Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

questão agrária

Paraguai cria comissão para investigar confronto que matou 17

Presidente Fernando Lugo tenta acalmar os ânimos enquanto cresce a pressão política sobre ele. Confronto envolveu policiais e camponeses

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O Paraguai criará uma comissão especial de investigação para esclarecer o confronto entre policiais e camponeses que deixou 17 mortos na sexta-feira passada (15), na tentativa de acalmar os ânimos enquanto cresce a pressão política sobre o presidente Fernando Lugo por sua responsabilidade no conflito. O mandatário, criticado por sua reação à violência ocorrida em uma fazenda no nordeste do Paraguai, convocou nesta quarta-feira (20) a sua primeira entrevista coletiva em dois anos para anunciar a formação do grupo investigador que terá a intervenção da Organização dos Estados Americanos (OEA). O anúncio foi feito entre renovadas ameaças de um impeachment contra Lugo, que não tem maioria no Congresso e se viu forçado a destituir seu ministro do Interior e o comandante da polícia pelo episódio violento ocorrido em uma região de fronteira com o Brasil. "Neste acontecimento infeliz perdemos todos ... não é o momento de buscar nem pedir ganhos políticos de parte de ninguém, nem pessoas nem organizações, porque seria somente oportunismo político", disse o presidente. Lugo explicou que os policiais, que tentavam conduzir uma desapropriação de terra ocupada por camponeses, foram "surpreendidos em meio a um protocolo de diálogo e negociação", lançando luz sobre o que aconteceu depois de várias versões conflitantes. E acrescentou que havia indícios sobre a maneira de atuar de ambos os grupos e a utilização de armamento de alto calibre "que sugere a participação de forças de profissionais do crime", sem dar mais detalhes sobre o incidente, o mais violento das últimas duas décadas no país. A comissão, que terá como tarefa um estudo completo e independente dos fatos, será formada pela sociedade civil e um representante da OEA.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Mundo

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais