Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Repercussão

Crise política pode tirar Paraguai do Mercosul

Decisão de afastar Fernando Lugo do cargo pode ser interpretada como contrária ao artigo 5º do Protocolo de Ushuaia, que criou o bloco econômico e obriga países a manterem regimes democráticos de governo

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A crise política do Paraguai e o impeachment do presidente Fernando Lugo podem resultar na expulsão do país do Mercosul. Isso porque a decisão de afastar Lugo do cargo pode ser interpretada como contrária ao artigo 5º do Protocolo de Ushuaia, que criou o bloco econômico e obriga os países integrantes a manterem regimes democráticos de governo.

Para o professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo e especialista em América Latina Moisés Marques, a saída de Lugo pode ser encarada pelos países do Mercosul como um "golpe branco" e significaria "a morte econômica" do País vizinho. "Pelo que os governos dos outros países já sinalizaram, o Paraguai seria expulso do Mercosul e ficaria ilhado economicamente", avaliou Marques. "Além de ser um satélite brasileiro, principalmente na produção agrícola, o Paraguai é um país sem saída para o mar e depende dos vizinhos".

Na avaliação do professor de Relações Internacionais da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Mario Gaspar Sacchi, os países vizinhos podem ainda criar controles alfandegários e barreiras que impediriam o Paraguai de exportar carne, soja e alguns produtos manufaturados. "O Brasil pode fechar o corredor que dá para o porto de Paranaguá (PR)", exemplificou.

O professor de relações internacionais da Universidade Anhembi Morumbi José Aparecido Rolon tem a mesma visão de Marques e diz que o impeachment coloca em questão as relações do Paraguai com o bloco para se sustentar economicamente. "Não há interesse em perder essas relações, especialmente com o Brasil, que é um parceiro importantíssimo", disse Rolon, acrescentando que a cláusula democrática do bloco atua como uma âncora para a manutenção da democracia interna do país.

Rolon avalia, no entanto, que o impacto imediato após eventual queda de Lugo seria essencialmente político, com um aumento das incertezas. "Isso representa um retrocesso para a democracia e para o avanço do desenvolvimento econômico-social do Paraguai". Segundo ele, se não houver sucesso na pressão da Unasul para a sustentação da democracia no País vizinho, pode haver também o retorno dos questionamentos em torno da existência do Mercosul como bloco econômico.

Marques, da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, avalia ainda que a questão mais complicada para os dois principais países do Mercosul - Brasil e Argentina - seria a questão da energia produzida pelo Paraguai na usina de Itaipu e comercializada com os vizinhos. Mas até nessa questão, segundo o professor, o Paraguai poderia sair perdendo, pois foi justamente sob o governo de Lugo que houve uma melhor precificação para o país da energia de Itaipu vendida para ambos os países vizinhos.

Ainda sob o ponto de vista político, Luis Fernando Ayerbe, coordenador do Instituto de Estudos Econômicos Internacionais da Unesp, avalia que o Paraguai estaria sendo vítima de oportunismo pois Lugo tem pouco mais de um ano de mandato pela frente e a abertura dessa crise daria mais visibilidade e cacife para a oposição.

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Mundo

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais