Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Carne Fraca

Fiscais levaram hamburguer e picanha do Madero

Segundo investigações, fiscais agropecuários extorquiram a empresa e criaram dificuldades para operação de fábrica

  • Caroline Olinda
Madero: fiscais extorquiram  rede de restaurantes, indica investigação da PF. | Gerson Lima/Divulgação
Madero: fiscais extorquiram rede de restaurantes, indica investigação da PF. Gerson Lima/Divulgação
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Investigações da Polícia Federal mostram que a rede de restaurantes Madero foi pressionada a entrar no esquema fraudulento de pagamento de propinas instalados na Superintendência Agropecuária do Paraná e revelado pela Operação Carne fraca. Em depoimento à Polícia Federal, representantes do Madero relataram episódios de extorsão e dificuldades para liberação de licenças sanitárias para funcionamento. Fiscais federais agropecuários chegaram a levar picanha, hambúrgueres e filé mignon da fábrica da empresa.

A versão dos funcionários foi confirmada nas investigações da Polícia Federal. Segundo o delegado federal Maurício Moscardi Grillo, que lidera as investigações, a empresa sofreu uma “situação de extorsão clássica, clara, evidente”.

“Dois fiscais exigiam propina para poder não embaraçar o funcionamento da empresa mesmo não havendo, pelo menos em tese, um motivo para isso. Então, criaram circunstâncias, começaram pedindo alimentos, picanha – por mais vergonhoso que seja – a ponto de ficar muito caro para a própria empresa ceder a picanha. Você imagina a quantidade que acontecia”, disse o delegado durante coletiva na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Confira nota do presidente da rede Madero, Junior Durski, sobre o caso

As atividades da empresa, quando ainda tinha fábrica em Balsa Nova, chegaram a ser interrompidas por determinação de um dos fiscais envolvidos no esquema desmantelado pela PF na operação Carne Fraca. Segundo relatos, após sofrer pressão dos fiscais, a empresa acabou cedendo. Inicialmente, os servidores públicos se apropriavam de mercadorias do Madero: hambúrgueres e peças de carnes nobres eram levados por eles. O material era colocado no porta-malas do veículo dos próprios agentes.

PF encontrou carne com salmonela e papelão

Depois , segundo relato de funcionário do Madero à PF, os fiscais passaram a pedir dinheiro. “A empresa chegou a pagar algumas vezes e, no termo que fala com a Polícia Federal, ela diz claramente sobre isso, que ela se sentiu coagida. Ás vezes que ela se negou a pagar, eles tentaram embargar de alguma forma o funcionamento do frigorífico, na cidade de Ponta Grossa”, contou Grillo na coletiva.

Após a mudança da fábrica para Ponta Grossa, nos Campos Gerais, a empresa teria sido procurada duas vezes pela chefe do Sistema de Inspeção de Produtos de Origem Animal no Paraná(Sipoa/PR), Maria do Rocio Nascimento, uma das pessoas presas pela Polícia Federal na ação desta sexta-feira.

O caso do Madero está entre as situações relatadas no despacho do juiz Marcos Josegrei da Silva, da 14.ª Vara Federal de Curitiba, como fundamentais para a autorização da quebra do sigilo telefônico, fiscal e bancário dos envolvidos, que resultou na Operação Carne Fraca. O mega- esquema de liberação de certificação sanitária fraudulentas foi detectado em sete estados. As empresas JBS, BR foods e Seara estão entre as envolvidas.

Junior Durski afirma que se diz orgulhoso por empresa ter contribuído com investigações da PF

O empresário Junior Durski, presidente da rede Madero, se manifestou por meio de nota a respeito do caso envolvendo a empresa e o caso de extorsão por parte dos fiscais do Ministério da Agricultura. No texto, Durski se disse feliz por a empresa ter contribuído com as investigações da Polícia Federal.

Leia a nota na íntegra:

“Referente a citação do Restaurante MADERO na operação CARNE FRACA, venho, em meu nome e em nome do MADERO, dizer que me sinto imensamente orgulhoso e feliz por ter contribuído com a POLÍCIA FEDERAL, com a nossa disposição e com os nossos depoimentos explicitando as extorsões dos fiscais do Ministério da Agricultura em nossa empresa.

Isto é o nosso dever como cidadãos brasileiros, pois ajuda a passar o Brasil a limpo, tornando-o um lugar mais digno e decente para que as nossas crianças cresçam e se alimentem de produtos e conceitos bons. É no mínimo a nossa obrigação, seja como pais, empresários ou simplesmente como cidadãos brasileiros de bem.

Temos que ter muita disposição e coragem neste momento que o Brasil dá esta virada, denunciando e colaborando com a polícia e com a justiça, sempre que estes bandidos e corruptos batam às nossas portas. Só assim vamos tornar este maravilhoso país um lugar que nos orgulhemos, e que possamos trabalhar cada vez mais com muita força e determinação, fazendo as nossas empresas e o nosso país crescerem cada vez mais.”

Com informações de João Guilherme Frey

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

  1.  | Jonas Pereira/Agência Senado

    melhores e piores

    ‘Salvadores de Aécio’ despencam em ranking que avalia qualidade parlamentar

  2. FHC monta durante a campanha eleitoral de 1994: foto deixa claro que não era um jegue.  | José Varella/Estadão Conteúdo

    ELEIÇÕES

    Beijo na boca, comilança e outros ‘micos’ de políticos em campanha

  3. O ex-presidente Lula discursa ao lado do coordenador do MTST Guilherme Boulos. | Reprodução/Facebook

    LAVA JATO

    ‘Se provarem que o apartamento é meu, vou doar para o MTST’, diz Lula

PUBLICIDADE