Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

story
Enkontra.com
PUBLICIDADE

Lava Jato

Assim como a Odebrecht, Joesley descreve partidos como organizações criminosas

Em entrevista à Época, o empresário Joesley Batista disse que há várias organizações criminosas nas estruturas partidárias

 | EVARISTO SA/AFP
EVARISTO SA/AFP
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A entrevista do empresário Joesley Batista, um dos executivos da JBS que firmaram acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR), à revista Época traz uma descrição dos partidos políticos que é bastante semelhante ao que foi dito por executivos da Odebrecht, também em delação. Eles esconderiam diversas organizações criminosas, com estruturas diferentes.

A passagem da entrevista que mais chamou a atenção descrevia o presidente Michel Temer como o chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil. Talvez seja a que dê maior medo ao empresário por causa da participação de figuras como Lucio Funaro e Eduardo Cunha, mas não é a única descrita por Batista. Na verdade, ele fala na proliferação de organizações criminosas dentro dos partidos políticos. O grupo que seria de Temer e Cunha é só um deles.

A estrutura descrita por batista é a mesma que vem sendo apresentada em cada nova fase da Operação Lava Jato: um chefe, um operador, um tesoureiro. “São organizações criminosas. Existem para ganhar dinheiro cometendo crimes”, disse Batista na entrevista. “Em cada estado – não todos – se criou um núcleo, nas estatais se criaram núcleos, nos fundos de pensão das estatais se criaram núcleos, nos ministérios em Brasília se criaram núcleos.”

A outra grande delação da Lava Jato, assinada por ex-executivos da Odebrecht e que veio à tona em abril, descreve uma estrutura semelhante nos grandes partidos. Cada um tem sua característica.

No PT, o sistema seria centralizado, com a negociação passando por Antonio Palocci no início e, depois, por Guido Mantega. Ambos ocuparam ministérios sob Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. As negociações seriam comandadas por Lula ou Dilma, mas os valores e pagamentos seriam acertados somente com os membros de primeiro escalão do governo. Esse modelo é confirmado por Joesley Batista, que diz ter tido pouco contado com Lula e apenas uma conversa sobre dinheiro com Dilma (em 2014, quando foi pedido dinheiro para a campanha em Minas Gerais). Segundo Batista, esse modelo surgiu no governo Lula.

No PMDB, há uma divisão entre Câmara e Senado. Temer estaria ligado ao grupo da Câmara (casa que ele comandou) e participaria de negociações de dinheiro – um dos delatores da Odebrecht, Márcio Faria, disse que Temer teria participado de uma reunião em que ficou acertada uma propina de US$ 40 milhões.

Outro delator, Cláudio Melo Filho, disse que os principais responsáveis por negociar o dinheiro na Câmara eram o ex-deputado Eduardo Cunha e o atual ministro da Casa Civil Eliseu Padilha (RS). No Senado, o principal nome seria o do senador Romero Jucá.

No PSDB, havia ainda mais fragmentação, segundo os delatores da Odebrecht. Cada cacique teria negociado seus próprios repasses. Batista descreve sua relação com o senador afastado Aécio Neves, que foi gravado pelo empresário pedindo R$ 2 milhões. Segundo ele, a empresa “precificou” que ia precisar do apoio de Aécio caso ele vencesse a eleição em 2014 e, por isso, negociou o pagamento de R$ 50 milhões para cada turno.

Esse sistema se espalhou por outros partidos, muitos deles envolvidos em uma espécie de leilão para a venda de apoio na eleição de 2014. Uma passagem narrada por Batista chama a atenção: o PR estaria negociando com Aécio um apoio por R$ 35 milhões, mas preferiu fechar com Dilma por R$ 40 milhões. A JBS teria pago a conta.

Algo semelhante foi narrado nas delações da Odebrecht. Teriam sido pagos R$ 24 milhões em “vantagens indevidas”, a PROS, PRB, PCdoB e PDT, supostamente para que apoiassem a petista em 2014. Outros R$ 19,7 milhões teriam sido gastos pela empreiteira para “organizar” o PSD, partido criado e liderado em 2011 pelo atual ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações Gilberto Kassab, que deixou o Democratas (DEM) para fundar a nova legenda.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE