Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

governo estadual

Às vésperas da eleição, Richa destrava investimentos no Paraná

Após prometer investir montantes recordes desde que assumiu o Palácio Iguaçu, em 2011, o tucano desembolsou R$ 3,66 bilhões para obras e aquisição de equipamentos

  • Euclides Lucas Garcia
Viaduto da rodovia João Leopoldo Jacomel (PR-415), ligação entre Curitiba, Pinhais e Piraquara | Jaelson Lucas / ANPr
Viaduto da rodovia João Leopoldo Jacomel (PR-415), ligação entre Curitiba, Pinhais e Piraquara Jaelson Lucas / ANPr
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

No penúltimo ano de seus dois mandatos como governador – último, caso ele renuncie para se candidatar ao Senado −, Beto Richa (PSDB) finalmente conseguiu destravar os investimentos do estado. Em 2017, o Executivo paranaense investiu R$ 3,66 bilhões, mais que o dobro do ano anterior. Apesar disso, a exemplo do restante das duas gestões à frente do Palácio Iguaçu, o tucano não atingiu o total de investimentos previsto no orçamento. Do total projetado para o ano passado, foi cumprido cerca de 90%.

Após prometer investimentos recordes ano após ano a partir dos valores estipulados na Lei Orçamentária Anual (LOA), Richa enfim aplicou o maior montante em obras e aquisição de equipamentos desde que assumiu o governo. Até então, somente em 2013 o tucano tinha conseguido bater a barreira dos R$ 2 bilhões, com R$ 2,24 bilhões. Já no ano passado, foram R$ 3,66 bilhões investidos, contra R$ 1,73 bilhão em 2016 – aumento em torno de 111%.

Segundo o governador, o desempenho foi possível graças ao ajuste fiscal. Entre outras medidas adotadas pelo Executivo desde o fim de 2014, estão o aumento de 50% na alíquota de ICMS sobre quase 100 mil itens de consumo popular e de 40% na alíquota do IPVA; o não pagamento de reposição salarial aos servidores nos últimos dois anos; e a taxação de 11% para os aposentados e pensionistas do estado que recebem acima do teto do INSS.

LEIA MAIS:Taxa sobre repasse de mensalidade sindical reabre guerra entre Richa e servidores

Em 2017, o estado ficou a cerca de R$ 400 milhões de atingir o que pretendia em investimentos. A diferença, de acordo com o secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, ocorreu “por conta de dificuldades burocráticas em alguns processos e licitações”.

Conforme texto publicado nesta quinta-feira (25) na Agência Estadual de Notícias, o Paraná contratou um total de R$ 6,78 bilhões em investimentos no ano passado. Na conta, porém, são somados dados de estatais como a Copel e Sanepar, que são empresas de economia mista e não compõem o orçamento fiscal do estado, além de terem investimentos em outras regiões do Brasil. O valor inclui também informações referentes aos poderes Legislativo e Judiciário, Ministério Público e Defensoria.

A projeção de recursos a serem investidos somente pelo governo em 2018 é de R$ 4,2 bilhões. Mauro Ricardo, no entanto, pondera que “incertezas políticas e o andamento da reforma previdenciária podem afetar o desempenho da economia do país”.

Maiores investimentos

Segundo reportagem publicada pela Agência Estadual de Notícias − a confirmação dos valores ainda depende da publicação dos balanços, que costuma ser feita no fim de março −, a maior parte dos investimentos feitos pelo governo estadual em 2017 foram aplicados em conservação de rodovias. Foi quase R$ 1 bilhão.

Entre as obras que receberam verba estão a duplicação da PR-415, também conhecida como rodovia João Leopoldo Jacomel, principal ligação entre Curitiba, Pinhais e Piraquara. Outro destaque, segundo o governo, foi a modernização da Estrada do Cerne (PR-090), entre a capital e Campo Magro.

Outros R$ 275,52 milhões foram investidos na área da saúde, com a construção do Hospital Regional do Centro-Oeste, em Guarapuava, e do setor de queimados do Hospital Universitário da Unioeste, em Cascavel. A educação recebeu R$ 114,78 milhões em investimentos, com destaque para o Programa Escola 1000.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE