Assinaturas Classificados
Assinaturas

Publicidade

Fotos: Priscila Forone/ Gazeta do Povo

Fotos: Priscila Forone/ Gazeta do Povo / Com medo, comerciantes da Rua João Dembinski, na CIC, fecharam as lojas mais cedo após a ameaça de traficantes Com medo, comerciantes da Rua João Dembinski, na CIC, fecharam as lojas mais cedo após a ameaça de traficantes
Violência

Tráfico impõe toque de recolher na CIC

Em menos de dez dias, dois adultos e três adolescentes foram assassinados na Vila Sandra. Comunidade está aterrorizada

07/09/2011 | 00:59 |
  • Comentários

 / “Nossa passeata é para ajudar a comunidade. Queremos promover a paz e precisamos de forças para reunir a população que está com medo.”
Valéria Pachoal da Silva, líder da Igreja Batista Vila Sandra Ampliar imagem

“Nossa passeata é para ajudar a comunidade. Queremos promover a paz e precisamos de forças para reunir a população que está com medo.” Valéria Pachoal da Silva, líder da Igreja Batista Vila Sandra

Mobilização

Igreja promove passeata pela paz

Hoje, às 8h30, fiéis da Igreja Batista Vila Sandra sairão em passeata pelas ruas da região para pedir paz. “Acreditamos que a igreja precisa ser relevante na comunidade, por isso vamos promover uma caminhada pela paz vestidos com pelo menos uma peça de roupa branca”, afirmou a líder da igreja Valéria Pachoal da Silva. Ela contou que a igreja está no bairro há 14 anos, mas que nos últimos dois anos a criminalidade tem aumentado.

A passeata da paz passará por uma das principais ruas da Vila Sandra, a João Dembinski, onde duas pessoas foram assassinadas. Na semana passada, na igreja, foi velado o corpo de um dos jovens mortos em decorrência do conflito entre gangues. “Dizem que há uma lista de pessoas que serão assassinadas. Queremos denunciar isso e vamos começar com a caminhada nas ruas para unir a comunidade”, disse.

Homicídios

Cinco pessoas morreram na região da Vila Sandra nos últimos dez dias. Até agora, a autoria dos crimes é desconhecida:

25 ago – Marlon Henrique Rodrigues Raimundo, 15 anos, é morto com um tiro na cabeça, na Rua Aleixo Grebos.

29 ago – Lucas Eduardo Tibúrcio Firmino, 14 anos, é assassinado a tiros na Rua Catanduvas.

1º set – Jean Felipe Rossane, 19 anos, e Áurea Freitas Lima, 29 anos, são executados com pelo menos 10 tiros na Rua João Dembinski.

2 set – Um rapaz de cerca de 15 anos, conhecido como Xarope, morre baleado em frente de uma loja de materiais de construção. A identidade dele ainda não foi revelada.

Anteontem, 40% dos estudantes do Colégio Estadual Teotônio Vilela, que atende 1,7 mil alunos na Vila Sandra, faltaram às aulas por medo. Dois jovens mortos nos últimos dias estavam matriculados na escola. Ontem, a direção da instituição e o corpo docente se reuniram para discutir o problema. “O medo da comunidade, infelizmente, acaba refletindo na presença dos alunos”, afirma o diretor Darci Cláudio Jasper.

Violência

Os moradores afirmam que a situação de violência não é de hoje, mas desde a morte da primeira vítima, um adolescente de 15 anos, no dia 25 de agosto, a comunidade passou a sofrer mais os efeitos da falta de segurança. Uma amiga dos jovens mortos, que não quer ser identificada, contou que existem pelo menos três grupos rivais na região: um deles comanda o tráfico da Vila Sandra e começou a matar integrantes de outros grupos, por causa de dívidas com drogas.

“Eles mataram o primeiro e o irmão deste rapaz morto agora quer vingança. O grupo de traficantes começou então com o toque de recolher”, afirmou a jovem. Ela disse que existe uma lista de pessoas a serem mortas e que pelo menos 15 delas deixaram a vila por medida de segurança. Comer­­ciantes da Rua João Dembinski, que respeitaram o toque de recolher na sexta-feira, afirmam estar com medo. Algumas lojas continuam fechando mais cedo, outras voltaram a funcionar no horário normal.

A delegada titular da Delegacia de Homicídios, Maritza Haisi, afirmou que as mortes na Vila Sandra estão sendo investigadas e que já tem nomes de alguns suspeitos. “Estamos verificando se realmente existe ligação entre essas mortes. Ainda não temos uma resposta positiva sobre isso”, explicou. Sobre o toque de recolher, a polícia não confirma a veracidade dessa informação. Boato ou não, a Polícia Militar informou que está fazendo rondas no bairro.

Brincadeira

O Colégio Estadual Domingos Zanlorenzi, no Jardim Gabineto, também na CIC, deveria receber cerca de 300 alunos ontem no turno da tarde, mas apenas 30 foram à aula. Um suposto cartaz colado na frente da escola teria ameaçado alguns estudantes de morte. Houve ainda boatos de que a escola seria alvo de uma chacina. “Os pais, receosos, preferiram deixar os filhos em casa”, afirmou um funcionário que não quer ser identificado.

A polícia esteve no colégio, olhou as gravações das câmeras de segurança e não encontrou nenhum cartaz sendo colado na fachada da instituição. Aparen­­temente tudo não passou de uma brincadeira. “Pode ser uma manobra dos alunos para faltar aula”, disse o funcionário.

      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 49,90 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade