Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

ponto britânico

Secretaria proíbe servidores de registrar jornada com horário fixo após alerta do MP

Funcionários da Casa Civil do governo do Paraná diziam entrar e sair do trabalho ao mesmíssimo horário todos os dias. Ministério Público via risco de fraude

  • José Lázaro Jr., do Livre.jor, especial para a Gazeta do Povo
Registro de frequência de um servidor da Casa Civil  do ano de  2015. |
Registro de frequência de um servidor da Casa Civil do ano de 2015.
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Até o início de 2017 a regra na Casa Civil do governo do Paraná era o funcionário marcar sua entrada no trabalho às 8 horas, com pausa para almoço das 12h às 13h, e saída às 17h. Ou começar às 9h e sair às 18h. Preenchidos à mão, com caneta esferográfica, esses registros de frequência totalmente uniformes, em que o comissionado supostamente entra todos os dias no trabalho na mesma hora cheia, sem variação nem de minutos, caiu no radar do Ministério Público (MP) do Paraná.

Especial para a Gazeta do Povo, o Livre.jor teve acesso ao inquérito do MP, com 418 páginas, centenas delas dedicadas a cópias oficiais desse registro precário de comparecimento ao trabalho, remontando ao ano de 2014. Esse registro de frequência uniforme é conhecido como “ponto britânico” e, desde 2005, graças à súmula 338 do Tribunal Superior do Trabalho, a Justiça invalida esse tipo de documento na iniciativa privada.

LEIA MAIS: Servidores estaduais não receberão reajuste até o final da gestão Richa

Na governo do Paraná precisou o Ministério Público reclamar para a Casa Civil largar o “ponto britânico” e prometer migrar o controle de frequência dos seus funcionários para um sistema eletrônico. Em dezembro de 2016, a promotora Cláudia Cristina Madalozo expediu a recomendação administrativa 2/2016, que dava 30 dias para a Casa Civil abandonar o registro padronizado.

Fim do “britânico”

Sem resposta, no início de 2017 o governo do Paraná foi novamente advertido, resultando na mudança de postura em fevereiro deste ano. Foi quando a Casa Civil publicou a resolução 88/2017. “Fica expressamente proibida a apresentação de registro de frequência com horários padronizados, o chamado ‘registro de ponto britânico’”, determina o documento, assinado por Valdir Rossoni (PSDB), chefe do órgão.

Provavelmente para fazer frente à suspeita de fraude nos documentos, levantada pelo MP, a resolução da Casa Civil diz que os servidores do órgão que faz a coordenação política do governo Beto Richa deverão preencher o ponto diariamente, “informando com exatidão” seus horários de entrada e saída. Na recomendação, o MP-PR ameaçava enquadrar o “ponto britânico” como ato de improbidade administrativa.

LEIA MAIS: Gestão Richa busca o quinto (e talvez o último) empréstimo internacional

Para a promotora, “a impontualidade e inassiduidade de agentes públicos podem enquadrar-se em quaisquer das três modalidades de atos de improbidade administrativa: que importam enriquecimento ilícito, que causam prejuízo ao erário e que atentam contra os princípios da administração pública”.

Suspeita de fraude

Claudia Madalozo atesta que o MP recebe “seguidas representações tratando de suposta não prestação de serviços pelos comissionados da Casa Civil, que têm sua apuração [de ilícito] prejudicada pela inefetividade do sistema de registro de frequência”. Para ela, o “ponto britânico”, em vigor no órgão público até fevereiro deste ano, poderia ser enquadrado no tipo penal de falsidade ideológica, pois dava margem à “inserção de informações falsas em documentos públicos”.

À reportagem, a Casa Civil disse que não viu problemas em acatar a recomendação do MP – que adverte o órgão público, mas não é uma imposição – e que demorou em proibir o ponto britânico “por ser final de ano, por haver recesso, o RH optou por efetivar a mudança em fevereiro”. O inquérito traz exemplos de pontos posteriores à mudança, com variações significativas de minutos de um dia para outro – diferente do antes oficializado pelo “ponto britânico”.

Em resposta a perguntas da reportagem, pela Lei de Acesso à Informação, a Casa Civil coloca a “culpa” pelo ponto britânico nos funcionários. “Cada servidor, assumindo a responsabilidade pela veracidade das informações ali preenchidas, anotava o horário”, diz a resposta, “sendo que ao final de cada mês, o documento era encaminhado ao Recursos Humanos”.

Ponto eletrônico

Mas a Casa Civil não parou na proibição do “ponto britânico” e disse ao Ministério Público, no início do ano, que migraria o registro de frequência de todos seus servidores, “comissionados e efetivos”, para um sistema eletrônico. Em junho, enviou ao MP exemplos desse novo controle dos funcionários, dizendo que havia iniciado os testes. Até agora, decorridos nove meses do ano, o sistema não entrou em vigor.

“A previsão é que até o final de novembro [o ponto eletrônico] esteja em funcionamento para todos os servidores da Casa Civil”, afirmou ao Livre.jor, em contato mediado pela assessoria de imprensa. “A autenticação no [novo] sistema é feita através de login e senha individuais no computador de uso do funcionário. O sistema já é utilizado pela Seab [Secretaria do Abastecimento] e está sendo adaptado para a Casa Civil pela Celepar”, completa.

Perguntada explicitamente se o controle eletrônico valeria para os comissionados da pasta na capital e no interior, a secretaria de Rossoni foi evasiva. “O objetivo é implantar o sistema para todos os servidores da Casa Civil, comissionados e efetivos. Atualmente, as coordenadorias regionais entregam relatórios mensais das atividades conforme resolução da Casa Civil. É provável que o ponto desses funcionários tenha que sofrer alguma adaptação”, disse.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE