Assinaturas Classificados
Assinaturas

Publicidade
Diplomacia

Mercosul quer assegurar entrada da Venezuela com "armadilha", diz Paraguai

"O novo crédito é uma chantagem à soberania nacional. Querem que reconheçamos desta maneira a entrada da Venezuela", afirmou o ministro de Obras

12/09/2012 | 14:55 |
  • Comentários

O governo do Paraguai anunciou nesta quarta-feira (12) que não receberá o crédito de US$ 41 milhões outorgado pelo Mercosul por considerar que a medida se trata de uma "armadilha jurídica" com a qual o bloco regional procura assegurar a entrada da Venezuela.

"O novo crédito é uma chantagem à soberania nacional. Querem que reconheçamos desta maneira a entrada da Venezuela", afirmou o ministro de Obras, Enrique Salyn Buzarquis.

Em entrevista coletiva, o ministro de Obras, junto ao de Fazenda, Manuel Ferreira Brusquetti, e o chanceler paraguaio, José Félix Fernández Estigarribia, anunciou a rejeição ao empréstimo aprovado pelo Fundo de Convergência Estrutural do Mercosul (Focem) em um momento em que o Paraguai está suspenso do bloco.

No final do mês de junho, a Argentina, Brasil e Uruguai, os outros membros fundadores do Mercosul, decidiram suspender o Paraguai do bloco por causa de um "quebra democrático" relacionada com a destituição do ex-presidente Fernando Lugo.

Em paralelo a suspensão do Paraguai, os países do Mercosul também anunciaram o ingresso da Venezuela, mesmo sem a aprovação do Senado paraguaio.

O ministro da Fazenda do Paraguai explicou que a decisão de não receber o crédito foi adotada esta semana durante uma reunião com o chefe de Estado, Federico Franco. Na ocasião, as autoridades paraguaias perceberam que o documento contava com a assinatura do chanceler venezuelano, Nicolás Maduro.

Fernández Estigarribia, por sua parte, explicou que o país decidiu adiar a aceitação do dinheiro, que deveria ser investido nas obras da faixa da ribeira do rio Paraguai, em Assunção, até que se restabeleça a "normativa jurídica" no Mercosul.

O Mercosul sustenta que só reconhecerá as autoridades paraguaias a partir das eleições gerais do dia 21 de abril de 2013, enquanto a União de Nações Sul-americanas (Unasul) também mantém a suspensão do Paraguai, anunciada no último dia 29 junho.

      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Publicidade
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 69,30 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade