Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Conflito

Rebelde sírio comeu coração de soldado, diz ong

Vìdeo divulgado na internet mostra fundador de um grupo rebelde cortando o coração de combatente morto. Ele jura comer "corações e fígados" dos soldados sírios

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Um vídeo de um rebelde sírio cortando o coração de um soldado e o comendo é o retrato de uma guerra civil que provocou ódio sectário e mortes por vingança, denunciou a Human Rights Watch nesta segunda-feira (13). O grupo, com sede em Nova York, disse que um vídeo amador postado na internet no domingo (12) mostra Abu Sakkar, um dos fundadores do rebelde Farouq Brigad, cortando o coração de um soldado morto. As fortes imagens provocaram indignação não só entre partidários do presidente Bashar al-Assad, mas também preocupação entre grupos de defesa dos direitos humanos.

"Juro por Deus que vamos comer seus corações e seus fígados, soldados do cão Bashar", diz o homem no vídeo, segundo o grupo.

Peter Bouckaert, da organização mundial de direitos humanos, afirmou ter visto uma cópia original do vídeo, não editada, e que a identidade de Abu Sakkar tinha sido confirmada por fontes rebeldes em Homs e por imagens do homem em outros vídeos usando o mesmo casaco preto e anéis.

"A mutilação dos corpos dos inimigos é um crime de guerra. Mas a questão ainda mais grave é a rápida adoção de uma retórica sectária e de violência", ressaltou.

Segundo Bouckaert, na versão não editada do filme Abu Sakkar, antes de morder o coração, instrui seus homens a "abaterem os alauítas e a retirarem seus corações para comê-los".

Abu Sakkar já foi visto em vídeos anteriores disparando foguetes em aldeias xiitas na fronteira com o Líbano e posando com o corpo de um soldado supostamente do grupo xiita Hezbollah, que está ajudando as forças de Assad. Os vídeos da Síria não podem ser verificados de forma independente, pois o acesso a jornalistas é restrito pelo governo.

O conflito sírio começou com protestos pacíficos em março de 2011, mas, após as manifestações serem reprimidas, a situação acabou se transformando em uma guerra civil cada vez mais sectária. O Observatório Sírio de Direitos Humanos - organização com base em Londres, mas que mantém contatos dentro do país - afirmou no domingo que pelo menos 82 mil pessoas foram mortas e outras 12.500 estão desaparecidas depois de dois anos de enfrentamentos.

Muçulmanos de maioria sunita lideram a revolta, enquanto Assad - cuja família governou durante mais de quatro décadas - recebe o apoio do núcleo de seu próprio ramo alauíta, uma ramificação do islamismo xiita.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Mundo

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais