Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Decisão

OEA convoca reunião de chanceleres sobre caso Assange

Encontro debaterá situação gerada pelo asilo diplomático outorgado pelo Equador ao fundador do WikiLeaks

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A OEA convocou nesta sexta-feira (17) uma reunião de chanceleres para o dia 24 de agosto, em Washington, que debaterá a situação gerada pelo asilo diplomático outorgado pelo Equador ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, refugiado na embaixada equatoriana em Londres.

Com uma votação de 23 países a favor e três contra (Estados Unidos, Canadá e Trinidad e Tobago), a OEA aprovou a resolução proposta por Quito que pede aos chanceleres para tratar da "inviolabilidade dos locais diplomáticos do Equador no Reino Unido".

Os votos a favor foram dos países sul-americanos, México, América Central e do Caribe, com exceção de Panamá, Honduras, Barbados, Jamaica e Bahamas, que se abstiveram, durante uma reunião extraordinária na sede da Organização dos Estados Americanos (OEA). Os Estados Unidos e o Canadá mostraram sua oposição, ao considerar que este assunto é de exclusiva competência de Londres e Quito e que o papel da OEA se limita a chamá-los ao diálogo.

"Acreditamos que uma reunião de chanceleres não será útil e poderá ser prejudicial para a reputação da OEA", afirmou a embaixadora americana, Carmen Lomellin.

O pedido de reunião extraordinária pelo Equador foi realizado diante das "ameaças" do governo britânico de que tirará Assange à força da embaixada do Equador em Londres, embora o governo britânico tenha descartado essa possibilidade. O Equador anunciou na quinta-feira (16) a concessão de asilo diplomático a Assange por considerar que existem riscos para sua integridade e sua vida em consequência das revelações feitas no site Wikileaks.

Quito aceitou os argumentos de Assange, que denuncia uma perseguição política de vários países, principalmente dos Estados Unidos, devido à divulgação de centenas de milhares de comunicados diplomáticos e documentos de Washington sobre as guerras do Iraque e do Afeganistão. O fundador do site WikiLeaks entrou na embaixada do Equador em Londres no dia 19 de junho, depois de esgotar todas as opções legais contra um pedido de extradição à Suécia, onde é acusado de crimes sexuais, o que ele nega.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Mundo

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais