Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Carlos Ramalhete

Fechar
PUBLICIDADE
Carlos Ramalhete

Carlos Ramalhete + VER MAIS COLUNISTAS

Carlos Ramalhete

Ataque neofascista

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Algumas décadas atrás, em plena Guerra Fria, grupos terroristas de extrema-esquerda tentaram tomar o poder pela força e implantar ditaduras totalitárias na América Latina, com farto apoio financeiro e logístico estrangeiro. A resposta das Forças Armadas da região foi em geral severa, e muitas vezes truculenta. O único país da região em que o terrorismo e sua repressão não ceifaram milhares de vidas foi o Brasil, fiel à sua cultura conciliadora.

Aqui, como lá, houve mortes em combate de ambos os lados e vítimas inocentes foram atingidas. Não houve, contudo, práticas quase genocidas como as que mancharam a história militar dos demais países do Cone Sul, e a Lei da Anistia perdoou os excessos de ambos os lados.

No Brasil, o grosso da luta restringiu-se, felizmente, ao campo da mobilização da opinião popular. Poucos trabalharam tão acirradamente no combate pacífico às tentativas de estabelecimento de um Estado totalitário quanto a Tradição, Família e Propriedade (TFP), entidade laical de inspiração católica baseada em São Paulo. Em seu auge, ela chegou a contar com mais de 1 milhão de correspondentes e simpatizantes espalhados por todo o país.

Após o fim daquele conturbado período, contudo, ela perdeu quase tudo. Até mesmo seu nome e suas propriedades lhe foram arrancados pelo Judiciário e entregues a um grupo que não se interessa pela militância política. Sua ação, contudo, persiste, ainda que em condições comparativamente precárias, sob o nome do Instituto Plínio Correia de Oliveira (IPCO), numa homenagem ao seu fundador.

Poucos dias atrás, uma manifestação pacífica do IPCO em Curitiba foi atacada por militantes “gay”, em outra demonstração clara da índole fascista deste movimento. Não lhes basta a tolerância; esta, aliás, lhes é estranha. Para eles, vale tudo para calar qualquer voz discordante.

A agressão, desavergonhadamente gravada por um dos que a perpetraram, pode ser vista na internet. É assustador: blasfêmias e berros obscenos a centímetros do rosto, empurrões e ofensas, respondidos apenas com orações e silêncio. Uma pedrada, registrada no 1.º DP, atingiu um dos rapazes do IPCO, que precisou ir ao hospital e receber três pontos de sutura na cabeça. É a ação covarde do neofascismo.

Não interessa se estamos ou não de acordo com o que diz o IPCO. Eu mesmo não concordo com tudo o que pregam. Eles têm, contudo, o direito de defender em público pacificamente o que querem preservar. E é isto que os neofascistas “gay” estão tentando impedir.

Assista aos vídeos no youtube clicando aqui e aqui

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

últimas colunas de Carlos Ramalhete

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais