Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

segurança pública

Câmeras que reconhecem rostos e veículos vigiarão Curitiba em seis meses

Projeto está orçado em R$ 35 milhões. Município deve lançar uma licitação internacional para escolher a empresa que fornecerá os dispositivos e os softwares de inteligência

  • Felippe Aníbal
Guilherme Rangel,secretário de Defesa Social da prefeitura de Curitiba. | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Guilherme Rangel,secretário de Defesa Social da prefeitura de Curitiba. Jonathan Campos/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Curitiba está prestes a ser cercada sem que um único tijolo precise ser assentado. É que não se trata de um muro de concreto à la Donald Trump, mas de um cerco invisível que será composto por centenas e centenas de câmeras inteligentes, capazes de fazer o reconhecimento de rostos e de veículos captados nas imagens – tudo em tempo real. Mais que isso: o sistema pode ser programado para emitir alertas específicos à viatura mais próxima – por exemplo, caso pessoas com mandado de prisão em aberto passem pelas lentes. Em uma segunda etapa, a “Muralha Digital” será encorpada com a integração a radares e a câmeras particulares, instaladas em condomínios, residências e comércios.

Elaborado pela Secretaria de Defesa Social (SDS) da prefeitura de Curitiba, o projeto está orçado em R$ 35 milhões. O município deve lançar uma licitação internacional para escolher a empresa que fornecerá os dispositivos e os softwares de inteligência. A previsão é de que a rede esteja operando dentro de um prazo máximo de seis meses.

“A polícia não é onipresente. Então, a gente vai usar a tecnologia a nosso favor. A ideia é otimizar recursos e, de cara, chegar a resultados muito melhores”, disse o secretário de Defesa, Guilherme Rangel. Autor do projeto, ele se inspirou no exemplo americano, observado em cursos e visitas técnicas que fez à Swat, ao FBI e ao Departamento de Polícia de Chicago. “Essa é a tendência, esse é o futuro”, resumiu.

Além do monitoramento

O tipo e a localização de cada equipamento serão definidos com base em estatísticas do “mapa do crime”. As câmeras que fazem o reconhecimento de placas, por exemplo, devem ser instaladas em ruas de grande circulação e nas vias de acesso à cidade, controlando as entradas e saídas da capital. Já os dispositivos de identificação facial devem ficar em áreas de grande circulação, como praças e terminais de ônibus.

O conceito do projeto vai bem além do simples monitoramento por meio das imagens – a velha imagem dos vários policiais em uma central, olhando fixamente para dezenas de telas. Os softwares que estão na mira da SDS fazem todo o trabalho de varredura praticamente sozinhos.

LEIA TAMBÉM: Tragédia em São Paulo expõe risco de elefantes de concreto em Curitiba

No caso da identificação de veículos, as câmeras serão equipadas com um sistema chamado LPR (License Plate Recognition, em inglês), que capta informações, como a placa, a cor e a marca do automóvel, e as cruza com um banco de dados preestabelecido – como uma lista de carros furtados ou com dívidas de multas. Caso um veículo nessas condições passe por uma das câmeras, o dispositivo emite um alerta imediato à equipe policial que estiver mais perto. Todo o movimento pode ser acompanhado em um mapa virtual.

“Se um carro for roubado, o policial pode jogar os dados automaticamente neste banco de dados. Se ele [o veículo] passar por uma dessas câmeras, será rastreado”, exemplificou Rangel. “Isso aumenta o tempo-resposta da ocorrência. A gente espera reduzir em 30% a incidência de furtos e roubos de veículos”, acrescentou.

O software de reconhecimento facial, por sua vez, localiza o rosto das pessoas na imagem e consegue fazer a identificação levando em contas pontos específicos, como a distância entre os olhos, o nariz e a boca. Tudo isso é convertido em vetores, traduzidos em algoritmos, que são comparados com os cadastros dos bancos de dados, como de institutos de identificação e de tribunais eleitorais.

Além de identificar pessoas e veículos a partir de listas preestabelecidas, ambos os softwares podem ser programados de acordo com parâmetros definidos pelos administradores, conforme a demanda. Podem, por exemplo, disparar alertas em caso de aglomerações ou caso algum veículo trafegue em uma velocidade anormal ou mesmo passe repetidas vezes por um mesmo ponto.

“Os radares convencionais só captam infrações. O sistema inteligente nos avisa de toda conduta anormal, ainda que sejam legais. Se passar um carro a 15 km/h em uma rua em que, normalmente, os carros andam a 40 km/h, o dispositivo vai nos avisar e vamos ficar de olho na movimentação deste veículo. É uma forma de se antecipar ao problema”, apontou o secretário.

Radares e câmeras particulares

A “Muralha Digital” deve contar com 820 “radares inteligentes”, que estão a ponto de serem licitados pela prefeitura de Curitiba. O projeto prevê que os equipamentos também contem com sistema de identificação de placas, acirrando o monitoramento digital das vias públicas. Paralelamente, a secretaria estuda a inclusão de drones ao projeto.

Em outra esfera, a SDS planeja integrar sistemas privados de segurança à rede de monitoramento pública. A intenção do município é aproveitar as chamadas câmeras particulares voltadas à área de passeio – à parte externa dos condomínios ou comércios. Para isso, os dispositivos privados precisarão atender a alguns requisitos mínimos, como contar com qualidade HD e ter sistema compatível. A SDS já preparou a minuta de um projeto de lei, regulamentando esta cooperação.

Sistemas de inteligência avançam no mundo

A integração de câmeras de segurança a sistemas de inteligência artificial já se concretiza como uma tendência internacional. Em Londres, na Inglaterra, por exemplo, são de dois milhões de câmeras integradas. Em outros países, como China, Estados Unidos e Israel, os dispositivos analíticos já fazem parte do dia a dia da segurança pública. Só o mercado de tecnologias de reconhecimento facial movimenta mais de US$ 3,3 bilhões (R$ 10,6 bilhões) ao ano. A expectativa é de que este volume dobre até 2022.

“As câmeras só fazem sentido se tiver algum tipo de inteligência integrada”, disse o , coronel José Vicente da Silva, ex-secretário Nacional de Segurança Pública. “Enquanto cada agente consegue monitorar no máximo dez câmeras convencionais, as câmeras inteligentes trabalham praticamente sozinhas e de forma muito mais eficiente”, destacou o especialista.

PODCAST:Denúncia contra Beto Richa muda quadro eleitoral no Paraná. Ouça

No Brasil, os softwares de reconhecimento facial são usados nos 12 principais aeroportos internacionais desde os Jogos Olímpicos de 2016. Em agosto do ano passado, o cruzamento de dados captados pelas câmeras com informações fornecidas pelas companhias aéreas contribuiu para a prisão de um passageiro que transportaria 11 quilos de haxixe.

Vicente da Silva, no entanto, destaca que os aeroportos têm um número restrito de circulação de pessoas. O ex-secretário Nacional de Segurança ainda tem dúvidas da eficácia do uso de câmeras de identificação facial em larga escala.

“Para que o reconhecimento seja satisfatório, é preciso ter um banco de dados robusto, com fotos tridimensionais. Essas fotos chinfrins de institutos de identificação não vão funcionar”, ponderou. “Vai levar entre 5 e 10 anos para o Brasil formar um banco de dados de qualidade”, acrescentou.

Ponte da Amizade vigiada

As câmeras com softwares de reconhecimento facial e de placas também serão usadas para monitorar a Ponte Internacional da Amizade, entre o Brasil e o Paraguai. Até o fim do ano, 130 dispositivos devem ser instalados ao longo do ponto de passagem entre Ciudad del Este e Foz do Iguaçu. O equipamento deve custar R$ 2,5 milhões, custeados pela Itaipu Binacional.

“A ponte da amizade sempre foi um desafio histórico. Passam por lá uma média de 80 mil pessoas por dia, o que impossibilita uma fiscalização manual. A tecnologia vai possibilitar uma abordagem mais seletiva e eficaz”, destacou o delegado da Polícia Federal (PF) Fabiano Bordignon.

O projeto contempla o treinamento de 100 agentes e o compartilhamento das informações entre as autoridades brasileiras e paraguaias. Segundo a PF, além de identificar placas e pessoas, a tecnologia vai possibilitar a detecção de aglomerações, de objetos suspeitos e de carros parados. Com isso, espera-se a ampliação do combate ao contrabando e ao tráfico de drogas e de armas.

“Até para [coibir] o tráfico de pessoas essa tecnologia vai ser interessante, porque nos permite um controle maior sobre a ponte. Não é um controle absoluto, mas vai melhorar bastante a nossa visão e a nossa ação”, destacou Bordignon.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE