua. Parece que todo mundo sabe que o futuro não é o dos serviços atuais de tv… mas ninguém parece saber o que fazer com isso.

        E, no caso da apple, acho que uma das tentativas que não deu certo foi a de transformar o aparelho em um console secundário (daí a comparação com o switch). A outra aposta é na integração com aparelhos tipo echo, que também acho problemática. Mas, no final, acho que ninguém sabe ainda como chegar às salas de estar que usam a tv ainda para assistir à novela e ao jornal nacional. Curiosamente, o WhatsApp chegou.

        • Aliás: 15 anos atrás ninguém imaginava que o MSN ou o ICQ (que descansem em paz) seriam hoje usados pelos nossos pais, tios e avós (na forma de whatsapp). E hoje ainda não sabemos lidar bem com isso.

        • Aliás: 15 anos atrás ninguém imaginava que o MSN ou o ICQ (que descansem em paz) seriam hoje usados pelos nossos pais, tios e avós (na forma de whatsapp). E hoje ainda não sabemos lidar bem com isso.

          • Fabio Montarroios

            Nossos tios, pais e avós não foram preparados pra Internet. Desconfio q eles nunca entenderão.

          • Mas aí que está. Eles sabem se apropriar muito bem do whatsapp.

  • Fabio Montarroios

    Uma curiosidade sobre adesivos. Vcs, por acaso, colam adesivos nas tampas dos laptops?

    • Conta Desativada

      Acho isso bem brega. Meu laptop assim como meu carro é totalmente livre de adesivos.

      • Fabio Montarroios

        Cada um faz o q pode.

      • Fabio Montarroios

        Cada um faz o q pode.

      • tuneman

        Até colei uns adesivos no meu capacete, mas me arrependi e removi. Removi até os adesivos da concessionária que estavam na moto.

      • tuneman

        Até colei uns adesivos no meu capacete, mas me arrependi e removi. Removi até os adesivos da concessionária que estavam na moto.

    • Frederico

      Nããão, nunca

    • Frederico

      Nããão, nunca

      • Fabio Montarroios

        O meu tá cheio!

      • Fabio Montarroios

        O meu tá cheio!

        • Frederico

          Nunca mandei meu endereço pro Ghedin enviar o do MdU, sabia que não colaria em nenhum lugar e que nem daria para alguém fazer o mesmo.

          Porém quando moleque tinha caderno cheio de adesivos de godzilla e pokemon

          • Fabio Montarroios

            Pior q agora queria um adesivo pequeno do MdU, pq não sobrou muito espaço… Colei com coisas relacionadas as minhas preferências e sobre projetos q simpatizo. Mas o mais legal é o do ‘não mate’ de causa de proteção animal.

          • Fabio Montarroios

            Pior q agora queria um adesivo pequeno do MdU, pq não sobrou muito espaço… Colei com coisas relacionadas as minhas preferências e sobre projetos q simpatizo. Mas o mais legal é o do ‘não mate’ de causa de proteção animal.

          • Frederico

            Eu queria colar um de “respeite ciclista” em algum lugar do carro (notebook nunca), mas acabei perdendo o adesivo

          • Fabio Montarroios

            Poxa, queria um desse pra poder colocar na mochila qdo ando bike ou estampar na csmiseta. Mas receio q os motoristas encararem como provocação.

          • Fabio Montarroios

            Poxa, queria um desse pra poder colocar na mochila qdo ando bike ou estampar na csmiseta. Mas receio q os motoristas encararem como provocação.

          • Fabio Montarroios

            E quem sabe um dia o Ghedin não lança uns produtos minimalistas pra gente poder comprar: caneca sem alça, lápis sem ponta, camisa sem gola, adesivo sem nada e sem cola etc…

          • Frederico

            O adesivo podia ser fita dupla face só com RG escrito, quem sabe só G

          • Frederico

            O adesivo podia ser fita dupla face só com RG escrito, quem sabe só G

          • Fabio Montarroios

            Nem o G. Só um adesivo branco mesmo.

    • Ranner Barbosa

      a pergunta é: ONDE colar?? o amigo ali acha brega, entendo ele, agora se for colar em armario, só se vc tiver de 15 anos pra baixo né… quais opções sobram? falem ai pois to com o meu guardado há tempos (não tenho notebook, nem kindle, nem nada desse tipo pra colar)

    • Ranner Barbosa

      a pergunta é: ONDE colar?? o amigo ali acha brega, entendo ele, agora se for colar em armario, só se vc tiver de 15 anos pra baixo né… quais opções sobram? falem ai pois to com o meu guardado há tempos (não tenho notebook, nem kindle, nem nada desse tipo pra colar)

      • Fabio Montarroios

        Na bike.

    • tuneman

      Só tenho 1 adesivo do Tux na tampa do meu Lenovo, no centro, similar ao logo da Apple

    • Não gosto muito, mas de vez em quando coloco sobre o logo do fabricante: https://www.instagram.com/p/233LJ4rPUv/?taken-by=gdarruda

      • Fabio Montarroios

        Vou pedir o meu. Vou ver se ainda tenho direito ou só se renovando aquelas assinaturas de três anos que não tem nem como cancelar…

      • Fabio Montarroios

        Vou pedir o meu. Vou ver se ainda tenho direito ou só se renovando aquelas assinaturas de três anos que não tem nem como cancelar…

  • Marcos Balzano

    Acho que com a repercussão do Post Livre dessa semana já mostra como será as eleições para presidente do Brasil em 2018. É notável o crescimento de uma direita mais conservadora ao redor do mundo, Alemanha, França, Reino Unido, são só alguns exemplos. E bem, não é saudável essa divisão praticamente polar que existe nas sociedades quando tais governos ou candidatos se manifestam. Veja os Estados Unidos, o Trump é amado por metade das pessoas, mas é odiado pela outra metade. E isso é muito ruim, faz com que o país não avance, cria rixas e discussões desnecessárias para o âmbito público.

    Estou triste em ver que até aqui no Manual as pessoas perdem a compostura, em ambos os lados, numa discussão sem qualquer tipo de mérito. Aonde as pessoas simplesmente não aceitam a verdade do outro, por não ser a mesma que a sua.

  • Marcos Balzano

    Acho que com a repercussão do Post Livre dessa semana já mostra como será as eleições para presidente do Brasil em 2018. É notável o crescimento de uma direita mais conservadora ao redor do mundo, Alemanha, França, Reino Unido, são só alguns exemplos. E bem, não é saudável essa divisão praticamente polar que existe nas sociedades quando tais governos ou candidatos se manifestam. Veja os Estados Unidos, o Trump é amado por metade das pessoas, mas é odiado pela outra metade. E isso é muito ruim, faz com que o país não avance, cria rixas e discussões desnecessárias para o âmbito público.

    Estou triste em ver que até aqui no Manual as pessoas perdem a compostura, em ambos os lados, numa discussão sem qualquer tipo de mérito. Aonde as pessoas simplesmente não aceitam a verdade do outro, por não ser a mesma que a sua.

    • Fabio Montarroios

      Marcos, acho normal esse tipo de conflito, pq, há muitos interesses me jogo. Obviamente as pessoas não refletem direito qdo há questões emocionais envolvidas e o clima se assemelha ao de embates esportivos… Mas há bons argumentos de todos os lados. Quem emprega pensa diferente de quem apenas trabalho. E, tirando poucas exceções, as empresas não facilitam, especialmente as grandes. Mas há ainda o enorme e vasto mercado informal no Brasil e isso não entrou em perspectiva em momento algum. E essa é uma característica do nosso país q impões barreiras insanas às pessoas viverem tranquilamente. Me incomoda, claro, não receber o q eu acho q mereço e ter direitos trabalhistas ameaçados, mas entendo q muita gente (os micro e pequenos especialmente) não tem como suportar esses direitos como teriam um mega empresário…

      Nesse sentido, acho q vc pode compreender, mesmo não sendo um cara q nunca pensou: “vou esfolar meus funcionários hj”. Enquanto vivermos nesse tipo de sistema q criamos pra nós, q é nitidamente insustentável, o descontentamento não se esvai. Daí os populistas se aproveitam, especialmente com o discurso reacionários, criar esse clima de embate. Quando muitas pessoas se deixam convencer por esse discurso, a coisa tende a degringolar e por mais q vc tenha o direito a sustentar um discurso reacionário (e não é o seu caso) ele não pode passar batido, pq é um tipo de discurso propositalmente palatável e com muitas respostas fáceis a problemas complexos q, sabemos todos (ou quase), não têm solução simples e q se resolvidos, não agradarão a todos.

      Vc listou a questão previdenciária e, como leigo, não creio q ela seja um problema real, já q, pra mim, fica nítido q o q se quer é fomentar a previdência privada (como se os bancos precisassem lucrar mais)… Assim como acontece com saúde, educação e segurança. É uma classe política e uma elite empresarial (os mega empresários) tão complicada q é razoável q as pessoas fiquem indignada. Conflitos assim como vc diz sempre existiram e sempre existiram, pq é inevitável q pessoas tenham interesses diferentes. Só regimes totalitários conseguem equalizar uma sociedade e isso não é desejável pq conhecemos as consequências – especialmente para quem diverge desses regimes.

      • Marcos Balzano

        Sobre a previdência, ela como fundo previdenciário, vai muito bem hoje. Só que hoje a previdência é muito mais que o fundo apenas, é um órgão assistencialista, nada errado com isso também, só que o dinheiro que antes entrava como investimento para a pensão, hoje é dividido para os mais diversos propósitos aonde que no futuro, o fundo todo irá quebrar, pois a situação não é sustentável no longo prazo.

        Com o desenvolvimento do país, sistema de saúde e afins, a população vive mais, e aliado a uma crescente parcela da população migrando para as cidades, onde o custo de vida é maior, acabam tendo menos filhos, assim, logo, teremos uma população idosa maior que uma população jovem, dificultando ainda mais a sustentação daqueles que não trabalham mais. Isso é problema no mundo todo, e com a previdência dando indícios disso hoje, significa que logo ela pode quebrar, culminando numa parcela da população totalmente desamparada.

        Um bom exemplo seria, nunca pagar a totalidade do cartão de crédito, assim acumulando uma dívida, pequena, para o próximo mês, em poucos meses isso pode não ser muito problemático, mas ao longo de anos, isso irá te quebrar.

        E sobre a CLT, hoje vejo como um sistema antigo, que quem foi feito para proteger, aprendeu a jogar com o sistema. Todo o sistema hoje é falho, e quando dizem reforma da CLT, a esquerda já berra perda de direitos, o que pode não ser verdade. O custo de um funcionário CLT é extremamente elevado ao ponto que se é possível contratar por CNPJ ou prestação de serviços, os últimos são sempre a preferência, justamente pelo encargos e burocracias sem fim, que são necessárias. Todos meus processos trabalhistas, são oriundos de CLT, que tentam abusar o sistema. Nenhum PJ até hoje me processou, então fica difícil defender o estado atual da CLT.

        Sobre o discurso, acho mais que é o que certa parte da população quer ouvir, por mais que não seja bem assim, eles querem ouvir isso. Veja Dória, muita gente queria fora os pixes pela cidade, é uma ação bem popular, que não traz benefício nenhum, mas que garante o carisma de quem votou nele. Espero que esteja errado, mas teremos um Enéas como presidente logo mais.

        • Fabio Montarroios

          A esquerda não é uma só. Qdo vc diz q a esquerda não topa uma reforma da CLT ela, de fato, está sendo conservadora. A esquerda poderia ela própria propor uma reforma. Mas não o faz não por falta de ideias, mas por falta total de articulação com outras correntes ideológicas… Parte da esquerda, especialmente aquela q esteve no poder e o qual é até difícil falar q se trata de esquerda, faz, docemente, o jogo do pior da nossa elite política e financeira, q está cagando para os direitos sociais conquistados ou por serem conquistados. E, claro, não há nenhum movimento articulando uma reforma moderna e q proteja quem precisa ser protegido (uma fração grande da população). Tudo fica como está ou com menos direitos, sonho dessa elite podre q temos.

    • Fabio Montarroios

      Não à toa existem guerras civis pelo mundo… ou revoluções sangrentas. Tem um autor, o Luiz Mir q acredita q já estamos em uma guerra civil. E, cara, faz todo sentido… Enqto uma mudança profunda não acontecer na nossa sociedade (a lava-jato, claro, não tem nada a ver com isso como querem crer), continuaremos nesse clima. Q ganhou contornos espetaculares graças às redes sociais q, vc deve saber bem, existiam antes dela, mas apenas não tínhamos essa dimensão.

      https://www.youtube.com/watch?v=CFDKIOLD6-8

    • Fabio Montarroios

      Não à toa existem guerras civis pelo mundo… ou revoluções sangrentas. Tem um autor, o Luiz Mir q acredita q já estamos em uma guerra civil. E, cara, faz todo sentido… Enqto uma mudança profunda não acontecer na nossa sociedade (a lava-jato, claro, não tem nada a ver com isso como querem crer), continuaremos nesse clima. Q ganhou contornos espetaculares graças às redes sociais q, vc deve saber bem, existiam antes dela, mas apenas não tínhamos essa dimensão.

      https://www.youtube.com/watch?v=CFDKIOLD6-8

      • Marcos Balzano

        Acho claro que o Brasil está um caos, não sei se ao ponto de uma Guerra Civil, mas acho que estamos perto de um “Tipping point”. Hoje a Lava-Jato só prova o que já era conhecimento popular, e pior, descredita toda a classe de políticos no Brasil, o que por um lado é ruim, se não temos confiança naqueles que elegemos, iremos confiar em quem? Mas prova que ninguém está acima da lei, e mesmo que quem está no poder tente manipular o sistema, o judiciário prova que ninguém estará blindado.

        O ocorrido no Espírito Santo, só prova que a população está na beira do colapso, acho difícil de crer que existia todo um contingente de criminosos a espera da falta de polícia para cometer crimes, pois os ja cometem com a mesma estando nas ruas. A quantidade de assaltos e crimes em geral cometido foi algo absurdo, provando que é necessário o policiamento ostensivo para manter a população na linha.

    • Fabio Montarroios

      Marcos, não se se vc sabe, mas apoio a pichação. Totalmente. Tanto q se picharem onde eu moro, não teria galho pra mim. Mas não é a opinião da maioria. Trombei com esse texto agora é vejo o ódio dos debatedores mesmo no ‘papo de homem’ q diz propiciar ali um espaço pra conversa bum nível saudável… A conversa é de seis anos atrás e o ódio já estava ali num assunto que é bem quente hj. Acho q conflitos assim sempre vai existir, mas veja a diferença do nível em q as coisas estavam lá e o jovem em q as coisas estão aqui. Por mais que pessoas tenham ido contra seus argumentos, o nível não é reacionário como o daquelas pessoas. E essa diferença eu acho fundamental.

      https://papodehomem.com.br/isso-ai-e-arte-ou-vandalismo/

  • Ranner Barbosa

    com o aumento da popularidade (pelo menos em falação) dessas “standing desks”,pergunto, há opções no Brasil? como não há coisas do tipo “lifehacker” “wirecutter” e vertentes disso por aqui, não acho opções, queria saber mesmo se tem por aqui só por curiosidade, acho a proposta bem interessante…

    • Conta Desativada

      É uma grande besteira! Esqueça isso! Não precisamos trabalhar em pé, basta levantarmos regularmente durante o trabalho.

      Quando eu estou trabalhando em casa (a maior parte do tempo), a cada 30 minutos eu me levanto e faço 10 flexões na barra fixa (que fica na porta do meu quarto): 5 pronadas, 5 supinadas e volto pra mesa.

    • Não cheguei a ler o texto, mas parece que não há evidências científicas de que isso é importante.

    • Não cheguei a ler o texto, mas parece que não há evidências científicas de que isso é importante.

  • Frederico

    Parece que melou a iniciativa de futebol ao vivo pelo youtube

  • Frederico

    Parece que melou a iniciativa de futebol ao vivo pelo youtube

    • Frederico

      Se pá poderia ser uma pauta pro MdU, esportes e internet

    • Frederico

      Se pá poderia ser uma pauta pro MdU, esportes e internet