Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Na mira do governo

INSS cancela 80% dos benefícios por incapacidade de quem passou por nova perícia

Governo está revisando 530 mil auxílios-doença e um milhão de aposentadorias por invalidez. Até agora, 180, 2 mil benefícios já foram cancelados, o que representa uma economia de R$ 2,6 bilhões

  • Fernanda Trisotto
 | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Albari Rosa/Gazeta do Povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Um pente-fino nos benefícios por incapacidade para o trabalho concedidos pelo INSS já cancelou 80% daqueles que passaram por perícia médica de revisão. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), até 14 de julho foram realizadas 199.981 perícias, que resultaram no cancelamento de 159.964 benefícios, como auxílio-doença e aposentadoria por invalidez. Outros 20.304 benefícios foram cancelados porque os convocados não compareceram à perícia. A economia anual estimada até agora é de R$ 2,6 bilhões.

De outro lado, os outros 40 mil que passaram pela perícia tiveram mudanças nos benefícios concedidos. Segundo o MDS, 31.863 foram convertidos em aposentadoria por invalidez, 1.802 em auxílio-acidente, 1.058 em aposentadoria por invalidez com acréscimo de 25% no valor do benefício e 5.294 pessoas foram encaminhadas para a reabilitação profissional.

Em tempos de aperto nas contas públicas – e de expectativa de descumprimento da meta fiscal do ano – qualquer economia é bem-vinda no governo federal. E há chance de essa economia aumentar. Ao todo, o governo vai rever 530.191 benefícios de auxílio-doença e 1.004.886 aposentadorias por invalidez. No começo de agosto, o INSS publicou no Diário Oficial da União uma convocação para 55.152 beneficiários que não foram localizados em seus endereços e que precisam agendar uma perícia sob pena de perder o benefício. Outras 435 mil cartas já foram enviadas.

Mistério

O mistério é como o governo “perdeu” o controle dessa fiscalização – a situação das contas públicas indica em parte a razão de se fazer esse pente-fino só agora. Questionado sobre como é feito o controle desses benefícios concedidos e se houve alguma revisão do processo após essa operação detalhada, o MDS respondeu apenas que “uma norma determina que os benefícios de auxílio-doença devem ser revisados de 6 em 6 meses e aposentados por invalidez, de 2 em 2 anos”.

O MDS também foi questionado sobre os critérios para manter ou cortar um benefício. “O critério é a capacidade ou não para o trabalho”, diz a resposta enviada por e-mail. Com um pente-fino tão “eficaz” na hora de cortar os benefícios, é de se imaginar que haja reclamações e pedidos de revisão. A reportagem da Gazeta do Povo questionou se há registros de reclamação após os cortes e quantas pessoas já pediram uma nova revisão. Essas questões não foram respondidas pelo ministério.

Entenda o que são esses benefícios

A aposentadoria por invalidez é um benefício concedido ao trabalhador que, permanentemente, será incapaz de exercer qualquer atividade de trabalho e também não possa ser reabilitado em outra profissão. A avaliação é feita pelos peritos do INSS e o benefício é pago enquanto persistir a incapacidade – ou seja, como é reavaliado a cada dois anos, pode ser suspenso. A aposentadoria por invalidez com acréscimo de 25% é concedida quando o aposentado precisa de assistência permanente de outra pessoa – em caso de morte, esse valor não é incorporado à pensão deixada para os dependentes.

Para obter esse tipo de aposentador, inicialmente o cidadão precisa requerer um auxílio-doença – esses benefícios possuem os mesmos requisitos. A diferença é que, neste caso, a incapacidade para o trabalho é temporária e a revisão do benefício é feita a cada seis meses.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

  1. Ao lado da secretária da Educação, Ana Ceres, Richa assina acordo judicial para quitar débito de quase 30 anos com professores. | Ricardo Almeida / ANPr

    acordo judicial

    Governo cede e vai pagar R$ 550 milhões a professores por ação judicial de 28 anos

  2.  | Pixabay/Creative Commons

    vem pra rua

    Tchau, queridos: eleição de 2018 terá ‘Serasa’ de políticos em quem não votar

  3.  | Ricardo Stuckert

    Parecer jurídico

    9 cenários em que, mesmo condenado, Lula pode concorrer a presidente

PUBLICIDADE